Espacojames


Página Inicial
Listar Livro Aberto




Artigo N.º 2061 - Livro - Parte 03 - O demônio nos caminhos dos filhos de Deus
Artigo visto 2696 vezes




Visto: 2696
Postado em: 02/08/09 às 22:28:52 por: James
Categoria: Livro Aberto
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=180&id=2061
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Livro Aberto

Espacojames: Este livro narra a história de uma Mulher que vê com olho humano toda ação do demônio na terra, e o que eles fazem para atrapalhar nossa vida, a versão completa está disponível no menu DOWNLOAD, é obrigatório a todos os cristãos tomarem conhecimento disso.

Continuação...

ALMAS SE MANIFESTAM?

  
     É claro que as almas dos falecidos não se manifestam no corpo de alguém a bel prazer. É tão somente satanás e seus demônios que se manifestam nas pessoas, mas para isso têm que pedir a Deus. Então o maldito usa de todos os artifícios para enganar, fala sobre coisas da vida dos falecidos quando ainda em vida. Ele sabe muitas coisas da vida dos que já morreram e muitas vezes engana os filhos de luz que não estiverem atentos. Por vezes, o sentimento que ele mais gosta de provocar é o sentimento de culpa dos familiares, pelo estado de alma de algum falecido.
 
     E mais: satanás pode até pedir orações pelas almas. Este é um de seus milhares de disfarces. Podemos ser enganados muitas e muitas vezes, porque ele é pródigo em dizer coisas aparentemente verdadeiras, e sugerir coisas agradáveis, mas tudo para enganar. Ele pode fazer coisas inimagináveis para nos passar o mel e depois ofertar o fel, o veneno. Sua idéia inicial é sempre boa – senão as pessoas não cairiam facilmente – mas o seu fim é sempre maligno. Ele é super inteligente e sozinho, sem Deus, nenhum homem pode vencê-lo jamais. Só Deus tem absoluto poder sobre todos os espíritos infernais.
 
     Não nos é lícito evocar os mortos. Quando o Bom Deus permite que alguma alma seja apresentada a alguém, em sonho ou visão, é apenas porque esta alma precisa de oração, para ela ou alguma outra, que está necessitando. Ela se encontra no purgatório e Deus, na sua infinita bondade, permite que ela venha pedir sufrágio. E quando isto acontece, não é porque desejamos ou queiramos, simplesmente acontece de repente, porque assim Deus o quer. E assim, tanto com parentes, como amigos falecidos e até estranhos.
 
     Milhares de pessoas, nos seus cantinhos de oração, recebem esta graça da visão das almas, pois afinal, o profeta Joel fez esta previsão. Nós fazemos parte da Igreja Militante e podemos auxiliar com nossas orações e sacrifícios aqueles que fazem parte da Igreja Padecente. Este é o amor e a misericórdia de Deus, pois nos dá, ainda aqui na terra, os meios para gozarmos, após a morte, da visão beatífica. Só precisamos decidir por isso aqui, e fazer bom uso destes meios aqui. É aqui que decidimos nosso futuro eterno!

 
O GRITO DAS ALMAS 

  
   Certa vez eles me conduziram a um cômodo escuro! Levaram-me carregada, porque pelas minhas próprias pernas era impossível até de fugir. Eu não tinha força alguma! Vejam que, inocentemente então, até aquele momento eu própria imaginava que aquela era a única forma de eu me livrar daquela atordoante dor no braço e por isso, embora tomada de pleno pavor, me submetia a esta tortura. Ali, me sentaram numa cadeira, onde ficavam os tais médiuns de incorporação. Deus meu, nem todas as dores juntas, que eu já senti em toda a minha vida, foram tão fortes e tão intensas como as que senti naquele lugar. Tudo me doía intensamente, não só o corpo inteiro, mas até a minha alma, que era como que esmagada, triturada, pelo peso daquelas tribulações.
 
    Sabem, a minha dor maior era ver as pessoas transitando pelo “corredor de passes”. Elas tinham as suas almas completamente atribuladas. Negras! Eu podia ver, pela graça de Deus, o interior de cada uma delas e de todas ao mesmo tempo. Muitas das pobres almas que por ali passavam, soltavam gemidos atribulados, gritos torturantes, de pura angustia e de dor. Eu lhes queria falar, mas me era impossibilitado. Só tinha que ver sem poder reagir. A voz travada na garganta, e tendo que ver e ver, e ver e ouvir aqueles gemidos das pobres almas – não da boca física entenderam? – mas uma dor espiritual inexplicável, torturante e inexprimível, pois não há como medir. Mas, sim, ouvia! Ah! Como aquilo causa pavor!
    
    Estando ali, minha própria alma era esmagada pelo peso das tribulações das outras, que eu via desfilar na minha frente. A angustia interior delas era tamanha, que se notava a nítida falta de Deus e o vazio que isto provoca. Suas almas eram negras e manchadas pelos seus inúmeros pecados. Naquele estado interior lastimável, as almas soltavam brados e gemidos, por vezes gritos, tamanha a tribulação, a angustia, a dor que sentiam. Esta terrível situação, era às vezes confirmada por famílias inteiras que ali estavam em busca de cura e de conforto. Ingenuamente, elas não percebiam que ali, justamente ali, estava a fábrica diabólica, de todas as opressões, tristezas e loucuras do mundo: Satanás!
 
    Ninguém pode imaginar o que eu senti. Esta mesma coisa acontece – ó almas – em todos os terreiros de macumba deste mundo – maldito mundo – que se entrega ao inferno sem saber. Muitas vezes o interior das pessoas que por lá andam, é tão atribulado e torturado, que é impossível entender como elas vão buscar ainda mais tribulação naqueles ambientes. Como pode uma pessoa que já está desequilibrada emocionalmente encontrar equilíbrio em tais antros? Como elas podem achar ali a cura – que quando acontece é apenas disfarçada, mascarada, porque satanás tem sempre um objetivo maior em mente mais adiante – as almas –, e se naqueles antros está posta justamente a própria fonte de todas as doenças, tristezas, dores e angústias do mundo?


 
NOVAS SESSÕES 


  
    Continuando: Quando terminavam aquelas sessões malditas e o povo já se retirava de lá, aqueles médiuns todos – depois de já estarem “livres” de seus demônios – vinham e  aproximavam-se de mim. Compreendam, estas pobres pessoas apenas sentem os efeitos dos demônios, mas na verdade não percebem o bicho asqueroso que nelas entra. Na verdade, se a gente disser, nem acreditam! Lembro que, enquanto havia pessoas no recinto, eles me deixavam sempre isolada. Tratavam-me de uma forma especial e diferente dos demais. Eu era especial para eles por algum motivo, mas sinto que os próprios médiuns não entendiam bem do que se tratava, mas os seus demônios sim! Sinto também que, não fosse a graça de Deus, eu seria trucidada por aqueles espíritos maus, pois eles sabiam ou desconfiavam que as minhas visões seriam usadas depois, como de fato agora acontece, passados tantos anos. Eu própria jamais pude imaginar que isso aconteceria. Só agora estou sabendo o motivo, porque o próprio Jesus me pediu para escrever tudo.
 
     Deste modo, eles convenciam cada vez mais a minha mãe, que ela deveria levar-me lá mais e mais vezes, porque eu precisava “desenvolver”, pois eu lutava contra as entidades que queriam manifestar-se em mim e por isso a cura não se completava. Diziam que eu precisava “educar a minha mediunidade”. De fato, eles queriam que eu permanecesse ali para sempre, que aceitasse a “cura” de satanás, que poderia até acontecer, mas com toda a certeza ainda hoje eu estaria lá presa nas garras dele. E minha pobre mãe, iludida por eles, acreditava – quem sabe até me achando alguma coisa especial – e forçava a minha ida àqueles antros terríveis. Na verdade só de pensar em ter que voltar para lá, eu já entrava em pânico e não conseguia mais falar. Quando, às vezes, me sobrava um fio de voz, eu gritava: não, não e não! Deus não quer isso para mim. Pasmem, eles chegavam a até a procurar convencer-me de que, sim, Deus queria isso, e que era para o “meu bem”. É de estarrecer tamanha desfaçatez! E quantos caem nessa maldição?
 
    Quando enfim – depois de tanto eu insistir – lhes ficava claro que eu tinha visto aquela ação demoníaca, e que eu vira com os meus olhos a quem eles invocavam, ao invés de ficarem desesperados e fugirem dali para nunca mais voltar, aqueles infelizes joguetes do diabo ainda se admiravam. Achavam uma “graça” extraordinária este poder de Deus – nisso eles acertavam porque só por Deus isso acontece – e por isso me admiravam. Veja se pode! Eles mal sabiam que eu sentia dores terríveis por todo o corpo e que, depois de passada uma sessão daquelas, era como se eu tivesse levado uma enorme surra. Desde a ponta dos pés, até os fios do alto da minha cabeça, todo o corpo me doía terrivelmente.
 
    Na verdade, como já disse, minha dor maior era na alma, no espírito, justamente por ver o estado interior lastimável de todos aqueles que se dedicam a tais abominações, tanto os que estão lá dentro, quanto os que lá vão, em busca de “cura”. Eu sentia também uma espécie de vazio interior, de imensa perda. Era terrível! Então, muitas vezes, eles assustados diziam que era impossível a alguém ver e sentir todas aquelas coisas. Muitos deles eram pessoas educadas, e até mesmo um deles era o Diretor da Faculdade onde eu estudava engenharia. Ele era até o “cabeça”, o chefe de uma destas “mesas”. Infeliz dele, que pensa que é inteligente mexendo com estas coisas! Ele tem sua alma a perigo! Pobre alma miserável! Pobre alma podre, que se imagina bem! Ah! Se ele soubesse! Misericórdia para ele, Senhor!
 
    Alguns achavam meu caso extraordinário e, apesar de alguns demonstrarem um certo medo, simplesmente concluíam que não podiam me perder, até como objeto de estudo. Aquelas infelizes criaturas pensavam que eu – com minha “mediunidade” acentuada – poderia até “operar milagres” para os engrandecer. Quem sabe para lucrarem comigo, assim como acontecia com aquele caso que está na Bíblia, do espírito que adivinhava. Senti que era isso! Infelizes! Mal sabem eles que apenas Deus tem poder para realizar milagres. Que só Deus sabe o futuro! Infelizes deles! Estando completamente com satanás, imaginam que fazem uma obra de Deus! Como se deixam enganar assim?
 
    Entretanto, mal sabiam também que o verdadeiro e grande milagre de Deus estava sim diante dos olhos deles. O milagre de Deus me mostrar aquilo tudo, para poder depois falar às pessoas a verdade. E mais infelizes são, porque tenho a certeza de que não acreditaram nas minhas explicações, nem atenderam meus pedidos, e por isso continuam ainda naquele caminho de morte eterna. Satanás os cega completamente e lhes obstrui de todo as mentes. Eles pensam que são inteligentes e poderosos, que lidam com coisas grandiosas, estupendas, fabulosas, mas na verdade são simples joguetes do inferno. São é dignos de pena! Só a Misericórdia de Deus os poderá salvar, pois assim, por si mesmos, caminham com certeza para a ruína eterna de suas almas.
 
    Infelizes, mil vezes infelizes, porque desconhecem que só o Bom Deus é Quem cura as almas com a Sua Graça e de graça. Mas é preciso que as almas dêem consentimento para isso. Que queiram ser curadas por Ele, e não pelo seu adversário. Deus permite que certas curas do corpo aconteçam naqueles centros imundos, apenas porque esta é a vontade das pessoas que para lá vão. Elas são livres, tanto para crer em Deus, quanto para amar ao diabo. Mas quem vai ao diabo, rejeita a graça e a misericórdia de Deus! Rejeita decididamente o Grande Milagre da cura perfeita e definitiva do corpo e da alma. Só em Deus isso é possível!
 
   É por isso que eu clamo dia e noite e agradeço ao Bom Deus por me haver amparado em tão sofrida luta. Obrigado também à minha Mãe Santíssima, a são Miguel Arcanjo e a meu Anjo da Guarda, que sempre ampararam a minha alma naquele tormento. Obrigado, sempre, ó Meu bom Deus, porque só me conduzistes a tais lugares para uma missão só tua e maior. Obrigado ainda mais, por não haveres permitido que eu permanecesse naqueles antros até hoje, atolada na lama da morte de minha alma. Obrigado, também agora, quando me pedes que escreva estas páginas, para alertar as almas incautas sobre os riscos que correm.


 
AS OFERENDAS


  
     Como viram, estar naqueles lugares era para mim uma verdadeira tortura. Se eu voltei de lá salva, só o Bom Deus sabe o porquê, e se voltei para lá tantas vezes é somente porque ele queria me mostra tudo aquilo de perto, como realmente é, e para que todos pudessem ter uma idéia de como satanás consegue enganar os filhos da luz. Aqui um tipo de “trabalho”, lá outro, o importante para ele é agradar a todas as classes sócias, pois ele não quer ninguém fora de suas pocilgas fedorentas e infernais e da sua “cura”.
 
     Em alguns destes lugares existe uma salinha destinada as “oferendas” para as tais entidades. E é possível ver ali cachaça, fumo, carteiras de cigarros. Há cigarros espalhados pelo chão, simbolizando os vícios, isso sem falar no ar, que cheira a uma nauseabunda pestilência. Junto com isso, o maldito manda colocar imagens de santos da Igreja Católica, como São Jorge e São Cipriano, tudo para enganar e dar um ar de “santidade” a tudo aquilo. Sim, até quadros de Jesus eles põem nas paredes.
 
     Também nas casas de pessoas ele consegue fazer isto, conseguindo que as famílias tenham em seus lares salinhas especiais, com tais imagens, junto com outras de preto véio, exu e outras desgraceiras, para quem acendem velas e fazem oferendas, como pingar cachaça na boca das imagens, em nome do sincretismo. Tudo para ludibriar os filhos de Deus, especialmente os “católicos”. Mesmo as casas que possuem isso, se tornam em verdadeiras pocilgas do inferno, atraindo todo tido de maldição, doença e desgraças.
 
     Nalguns lugares existem salinhas separadas onde ficam os tais médiuns à espera das “entidades doutores”, para darem início aos passes. Isto é, nos lugares mais “chiques”. Mas mesmo ali, tudo é terrível, pois antes de as tais entidades se manifestarem, antes da incorporação, uma força terrível travava a minha fala, e, em nenhuma das sessões e em nenhum dos lugares onde fui, me era possível dizer uma só palavra. Aquela força maligna me asfixiava – sei que por permissão de Deus – e minhas pernas ficavam imobilizadas, tal que, sozinha, não conseguia dar sequer um passo, pois não conseguia firmá-las. E assim, imobilizada e sem fala, permanecia até o fim de todas as sessões, até que todos os presentes, com exceção de alguns médiuns, se haviam retirado do recinto. 

 
 
NÃO CONSEGUIA REZAR


  
     Pensam vocês também que eu conseguia rezar? Até meu pensamento em oração era “travado” por satanás, que me sufocava. Pensam vocês, pobres almas que nestes antros se metem, que conseguem rezar ali uma Ave Maria? Experimentem! Muitas vezes, num supremo esforço, eu começava a rezar o “Credo”, uma das orações mais poderosas contra o inferno. Era uma luta titânica para fazer minha profissão de fé. Creio em Deus... Pai... E era um terror para chegar a dizer: Creio em Jesus Cristo... Só mesmo com supremo esforço para terminar de rezar esta oração, tamanha era a pressão com que o inferno me sufocava a garganta. Enfim, naqueles antros, dificilmente se fala a palavra Jesus Cristo. Mesmo que a pessoa queira pensar, o tentador não deixa! Pode-se dizer que, em síntese, todos os que estão dentro daquela pocilga pertencem ao demônio, de corpo e de alma.
 
    Acreditem, ó almas, não é por mérito meu que vi todas aquelas coisas. Eu jamais iria pedir ou querer uma coisa terrível assim, nem a desejo jamais para alguém! Foi apenas pela graça de Deus, em meio a um imenso sofrimento, que me foi dado observar o que lá dentro ocorre. Para poder esclarecer a todos os que querem entender sobre o que de fato se passa naquelas antecâmaras do inferno. O Bom Deus permitiu isso, não para que guardasse comigo estas revelações, mas para um bem maior, não só meu, mas das almas de muitos filhos Dele, que cegamente são conduzidos por satanás para aqueles antros maléficos: Os terreiros de macumba! Os Centros Espíritas!
 
     E se me foi dada a graça de ver aqueles espíritos infernais e de ouvir as gargalhadas de satanás, quando as almas caem nas suas garras, não foi sem um motivo maior. Deus sabe para que isso servirá. Saiba que você, ó alma, quanto mais fundo entrar nestes abismos, mais alegria você dará a satanás. Saiba também que, embora ele gargalhe “alegremente” diante de você, no fundo esconde uma pavorosa infelicidade interior! As suas gargalhadas infernais, na verdade, escondem um abismo de terror que o invade inteiro.
 
    Ó almas, se vocês escutassem aquelas cavernosas “risadas”, sem a graça de Deus, certamente que todas morreriam de simples pavor e assombro. E eu pude sentir que, se por fora satanás ria, por dentro range de ódio, ódio espumante e de tristeza mortal. E é exatamente, somente deste ódio e desta tristeza mortais, de que ele está impregnado, que ele passa para muitas almas e contamina a todas as pessoas que se aventuram nestes abismos dos terreiros e centros espíritas. Tristemente, também, eu via na face dos que lá trabalham, não a sua fisionomia normal, mas um semblante completamente deformado. Todos tinham o mesmo aspecto horripilante. Quando pegavam no meu braço para tirar-me do meio do povo era terrível para mim, pois além de me ver sendo conduzida por demônios era como estar no meio deles, o que me provocava um verdadeiro tormento.
 
     Algumas vezes se aproximavam de mim e imploravam que eu deixasse aquela entidade incorporar em mim, que aquilo era uma coisa boa, e que era preciso eu me deixar educar a mediunidade senão seria pior. Mal sabiam eles que na verdade eu estava era lutando contra todos aqueles demônios que eles invocavam. Eu queria gritar, mas quando saia algum som de minha boca era apenas um grito alucinado de terror. Eles até achavam que eu estava possessa – pois me retorcia de corpo inteiro, exatamente como todos aqueles outros pobres coitados que estavam ali possuídos – mas eu estava era vendo, sim, com os meus olhos de carne. Saibam que tudo ali não passa de verdadeiras antecâmaras do inferno.
 
     Certamente que tudo aquilo que o Bom Deus me permitiu ver ali, já o fez a outros e quem sabe até com maior intensidade, porque sinto que tudo é ainda pior que aquilo que lá vi. Deus sabe o quanto sou fraca e certamente me mostrou apenas aquilo que eu seria capaz de suportar. Outras pessoas que tais coisas viram certamente silenciaram como eu o fiz até hoje, quando Jesus me pediu para escrever todas as minhas experiências, porque tudo aquilo está perfeitamente gravado em minha memória e penso que o guardarei na mente até o fim de minha vida. Tudo o que vi e vivi naqueles lugares certamente servirá para o bem de muitas almas que hoje cegamente se deixam levar pelo orgulho, por se acharem os mais, os melhores e coisas assim, e com isso se envolvem até à alma com o espírito das trevas. Espero que ninguém vá lá, nem mesmo por simples curiosidade. Mas se alguém estiver lá dentro, saia o quanto antes e acredite naquilo que aqui falo. Jamais encontrarão a presença de Deus, ou nada que venha Dele, dentro daqueles antros imundos e de perdição.
 
     Certamente que se algum de vocês visse os monstros que tomam aqueles pobres corpos, que lhes dirigem os pensamentos e as palavras, jamais teriam a coragem de emprestar seus corpos para serem possuídos pelos espíritos infernais. Sei que muitos que lá foram, acham normal tudo aquilo e mesmo os que foram incorporados parecem não sentir nada de negativo depois disso. Entretanto, também este é um engano, pois satanás veda a inteligência, empana a capacidade de entender as coisas, e impede a elas de entenderem o que na verdade ali acontece. Infelizmente até pessoas de alto estudo são enganadas por ele com este artifício. Aliás, se o demônio provocasse mal-estar, angústia e dor em todos os que lá entram, quem voltaria de novo? Ninguém! Mas na verdade ele travava a minha fala, minhas pernas e até minhas orações e pensamentos. Como não será capaz de bloquear uma pessoa, mesmo que seja muito inteligente, para que ela não entenda a realidade que está por trás daquilo?
 
      E assim, aos que ainda não acordaram para esta tenebrosa realidade, ele continua fazendo crer que tudo isso é bom, que é para seu bem, quando na verdade ele somente quer uma coisa de nós: a posse eterna da alma! Por isso, que retornem o quanto antes à casa paterna, como filhos pródigos e arrependidos. Que voltem todos à Igreja Católica o quanto antes, abandonando para sempre estas práticas pecaminosas.


 
CRUZ DE SANTO ANDRÉ


  
    Um dia, estando numa sessão desta “mesa branca” – grande disfarce este, tudo é igual e tudo é monstruoso – vejo como as coisas procedem. Há sempre uma salinha onde ficam os tais “médiuns”, ou seja, as pobres almas usadas por satanás – que nelas se incorpora – a fim de iludir e enganar os outros. E naquele dia, percebi que começaram a chamar as “entidades”, mas elas não apareciam. Aflitos e desesperados, os médiuns todos gritavam sem o conseguir. Também os “encarregados” gritavam e pediam, quase em prantos, que todos aqueles que estivessem com os “braços cruzados, pernas ou dedos cruzados, que os descruzassem, porque alguém ali presente, estava atrapalhando a manifestação dos espíritos”.
 
    Num dado momento, já em estágio avançado de desespero e aflição, eles aumentaram ainda mais os brados pedindo que alguém dali presente descruzasse as pernas, por favor! Foi então que percebi que eu mesma estava com as pernas cruzadas, não uma sobre a outra nas coxas, mas sim, sentada, com ambos os pés no chão, só que um do lado contrário do outro. Como eu já estava cansada de ficar naquela posição, e vendo a pressão dos olhares de todos sobre mim, resolvi descruzar as pernas. Para meu espanto, logo baixaram de um salto, todas as tais entidades malignas e tomaram os médiuns. Ali, na minha frente, estavam novamente os nefandos monstros do inferno.
 
    Ó almas incautas, sabem porque os braços, dedos ou pernas cruzadas atrapalham o bom andamento das sessões espíritas? É porque esta é a chamada “Cruz de Santo André”, usada contra o maligno e a sua caterva. É que este santo da Igreja Católica foi crucificado em forma de “X” e isso se tornou devoção na Igreja. Como eu poderia ali imaginar? Só bem mais tarde um sacerdote me explicou este efeito poderoso. Tenho certeza de que, se eu continuasse com as pernas em cruz, eu seria expulsa dali por aqueles operários de satanás. Vejam o poder da Cruz! E mais, eles costumam colocar muitas santas faces de Jesus penduradas nas paredes, tudo para enganar, mas jamais colocam uma Cruz, porque, se uma ali estivesse, nenhum demônio baixaria nas pessoas.


 
ALMAS CORROMPIDAS

  
     Numa época de minha vida, morei com uma parenta minha, que freqüentava – ainda freqüenta – a todo tipo de “pai de santo”. Ela me aceitou muito a contragosto em sua casa e ficava até revoltada com minha presença, demonstrando isso de várias formas. Certo dia, indo para o trabalho, ao descer a estação do metrô, eu dei uma forte torcida no meu pé. No momento senti muitas dores, mas, por força certamente do meu anjo da guarda, logo tudo passou. Mas no final do dia, quando cheguei em casa, encontrei a minha parenta completamente furiosa e mancando. Antes mesmo que ela me dissesse algo, eu percebi o que lhe acontecera: aquilo que ela desejara que acontecesse para mim, havia retornado para ela! Incrível é que ela teve a “cara de pau” de me dizer pessoalmente que fora isso mesmo! Ela desejara que eu torcesse o pé!
 
     Dias depois, chegando do trabalho chovia muito. Então vi que minha tia havia deixado algumas roupas em molho de sabão, porém na chuva. Mais do que depressa levei o balde para dentro de casa e avisei-a disso. Quase apanhei! Ela veio sobre mim aos berros, me chamou de palavrões e disse que não era para ter mexido naquele balde. Até hoje ainda não entendi o que ela queria com aquilo, mas certamente que era uma destas tais “simpatias”, ou “macumbas” mesmo, que se fazem por aí e que os “pais-de-santo” costumam ensinar. Uma pergunta que me vem agora: como se pode chamar “pai-de-santo” quem se faz livremente filho do diabo? Isso é mais uma enganação do maldito!
 
     Na casa desta mesma parenta, eu dormia num colchão posto no chão, mas por falta de espaço, metade dele ficava por baixo da cama dela. Eu tinha que dormir toda encolhida! Numa pilha ao lado, ficava um destes colchões bem antigos e pesados, sobre umas caixas.  Certa noite eu sonhei que aquele pesado colchão, com abas de madeira, desabava sobre mim, com toda violência. Porém, antes que me atingisse, vi alguém de vestes brancas estender as duas mãos sobre mim e desviar o colchão para o outro lado da cama dela. De súbito acordei, pois havia o barulho! Então deparei com ela, assentada na cama, de olhos bem arregalados, me olhando com grande espanto e disse: Eu, heim? Pensei que o colchão ia cair sobre você e você ia se machucar muito, sabia?! E eu, inocente, ainda lhe contei que fora meu anjo da guarda quem desviara o colchão!
 
