Espacojames


Página Inicial
Listar Artigos




Artigo N.º 4278 - Processo de Jesus - 2 Parte - ( Processo Civil )
Artigo visto 2332 vezes




Visto: 2332
Postado em: 11/02/10 às 12:34:31 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=1&id=4278
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos

Jesus na presença de Pilatos

Aos tempos de Archelao, tendo a Judéa perdido a sua independencia, tornou-se Provincia Romana.

 

 

Administrada por um Governador, era, este, o arbitrio supremo a quem eram deferidas todas as causas capitaes. Na occasião do Processo de Christo, o Governador da Judéa era Poncio Pilatos.

 

Descendente de uma nobre familia romana, soube em tempo insinuar-se no animo de Tiberio, de quem desposára uma parenta, Claudia Procula, e no anno 26 de nossa era obteve o governo da Judéa, em substituição a Valerio Grato. Habitualmente residia em Cesarea, capital official e praça forte situada á beira mar.

Em momentos de grande affluencia popular á capital da Judéa, se transferia á Jerusalém, como medida preventiva contra possiveis desordens.

Ao Synhedrio, desde que os judeus perderam a sua autonomia, era vedado condemnar á morte a quem quer que fosse, tornando-se, este, um direito exclusive do representante de roma. (1)

Eis a razão pela qual o Synhedrio, na manhã de sexta-feira, se empenhava com tanto interesse para que a sentença de morte, pronunciada por elle, contra Jesus, fosse confirmada pelo Governador Poncio Pilatos.

Este, quando residia em Jerusalem, morava no Pretorio, contiguo á Torre Antonia, ao noroeste do Templo. Para p Pretorio, pois, foi levado Jesus, pelo Synhedrio e pelo povo.

Podiam ser seis horas da manhã. O marulho popular a uma hora tão matutina, e em frente do seu palacio, não deixára de causar uma sensação desagradavel a Poncio Pilatos. Adivinhou logo, porém, de que se tratava quando viu levado á sua presença o proprio Jesus.


  

Notas de rodapé  * Para voltar ao texto, clique no tópico correspondente.  

(1) Era lhe consentido pronunciar uma sentença de morte. Para que, porém, tivesse valor, tornava se necessario fosse confirmada pelo representante de Roma.



O Interrogatorio

Os membros do Synhedrio e o povo ficaram de fóra. O accesso ao Pretorio, á casa da residencia de um extrangeiro, e extrangeiro oppressor, teria sido para elles uma acção abominavel, e especialmente nesse dia. Por isso só entraram os soldados.

Pilatos foi ao terraço, e de lá, dirigindo-se ao povo:

_ Que fez este homem? - perguntou. _ Qual foi o seu crime?
Esta pergunta, assim ex abrupto, concisa e sem preambulos, que transformava, de repente, os membros do Synhedrio, de Juizes como pretendiam ser, em accusadores, irritou o povo que, com mal contida arrogancia, vociferou:

_ Si elle não fosse um malfeitor, não o teriamos levado á tua presença!
Semelhante resposta parecia pôr em termos claros a questão. Os judeus queriam impôr, a Pilatos, o papel de carrasco, reservando para elles o de juizes. Pilatos, porém, não pensava deste modo, e subtrahindo-se habilmente, á cilada judaica:

_ Si é assim, - exclamou, _ visto que o julgastes, condemnae-o tambem, de accordo com a vossa lei.

_ Mas não nos é consentido condemnar á morte ninguem - observou a turba.

Era uma confissão publica e bem humilhante que ao astuto Governador custára apenas uma ironia. O desfecho não era tão facil como a princípio parecia aos judéus, e a causa parecia tomar um caminho tortuoso e incerto. Que fazer? Não havia outro meio sinão assumir o papel de accusadores, e por isso gritaram:

_ Encontramol-o amotinando o povo, aconselhando-o a não pagar o tributo a Cesar, e declarando-se Christo-Rei.

