Espacojames


Página Inicial
Listar Devoção




Artigo N.º 1906 - A origem do nome e Devoção de NOSSA SENHORA ROSA MÍSTICA
Artigo visto 5438 vezes




Visto: 5438
Postado em: 07/07/09 às 14:53:39 por: James
Categoria: Devoção
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=36&id=1906
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Devoção

Nossa Senhora Rosa Mística : "Oração, Penitência e Expiação".

A origem do nome: ROSA MÍSTICA

Em 1947, em Montechiari, situada a alguns quilômetros de Bréscia, norte da Itália, uma enfermeira chamada Pierina Gilli, encontrava-se num quarto do hospital onde trabalhava, quando teve uma visão de uma belíssima Senhora vestida com uma túnica púrpura e com um véu branco cobrindo-lhe a cabeça. Em seu peito estavam encravadas três espadas e seu celestial rosto tinha feições muito tristes. A Virgem chorava e disse em sua primeira aparição disse: "Oração, Penitência e Expiação".

Na segunda aparição a Virgem apresenta-se de branco e em lugar das três espadas traz no peito três rosas: uma branca, uma cor-de-rosa e outra dourada. A Virgem disse a Pierina que o Senhor a enviara especialmente para ajudar aos sacerdotes e às ordens religiosas.

 

Suas palavras (trechos): "Sou a Mãe de Jesus e Mãe de todos vocês". "Nosso Senhor me envia para implantar uma nova devoção mariana em todos os institutos tanto masculinos como femininos, nas comunidades religiosas e em todos os sacerdotes. Eu prometo-lhes que se venerarem desta maneira especial, gozarão particularmente de minha proteção e haverá um florescimento de vocações religiosas. Desejo também que o dia 31 de cada mês seja consagrado como dia mariano e os doze dias precedentes sirvam de preparação com orações especiais, e o dia 13 de julho de cada ano seja dedicado à "Rosa Mística".

  A Virgem explicou também o significado das espadas e das três rosas:

A primeira espada: representa a escassez das vocações.

A Rosa branca: o espírito de oração.

A segunda espada: representava os pecados mortais dos sacerdotes, monges e monjas.

A Rosa Vermelha: o espírito de expiação e sacrifício.

A terceira espada era por causa dos sacerdotes e monges que cometem a mesma traição de Judas.

A Rosa dourada: o espírito de penitência.

A terceira aparição ocorreu na capela do hospital de Montechiari, durante a celebração eucarística. Maria Rosa Mística disse: "Meu Divino Filho, cansado das incessantes ofensas, quer dar curso à sua justiça e quer colocar-me como intermediária entre os homens e em particular entre as almas dos religiosos e Ele". A vidente agradece em nome de todos os presentes e ela responde: "Vivei de amor".

Na quarta aparição a Virgem suplica oração e penitência, pedido que se repete na quinta aparição.

Na sexta aparição, Maria expressa o desejo de que em Montechiari seja venerada sob a invocação de "Rosa Mística", unida à veneração de seu Coração Imaculado, especialmente nos conventos e Institutos Religiosos.

Na sétima aparição, a Virgem disse sorrindo: "Eu sou a Imaculada Conceição, sou a Mãe da Graça, Mãe de meu Divino Filho, Jesus Cristo, quero que ao meio-dia de cada 8 de dezembro seja celebrada a "hora da graça" por todo o mundo e prometo que mediante esta devoção serão alcançadas graças para a alma e para o corpo".

Depois destes acontecimentos, Pierina passou vários anos em Bréscia como ajudante em um convento de religiosas. Em 1966 começa a segunda etapa das aparições. Em fevereiro desse ano Pierina volta a ver a Virgem e lhe anuncia que aparecerá no dia 17 de abril em Fontanelle, um bairro de Montechiari. Nesse lugar havia uma fonte numa gruta onde ocorreram várias curas físicas e espirituais.

A Virgem apareceu no dia anunciado e assim se manifestou: "Meu divino Filho Jesus é todo amor e me enviou para dar um poder milagroso de cura a este fonte... Que os enfermos e todos os meus filhos peçam perdão a meu Divino Filho, beijem com muito amor a Cruz, tirem água da fonte e bebam-na... Desejo que os enfermos e todos meus filhos venham à fonte da graça".

Nossa Senhora manifestou mais vezes. Em Fontanelle, disse, no dia 6 de agosto: "Meu divino Filho Jesus me envia novamente aqui para pedir a formação da Liga Mundial da Comunidade Reparadora, que deve ter início no próximo 13 de outubro e estender-se por todo o mundo todo a cada ano".

Rosa Mística, Mãe da Igreja, rogai por nós!
 
 Como atender os pedidos de Nossa Senhora
Nossa Senhora Rosa Mística pede que oremos sempre pelos Sacerdotes, Religiosos e Religiosas do mundo inteiro para que:
  • as vocações não sejam traídas;
  • as vocações que tenham se desviado, voltem ao caminho de Deus.

Cada vez que, de coração aberto, intercedemos por estas intenções, estas almas são fortalecidas na fé e, pela Misericórdia Divina, é obtida a graça de uma nova oportunidade para voltarem ao caminho de Deus, para aquelas almas que se desviaram.

Por isto Nossa Senhora Rosa Mística pediu insistentemente à Pierina Gilli:

“ORAI! ORAI! ORAI!”

Assim, nós, devotos de Nossa Senhora Rosa Mística, temos a obrigação de orar sempre, e em primeiro lugar, pela Hierarquia da Igreja para que eles, Sacerdotes, Religiosos e Religiosas, possam ser verdadeiramente os pastores que Deus Nosso Senhor quer que sejam, e assim cessem as ofensas contra:

  • a Eucaristia;
  • o nome do Senhor Jesus;
  • os privilégios de Maria;
  • a Igreja;
  • o Papa;
  • a inocência das crianças e dos simples;
  • a sacralidade da vida humana;
  • a santidade da família.

Os devotos de Nossa Senhora Rosa Mística devem:

  • comemorar o dia 13 de cada mês, realizando um ato de devoção especial a Nossa Senhora para culminar a preparação feita nos doze dias anteriores (pedido de Nossa Senhora em 13.07.1947);
  • comemorar o dia 13 de Julho de cada ano, celebrando a Festa de Nossa Senhora Rosa Mística (pedido de Nossa Senhora em 13.07.1947);
  • celebrar no dia 13 de Outubro de cada ano a União Mundial da Comunhão Reparadora, para que sejam derramadas as graças de conversão e santificação da Igreja, especialmente dos Sacerdotes, Religiosos e Religiosas (pedido e promessa de Nossa Senhora em 09.06 e 06.08.1966)
  • celebrar no dia 08 de Dezembro de cada ano a Hora da Graça Universal, quando serão derramadas graças espirituais e corporais a toda a Igreja, especialmente aos Sacerdotes, Religiosos e Religiosas (pedido e promessa de Nossa Senhora em 22.11 e 07.12.1947)

Os devotos de Nossa Senhora Rosa Mística devem também oferecer sempre suas orações, seus sacrifícios e suas penitências:

  • pela purificação da Igreja;
  • pela santificação dos Sacerdotes, Religiosos e Religiosas;

pelo aumento das vocações religiosas e sacerdotais.

O Significado das Três Rosas

Já em sua primeira aparição à Pierina Gilli, ocorrida no hospital de Montechiari na madrugada do dia 24 de Novembro de 1946, Nossa Senhora comunicou-lhe o conteúdo básico de todas as mensagens que lhe seriam transmitidas ao longo de sua vida e que deveriam nortear a sua missão: “Oração, Sacrifício e Penitência.”

Santa Maria Crucifixa Di Rosa, que teve uma participação importante na preparação de Pierina para o início das aparições de Nossa Senhora Rosa Mística, explicou-lhe que a Virgem Maria estava pedindo orações, sacrifícios e penitências para reparar os pecados das almas consagradas a Deus:

Orações por aquelas almas que traíram suas vocações;
Sacrifícios para reparação dos pecados mortais dessas almas;
Penitência para reparar a traição dos Sacerdotes que se tornaram indignos de exercer seu ministério.

De modo muito especial, a Virgem Maria pediu à Pierina oração pela santificação dos Sacerdotes, dizendo: “Se forem santos, muitas pessoas se santificarão”.

Na aparição do dia 13 de Julho de 1947, Nossa Senhora trazia no peito três belíssimas rosas de cor branca, vermelha e amarela, com reflexos dourados. Após dar algumas instruções à Pierina, Nossa Senhora disse:

“Desejo que o dia 13 de Julho de cada ano seja festejado por todos os institutos, e é necessário que em todas as congregações ou institutos religiosos existam pessoas que vivam em espírito de oração para obter a graça de que nenhuma vocação seja traída.”

Neste momento, a rosa branca sobre seu peito parecia brilhar com maior intensidade, como para confirmar o seu significado. Depois de um instante de silêncio, sempre firme em sua atitude, Nossa Senhora continuou:

“Desejo também que existam outras pessoas que vivam com generosidade e amor, aceitando os sacrifícios, as provações, as humilhações para reparar as ofensas que Nosso Senhor recebe das pessoas consagradas que vivem em pecado mortal.”

Neste momento, a rosa vermelha parecia brilhar mais, para confirmar seu significado. Em seguida, Nossa Senhora ficou um instante em silêncio e, depois, disse:

“Desejo ainda que outras pessoas imolem suas vidas para reparar as traições recebidas por Nosso Senhor por causa dos sacerdotes-judas.”

Neste momento, a rosa amarelo-ouro possuía maior brilho.

“A imolação dessas pessoas obterá do meu coração maternal a santificação desses ministros de Deus e muitas graças sobre suas congregações. Desejo que esta minha devoção seja estendida a todos os Institutos Religiosos.”
 
 

A Santificação dos Sacerdotes

                                                              
Na aparição de 13 de Julho de 1947, Nossa Senhora transmitiu à Pierina o conteúdo primordial desta nova devoção:

“Eu sou a Mãe de Jesus e a Mãe de todos vós. Nosso Senhor envia-me para levar uma nova Devoção Mariana a todos os Institutos e Congregações Religiosas, masculinas e femininas, e também aos sacerdotes seculares.”

“Prometo a todos os Institutos ou Congregações que me honrarem que serão por mim protegidos, terão maior florescência de vocações e menos vocações traídas, menos pessoas que ofendem ao Senhor com o pecado mortal e grande santidade entre os ministros de Deus.”

“É necessário que em todas as Congregações ou Institutos Religiosos existam pessoas que vivam em espírito de oração para obter a graça de que nenhuma vocação seja traída.”

“Desejo também que existam pessoas que vivam com generosidade e amor, aceitando os sacrifícios, as provações e as humilhações para reparar as ofensas que Nosso Senhor recebe das pessoas consagradas que vivem em pecado mortal.”

“Desejo ainda que outras pessoas imolem suas vidas para reparar as traições recebidas por Nosso Senhor por causa dos sacerdotes-judas.”

“A imolação dessas pessoas obterá do meu coração maternal a santificação desses ministros de Deus e muitas graças sobre suas congregações. Desejo que esta minha devoção seja estendida a todos os Institutos Religiosos.”

No decorrer desta aparição, Pierina pediu à Nossa Senhora, em nome da Madre Superiora, um milagre externo para testemunhar a sua vinda. Ela respondeu-lhe:

“Eu não realizarei milagre externo. O milagre mais claro acontecerá quando essas pessoas consagradas cessarem de ofender gravemente a Deus e voltarem a reviver o primitivo espírito dos seus fundadores.”

Na aparição ocorrida em 07 de Dezembro de 1947, Nossa Senhora fez uma especial referência à aparição que iria ocorrer no dia seguinte:

“Amanhã mostrarei meu Imaculado Coração que é tão pouco conhecido pelos homens. Esta aparição será dedicada à santificação dos Religiosos.”

Na aparição ocorrida em 08 de Setembro de 1974, Nossa Senhora voltou a fazer especial menção aos sacerdotes:

“Eu sou Maria, a Mãe da Igreja. Pela Igreja, pelo Santo Padre, pelos Sacerdotes e por todos os filhos desta Igreja, peço: oração, oração, oração, para que retorne aos corações o verdadeiro amor a Deus e a verdadeira caridade.”

Pierina perguntou à Nossa Senhora como poderia transmitir aos Superiores eclesiásticos os seus pedidos. Nossa Senhora respondeu-lhe:

“Já falei aos corações dos filhos diletos. Incentiva-os a serem novamente mensageiros do meu amor, das minhas mensagens e da caridade. Sempre estou perto deles para fortificá-los com a graça do Senhor, mas diga que rezem ainda com mais amor, se sacrifiquem e reparem.”

Na aparição de 13 de Fevereiro de 1976, Nossa Senhora disse à Pierina:

“Pierina, repita sempre aos meus filhos, particularmente aos Sacerdotes, que Me amem. Diga a eles que anunciem em toda parte e em todas as direções esse convite da Mãe de Deus. Que eles não percam o que, em tantos séculos, já realizei e continuo realizando para salvar meus filhos de tantos perigos. O Senhor deve ser amado, louvado e glorificado com todo o entusiasmo da fé e do amor.”

O Dia Mariano e a Festa de Nossa Senhora Rosa Mística           

Na madrugada do dia 13 de Julho de 1947, Pierina estava em oração em seu quarto no hospital de Montechiari quando aconteceu a primeira aparição de Nossa Senhora vestida de branco e com três lindíssimas rosas de cor branca, vermelha e amarela, com reflexos dourados, sobre o peito.

Apesar de ter certeza de estar diante de Nossa Senhora, Pierina perguntou: ‘Por favor, quem és tu?’ Nossa Senhora respondeu-lhe:

“Eu sou a Mãe de Jesus e a Mãe de todos vós. Nosso Senhor envia-me para levar uma nova Devoção Mariana a todos os Institutos e Congregações Religiosas, masculinas e femininas, e também aos sacerdotes seculares.”

“Prometo a todos os institutos ou congregações que me honrarem que serão por mim protegidos, terão maior florescência de vocações e menos vocações traídas, menos pessoas que ofendem ao Senhor com o pecado mortal e grande santidade entre os ministros de Deus.”

“Desejo que o dia 13 de cada mês seja um DIA MARIANO. Este dia deve ser precedido de doze dias de reparação, com orações especiais.”

“Este dia deve ser de reparação pelas ofensas que as pessoas consagradas cometeram contra o Senhor Jesus. Os seus pecados fazem penetrar no meu Coração, e no Coração do meu Divino Filho, três agudas espadas.”
“Neste dia eu farei descer, sobre os institutos ou congregações religiosas que me honrarem, muitas graças e santidade de vocações. Este dia seja santificado com orações especiais como a Santa Missa, a Santa Comunhão, o Rosário e a Hora Santa.”

“Desejo que o dia 13 de Julho de cada ano seja festejado por todos os institutos, e é necessário que, em todas as congregações ou institutos religiosos existam pessoas que vivam em espírito de oração para obter a graça de que nenhuma vocação seja traída.”

União da Comunhão mundial reparadora


Em 09 de Junho de 1966, Festa de Corpus Christi, Nossa Senhora apareceu à Pierina em Fontanelle e, mostrando-lhe o trigo maduro em um campo próximo, disse-lhe:

“Hoje meu Divino filho enviou-me novamente. Hoje é a Festa do Corpo de Deus. É a festa da união. Festa do Amor. Gostaria que este trigo se transformasse em Pão Eucarístico, em muitas comunhões reparadoras. Desejo que este trigo, transformado em hóstias, vá para Roma e no dia 13 de Outubro esteja em Fátima.”

Em 06 de Agosto de 1966, Festa da Transfiguração, Nossa Senhora apareceu à Pierina em Fontanelle e lhe disse:

“O meu Divino Filho enviou-Me novamente para pedir a União Mundial da Comunhão Reparadora, no dia 13 de Outubro. Seja difundida no mundo inteiro a notícia desta santa iniciativa. Deve ser feita pela primeira vez neste ano de 1966 e repetida todos os anos. Aos reverendos Sacerdotes e aos fiéis que realizarem essa prática eucarística é garantida a abundância das minhas graças.”

Nossa Senhora ficou um pouco em silêncio e continuou emanando um grande brilho:

“Depois de minha Assunção ao Céu, tenho sido Medianeira entre meu divino filho Jesus e toda a humanidade. Quantas graças. Quantos castigos consegui evitar... Quantos colóquios tive com as almas. Quantas visitas fiz à terra trazendo mensagens, e os homens continuam a ofender o Senhor. Eis por que desejo a União Mundial da Santa Comunhão Reparadora. É um ato de amor e de gratidão da parte dos filhos para o Senhor.

No dia 25 de Julho de 1971, Nossa Senhora assim se expressou:

“Pierina, este é um lugar de oração. Convido-te a rezar o Rosário, o que muito agrada ao Senhor. Saibam todos os meus filhos que os que aceitarem o meu pedido de comunhão reparadora serão retribuídos com muitas graças, e aos que vêm à fonte e honram-Me com devoção, diga que rezem o Santo Rosário. Neste lugar, os corações unidos palpitam com um único ímpeto de amor entre o Céu e a Terra. Quantas graças serão concedidas! Eu vejo e abençôo a tudo e a todos.”

A hora da graça

Nas aparições de 22 de Novembro e 07 de Dezembro de 1947, acontecidas na Catedral de Nossa Senhora da Assunção em Montichiari, Nossa Senhora anunciou:

“No dia 8 de Dezembro, ao meio-dia, virei até esta paróquia e acontecerá a HORA DA GRAÇA. A HORA DA GRAÇA será um evento com grandes e numerosas conversões.”

Na aparição de 07 de Dezembro Nossa Senhora não estava só. Conforme descrição de Pierina, Seu manto cândido estava aberto, sustentado do lado direito por um belíssimo menino, também vestido de branco, com uma fita branca cingindo-lhe a testa. O lado esquerdo era levantado por uma menina lindíssima, também vestida de branco e com a fita cingindo-lhe a testa e a cabeça. Ambos tinham vestes compridas. Pierina pensou que aquelas crianças fossem dois anjinhos, por serem tão belas. Curiosa, perguntou à Nossa Senhora quem eram aquelas crianças. Com doçura ela respondeu:

“Jacinta e Francisco, os dois pequenos confidentes de Fátima. Eles serão teus companheiros em tua tribulação. Eles também sofreram, mesmo sendo menores do que tu.”

Como preparação para o evento do dia 08 de Dezembro, Nossa Senhora indicou o que deveria ser feito:

“Oração e Penitência. Rezem três vezes ao dia, todos os dias, o Salmo 50, “Miserere”, de braços abertos.”

Na aparição de 08 de Dezembro de 1947, Nossa Senhora declarou:

“Eu sou a Imaculada Conceição. Eu sou Maria das Graças, Mãe do Divino Filho Jesus Cristo. Pela minha vinda a Montichiari, desejo ser chamada ROSA MÍSTICA.”

“Desejo que todos os anos, no dia 8 de Dezembro, seja realizada a HORA DA GRAÇA UNIVERSAL. Com essa prática serão alcançadas numerosas graças espirituais e corporais.”

“Mesmo àqueles que não puderem ir às igrejas e permanecerem rezando em suas casas ao meio-dia, concederei muitas graças.”

“O quanto antes seja relatado ao Santo Padre da Igreja Católica, o Papa Pio XII, que desejo que esta HORA DA GRAÇA seja conhecida e divulgada em todas as partes do mundo.”

O Imaculado Coração de Maria Rosa


Na aparição de 07 de Dezembro de 1947, acontecida na Catedral de Montichiari, Nossa Senhora anunciou:

“Amanhã mostrarei meu Imaculado Coração, que é tão pouco conhecido pelos homens. Em Fátima pedi a difusão da devoção da Consagração ao meu Imaculado Coração. Em Bonate procurei fazê-lo penetrar na família cristã. Aqui, em Montichiari, desejo que a devoção à Rosa Mística, unida à devoção ao meu Coração Imaculado, seja aprofundada nas Instituições Religiosas, a fim de que as pessoas consagradas recebam copiosas graças do meu maternal Coração.”

Na aparição de 08 de Dezembro de 1947, acontecida também na Catedral de Montichiari, Nossa Senhora dirigiu o olhar para o céu e lentamente, pronunciando palavra por palavra, disse:

“Eu sou a Imaculada Conceição.”

Logo em seguida deu alguns passos à frente e disse:

“Eu sou Maria das Graças, Mãe do Divino Filho Jesus Cristo.”

“Pela minha vinda a Montichiari, desejo ser chamada de ROSA MÍSTICA.”

Pierina relatou que em um certo momento desta aparição de 08 de Dezembro de 1947, Nossa Senhora abriu os braços e, ao realizar esse gesto, o manto se abriu. Em seu peito destacava-se o seu Coração e nele estavam cravadas as três rosas: branca, vermelha e amarela. Uma luz tão forte, irradiante e penetrante vinha daquele Coração que deixou Pierina deslumbrada e quase cega, a ponto de Nossa Senhora desaparecer de sua visão. A luz envolveu Pierina e penetrou em seu íntimo, fazendo-a transbordar de alegria e gritar com entusiasmo: Ó, Imaculado Coração de Maria!

Após esta manifestação de alegria, a luz vermelha que obscurecia a visão de Pierina começou a diminuir e lentamente ela pode recuperar a visão. Voltou a ver Nossa Senhora que, cheia de bondade e com voz muito calma, disse:

“Eis aqui o Coração que tanto ama os homens e que da maior parte deles só recebe ofensas.”

Nossa Senhora, com um sorriso de ternura, continuou:

“Quando os bons e também os maus estiverem unidos na oração, receberão deste Coração misericórdia e paz.”

Em 09 de Junho de 1966 Nossa Senhora apareceu em Fontanelle e pediu:

“Desejo que próximo daqui seja colocada uma imagem em um nicho, voltada para a fonte. No dia 13 de Outubro essa imagem deverá ser levada em procissão. Antes, porém, desejo que o povo de Montichiari consagre-se ao meu Coração.”

No dia 22 de Julho de 1973, em aparição ocorrida na capela de sua casa em Bosqueti, próximo de Fontanelle, Pierina perguntou a Nossa Senhora o porquê da manifestação com o nome Rosa Mística e qual o sentido desse nome. Nossa Senhora respondeu:

“O nome Rosa Mística não tem, em si, nada de novo. De Rosa Mística fui chamada naquele momento em que meu Divino Filho Jesus se fez homem. Na Rosa Mística está simbolizado o FIAT da Redenção e o FIAT da minha colaboração. Eu sou a Imaculada Conceição, a Mãe do Senhor, a Mãe da Graça e a Mãe do Corpo Místico: a Igreja!
 

A Fonte da Graça


Em 27 de Fevereiro de 1966, Nossa Senhora apareceu à Pierina no Convento das Irmãs Franciscanas do Lírio, em Bréscia, e deu-lhe esta mensagem:

“Pierina, nos dias 12,14 e 16 de Abril, logo depois da Páscoa, tu realizarás uma romaria de penitência, saindo da Catedral até Fontanelle. Divulgue essa penitência. No Domingo da Festa da Misericórdia, 17 de abril, o meu Divino Filho Jesus Cristo enviar-Me-á mais uma vez sobre a terra de Montichiari, a fim de levar muitas graças para toda a humanidade. A fonte se tornará milagrosa. A partir deste domingo, 17 de abril, os doentes deverão ser levados até essa fonte e tu deverás, em primeiro lugar, oferecer dessa água para que bebam e em seguida lavem as suas chagas. De agora em diante, essa será tua nova missão de ação e de apóstola, não mais escondida nem mais afastada da comunidade. No Domingo da Misericórdia, logo que eu tocar a água da fonte, ela se tornará um local de purificação e de graças.”

Pierina realizou as três romarias solicitadas por Nossa Senhora. Na manhã de 17 de Abril de 1966, ela e sua amiga Lúcia Mazzoti dirigiram-se da Catedral de Montichiari até Fontanelle rezando o Rosário. No caminho Pierina sentiu uma suave brisa, que lhe trouxe uma alegria celestial: era o prenúncio da chegada de Nossa Senhora. Estavam ainda distante das fontes. Correndo, aproximaram-se. Em certo momento, uma força obrigou Pierina a ficar de joelhos sobre o degrau de uma escada muito rude que desce da estrada até a fonte. Uma forte luz iluminava tudo e dentro da luz estava Nossa Senhora Rosa Mística! Sorrindo, disse-lhe:

“Meu Divino Filho Jesus é todo AMOR. Enviou-me a fim de tornar esta fonte milagrosa. Em sinal de penitência e purificação, beije este degrau. Desça mais um degrau, pare, dê mais um beijo e desça. Pela terceira vez, beije o degrau, e nesse lugar deverá ser colocado um crucifixo.”

Com a mão esquerda , indicou à Pierina o local exato onde desejava que fosse colocado um crucifixo. Então continuou:

“Os doentes e todos os meus filhos, antes de beberem a água, devem pedir perdão ao meu Filho com um beijo de AMOR.”

Depois Nossa Senhora inclinou-se e tocou a água da fonte em dois pontos. Elevou-se com grande esplendor e disse:

“Desejo e repito que tragam aqui os doentes e todos os meus filhos. Venham à fonte milagrosa!”

No dia 13 de Maio de 1966, Nossa Senhora apareceu à Pierina no mesmo local e, indicando com as mãos, disse-lhe:

“Desejo que aqui seja construído um tanque conveniente para que os doentes possam banhar-se. A outra fonte deve ser reservada somente para se tomar de sua água.”


                                
A aparição de 19 de maio de 1970 teve um significado especial. Maria Santíssima trazia no braço direito um grande Rosário, que terminava com uma medalha, em vez da cruz. Nossa Senhora estendeu os dois braços e mostrou uma medalha redonda e dourada, sobre as palmas das mãos.

