Espacojames


Página Inicial
Listar Estigmas




Artigo N.º 12468 - Entrevista com Padre Zlatko Sudac - O padre que tem uma cruz na testa
Artigo visto 5228 vezes




Visto: 5228
Postado em: 14/07/14 às 10:05:51 por: James
Categoria: Estigmas
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=217&id=12468
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Estigmas

(Esta entrevista de padre Sudac já ocorreu há mais de oito anos, porém como apresenta perguntas importantes para compreender a sua história já que, com certeza, trata-se de uma novidade para a maioria dos leitores nós aqui decidimos apresentá-la)

 

Leia também: Artigo N.º 9629 - Estigmatizada Mexicana Elizabeth Sanchez e a Mensagem para os Nossos Tempos

 

 

 

==

Introdução

Padre Zlatko Sudac (pronuncia Sue Dots) nasceu em 24 de janeiro de 1971. Ele é da cidade de Vrbnik na ilha de Krk na Croácia. Ele iniciou seus estudos para o sacerdócio em 1993, após ter completado o seu tempo de serviço militar obrigatório na Iugoslávia. Ele foi ordenado sacerdote em 29 de junho de 1998 e é padre da diocese de Krk na Croácia. Seus pais ainda estão vivos. Ele tem uma irmã que é casada e tem dois filhos.

 

Padre Sudac recebeu a Cruz em sua fronte em maio de 1999 na sexta-feira após a beatificação do padre Pio. Após ter recebido a Cruz ele foi enviado para a clínica Gemelli em Roma para ser investigado. A investigação exaustiva concluiu que a cruz de padre Sudac não era de origem humana isto é que ela foi formada numa forma que a ciência médica não poderia explicar. Padre Sudac recebeu os estigmas em seus punhos, pés e no lado em 4 de outubro de 2000 na festa de São Francisco de Assis que foi a primeira pessoa na história da Igreja a receber os estigmas.

Padre Sudac trabalha correntemente no centro de retiro Bethânia que está localizado na pequena cidade chamada Cunski (que se pronuncia Chunski) na ilha de Mali Losinj (Pronunciada Moli Lauschin). Esta ilha está localizada no norte do Mar Adriático ao sul da cidade portuária de Rijeka, Croácia. Esta ilha certa vez pertenceu à ilha de de Crês. No tempo de Roma as duas ilhas eram separadas pela cidade istmo de Osor quando o canal foi cavado. Ao norte e ao leste de Losinj e Crês está a ilha de Krk que deu no o nome a diocese local. Mali Losinj tem uma população de aproximadamente 6500 habitantes. Ela existe pelo menos desde o século 12 quando em torno de 12 famílias croatas foram para lá a partir da Hungria refugiando-se dos ataques mongóis. Hoje Losinj é uma localidade turística muito conhecida devido a ser uma ilha com belas paisagens, ao Mar Adriático e às suas belas praias.

 


As mensagens primárias de Padre Sudac são muito simples: que o amor tem que ser o fundamento de tudo o que fazemos, e que se vivemos no amor, então nós vivemos em Deus; devemos estar abertos aos dons do Espírito Santo e à ação do Espírito Santo em nossas vidas e assim poderemos viver a plenitude daquilo que Deus quer nos dar; que devemos morrer para nós mesmos completamente assim Deus pode preencher-nos com a sua Presença; e que devemos ser pessoas completamente normais, que tenhamos nossos pés firmemente plantados no chão, mas sempre cuidar de que enquanto vivemos nesse mundo, nós não pertencemos a ele. São essas as principais mensagens de Padre Sudac. Padre Sudac visitou a paróquia de São Jerônimo duas vezes (19 de outubro e em janeiro e fevereiro de 2001). O que segue é a sua mensagem em suas próprias palavras:


Por que o senhor decidiu se tornar padre?

Por muitos anos eu pensei sobre o caminho no qual eu poderia seguir para ser uma pessoa plena. Terminei os estudos do ensino médio para engenharia mecânica. Então comecei a estudar filosofia e psicologia. Mas decidi trocar para o seminário teológico para me tornar um candidato ao sacerdócio pela minha Diocese. Falar sobre o chamado na minha vida significa mergulhar um pouco profundo no meu ser, em meu coração. Todas as pessoas se perguntam sobre qual caminho que mais vai lhe preencher. Da mesma forma eu pensei sobre como eu poderia me entregar completamente. A Espiritualidade sempre me atraiu.

 


Eu sempre li livros espirituais. Então simplesmente eu decidi e foi o passo final na direção da Verdade de Deus. E eu vi que o trabalho com as pessoas, com os doentes, com os que vivem marginalizados me faz feliz, e que se eu viver dessa forma, eu nunca ficarei sozinho. Aquele que vive para as pessoas recebe muito das pessoas. São coisas de valor eterno. Uma das principais razões para nossa existência na terra é sermos pessoas que amam e que vivem para os outros. Hoje, isso é muito necessário. Eu sou jovem. Na minha frente está vida e o meu futuro, e peço a Deus a graça de ter um coração para todo ser humano, especialmente para aqueles que estão distantes das outras pessoas, de Deus, e de si mesmos.

Você cresceu com pais católicos? Era permitido a eles praticar a sua fé e a idéia comunista atéia o afetou? Como você veio a conhecer a Deus sob o comunismo?

Minha família é uma família tradicional católica. E precisamente aquela tradição é para muitas pessoas uma barreira para a experimentar a vivência da fé. Eu poderia vir a igreja e me justificar de que eu conhecia e amava a Deus. Então, eu entendi que não era um amor, mas um hábito. Então eu me perguntei se eu queria ser uma pessoa amada pelos outros por hábito. Como Deus se sente quando nós O amamos por hábito? Então entendi que o amor a Deus é alguma coisa viva e original alguma coisa tão profundamente enraizada na profundeza do nosso ser, alguma coisa que muda a nossa vida, e que nos dá o poder de testemunhar às outras pessoas, para amar a Deus no presente momento. Está vivo agora, não amanhã ou no passado. Para viver a cada passo com Deus. Significa ser um mensageiro de Deus. Isto foi algo que sempre mexeu comigo, uma certa aventura com Deus. Deus é o Pai de todas as pessoas que desejam proclamar Jesus Cristo. É necessário uma grande profundidade espiritual para se viver para todas as pessoas, por que Deus morreu por todos.

Quantos anos você tinha quando foi para o seminário?  
22 anos

Quantos anos você tinha quando foi ordenado?

27 anos. Foi em 29 de junho de 1998 na festa de São Pedro e São Paulo.


Você faz parte do movimento carismático?
No concílio Vaticano segundo a Igreja se definiu como sendo institucional e carismática. O problema é que muitos carismáticos vivem fora da Igreja institucional e nós vivemos numa época em que nossa união com nossos bispos e com o papa serão a única garantia da verdade e de os sacerdotes e os leigos agirem corretamente. Se Deus me der uma missão específica, eu não tenho que ficar preocupado com aquela missão. Se Deus a deseja então ele o faz através da Igreja e e dos líderes da Igreja - Ele tornará possível que eu viva o meu carisma para o bem da Igreja e de todas as pessoas. Eu sou apenas uma peça no mosaico. E seria melhor para mim não ter nascido se eu fosse dar atenção a mim mesmo e não a Jesus Cristo. Verdadeiramente este é o único caminho verdadeiro para servir a Deus


Você esteve no seminário por quatro ou cinco anos?
Seis anos.


Quantos irmãos e irmãs você tem?
Eu tenho uma irmã. Ela é casada e tem dois filhos.

Os estigmas

Que tipo de encontro de oração o senhor estava conduzindo quando recebeu os estigmas?
Isto foi o que os jornais escreveram. Mas, de fato, não era um encontro de oração. Era um encontro de amigos na casa de uma família. Quando eu falo sobre todos aqueles eventos que aconteceram então eu falo com um grande temor do Senhor, porque eu mesmo experiencio tudo isso como algo que ultrapassou a mim mesmo. Muitas pessoas tem me perguntado sobre o que eu acho disto tudo, e então eu lhes digo que elas querem saber alguma coisa que eu mesmo não sei. Jesus Cristo disse que pelos seus frutos vocês os reconhecerão: se as pessoas vêem às minhas missas e seminários e lá experenciam Deus, mudam suas vidas, se muitas pessoas doentes são curadas, se aqueles que estão em conflito com os outros se reconciliam, se as pessoas lançam todos os seus pecados diante de Deus e buscam a paz com Ele, se os que estão em sofrimento encontram esperança, então aqueles são os frutos para os quais nós devemos dirigir a nossa atenção, e não a mim mesmo (isto é não dirigir a atenção para mim). Eu constantemente prego em meus seminários que se você veio por causa de mim, então, você cometeu um erro, mas se você veio por causa de Jesus Cristo, então, fique. Nós devemos olhar para o Doador do dom e não para o dom. Eu vejo a mim mesmo como sandálias que Deus calça e que Ele vai me usar assim através delas para que Ele possa chegar às pessoas que Ele deseja alcançar. Que Deus me dê forças para que com a minha vida eu possa servi-Lo cheio de fé para Sua honra.