Era evidentemente uma calumnia. Mas assim assacavam a Jesus dois crimes: um religioso para os judeus, por significar a palavra Christo, Filho de Deus; outro politico para o representante de Roma, por se ter proclamado Rei.

A esta accusação Pilatos pareceu impressionar-se, e levando Jesus aos seus aposentos particulares, perguntou:

_ Então tu és o Rei dos judeus? - E Jesus:
_ Isso dizes de ti mesmo, ou t'o disseram de mim?
Como si dissesse: Entrou realmente no teu espirito alguma suspeita que eu ambicione a realeza, ou estás apenas repetindo a accusação dos meus inimigos? No primeiro caso, tu que ha bastante tempo és governador da Judéa, estás, melhor do que qualquer outro, em condição de saber si algum dia pensei em introduzir qualquer novidade politica que pudesse alterar a ordem do Estado.

No segundo caso, compete a ti, como juiz, em dar o devido apreço a uma accusação, que não tem outro motivo sinão o odio dos chefes da Synagoga contra mim. (1)

Pilatos, porém, não sabia o que esperavam os judeus, confiados nos seus Prophetas.

_ Porventura sou eu judeu? - tornou elle. _ Tua gente e os Pontifices a mim te entregaram, que fizeste?

_ O meu reino não é deste mundo, - continuou Jesus; _ Si o fôra, pelejariam os meus para que eu não fosse entregue aos judeus, mas não é daqui o meu reino.

_ Assim, tu és Rei? - acudiu Pilatos.
_ Tu dizes que sou Rei, - respondeu Jesus _ para isso nasci e vim ao mundo para dar testemunho da verdade; todo o que é da verdade ouve a minha voz.

_ Que cousa é a verdade? - perguntou Pilatos.
Mas não esperou pela resposta. Convencido de que tinha que fazer com um sonhador ou um sabio, e não com um criminoso, dirigiu-se ao terraço e de lá falou:

_ Trouxeste-me este homem como agitador popular, como perturbador da ordem, mas, examinado por mim, nada encontrei que fundamentasse as vossas accusações. Não acho, nelle, crime nenhum.

_ Como póde ser assim? - acudiu a turba. _ Pois si não ha recanto da Judéa e da Galiléa que não tenha sublevado com a sua doutrina!!

O nome da Galiléa, pronunciado, aqui, não sabemos si intencionalmente ou não, calou no espírito de Pilatos. Era precisamente a Galiléa a terra onde o amor á independencia e á liberdade se mostrava sempre mais accentuad; era de lá que apparecia a scentelha da revolta que, num instante, se transformava em labareda caudal, propagando-se, incendiando toda a Palestina, e sublevando as massas contra o insupportavel e odiado jugo romano. Perguntára, pois, Pilatos, si Christo era galiléu, e obtendo resposta affirmativa, pensou logo em tirar proveito desta circumstancia.

A Galiléa, diz Le Camus, "offerecia lhe um dessesexpedientes de que si utilizam sempre os homens politicos. Entrevia logo a possibilidade de enviar o accusado do Forum aprehensionis ao Forum originis, ou de domicílio". E este expediente offerecia-lhe uma dupla vantagem: desembaraçar-se de um processo complicado e importuno e reconciliar-se, por este acto de deferencia, com o Tetrarcha da Galiléa, que, por motivos provavelmente de jurisdicção, mantinha, com Pilatos, relações um tanto frias. Este Tetrarcha era aquelle mesmo Herodes que mandára assassinar, na propria prisão, a João Baptista.


 
(*) Notas de Rodapé na base * Para voltar ao texto, clique no tópico abaixo
(1) Mons. A. Martini - Vang. di G. Cr. Sec. S. Giovanni, XVIII, 34.

 


 

Herodes

Governador da Galiléa desde a morte de seu pae (1), fixava, ordinariamente, sua residencia, ora em Tiberiade, ora em Serapides, nas proximidades do Thabor.

Nesses dias, porém, se achava em Jerusalém para assistir ás festas de Paschoa, e occupava o Palacio ao norte do Monte Sião, parte da cidadella de David. A historia nol-o apresenta como homem sensual, supersticioso, covarde e cruel.

Do Pretorio, foi, pois, Jesus levado a Palacio de Herodes. Para este, a surpresa foi duplamente agradavel. Era, como dissemos, da parte do Governador da Judéa um acto de deferencia, si não de justiça, para cm o Tetrarcha, reconhecendo, neste, o direito exclusivo de julgar, no caso vertente, o seu jurisdiccionado.

Neste ponto, a sua vaidade ficara satisfeita. Mas havia outro motivo de satisfacção. Ouvira falar das obras extraordinarias de Christo e esperava, já que a sorte o protegia, satisfazer a sua curiosidade, obrigando Jesus a praticar, em sua presença, algum prodigio, passando assim, em companhia dos seus intimos, um quarto de hora divertido.
Enganava-se, porém. Ás perguntas que lhe dirigia, Jesus não se dignou responder uma unica palavra. Irritado Herodes, e querendo, de certa maneira, vingar-se da decepção soffrida, deliberou tratal-o como louco, ordenando que lhe puzessem aos hombros um manto branco, symbolo de suprema dignidade em uso entre os Monarchas Hebreuse os Magnatas de Roma. Assim trajado, teria servido de alvo ás zombarias e remoques da garotada insolente.

 
Entretanto, si o incestuoso ascalonita tivesse tido, naquelle momento, a intuição clara do futuro, teria previsto que esse Rei de burla, exposto, nesses dias, nas praças publicas de Jerisalém, aos apupos da patuleia, dahi a não muito, e no correr dos seculos vindouros, havia de se tornar, na verdade, o monarcha incontestado de milhões de corações, de todas as raças e de todos os paizes, de todas as castas e de todas as hierarchias, desde o jornaleiro mais humilde, até ao Soberano mais poderoso, desde a intelligencia mais acanhada, até ao mais rutilo genio! Teria visto que, só ao pronunciar o seu nome adoravel, milhões de joelhos haviam de se dobrar reverentes, e as cabeças mais altivas de imperadores e Reis haviam de se inclinar em signal de respeito e veneração!

Mas Herodes, naturalmente, nada previu, e reenviou Jesus, assim trajado, ao Governador Pilatos.




Notas de rodapé *Para voltar ao texto, clique no tópico abaixo.
(1) Este Herodes Antipas era filho de Herodes Ascalonita e avô daquelle Herodes Agrippa que condemnou á morte a Thiago Apostolo, irmão de João. O qual Herodes Agrippa foi pae de Herodes Agrippa Junior a quem se apresentou São Paulo para se defender das accusações dos seus inimigos.

Herodes Antipas, aquelle de que se trata agora e perante o qual compareceu Jesus, fôra, por testamento de seu pae, designado a Tetrarcha da Galiléa e Perea. Adulador por calculo, denominou a cidade de Betharamphta, Julia , em memoria de Julia, mulher de Augusto, e edificou, nas margens do Genezareth, uma cidade a que deu o nome de Tiberiades, por bajulação a Tiberio.
Em Roma se apaixonou pela mulher de seu irmão Herodes Philippe, com a qual se casou clandestinamente. Esta ligação incestuosa provocou os raios do verbo inflammado de João Baptista, que mandou degolar durante um festim.

Accusado de ter, juntamente com Artaban, Rei dos Parthas, conspirado contra Roma, foi exilado, segundo uns, para Lion, na Gallia, segundo outros para a Hespanha, numa pequena cidade ás faldas dos Pirineus, onde teve um fim miserando e tragico. - Vide Weltzer e Welte, 1. c. pag. 374, e Le Camus: Vita di N. S. Jesú Cristo, prima vers. ital. sulla quarta ediz. franc. Vol II, pg. 562.


 

 

A CONDEMNAÇÃO (Jesus de volta a Pilatos)

Muito expressivo era o reenvio de Jesus. Significava claramente que, no entender de Herodes, Jesus era innocente. Convicção que coincidia perfeitamente com a de Pilatos. Christo podia ser um visionario, um allucinado, nunca, porém, um revolucionario, um turbulento, de quem devessem temer as instituições publicas.

