Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 5.030.420 Visitas Únicas Hoje: 954
Usuários Online: 271
Sistema de Busca
Documento sem título

Qual a aparição de Nossa Senhora mais importante na História?

Medjugorje

Fátima














Newsletter Espacojames
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Catecismo









Visto: 2643 - Impresso: 118 - Enviado: 20 - Salvo em Word: 42
Postado em: 27/12/08 às 17:24:44 por: James
Categoria: Catecismo
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=17&id=807
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Catecismo

Generalidades

Poderia alguém perguntar-se: Que significa a afirmação de recebermos na crisma o Espírito Santo? Já não o conhecemos no batismo? - A afirmação de uma coisa não é a negação da outra. O que é dado no batismo recebe uma confirmação na crisma. Este é o "retoque final pentecostal" do batismo. Originalmente, e hoje ainda no Oriente, dava-se a crisma imediatamente depois do batismo. Assim como Jesus foi ungido pelo Espírito Santo, logo depois de sua saída do Jordão (= batismo); e assim com Ele, logo depois de sua emersão de morte, comunicou o Espírito Santo aos Apóstolos, soprando sobre eles, assim se celebra, depois do batismo que é mais purificador de modo particular, a alegria e a força do Espírito Santo, pela recepção da crisma. Que o batismo e a crisma constituam uma só realidade total, fica claro pelo seguinte: Desde o tempo em que, no ocidente, o batismo é administrado separadamente da crisma, indica-se, ao fim do rito batismal, a recepção do Espírito Santo, por meio de cerimônia semelhante: A unção com crisma. Ainda não é a crisma propriamente dita, mas assemelha-se a ela.

Não se veja este sacramento da crisma qual mágica isolada e  independente, que disponha do Espírito Santo. A confirmação, da mesma  forma que o batismo, não pode ser considerada em sua fisionomia exata e em sua dimensões verdadeiras a  não ser em conexão com toda a vida humana do cristão. A mera cerimônia quase não tem   sentido, se não for acompanhada de  uma formação e educação cristãs, que a ela correspondam. Podemos repetir aqui o que já dissemos em relação ao batismo: É lícito perguntar-se  se  as  crianças que são batizadas e crismadas, simplesmente  porque  é um costume reinante, mas ulteriormente não se criam de  modo conscientemente cristão, podem ser chamadas, com direito, "cristãs" e  "membros da Igreja".

Outra observação importante é esta:  A concepção exata da crisma pede que este sacramento seja visto em  conexão com aqueles  dons do Espírito Santo, que se relacionam com a madureza cristã: Sair de si mesmo e testemunhar.  "Tudo o que quereis que os homens  vos façam, fazei-os vós a  eles" (Mt 7, 12).   "Quando fordes presos, não vos preocupeis nem pela maneira  com que haveis de falar, nem pelo que haveis de  dizer. Pois, não sereis vós que falareis, mas será o Espírito de vosso Pai que falará em vós" (Mt 19, 19-20). A crisma dá a cada cristão missão de testemunho e  de  serviço da palavra. Torna-o adulto responsável, cada um no próprio  ambiente. 

O fato de  a  crisma ser administrada exclusivamente pelo bispo (salvo em perigo de morte, caso em que também o pároco ou o capelão do hospital podem crismar), tem seu sentido bem profundo:  O bispo é portador do Espírito, encarregado por Deus, e o ministro oficial dos sacramentos.

É ele  que é o ministro do sacramento do Espírito, consumação do batismo.  Mas sendo ele um só para milhares de  fiéis na Diocese, ocorre a  seguinte conseqüência:  O bispo aparece na paróquia apenas uma vez por ano, ou talvez nem isso. A crisma  administra-se , então, "em massa"e  quase não se  leva em consideração a  idade dos crismandos. Pelo que, perde, inevitavelmente, muito de  seu  relevo. Deve ser isto motivo a  mais para os pais, os professores e  professoras, os padres, de cercar a  crisma de explicação sólida e  apurada  diligência litúrgica.

Este sacramento, como o batismo, recebe-se  uma vez na vida. Se alguém não se lembra muito de sua confirmação (ou julgue que, no momento de o receber, tinha pouca noção do que estava fazendo ou recebendo), pode ter a consciência de que se trata de  um dom que continua a  desdobrar-se. Uma vez recebido, vai crescendo,  através da vivência no Espírito de Deus.

 A liturgia da confirmação ou crisma

Impor a alguém as mãos, em nome de Deus, quer dizer: Colocá-lo na esfera de deus. É com esse  gesto que os Apóstolos comunicaram aos cristãos o Espírito de Deus. "Pedro e  João impuseram-lhes as mãos e  eles  receberam o Espírito Santo" (At 8, 17).  Ainda hoje é  aplicado esse mesmo sinal aos  cristãos que crescem para a idade adulta. Em nossa língua, possuímos, para designá-lo, dois nomes: "Crisma"provém da  matéria empregada  para este sacramento e  acentua mais o efeito dessa  matéria: A agilidade  e a  fortaleza do  lutador.  A palavra "confirmação" significa:  Corroboração, consolidação. Indica, perfeitamente, o próprio fruto do sacramento:  confirmar e consolidar o que já  se  começou no batismo.

De mãos  estendidas, diz o celebrante  sobre os crismandos:  

"Ó Deus  eterno e todo-poderoso, regenerastes vossos  servos pela  água e  pelo Espírito Santo. perdoastes-lhes todos os pecados. Enviai-lhes do alto do céu o vosso  Espírito Santo, o Consolador, com seus sete dons. Amém.

O Espírito da  sabedoria e inteligência. Amém.

O Espírito de conselho e  fortaleza. Amém.

O Espírito de  ciência e piedade. Amém.

Enchei-vos do Espírito de  temor por Vós, e selai-vos propício com o sinal da cruz de  Cristo, para a  vida eterna. Amém".

Um por um, aproximam-se os crismandos e  ficam de pé diante do celebrante. Este  lhes impõe as mãos e lhes unge a fronte com crisma. O crisma, que simboliza o suave odor do Espírito que tudo compenetra, faz deles membros consumados e "sacerdócio real, nação santa, o próprio povo de Deus" (1 Pdr 2,9).

Em seguida, o celebrante bate, levemente, na face do crismando: Costume medieval, que pode designar o desprezo e a  perseguição que devem ser suportados por amor de Cristo. O gesto é acompanhado das palavras do celebrante: "A paz esteja contigo!"

O momento mais  apropriado para conferir-se  a  crisma é a celebração eucarística, a saber, depois do Evangelho. Termina-se a cerimônia da  crisma  pela recitação do "Credo", que pode  ser cantado em conjunto, e pela recepção da Eucaristia.  Conjunto sumamente significativo, porque, desde os primeiros tempos da Igreja, o batismo, a confirmação e a  Eucaristia constituem a  iniciação completa do cristão.



Texto extraído do site www.paginasoriente.com











Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 27/12/08 às 17:24:44 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM






Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES