Espacojames


Página Inicial
Listar Livro Aberto




Artigo N.º 7340 - Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 22
Artigo visto 2060 vezes




Visto: 2060
Postado em: 21/02/11 às 19:47:42 por: James
Categoria: Livro Aberto
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=180&id=7340
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Livro Aberto

Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo à sua esposa escolhida e muito amada, Santa Brígida; sobre a proclamação de sua santíssima encarnação; a rejeição, profanação e abandono de nossa fé e batismo; e como Ele convida sua amada esposa e todo o povo cristão a amá-Lo.

Baixe o livro completo em nosso site no artigo N.º 4917

http://www.espacojames.com.br/?cat=99&id=4917

--

Livro 1 - Capítulo 57

O Filho falou à esposa: ‘Os Cristãos me tratam agora da mesma forma que me trataram os judeus. Os judeus me expulsaram do templo e estavam inteiramente resolvidos a matar-me, mas, pelo fato de minha hora ainda não ter chegado, escapei de suas mãos. Os Cristãos me tratam assim agora. Expulsam-me de seu templo, ou seja, de sua alma, que deveria ser meu templo, e se pudessem me matariam em seguida. Em seus lábios sou como carne podre e mal cheirosa, creem que estou mentindo e não se preocupam comigo, em absoluto. Voltam-me suas costas, mas Eu afastarei minha face deles, pois não há nada mais que cobiça em suas bocas e só luxúria bestial em sua carne. Só a soberba os agrada, só os prazeres mundanos encantam seus olhos.

Minha Paixão e meu Amor lhes são repugnantes e minha vida um peso. Por isso, agirei como o animal que tem muitas tocas: quando os caçadores o acossam em uma toca, foge para outra. Farei isto, porque estou sendo perseguido pelos cristãos com suas más obras e expulso da toca de seus corações. Por isso, irei aos pagãos, em cujas bocas agora sou amargo e insípido, mas chegarei a ser-lhes mais doce que o mel. Entretanto, ainda sou tão misericordioso que com gosto abrirei meus braços a quem me peça perdão e diga: ‘Senhor, sei que pequei gravemente e livremente quero melhorar minha vida por tua graça. Tem piedade de mim por tua amarga paixão!’ Mas, àqueles que persistirem no mal, lhes chegarei como um gigante com três qualidades: terrível, muito forte e muito áspero. Chegarei inspirando tanto medo aos cristãos que não se atreverão a levantar o dedo mínimo contra mim. Eu virei ainda com tanta força que eles serão como uma mosca diante de mim. Terceiro, eu virei com tal aspereza que se sentirão tristes no presente e lamentarão sem fim.

As palavras da Mãe à esposa; doce diálogo da Mãe com o Filho, e sobre como Cristo é amargo, muito amargo, amaríssimo para os maus, porém doce, muito doce ,dulcíssimo para os bons.

Livro 1 - Capítulo 58

A Mãe disse à esposa: ‘Considera, jovem esposa, a Paixão de meu Filho. Sua paixão sobrepujou em amargura a paixão de todos os Santos. Assim como uma mãe ficaria amargamente abalada se tivesse que presenciar como cortavam em pedaços seu próprio filho vivo, assim eu fiquei abalada na paixão de meu Filho quando presenciei a crueldade de tudo aquilo’. Então ela disse a seu Filho: ‘Bendito sejas, Filho meu, pois és santo, como diz a canção: ‘Santo, santo, santo, é o Senhor Deus do Universo. Bendito sejas, pois és doce, muito doce, e o mais doce! Eras santo antes da encarnação, santo em meu ventre santo, depois da encarnação. Foste doce antes da criação do mundo, mais doce que os anjos e o mais doce para mim em tua encarnação’.