Na medalha da mão direita estava gravada a imagem de Nossa Senhora em pé, no topo de uma escada, com as mãos juntas e a cabeça inclinada para a frente e, do lado esquerdo, circundada de rosas. Havia muitas rosas aos seus pés e espalhadas ao longo da escada.

Na medalha da mão direita estava escrito ROSA e na da mão esquerda, MÍSTICA. Atrás de uma das medalhas, Pierina viu claramente uma linda igreja com três grandes portas, sobre a qual estava escrito: MARIA, MÃE DA IGREJA.

Nesse momento, Nossa Senhora começou a falar:

“Desejo que seja estampada uma medalha como essa e com as duas inscrições. O Senhor enviou-Me para este lugar para trazer o dom do seu amor, o dom da fonte das graças e o da medalha do meu amor materno. Hoje estou aqui para dar a conhecer esta medalha, dom do amor universal, que deve ser colocada pelos meus filhos sobre o coração, onde quer que se encontrem. Prometo a todos os meus filhos a minha proteção e a minha graça materna. Esta é a hora em que se busca aniquilar, o mais possível, a veneração que Me é devida.”

“A medalha do meu amor materno ajudará meus filhos a sentirem minha presença.”

“Eu sou a Mãe do Senhor, a Mãe da humanidade. Acontecerá o triunfo do amor universal. A bênção do Senhor, junto ao meu amor, acompanhará sempre os meus filhos que a Mim recorrerem.”

No dia 08 de Setembro de 1974, Pierina encontrava-se na capela de sua casa em Montichiari rezando o Rosário quando, inesperadamente, apareceu-lhe Maria Santíssima, cheia de beleza e de luz, e lhe disse:

“Eu sou Maria, a Mãe da Igreja. Pela Igreja, pelo Santo Padre, pelos Sacerdotes e por todos os filhos desta Igreja, peço: oração, oração, oração, para que retorne aos corações o verdadeiro amor a Deus e a verdadeira caridade.”

“Invocai especialmente a proteção do Arcanjo São Miguel para que guarde a Igreja de todas as insídias ameaçadoras e a defenda. De fato, jamais a Igreja se viu em perigo tão grande como o de hoje. Eu intercedo continuamente por ela. Também deste pequeno lugar difundirá luz.”
 
 
O Santo Rosário

No dia 17 de Janeiro de 1971, a Santíssima Virgem retornou para dizer:

Um Rosário rezado com devoção e um penhor para qualquer intercessão. É a contemplação dos mistérios da fé... O Pai Nosso é a oração da união... A oração do Senhor... A oração da glorificação da Santíssima Trindade com a recitação do Glória ao Pai... Diga aos meus filhos que rezem o Santo Rosário... elo de fé e de luz e vínculo de união, de glória e de bem-aventurança.”

No dia 25 de Julho de 1971, Nossa Senhora assim se expressou:

“Pierina, este é um lugar de oração. Convido-te a rezar o Rosário, o que muito agrada ao Senhor. Saibam todos os meus filhos que os que aceitarem o meu pedido de comunhão reparadora serão retribuídos com muitas graças, e aos que vêm à fonte e honram-Me com devoção, diga que rezem o Santo Rosário. Neste lugar, os corações unidos palpitam com um único ímpeto de amor entre o Céu e a Terra. Quantas graças serão concedidas! Eu vejo e abençôo a todos.”

O Amor de Nossa Mamãe   Maria                                      
No dia 23 de Novembro de 1975, Festa de Cristo Rei, Pierina estava rezando na capela de sua casa em Montichiari. Maria Santíssima surgiu, de forma inesperada, e disse-lhe:

“Filha, vai anunciar a todos os homens o meu amor por eles. Diga-lhes que meu Divino Filho Jesus Cristo concede-Me as graças que serão distribuídas a todos eles, porque Ele tudo concede à Sua Mãe. Em verdade, Eu sou a Mãe do Senhor, a Mãe da Igreja, a Mãe da humanidade. Pierina, os sacrifícios e orações oferecidos por tantas pessoas ao Senhor alcançam enormes graças. O mundo deveria sofrer um grande castigo por causa de seu endurecimento no pecado, mas a Sua grande e infinita misericórdia triunfou novamente. Meus queridos filhos, orai e fazei sacrifícios por todos. Esse é o meio pelo qual as almas se salvarão.”