Convencido desta verdade, e no intuito de salvar Jesus, depois de terem, de novo, levado Christo á sua presença:

_ Vêde - exclamou, dirigindo-se do terraço aos membros do Synhedrio e ao povo. _ este homem é por vós accusado de revolucionario, perturbador da ordem, entretanto Herodes e eu, depois de o ter examinado, nada descobrimos que mereça a morte. Portanto, sujeital-o-ei a uma punição e pol-o-ei em liberdade. (1) Ha, além disso, o costume de livrar todos os annos, no dia de Paschoa, um criminoso. Temos um, denominado Barabbas, preso por crime de morte. A quem quereis, pois, que eu dê a liberdade, a Barabbas ou ao Rei dos judeus?


_ A Barabbas, a Barabbas - uivou a turba, acirrada pelos Principes dos Sacerdotes e pelos anciãos do povo. (2) - Tolle hunc, morra Jesus, et dimitte nobis Barabbam, e solta Barabbas. (3)
_ Mas que quereis que eu faça do Rei dos Judeus?
_ Seja crucificado!
_ Mas que mal tem feito elle?
_ Seja crucificado! - trovejou a turba allucinada (4)

Era evidente que o medo começava a apoderar-se do espirito de Pilatos. Os inimigos de Jesus iam ganhando terreno, e os Principes dos Sacerdotes, colleando entre o povo, açulavam-n'o para que reclamasse com insistencia, a morte de Jesus. (5) Luta terrivel travava-se na sua consciencia. Possuia provas indiscutiveis sobre a innocencia de Christo. Sabia perfeitamente que a guerra movida contra Elle não tinha outro motivo senão a inveja, o ciume, o odio. Condemnar, portanto, um tal homem a morte, teria sido uma clamorosa injustiça. Cansado de lutar, ordenou que lhe trouxessem agua, e lavando as mãos em presença do povo:


_ Eu sou innocente- exclamou - do sangue deste justo, ficará por vossa conta.
_ O seu sangue foi-lhe respondido - cáia sobre nós e sobre nossos filhos!

Pilatos tentou um ultimo esforço. Mandou flagellar Jesus e depois, esperando mover a compaixão do povo, lh'o apresentou, do terraço, dizendo:
_ Eis aqui o homem!
Falhara, porém, o effeito. A turba em vez de compaixão, redobrou de furor e gritou:

Crucifige, Crucifige! Á cruz! Á cruz!
_ Pois então crufificae-o vós, - retrucou exasperado Pilatos, _ porque, repito, não encontro, nelle, culpa alguma para condemnação: eu não acho neste homem crime algum. (6).
E os judeus:

_ Nós temos nossa lei, e pela nossa lei deve morrer, porque se fez a si proprio Filho de Deus.
Pilatos tornou-se mais pensativo.
Filho de Deus? Certamente, é um homem extraordinario! E si fosse um protegido dos Numes? A sua morte seria, sem duvida, vingada. Os coriscos de Jupiter, o dardo envenenado de Marte, as fléchas esfusiantes de Phebo, não faltariam contra o audaz que se atrevesse a ferir de morte a um amigo dos Deuses.

O governador romano era supersticioso; era, pois, possivel que semelhantes pensamentos lhe agitassem o espirito. Emfim, reentrou no Pretorio com Jesus, a quem pergunrou:
_ De onde és tu?

Jesus não respondeu.

_ Não me respondes? Porventura ignoras que tenho o poder de pôr-te em liberdade ou mandar-te cruficar?

_ Não terias esse poder - ponderou Jesus - si não te fosse dado do alto. Quem, porém, me entregou a ti, commetteu peccado maior.
Realmente, Pilatos estava envolvido neste processo mais pela pressão dos judeus do que por sua vontade. Seu desejo, estava visto, era salvar Jesus. Os judeus perceberam o perigo e lançaram mão de um ultimo expediente.