O Filho respondeu: ‘Bendita sejas, Mãe, sobre todos os anjos! Assim como fui o mais doce para ti, como dizias agora, também sou amargo, muito amargo, o mais amargo para os maus. Sou amargo para aqueles que dizem que criei muitas coisas sem motivo, que blasfemam e dizem que criei as pessoas para morrer e não para viver. Que ideia tão miserável e sem sentido! Acaso Eu, que sou o mais justo e virtuoso, criei os anjos sem uma razão? Teria Eu dotado a natureza humana de tantas bondades se a tivesse criado para se condenarem? De maneira alguma! Eu fiz todo bem por amor, à humanidade dei todo bem. Entretanto, a humanidade converte todo o bem em mal para si.

Não Sou eu que faço nada mau, e sim, são eles que o fazem, dirigindo sua vontade a tudo, menos ao que deveriam, de acordo com a Lei Divina. Isto é o que é mal. Sou mais amargo para aqueles que dizem que lhes dei livre arbítrio para pecar e não para fazer o bem, que dizem que sou injusto, porque condeno algumas pessoas enquanto que a outras, justifico; que me culpam por sua própria maldade, porque afasto deles minha graça. Sou muito amargo para aqueles que dizem que minha lei e meus mandamentos são muitos difíceis e que ninguém os pode cumprir; que dizem que minha paixão é indigna para eles, e que é por isso que não a consideram.

Portanto, juro por minha vida, como jurei uma vez pelos profetas, que defenderei minha causa diante dos anjos e todos os meus santos. Aqueles para quem Eu sou amargo comprovarão por si mesmos que Eu criei tudo racionalmente e bem , para utilidade e instrução da humanidade, e que nem o menor dos vermes existe sem motivo. Aqueles para os quais sou muito amargo, comprovarão por si mesmos que Eu, sabiamente, dei ao ser humano livre arbítrio a respeito do bem. Descobrirão também que Eu sou justo, dando reino eterno às pessoas boas e castigando os maus.

Não seria justo que o demônio, a quem criei como bom, mas que caiu por sua própria maldade, estivesse em companhia dos bons. Os maus também comprovarão que não é culpa minha que eles sejam perversos, mas sua. De fato, se fosse possível, com gosto me submeteria por todos e cada um dos seres humanos aos mesmos castigos que aceitei uma vez na cruz por todos, para restituir-lhes sua herança prometida. Mas a humanidade está sempre opondo sua vontade à minha. Dei-lhes liberdade para que me servissem se quisessem, e merecessem assim, o premio eterno. Mas se eles não quisessem, teriam que compartilhar o castigo do demônio, por cuja maldade e suas consequências, foi justamente criado o inferno.

Como sou cheio de caridade, não quis que a humanidade me servisse por medo nem que fosse obrigada a fazê-lo como os animais irracionais, mas por amor a Deus, porque ninguém que sirva contra a sua vontade ou por medo de meu castigo pode ver minha face. Aqueles para os quais sou muito amargo perceberão em sua consciência, que minha lei era leve e meu jugo suave. Estarão inconsolavelmente tristes de haver menosprezado minha Lei e de haver amado o mundo em seu lugar, cujo jugo é mais pesado e muito mais difícil que o meu.

Então, sua Mãe acrescentou: ‘Bendito sejas, Filho meu, meu Deus e Senhor! Porque tu eras minha doce delicia, rogo que os demais possam participar desta doçura’. O Filho respondeu: ‘Bendita és tu, minha querida Mãe! Tuas palavras são doces e cheias de amor. Por isto bondosamente acudirei a quem receba tua doçura em sua boca e a conserve perfeitamente. Mas quem a receba e a rejeite será castigado da forma mais amarga’. A Virgem respondeu: “Bendito sejas, Filho meu, por todo o teu amor!”


Palavras de Cristo, na presença da esposa, contendo parábolas nas quais Cristo se compara com um camponês; os bons sacerdotes com um bom pastor; os maus sacerdotes com um mau pastor e os bons cristãos como uma esposa. Estas comparações são úteis de várias formas.