 

 


Dons de DeusJesus e María já falaram com você?
Não, eu nunca tive uma visão, uma aparição. Mas eu tenho uma conversa de coração, É um dom de ser capaz de diagnosticar e de ler o coração das pessoas. Este dom se manifesta em mim quando eu estou em conversa espiritual ou ouvindo confissões. Sempre falando como ajuda à pessoa para que ela possa se expressar e se apaixonar por Deus.

Este dom de ler as almas veio após os estigmas?
Antes do fenômeno da estigmatização eu tinha dons como o dom de línguas, o dom de cura, o dom de conselho, é um pouco o dom do conhecimento também veio. Após a estigmatização, eu recebi muitos outros dons. Algum desses dons me surpreenderam muito. E eu precisei de algum tempo para me acostumar com o que estava acontecendo. Sobre isso eu me refiro especificamente aos dons de levitação, de bilocação, de iluminação, o conhecimento de eventos futuros - o conhecimento sobre o futuro próximo, especialmente sobre perigos futuros.

 

 

Você tem permissão para falar sobre isso?

Eu gostaria de aguardar até que um certo tempo passe. Eu estou tendo a cooperação com alguns experts - os melhores experts do mundo. Eu gostaria que tudo fosse bem observado do ponto de vista deles. E até que a Igreja oficial faça um anúncio reconhecendo esses fenômenos, em meu coração não estou certo se é bom falar sobre essas coisas. Eu desejo dirigir a atenção para Jesus Cristo, e eu temo que com estas coisas, eu possa dirigir a atenção para mim mesmo. Eu sou um pecador. Depois da estigmatização, eu tenho uma tremenda necessidade do Sacramento da confissão. Para mim é a mesma coisa que para qualquer outra pessoa caminhar nesta terra, ser pequeno e desta forma pertencer a Deus.

Você falou no dom de línguas, é um dom de línguas ou o dom de múltiplas línguas?

O dom de línguas têm dois ou três grupos. Uma é aquele da pessoa que nunca estudou uma língua conhecida, mas é capaz de falar aquela língua. O segundo é aquela pessoa que pode falar o hebreu antigo já esquecido, aramaico outra língua semítica antiga. E o terceiro dom é o chamado balbuciar - a pessoa através da graça de Deus pode falar a assim chamada língua dos anjos. Esse dom é mencionado na Sagrada Escritura. Temos que ser muito cuidadosos com esse dom por que espíritos do mal podem também usar esse dom de línguas.

Certa vez num encontro das pessoas estavam rezando em língua, e tudo estava sendo gravado. Uma pessoa que tinha o dom de compreender as línguas, entendeu que o que eles estavam dizendo eram blasfêmias e linguagem profana contra Deus.

 

Em Pentecostes quando os apóstolos falaram em várias línguas, então eles falavam e todos compreendiam. Conosco, em nossos encontros de oração, frequentemente acontece que todos falam (em línguas) e ninguém entende. A minha experiência é esta - aquele que tem o dom de línguas e por vezes sente em seu coração a necessidade de louvar a Deus com este dom. Ele poderia começar a rezar em voz alta. Mas, se naquele momento. uma pessoa com o dom do entendimento das línguas não estiver presente, então aquele dom, naquele momento, não é dado para a edificação da comunidade, mas para o crescimento individual daquela pessoa. Então eu recomendo que aquela pessoa reze silenciosamente para si mesma. Cada dom que temos não é dado para a pessoa individualmente, mas para os outros para a comunidade. Eu estou a serviço da Vontade de Deus.

O que você nos diz sobre a sua bilocação?
É um dom muito interessante, que somente é manifestado quando outras pessoas o testemunham. A pessoa (com este dom) até o último momento não está certa sobre o que está acontecendo com ela. Você tem sentimentos de que você está num lugar, mas seu coração imaginação desejam estar em algum lugar mais. Isso acontece quando a pessoa está impedida de estar com Deus, em oração, com o Santíssimo Sacramento. Após impedimentos desse tipo que eu experimentei, a bilocação se manifestou.

 

Você não poderia estar próximo a Deus então foi quando ocorreu a bilocação e você foi próximo a Deus?

Eu estava com Deus em um lugar e no outro, mas no outro lugar eu experienciei mais em meu coração e imaginação do que em meu corpo. É interessante que eu sabia tudo o que estava acontecendo lá. Eu poderia atribuir tudo isso a minha imaginação se as pessoas não viessem a mim e confirmasse tudo - seis pessoas que me viram fisicamente lá, e uma dessas pessoas eu até apertei a mão.Isso aconteceu em sua casa em sua Diocese?Ao mesmo tempo eu estava com alguns jovens rezando e meditando. (frei Jozo acrescenta este comentário) "E eles sabiam que ele estava lá e viram que ele estava rezando com eles. O outro lugar era uma igreja e algumas pessoas o viram em frente da igreja e o cumprimentaram apertando suas mãos e então eles sabiam que ele estava lá".