_ Si o puzeres em liberdade - gritaram - accusar-te-emos de inimigo de Cesar. Não póde ser amigo de Cesar, quem defende um indivíduo que pretende ser Rei dos Judeus.

Esta ameaça cahira como um raio sobre a relutancia de Pilatos. A questão já estava mudada: do terreno religioso passára para o terreno politico, transformando de repente, a face do processo.

De facto, não se tratava mais de um visionario que queria ser Deus, crime com que nada tinha a vêr com o Direito Romano, mas sim de um homem que pretendia ser Rei de um Paiz e de um Povo, havia annos, sujeito ás aguias romanas.

Uma tal pretensão constituia o crime de lesa-magestade, contra o qual se mostrava sempre inexorável a lei do paiz, especialmente imperando Tiberio, cioso em extremo da sua autoridade. Era o perduellio, delicto contra a segurança do Estado ou contra a ordem publica, reprimido severamente desde os tempos de Tulio Hostilio (7), contemplado nas XII Taboas que, segundo Justiniano, condemnavam o réu á morte (8), e na Lei Julia que, segundo o mesmo Justiniano, alcançava sempre quem de tal delicto se tornasse culpado. (9)

A accusação, pois, era gravíssima, e o delicto que assacavam a Christo era o maior de todos os delictos, omnium accusationum complementum, diz Tacito. Accresce que, justamente nesses dias, Tiberio acabava de dar um exemplo de rigor, condemnando, por tal crime, Antistio Vetere, de Macedonia. (10)

É de notar, além disso, que na época em que se desenrolavam os acontecimentos que estamos narrando, reinavam o despotismo mais deprimente e o servilismo mais vergonhoso. Honra, dignidade, fortuna, desgraças, perseguições, tudo dependia da vontade de um só, o Imperador de Roma. Sabia-o perfeitamente Pilatos. Elle mesmo devia o governo da Judéa á protecção de Tiberio, como Antipa, Agrippa I, Agrippa II, o deviam, respectivamente, a Augusto, Caligula e Claudio. Os que, pela sua posição social, podiam manter-se altivos e independentes, rastejavam vilmente como vermes da terra. O servilismo casara-se com a bajulação, e esta se alastrara de uma maneira tal, que alcançara os caracteres mais rijos, as individualidades mais em destaque do paiz.

O Senado Romano, que, em tempos não muito remotos, era cercado de uma magestade na verdade imponente, o Senado, que outr'ora, apoiado na sua suprema autoridade, com mão firme e segura regia, soberanamente, os destinos da nação, estava , agora, reduzido a um miserável rebanho de carneiros e de bajuladores abjectos.

Svetonio conta-nos, a este respeito, baixezas taes, que envergonhariam um escravo. Houve senadores que, por méra adulação, correram a pé, diversos kilometros, atraz do coche do Imperador Calígula, querendo dar a entender que não lhes teria sido possível viver longe da sua presença. Outros, jantando com elle, levantavam-se, de repente, da mesa, para, de avental posto, terem a dita de servir-lhe de copeiros; ao passo que outros ainda consideravam como uma honra, uma felicidade invejavel, poderem comer deitados aos seus pés. E o Augusto, Optimo , Maximo, o Immortal, o Divo Imperador, sabia recompensar, não raro, tão nojenta abjecção, com as mais cortantes affrontas. Quando lhe dava na vontade, mandava expulsar do Circo, na hora do espetaculo, e a vergastas, os personagens mais conspicuos do patriciado romano (11).

E a bajulação não circulava sómente pelas altas, mas, e com maior razão, percorria também as médias e infimas camadas sociaes. Interessante é o que, a proposito nos diz, numa das suas satyras, Juvenal: Era o rico fulano um tysico transparente que mal se regia em pé? Aos olhos de seu bajulador era um Hercules. Accendia, o poderoso, a chaminé ao esfusiar dos primeiros ventos d'inverno? O seu bajulador era o primeiro a concordar e affirmar que a estação era extremanente rigorosa e corria á casa para envergar a capa forrada de lã. Acenava, o rico, ao calor? O seu alter ego á suava em bagas. Este até achava uma certa graça no modo de arrotar daquelle, e não raro solicitava a honra de tirar auspicios, do que o válido deixava no fundo do vaso nocturno. (12) Bastaria esta satyra para definir o carater moral de uma época. Qualquer acção, pois, por mais torpe que fosse, era licita, comtanto que della resultasse um beneficio pessoal.