Livro 1 - Capítulo 59

Eu sou aquele que nunca pronunciou mentira alguma. O mundo me toma por um camponês cujo mero nome leva ao desprezo. Minhas palavras são tomadas por tolices e minha casa é considerada uma vil habitação. Agora, este camponês tinha uma esposa que não queria nada mais do que ele queria, que tinha tudo em comum com seu marido e o aceitou como seu mestre, obedecendo-lhe em tudo. Este camponês também tinha muitas ovelhas, e contratou um pastor para cuidar delas por cinco moedas de ouro e pelo suprimento de suas necessidades diárias. Este era um bom pastor, que fez bom uso do ouro e do alimento na medida de suas necessidades.

Com o passar do tempo, esse pastor foi sucedido por outro pastor, um inferior, que usou o ouro para comprar uma esposa e dar-lhe seu alimento, que descansava com ela constantemente e não cuidava das pobres ovelhas, que foram acossadas e dispersadas por animais ferozes. Quando o camponês viu seu rebanho disperso, gritou: ‘Meu pastor não me é fiel. Meu rebanho se dispersou e algumas ovelhas indefesas foram devoradas por animais ferozes, enquanto que outras morreram ainda que seus corpos não tenham sido destroçados. Então, a mulher do camponês disse a seu marido: ‘Senhor, é certo que não recuperaremos os corpos que foram devorados. Mas, vamos levar para casa e usar aqueles corpos que ficaram intactos, ainda que já não haja um sopro de vida neles.

Não poderíamos suportar o ficarmos sem nada’.Seu marido lhe respondeu: ‘O que faremos? Como os animais têm veneno em seus dentes, a carne das ovelhas está infectada de veneno mortal, a pele está corrompida, a lã está ruim’. Sua mulher acrescentou: ‘Se tudo foi desperdiçado e tudo foi perdido, então, do que vamos viver?’ O marido disse: ‘Vejo que há algumas ovelhas ainda vivas em três lugares. Algumas delas parecem mortas e não ousam respirar por medo. Outras estão enterradas no barro e não podem se levantar. Ainda outras estão escondidas e não ousam sair. Vem, esposa, vamos levantar as ovelhas que estão tentando pôr-se de pé, mas não conseguem sem ajuda, e vamos usá-las!’

Observa, Eu, o Senhor, sou o camponês. Os homens me veem como o traseiro de um burro criado em um estábulo de acordo com sua natureza e hábitos. Meu nome é a mente da Santa Igreja. Ela é considerada como desprezível, na medida em que os sacramentos da Igreja, batismo, crisma, unção, penitência e matrimônio são, de alguma forma, recebidos com zombaria e administrados a alguns com ganância. Minhas palavras são consideradas tolas, pois as palavras da minha boca, pronunciadas em parábolas, passaram de um entendimento espiritual a ser convertidas em entretenimento para os sentidos. Minha casa é vista como desprezível, enquanto que as coisas da terra são mais amadas que as do Céu.

O primeiro pastor que tive simboliza meus amigos, isto é, os sacerdotes que costumava ter na Santa Igreja, (por ‘um’ quero dizer muitos). A eles confiei meu rebanho, isto é, o meu venerável corpo para que o consagrassem e as almas de meus eleitos para que as governassem e protegessem. Também lhes dei cinco coisas boas, mais preciosas que ouro, a saber, a compreensão inteligente de todos os temas enigmáticos para que distinguissem entre o bem e o mal, entre a verdade e a falsidade. Segundo, dei-lhes discernimento e sabedoria de temas espirituais; isto foi esquecido, agora e em seu lugar se ama o conhecimento do mundo. Terceiro, dei-lhes castidade; quarto, temperança e abstinência em tudo para autocontrole de seu corpo; quinto, estabilidade nos bons hábitos, palavras e obras.

Depois deste primeiro pastor, ou seja, depois destes meus amigos que faziam parte da minha Igreja no passado, agora entraram outros pastores malvados. Eles compraram uma esposa para si mesmos, em troca de ouro, isto é, em troca de sua castidade e, por essas cinco coisas boas, tomaram para si o corpo de uma mulher, isto é, a incontinência. Por isso, meu Espírito afastou-se deles.

