Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 5.354.314 Visitas Únicas Hoje: 1.416
Usuários Online: 369
Sistema de Busca
Documento sem título

Qual a aparição de Nossa Senhora mais importante na História?

Medjugorje

Fátima














Newsletter Espacojames
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Artigos
Artigos sobre diversos temas, todos relacionados a igreja e o nossa vida cristã.




Salvar em PDF






Visto: 1424 - Impresso: 71 - Enviado: 20 - Salvo em Word: 38
Postado em: 05/07/09 às 11:42:20 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=1&id=1893
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos

15.06.2008 - Por Mark Mallett - USA

Por quê? Por que a Igreja Católica seria contra o amor?

Esta é a pergunta que muitas pessoas fazem, quando vêem a proibição da Igreja contra o casamento gay. Duas pessoas desejam se casar porque se amam. Por que não?

A Igreja tem respondido claramente, usando a razão da lei natural, as Sagradas Escrituras e a Tradição em dois breves documentos: Considerações a respeito do Reconhecimento Legal das Uniões entre Pessoas Homossexuais e Carta aos Bispos da Igreja Católica sobre a Pastoral das Pessoas Homossexuais.

A Igreja tem respondido com clareza e firmeza, assim como ela afirma que o adultério é moralmente errado, tanto quanto coabitar antes do casamento, roubar ou bisbilhotar.

MÃE E MESTRA

Nós podemos apenas compreender a missão da Igreja como "mãe e mestra", no contexto da missão cristã: Ele veio para nos salvar dos nossos pecados. Jesus veio para nos libertar da dependência e da escravidão que destroem a dignidade e o potencial de cada ser humano feito à imagem de Deus.

De fato, Jesus ama cada homem e mulher gay do planeta. Ele ama cada adúltero, fornicador, ladrão e bisbilhoteiro. Mas para toda pessoa, Ele proclama: "Arrependei-vos, pois o reino do céu está próximo" (Mat 4:17).

"Arrependei-vos" das ações erradas, para receberdes "o reino dos céus". Dois lados da Moeda da Verdade.

À adúltera, Jesus impediu que fosse apedrejada e eles deixaram suas pedras, saindo dali. Jesus disse: "Ninguém te condenou, nem Eu te condeno". Ou seja.

"Deus não enviou Seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por meio d´Ele." (Jo 3:17).

Jesus anuncia a era da misericórdia. Mas misericódia também busca libertar, também fala a verdade. Assim, Cristo disse a ela: "Vai e não peques mais".

"... todo aquele que não crê já está condenado".

Ele nos ama e, portanto, Ele deseja nos libertar e nos curar da ilusão e dos efeitos do pecado.

Assim, quando a Igreja proclama os limites da lei e das fronteiras para a atividade humana, ela não está restringindo nossa liberdade. Antes, ela está continuando a nos dar as grades de proteção e sinais que nos dirigem em segurança à verdadeira liberdade.

"A liberdade não é a habilidade para fazer tudo o que desejamos, o que queremos fazer. Antes, a liberdade é a habilidade para viver responsavelmente a verdade do nosso relacionamento com Deus e com o próximo " - papa João Paulo II - 1999.

É por causa do amor da Igreja para a pessoa que se esforça com sua orientação sexual que ela fala claramente sobre o perigo moral de seguir ações contrárias à lei moral natural. Ela chama a pessoa a entrar na vida de Cristo, que é "a verdade que nos liberta". Ela aponta o Caminho dado a nós pelo próprio Cristo, que é obediência aos desígnios de Deus - uma estrada estreita que conduz à beatitude da vida eterna. E como uma mãe, ela avisa que "o salário do pecado é a morte", mas não esquece de destacar com alegria a carta das Escrituras:

"... mas o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor" (Rom 6:23)

A VERDADE NO AMOR

E assim, devemos ser claros, falando a verdade no amor: a Igreja não está apenas dizendo que a palavra "casamento" pode pertencer somente aos casais heterossexuais; ela está dizendo que a união de qualquer tipo, entre pessoas homossexuais, é  "objetivamente desordenada". Por esta razão,

"O reconhecimento legal das uniões homossexuais obscureceriam certos valores básicos da moral e causam uma desvalorização da instituição do matrimônio" - Considerações a respeito do Reconhecimento Legal das Uniões entre Pessoas Homossexuais; 6.

Não é um mandamento frio, mas um eco das palavras de Cristo: "Arrependei-vos, pois o reino dos céus está próximo". A Igreja reconhece o esforço, mas não dilui o remédio:

"...homens e mulheres com tendências homossexuais "devem ser aceitos com respeito, compaixão e sensibilidade". Todo sinal de discriminação injusta a este respeito deve ser evitado. "Eles são chamados, como outros cristãos, a viver a virtude da castidade. A inclinação homossexual é, portanto, "objetivamente desordenada" e as práticas homossexuais são "pecados graves contrários à castidade" - Ibid. 4.

Assim o adultério, a fornicação, o roubo, a bisbilhotice são pecados graves. E Cristo deseja nos libertar de tudo isso - seja a pessoa homossexual ou heterossexual.

Published in: DAILY JOURNAL, A DURA VERDADE - June 14th, 2008
(tradução de Marisa Bueloni ><>)


Fonte: Portal Anjo


www.paideamor.com.br











Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 05/07/09 às 11:42:20 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES