Espacojames


Página Inicial
Listar Livro Aberto




Artigo N.º 7336 - Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 18
Artigo visto 1998 vezes




Visto: 1998
Postado em: 21/02/11 às 19:39:49 por: James
Categoria: Livro Aberto
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=180&id=7336
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Livro Aberto

Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo à sua esposa escolhida e muito amada, Santa Brígida; sobre a proclamação de sua santíssima encarnação; a rejeição, profanação e abandono de nossa fé e batismo; e como Ele convida sua amada esposa e todo o povo cristão a amá-Lo.

Baixe o livro completo em nosso site no artigo N.º 4917

http://www.espacojames.com.br/?cat=99&id=4917

--

Livro 1 - Capítulo 48

A Corte Celestial foi vista no Céu e Deus lhe disse: ‘Observe, pelo bem desta minha esposa aqui presente, que me dirijo a vós, amigos meus que me estais ouvindo, vós que sabeis, compreendeis e vedes tudo em mim. Como se alguém falasse consigo mesmo, minha natureza humana irá falar à minha natureza divina. Moisés esteve com o Senhor na montanha por quarenta dias e quarenta noites. Quando o povo viu que já fazia tempo que ele havia partido, pegaram ouro, fundiram-no no fogo e criaram com ele um bezerro, a que chamaram seu deus. Então, Deus disse a Moisés: ‘O povo pecou. Eliminá-lo-ei como se apagam as letras de um livro.’ Moisés respondeu: ‘Não o faças, Senhor! Lembra-te de como os guiaste desde o Mar Vermelho e fizeste maravilhas por eles. Se os eliminas, onde ficará então tua promessa? Não o faças, eu te rogo, pois teus inimigos dirão: O Deus de Israel é malvado, conduziu o povo até o mar e o matou no deserto.’ E Deus se aplacou com estas palavras.

Eu sou Moisés, figurativamente falando. Minha natureza divina fala à minha natureza, como fiz com Moisés, dizendo-lhe: ‘Olha o que o fez teu povo, veja como me desprezaram! Todos os cristãos morrerão e sua fé ficará apagada.’ Minha natureza humana responde: ‘Não, Senhor. Lembra-te como conduzi o povo através do mar por meu sangue, quando fui espancado desde a planta dos meus pés até a o alto da minha cabeça! Eu lhes prometi a vida eterna. Tem misericórdia deles, por minha Paixão!’ Quando a natureza divina ouviu isto, se apiedou dele e lhe disse: ‘Assim seja, pois te foi dado todo juízo!’ Vejam que amor, meu amigos!

Mas agora, em vossa presença, meus amigos espirituais, meus anjos e santos, e na presença dos meus amigos corpóreos, que estão no mundo, ainda que só em seu corpo, lamento o fato de que meu povo esteja acumulando lenha, acendendo uma fogueira e jogando ouro nela, da qual emerge um bezerro para que eles o adorem como a um deus. Assim como um bezerro, se sustenta em quatro patas, tem uma cabeça, uma garganta e um rabo.

Quando Moisés se demorou na montanha, o povo dizia: ‘Não sabemos o que lhe aconteceu.’ Lamentaram-se de que lhes houvesse guiado para sair de seu cativeiro e disseram: ‘Vamos fazer outro deus que nos dirija!’ É assim que estes malditos sacerdotes estão me tratando agora. Eles dizem: ‘Porque vivemos uma vida mais austera que os demais? Qual é nossa recompensa? Estaríamos melhor se vivêssemos sem preocupações, na abundancia., Vamos pois amar o mundo do qual temos certeza! Apesar de tudo, não estamos seguros de sua promessa.’ Assim juntam lenha, ou seja, aplicam todos os seus sentidos para amar o mundo. Eles acendem uma fogueira quando todo seu desejo é para o mundo, e ardem à medida que cresce sua cobiça em sua mente e acaba resultando em obras.

Depois, lhe jogam ouro, que significa que todo o amor e respeito que deveriam demonstrar por mim, o dedicam a obter o respeito do mundo. Então, emerge o bezerro, ou seja, o amor total do mundo, com suas quatro patas de preguiça, impaciência, alegria supérflua e avareza. Esses sacerdotes, que deveriam ser meus, sentem preguiça na hora de me honrar, impaciência diante do sofrimento, se excedem em alegrias vãs e nunca se contentam com o que conseguem. Este bezerro também tem uma cabeça e uma garganta, ou seja, um desejo de comilança que nunca se aplaca, nem mesmo se tragasse o mar inteiro.

O rabo do bezerro é sua malícia, pois não deixam que ninguém mantenha sua propriedade, extorquem sempre que podem. Por seu exemplo imoral e seu desprezo, ferem e pervertem os que me servem. Assim é o amor ao bezerro que há em seus corações, e nele se regozijam e deleitam. Pensam em mim do mesmo modo que aqueles fizeram com Moises: ‘Ele se foi há muito tempo’, dizem. ‘Suas palavras parecem sem sentido e trabalhar para Ele é muito pesado. Façamos o que nos dê vontade, deixemos que nossas forças e prazeres sejam nosso deus! Também não se contentam parando aí e esquecendo-me por completo, mas alem disso me tratam como um ídolo!

Os pagãos costumavam adorar pedaços de madeira, pedras e pessoas mortas, entre outros, adoravam um deus cujo nome era Belzebu. Seus sacerdotes lhe ofereciam incenso, genuflexões e gritos de louvor. Tudo que era inútil em sua oferta de sacrifícios se jogava no chão e as aves e moscas o comiam. Mas os sacerdotes podiam ficar com tudo aquilo que pudesse lhes ser útil. Então trancavam a porta de seu ídolo e guardavam a chave pessoalmente, para que ninguém pudesse entrar.

É assim que os meus sacerdotes me tratam atualmente. Oferecem-me incenso, ou seja, falam e pregam belas palavras às pessoas para conseguir respeito para si mesmos e benefícios temporais, mas não por amor a mim. Da mesma forma que não se pode prender o aroma do incenso, ainda que o sintas e o vejas, também suas palavras não têm nenhum efeito nas almas, para criar raízes e manter-se em seus corações, mas são palavras que só se ouvem e agradam passageiramente.

Oferecem orações, mas nem todas me agradam. Como quem grita louvores com seus lábios, mas mantem seu coração calado, ficam perto de mim rezando com os lábios mas no coração vagueiam pelo mundo. Entretanto, quando falam com uma pessoa da projeção, mantêm sua mente no que dizem para não cometer erros que poderiam ser observados pelos outros. Na minha presença, entretanto, os sacerdotes são como homens confusos que dizem uma coisa com a boca e tem outra no coração. As pessoas que os escutam não podem ter certeza sobre eles. Dobram seus joelhos diante de mim, ou seja, prometem humildade e obediência, mas, na verdade são tão humildes quanto Lúcifer. Obedecem seus próprios desejos, não a Mim.

Eles também me trancam e guardam a chave pessoalmente. Abrem-se a mim e me oferecem louvores quando dizem: ‘Faça-se tua vontade na Terra, como no Céu!’ Mas, depois, trancam-me novamente ao por em pratica seus próprios desejos, enquanto os meus se tornam como os de um preso e impotente porque não posso ser visto nem ouvido. Eles guardam a chave pessoalmente, no sentido de que por seu exemplo, também conduzem ao extravio os que querem fazer a minha vontade, e, se pudessem, evitariam que se fizesse minha vontade e se a cumprisse, exceto quando esta se ajustasse a seu próprio desejo.

Mantêm para si tudo o que nas ofertas de sacrifício seja útil para eles e exigem todos os seus direitos e privilégios. De qualquer forma, parecem considerar inúteis os corpos das pessoas que caem no chão e morrem. Para eles estão obrigados a oferecer o sacrifício mais importante, mas os deixam aí às moscas, ou seja, para os vermes. Não se preocupam nem se importam com os direitos das pessoas ou com a salvação das almas.

O que foi dito a Moisés? ‘Mata os que fizeram este ídolo!’ Alguns foram eliminados, mas não todos. Consequentemente, minhas palavras virão agora e os matarão, a alguns em corpo e alma através da condenação eterna; a outros em vida para que se convertam e vivam; outros ainda pela morte repentina ao tratar-se de sacerdotes que me são totalmente odiosos. Com que vou compará-los? De fato, eles são como os frutos das urzes, que por fora são bonitos e vermelhos, mas por dentro estão cheios de impurezas e espinhos.