Pilatos era, portanto, o homem do seu tempo: egoísta, adulador, covarde e, na occorrencia, cruel.
Perante a ameaça formal feita pelos judeus, extremeceu e recuou de medo. Ja outras queixas tinham sido levadas, contra elle, perante Cesar. Mas uma accusação como esta, teria sido mais que sufficiente para, na melhor das hypotheses, condemnal-o a aquae et ignis interdictio, isto é, abrir-lhe as portas do desterro. E nem por sombra teria cooperado para este fim.

 

Era, pois, preciso satisfazer, acariciar a féra, o povo; era preciso adulal-o, e, sobretudo, era preciso conservar-se, custasse o que custasse, no Governo da Judéa. Afinal, que lhe importava a vida de Christo? Que fosse sacrificado, visto que o exigia a sua tranquilidade. O dever tinha que ceder ao interesse, a justiça havia de immolar-se em holocausto das suas conveniencias pessoaes. Tornava-se, Jesus, um obstaculo que lhe atravessava o caminho? Desembaraçar-se-ia delle! Condemnando Jesus á morte, adulava Tiberio, agradava ao povo, conservava o Poder e assegurava o futuro. Condemne-se, pois!
Pilatos, tomara, definitivamenbte, a sua resolução, e desde esse momento, Christo, estava perdido.

Segundo a praxe, a sentença havia de ser ouvida pelo proprio accusado. Por isso Pilatos mandou vir á sua presença Jesus, que se conservara no Pretorio. Outrosim, a lei exigia que a sentença fosse dada em publico, e em logar elevado. Era este o Lithostrotos. Pilatos subio ao throno e mostrou Jesus ao povo, dizendo:


_ Eis o vosso Rei.
_ Á cruz, á cruz! - trovejou a multidão.
_ Condemnarei o vosso Rei?
_ Nós não temos outro Rei a não ser Cesar.

A victoria estava ganha; o povo deicida tinha triumphado! Pilatos lavrou o decreto fatal; Ibis ad crucem! (13) e entregou, immediatamente, Jesus aos seus encarniçados inimigos.

Duas horas mais tarde, sobre o cimo cruento do Golgotha, pendia, de um madeiro infame, o corpo livido do filho de Maria! No momento, porém, em que o Grande Justo estava para exhalar o ultimo alento, no instante em que a morte estava para lançar seus braços á Víctima Divina, a natureza inteira pareceu, de repente, tomada de indescriptível pavor! O sol escondeu sua face de luz (14), um subito terremoto causou um abalo espantoso (15), fenderam-se as rochas, rasgou-se de alto a baixo o véu do Sancta Sanctorum, e uma immensa desgraça, como uma capa de chumbo, pareceu, por momentos, cobrir a vasta superficie da terra!

Do alto do Calvario, feito êrmo pela fuga dos homens e mergulhado em trevas profundas, ouviu-se um grito de suprema angustia. Era o grito do Suppliciado, e era o ultimo: Jesus tinha expirado!...




Notas de rodapé *Para voltar ao texto, clique no tópico correspondente
(1) Lucas, XXIII, 16
(2) Math. XVII, 20.
(3) Math. XXVII, 21 - Luc. XXIII,18 - Joan XVIII,40.
(4) Math. XXVII, 23 - Marc. XV, 13 - Luc. XXIII, 21.
(5) e (6) Marc. XV, 11 e Luc. XXIII4
(7) Tito Livio - Hist. Rom. I, 26.
(8) Digest. L. XL VIII, Tit. IV, n. 3: "Lex XII Tabularum jubet eum qui hostem concitaverit, quive civem hosti tradiderit, capite puniri"
(9) "Lex autem Julia... praecipit eum qui majestatem publicam laeserit, teneri". Digest. ib.
(10) C. Tacito - L. III, 38.
(11) Svetonio - Vida de Caligula.
(12) Juvenal - Sat. III.