Padre Sudac, você disse no começo da entrevista que isso tem deixado você com um tremendo temor do Senhor.

Eu ainda sinto muito temor. Deus ultrapassa a qualquer um e a todos os pensamentos sobre Ele. Ele ultrapassa os nossos sentimentos, e o estado de nossa alma. É impossível falar sobre Ele. A única forma de se comunicar com Deus é amar a Deus. Temos que navegar para Deus até que eu não exista, mas mas somente Deus existe. Quando faço isso eu não me perco mas eu me encontro em Deus. Isso só pode ser compreendido pelas pessoas que amam a Deus com todo seu coração, com toda sua alma, e com toda sua força. Se alguém pecar, a única causa de todos os pecados é a falta de amor a Deus e à falta de amor para a humanidade e de nós mesmos, que é a causa de todos os males. Se esta humanidade ferida descobrisse a fórmula do amor, o amor incondicional, esta vida seria o paraíso na terra.

 

Você sente dor em sua testa?
Não me machuca e exceto quando estou em oração, então eu a sinto pulsando. Nas primeiras sextas-feiras e em certos momentos ela sangra como se estivesse chorando.


Você é padre de ordem religiosa?
Não, eu pertenço à Diocese de Krk na Croácia
Nossa Senhora


Você sente Nossa Senhora próxima a você?
Muito. Ela é a minha amável mãe. Todas as forças do mal caem diante dela. Só se pode rezar a ela com um coração puro, e serei grato pela sua proteção até o fim de minha vida. Pessoalmente eu me consagrei ao Imaculado Coração de Maria. A Mãe é verdadeiramente o lado dócil de nossa espiritualidade. Nossa sociedade técnica e áspera está perdendo a docilidade das mães.

 

Você se consagrou a Nossa Senhora como um filho?

Há um ano.

E você tinha devoção a María quando menino?
Existe uma história interessante sobre minha mãe. Quando jovem ela desejava ser uma irmã com as Missionários da Caridade. Mas, naquela época, era exigido que a família desse certa quantidade de dinheiro e assim a jovem poderia entrar no convento. Minha avó, isto é a mãe de minha mãe, era muito pobre, e não foi capaz de pagar. Foi quando minha mãe fez um voto à Maria, nossa Mãe Celestial. Que se ela não era capaz de fazer aquilo (isto é de se tornar uma irmã) que se Deus lhe desse um filho, ela o consagraria a Deus. Minha mãe me fez conhecer isso apenas quando eu lhe disse que desejava ser padre. Eu nunca soube nada sobre este voto dela. Naquela época, entre lágrimas, ela me falou do voto que tinha feito. Através disso eu posso ver que a intercessão da Mãe de Deus me protegeu.

Seus pais estão vivos e onde eles moram?

Sim, eles moram numa ilha, Krk, o mesmo lugar de onde veio o arcebispo de Zagreb. Minha mãe foi a escola com o arcebispo de Zagreb. Minha diocese tem cerca de 70 sacerdotes. E é uma das menores dioceses em toda a Croácia.

 

 

Você já foi a Medjugorje?
Três vezes. Aquelas foram experiências inesquecíveis. Medjugorje é um santo lugar de oração, silêncio e de conversão do coração.

Você já era padre quando foi a primeira vez a Medjugorje?
Eu era muito jovem, um garoto a primeira vez.

 

 

Você já esteve lá depois que se tornou padre?
Sim

O que de mais importante você encontrou em Medjugorje?
Honestidade. Ser uma amante da verdade. Hoje a verdade provoca. Ela busca a pessoa inteira. E Maria não pode pedir outra coisa se não a mim todo inteiro. Dando-me a Maria e a Deus, eu não me perco, mas eu me encontro. Isso que eu trago de Medjugorje, a mensagem que eu recebi - especialmente tenha confiança em Deus.

 

 

 






Fonte: http://queridosfilhos.org.br/boletim/24dezembro09/artigosdez09.html



LEIA TAMBÉM
Santos Estigmatizados: Anna Catarina Emmerich
As estigmas de Teresa Neumann - Alimenta-se somente de Eucaristia por 36 anos
Santos Estigmatizados: Catarina de Siena
Santos Estigmatizados: Catarina de Ricci
Santos Estigmatizados: Lúcia Brocadelli de Narni
Os estigmas: O que são? Por que são?
Estigmatizada Mexicana Elizabeth Sanchez e a Mensagem para os Nossos Tempos



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.251.543
Visitas Únicas Hoje: 712
Usuários Online: 359