Quando têm total vontade de pecar ou de satisfazer à sua esposa, isto é, sua luxúria, de acordo com seu sentido de prazer, meu Espírito está ausente deles, pois não se importam com a perda do rebanho enquanto possam seguir sua própria vontade. As ovelhas que foram completamente devoradas representam aqueles cujas almas estão no inferno e cujos corpos estão enterrados em túmulos a espera da ressurreição para a condenação eterna.

As ovelhas cujos corpos estão intactos, mas cujos espíritos de vida já não estão nelas, representam as pessoas que nem me amam, nem me temem, não sentem devoção alguma nem se importam comigo. Meu espírito está longe delas, já que os dentes envenenados das feras contaminaram sua carne. Em outras palavras, seus pensamentos e espírito, como o simbolizam a carne e entranhas das ovelhas, são para mim tão repugnantes como comer carne envenenada. Sua pele, isto é, seu corpo, está desprovido de toda bondade e caridade e não têm condições de servir em meu reino. Ao contrario, seja enviado ao fogo eterno do inferno depois do juízo. Sua lã, isto é, suas obras, são tão inúteis que não há nada nelas que lhes faça merecer meu amor e minha graça.

O que, então, minha esposa, que simboliza os bons Cristãos, podemos fazer? Vejo que ainda há ovelhas vivas em três lugares. Algumas delas assemelham-se à ovelha morta e não ousam respirar por medo. Estes são os pagãos que, de boa vontade, adotariam a verdadeira fé se ao menos a conhecessem. Entretanto, não ousam respirar, isto é, não ousam perder a fé que já têm e não se atrevem a aceitar a verdadeira fé. O segundo grupo de ovelhas é daquelas que permanecem escondidas e não ousam sair. Estas representam os judeus que, por assim dizer, estão como detrás de um véu. Sairiam com prazer se tivessem certeza do meu nascimento. Escondem-se por trás do véu, na medida em que sua esperança de salvação está nas imagens e sinais que costumavam simbolizar-me na antiga Lei, mas que foram verdadeiramente realizados em mim, quando me encarnei.

Por sua vã esperança, têm medo de passar à verdadeira fé. Em terceiro lugar, as ovelhas que ficaram afundadas na lama são os cristãos em estado de pecado mortal. Por temerem o castigo, estão desejosos de levantar-se de novo, mas não o conseguem devido à gravidade de seus pecados e porque lhes falta caridade.

Por isso, esposa minha, ou seja meus bons cristãos, ajudem-me ! Assim como homem e mulher são considerados uma só carne e um só membro, assim, o cristão é meu membro e Eu sou dele, pois estou nele e ele em Mim.

Assim pois, minha esposa, meus bons Cristãos, dirijam-se comigo às ovelhas que ainda respiram um pouco e vamos levantá-las e revivê-las! Sustentem seus dorsos enquanto eu lhes sustento a cabeça! Alegro-me em carregá-las em meus braços. Uma vez as carreguei todas sobre minhas costas, quando estas estavam feridas e pregadas na cruz.

Ó meus amigos! Amo tão ternamente essas ovelhas que, se me fosse possível sofrer, por qualquer dessas ovelhas individualmente, a morte que sofri uma vez na cruz por todas elas, preferiria redimi-las antes que perdê-las. Por isso, com todo o meu coração, rogo a meus amigos que não poupem esforços nem bens por mim. Se não me pouparam da repreensão quando estive no mundo, que não se retraiam eles, na hora de dizer a verdade sobre mim. Não me envergonhei de morrer uma morte desprezível por eles, mas permaneci lá assim como vim ao mundo, nu, perante os olhos de meus inimigos.