Da mesma forma, estes homens vêm até mim cheios de caridade e perante as pessoas parecem puros, mas por dentro estão cheios de sujeira. Se estes frutos se colocam no solo, deles saem e crescem mais brotos de urze. Assim, estes homens escondem seu pecado e maldade de coração, como no solo, e se tornam tão enraizados na maldade que nem sequer se envergonham de mostrar-se em público e gabar-se de seu pecado. Por isso, outras pessoas não só encontram ocasião de pecar, mas ficam seriamente manchadas em sua alma, pensando consigo mesmo: ‘Se os sacerdotes fazem isto, mais lícito será que o façamos nós.’

Acontece, assim, que não só se assemelham com o fruto da urze, mas também com seus espinhos. Pensam que não há ninguém mais sábio que eles e que podem fazer o que quiserem. Portanto, juro por minhas naturezas, divina e humana, na audiência de todos os anjos, que atravessarei a porta que eles fecharam para a minha vontade. Minha vontade se cumprirá e a deles será aniquilada e trancada em um castigo sem fim. Então, assim como foi dito antigamente, meu juízo começará com meu clero e no meu próprio altar.”


Palavras de Cristo à esposa sobre como Cristo é figurativamente comparado com Moisés dirigindo o povo fora do Egito, e sobre como os condenáveis sacerdotes que Ele tinha escolhido no lugar dos profetas como seus melhores amigos gritam agora: “Afasta-te de nós!”



Livro 1 - Capítulo 49

O Filho falou: “Antes fui comparado figurativamente com Moisés. Quando ele guiava o povo, a água se colocou como uma parede à esquerda e à direita. De fato, Eu sou Moisés, figurativamente falando. Eu conduzi o povo Cristão, ou seja, abri o Céu para eles e lhes mostrei o caminho. Mas agora escolhi outros amigos para mim, mais especiais e íntimos que os profetas, na realidade, meus sacerdotes. Estes não só ouvem e veem minhas palavras quando veem a mim, mas até me tocam com as suas mãos, o que nenhum dos profetas ou Anjos puderam fazer.

Estes sacerdotes, que escolhi como amigos no lugar dos profetas, me aclamam, mas não com desejo e amor como fizeram os profetas, mas me aclamam com duas vozes opostas. Não me aclamam como fizeram os profetas: ‘Vem, Senhor, porque és bom!’ Em vez disso os sacerdotes me gritam: ‘Afaste-se de nós, pois tuas palavras são amargas, e tuas obras são pesadas e um escândalo para nós’. Olhe o que dizem estes sacerdotes condenáveis!

Estou diante deles como a mais mansa das ovelhas, eles obtém de mim lã para suas vestes e leite para seu alimento e, ainda assim, me odeiam por amá-los tanto. Estou diante deles como um visitante que diz: ‘Amigo, dá-me o necessário que não o tenho, e receberás a máxima recompensa de Deus!’ Mas em troca de minha mansa simplicidade, me lançam fora como se fosse um lobo mentiroso, a espera da ovelha principal. Em vez de dar-me sua acolhida, me tratam como a um traidor indigno de hospitalidade e se recusam a alojar-me.

O que fará então o visitante rejeitado? Armar-se-á contra o anfitrião que o deixa fora de sua casa? De forma alguma. Isto não seria justo, pois o proprietário pode dar ou negar a sua propriedade a quem ele queira. O que fará, pois, o visitante? Certamente haverá de dizer a quem o rejeita: ‘Amigo, se tu não queres me receber, irei a outro que tenha pena de mim.’ E, indo a outro lugar poderá ouvir de um novo anfitrião: ‘Seja bem-vindo, senhor, tudo o que tenho é teu. Seja tu agora o dono! Eu serei teu servo e teu convidado.’

Estes são os tipos de casa onde gosto de estar, onde escuto essas palavras. Eu sou como visitante rejeitado pelos homens. Embora possa entrar em qualquer lugar em virtude do meu poder, ainda assim, sob o mandato da justiça tão somente entro onde as pessoas me recebem de boa vontade como a seu verdadeiro Senhor, não como a um hóspede, e confiam sua própria vontade em minhas mãos”.

Palavras de mútuo louvor da Mãe e do Filho, sobre a graça concedida pelo Filho à sua Mãe para as almas no purgatório e os que ainda estão neste mundo.

 

Continua...

 


Fonte: Extraído do Livro As
Profecias e Revelações de Santa
Brígida

 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 6.651.787
Visitas Únicas Hoje: 2.728
Usuários Online: 577