     Comecei então a desconfiar que algo estranho estava acontecendo. Como sempre, eu saia correndo do trabalho, para, depois de pegar um ônibus, dois metrôs e ainda conseguir alcançar pelo menos a Santíssima Eucaristia, já que sempre chegava atrasada à Missa. E eu pedia ao Bom Deus que me ajudasse e me iluminasse o caminho. Por isso, logo esta parenta começou a dizer que, se eu continuasse a morar com ela, ia fazer com que meu namorado me largasse. Imaginem, nem namorado eu tinha, mas ela queria arrumar qualquer pretexto para me expulsar de sua casa, pois creio que era a presença de Jesus Eucarístico na casa – que eu trazia comigo depois da Santa Missa – mais do que a minha presença pessoal junto dela, Quem atrapalhava profundamente as suas maquinações diabólicas. Coisas que ela fazia não só comigo, mas também com outros.
      
     Lembrei-lhe, certa vez, que ela não vivia segundo os mandamentos da lei de Deus e tentei lhe abrir os olhos, mas foi tudo em vão. Mas na verdade o meu emprego não ia bem. Havia uma estranha pressão de meu patrão sobre mim, e eu só a muito custo consegui me livrar dele, voltando para minha casa. Antes, porém, já as minhas tias macumbeiras me jogavam de um apartamento para outro. Descobri então que esta minha outra parenta, também ela, estudava nestas escolas macabras de espiritismo. Como eu já conhecia terrivelmente aquelas doutrinas e, embora tremendo de medo, fiquei ainda algumas noites na casa de uma delas, até completar as minhas coisas e poder fugir dali.
 
    Mas elas não me deixaram barato a estadia! Numa das últimas noites em que uma delas me levou para a casa da outra, fui para o quarto. Aí, elas bateram à porta e disseram que tinham uma coisa para mim. Ó tristeza! Ó terror! Vejo diante de mim aquele monstro – o demônio – dizendo que era meu pai, já falecido! Que peso terrível havia no ar. Juntas elas “rezavam” ao demônio, de mãos dadas, enquanto sobre nós pairavam muitos demônios rindo e girando em círculos. Eu queria rezar o Credo, mas não conseguia. Eram as duas, mais aquele monstro, contra minha fraqueza. Eu lhes dizia que aquilo não era meu pai, que meu pai estava bem. E lhes dizia para rezarmos juntos o Pai Nosso. Mas elas não atendiam.
 
     Num dado momento, uma delas pegou a mão do monstro e esticou para mim, pedindo que eu beijasse a mão dele. Enquanto meu braço pesava, sem poder reagir, a outra me agarrou e me esfregou boca na mão do capeta. Oh! Desespero! Trata-se do mesmo que sempre me aparece ainda hoje. Todas as vezes que o vejo, com os olhos avermelhados, lembro-me que os olhos delas, naquela ocasião, estavam também avermelhados como os dele. Estas infelizes, que ainda se encontram naquele antro, não querem sair de lá por nada, mal sabem que vivem mergulhadas num lodaçal de trevas, e trilham seguramente um caminho de perdição eterna. Mas que fazer, a não ser rezar por elas? Pobres infelizes!


Extraido do livro "Os demônios nos caminhos dos filhos de Deus"



LEIA TAMBÉM
Livro - Parte 02 - O demônio nos caminhos dos filhos de Deus
Livro - Parte 01 - O demônio nos caminhos dos filhos de Deus
GRITOS DAS TREVAS (Parte 15) - Parte Final
GRITOS DAS TREVAS (Parte 14)
GRITOS DAS TREVAS (Parte 13)
GRITOS DAS TREVAS (Parte 12)
GRITOS DAS TREVAS (Parte 11)
GRITOS DAS TREVAS (Parte 10)
GRITOS DAS TREVAS (Parte 9)



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.263.879
Visitas Únicas Hoje: 2.218
Usuários Online: 257