(13) Ha uma antiquissima tradição segundo a qual a sentença condemnatoria pronunciada por Pilatos, teria sido concebida nestes termos: "Jesum Nazarenum, seductorem gentis, contemptorem Caesaris et falsum Messiam, ut majorum suae gentis testimonio probatum est, ducite ad communis suplicii locum et cum ludibriis regiae magestatis in medio duorum latronum cruci affigite. I, lictor, expedi cruces!" Vide - No paiz de Christo - do Padre Gonçalo Alves, v, pg. 94, nota. Esta sentença é tirada de Adrochomio. É evidente que o probatum est é uma supposição arbitraria de Pilatos, fundamentada sobre informações falsas.

Pois Christo foi accusado de crimes cuja prova nunca foi exhibida. Vide tambem Cornelio a Lapide, Comm. in Matheum, XXVII, 26. Pilatos, num dos seus habituaes relatorios expedidos a Tiberio, confessa que condemnou a Christo por pressão aos judeus, e que na sua opinião pessoal Christo era um ser divino. Pois extraordinarias eram as cousas que operava elle mesmo quando vivo, ou os seus discipulos, depois de sua morte, em seu nome. E que por isso era considerado Deus. Em virtude destas informações, Tiberio apresentou ao Senado romano a proposta de ter Christo numerado, entre os Deuses. (Corn. a Lapide, Math, XXVII, 26). Mas o Senado não achando de peso os factos attribuidos a Jesus, e a opinião que delle na Palestina se formára, recusou-se a pôl-o no numero dos Deuses. "Tibesrius, diz Tertuliano, detulit ad senatum cum praerogativa suffragii sui. Senatus, quia non ipse probaverat, respuit". Vide Tertul. Apologeticum, v. 5.

(14) Foi um eclipse total, scientificamente inexplicavel, visto ser o 15 de Nisan, dia de plenilunio, isto é, visto estar a lua em opposição ao sol. Phenomeno não menos certo, porém, porque além de ser attestado pelos Evangelistas, o foi por outros contemporaneos ou quasi, como Dionysio, Phlegon e outros.
Dionysio presenciou o eclipse em Heliopolis, cidade do Egypto, e narra que, pasmo á vista de um tal espectaculo, exclamou: Ou está padecendo Deus auctor da natureza, ou está esfacelando a machina do orbe: Aut Deus naturae auctor patitur, aut mundi machina dissolvitur.

Phlegon, celebre escriptor, liberto do Imperador Adriano, decLara que no anno 4º da 202ª Olympiada, houve um grande eclipse solar, sendo, repentinamente, o dia surprehendido pela noite, de maneira que se viam as estrellas brilharem no céo. O phenomeno foi attestado tambem pelo historico Tallus embora o achasse inexplicavel, devido á posição da lua.

(15) Faz allusão a este terremoto Svetonio (Vida de Tiberio) e, parece, Plinio, Plutarcho e Dion. Cassio. Vide Le Camus de quem nos servimos, em parte, pela nota precedente. E Phlegon, por sua vez, declara que devido a um tal tremor de terra em Nicea, na Bithynia, desabaram muitas casas.




www.paginaoriente.com



LEIA TAMBÉM
Processo de Jesus - 1 Parte ( Processo Religioso )
Não pecar contra a castidade
Música na Igreja
Purificação de Nossa Senhora
Revelações de Deus Pai à Santa Catarina de Sena - No BAtismo - Parte 3
Revelações de Deus Pai à Santa Catarina de Sena - No Juízo Particular - Parte 2
Revelações de Deus Pai à Santa Catarina de Sena - Sofrimento - Parte 1
Livro sobre Jesus Cristo - Parte 3
A Eucaristia



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.315.942
Visitas Únicas Hoje: 2.321
Usuários Online: 496