Seus punhos golpearam meus dentes; fui arrastado pelos cabelos; fui flagelado por chicotes; fui pregado à madeira com suas ferramentas, e pregado na cruz junto com meliantes e ladrões. Por esse motivo, meus amigos, não se poupem por mim que suportei tudo isso por amor a vocês! Trabalhem corajosamente e ajudem meu necessitado rebanho! Por minha natureza humana - que é o Pai porque o Pai está em mim - e por minha natureza divina - que é meu Espírito porque o Espírito está nela e porque o mesmo Espírito está em mim e Nele, sendo estes três um só Deus em três Pessoas – juro que irei àqueles que se esforçarem em carregar minhas ovelhas comigo, e os ajudarei enquanto caminham e lhes darei um precioso pagamento : Eu mesmo, em seu gozo eterno.


Palavras do Filho à esposa sobre três tipos de cristãos, simbolizados pelos judeus que viviam no Egito, e sobre como estas revelações foram dadas à esposa para que fossem transmitidas, publicadas e pregadas pelos amigos de Deus.

Livro 1 - Capítulo 60

O Filho falou à esposa dizendo-lhe: ‘Eu sou o Deus de Israel, aquele que falou com Moisés. Quando foi enviado ao meu povo, Moisés pediu um sinal, dizendo: ‘O povo não crerá em mim de outra maneira’. Se o povo ao qual Moisés foi enviado pertencia ao Senhor, por que ele não tinha confiança? Deves saber que havia três tipos de pessoas entre os judeus. Alguns acreditavam em Deus e em Moisés. Outros acreditavam em Deus, mas não confiavam em Moisés, imaginando se, talvez, não estaria ele dizendo e fazendo tudo por invenção própria e presunção. O terceiro tipo era daqueles que não acreditavam em Deus nem em Moisés.

Da mesma forma, existem atualmente três tipos de pessoas entre os Cristãos como simbolizado pelos hebreus. Existem alguns que realmente acreditam em Deus e em minhas palavras. Existem outros que acreditam em Deus, mas não confiam em minhas palavras, pois não sabem como distinguir entre um espírito bom e um mau. O terceiro grupo é daqueles que não acreditam em mim nem mesmo em ti, esposa minha, a quem tenho transmitido minhas palavras. Mas, como disse, embora alguns hebreus não confiassem em Moisés, todos – sem dúvida - cruzaram o Mar Vermelho com ele em direção ao deserto onde, aqueles que não tinham confiança adoraram ídolos e provocaram a ira de Deus, motivo pelo qual seu fim foi uma morte miserável, embora apenas para aqueles que tinham má fé.

Por esta razão, como o espírito humano é lento para crer, meu amigo deve transmitir minhas palavras àqueles que creiam nele. Depois, eles as divulgarão a outros que não sabem distinguir um espírito bom de um mau. Se os ouvintes lhe pedirem por um sinal, que mostrem a essas pessoas um cajado, assim como fez Moisés, ou seja, que expliquem a eles minhas palavras. O cajado de Moisés era firme e, devido à sua transformação em uma serpente, foi também temível para eles. Da mesma forma, minhas palavras são firmes e não há falsidade nelas. São temíveis também, porque emitem um juízo verdadeiro.

Que expliquem e declarem que, pelas palavras e sons de uma única boca, o demônio se afastou de criaturas de Deus, esse mesmo demônio que poderia mover montanhas, não fosse ele impedido por meu poder. Que tipo de poder possuía ele, com a permissão de Deus, quando foi feito para fugir diante do som de uma só palavra? Segundo isso, da mesma forma que aqueles hebreus que não acreditavam em Deus nem em Moisés também deixaram o Egito em busca da terra prometida, sendo de alguma forma forçados a ir juntamente com os outros, assim também muitos cristãos se juntarão agora, a contragosto, a meus escolhidos, sem crer em meu poder para salvá-los. Não acreditam em minhas palavras de maneira alguma; possuem apenas uma falsa confiança em meu poder. Entretanto, minhas palavras se cumprirão sem que eles o desejem e de certo modo, serão forçados a caminhar para a perfeição até que cheguem onde me for conveniente.

 


Fonte: Extraído do Livro As
Profecias e Revelações de Santa
Brígida

 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 6.662.687
Visitas Únicas Hoje: 917
Usuários Online: 341