No dia 13 de Fevereiro de 1976, à noite, enquanto Pierina rezava em sua capela particular, apareceu-lhe Nossa Senhora e lhe disse:

“Venho mais uma vez dizer-te para propagar a minha mensagem de amor. Há séculos desço em muitos lugares da terra. Se após minha Assunção ao Céu não tivesse descido continuamente à terra para congregar ao meu redor os meus filhos, grande parte do mundo, sem a minha intervenção materna e amorosa, teria se tornado fria e indiferente para com o Senhor. Meus filhos necessitam dessa minha intervenção maternal e amorosa, porque, em sua debilidade, facilmente se desviam do Senhor, nosso Deus e Pai Todo-Poderoso. Essa é a razão da minha vinda. Toda vez que desço à terra para trazer minha mensagem de amor, inumeráveis coros de Anjos se movimentam no céu e rodeiam-me em uma grande coroa. Por outro lado, porém, muitos dos meus filhos na terra não Me acolhem e ficam surdos ao meu convite para voltar a amar mais ao Senhor. Pierina, repita sempre aos meus filhos, particularmente aos Sacerdotes, que Me amem. Diga a eles que anunciem em toda parte e em todas as direções esse convite da Mãe de Deus. Que eles não percam o que, em tantos séculos, já realizei e continuo realizando para salvar meus filhos de tantos perigos. O Senhor deve ser amado, louvado e glorificado com todo o entusiasmo da fé e do amor.”

Em 06 de Junho de 1976, Festa de Pentecostes, Nossa Senhora disse à Pierina:

“Diga a todos os meus filhos que venham aqui para rezar e repete-lhes o meu convite de Mãe. Filhos, amem ao Senhor. Rezem, rezem e façam sacrifícios para alcançar a salvação eterna. Amem-se como irmãos. Venho trazer a paz para as suas almas e a concórdia para seus corações. O Coração infinito do Senhor e meu Divino Filho Jesus Cristo colocou em minhas mãos o poder das suas Divinas Graças para distribuí-las às almas com a Luz do Espírito Santo. Eu sou sua Mãe, que se inclina para receber suas angústias, suas orações e súplicas para apresentá-las ao Senhor, meu Divino Filho que, em troca de amor, dá o poder de intervir, confiando-Me as graças para derramá-las sobre a terra. Eu sou Maria, a Medianeira das Graças. Pierina, faça com que todos conheçam esse dom real que recebi do Senhor Jesus. Sou Mãe do Amor e vim para consolar, para salvar. Sobre todos os meus filhos que Me amam, desça a minha particular bênção de graças.”

Receber as mensagens do céu com um coração generoso


No dia 13 de Fevereiro de 1976, enquanto Pierina rezava em sua capela, Nossa Senhora apareceu-lhe. Pierina apressou-se em transmitir-Lhe as intenções recomendadas por inúmeras pessoas. Nossa Senhora respondeu com bondade:

“Diga a essas pessoas que receberam a minha mensagem de amor com coração generoso que hão de receber do Senhor graças especiais. Que se empenhem com coragem em dar mais dignidade e devoção ao lugar de Fontanelle, abençoado pela minha presença. Aqui será sempre um lugar de oração. Tornar-se-á um farol de fé e de amor para os doentes e necessitados. Eu intervirei, as nuvens desaparecerão e a magnificência do Senhor, que Me enviou também a Montichiari, triunfará.”

Em 06 de Junho de 1976, Festa de Pentecostes, Nossa Senhora disse à Pierina:

“Diga a todos os meus filhos que venham aqui para rezar e repete-lhes o meu convite de Mãe. Filhos, amem ao Senhor. Rezem, rezem e façam sacrifícios para alcançar a salvação eterna. Amem-se como irmãos.”

“Venho trazer a paz para as suas almas e a concórdia para seus corações. O Coração infinito do Senhor e meu Divino Filho Jesus Cristo colocou em minhas mãos o poder das suas Divinas Graças para distribuí-las às almas com a Luz do Espírito Santo. Eu sou sua Mãe, que se inclina para receber suas angústias, suas orações e súplicas para apresentá-las ao Senhor, meu Divino Filho que, em troca de amor, dá o poder de intervir, confiando-Me as graças para derramá-las sobre a terra. Eu sou Maria, a Medianeira das Graças. Pierina, faça com que todos conheçam esse dom real que recebi do Senhor Jesus. Sou Mãe do Amor e vim para consolar, para salvar. Sobre todos os meus filhos que Me amam, desça a minha particular bênção de graças.”

A Cruz no meio do campo
Na aparição ocorrida em 20 de Abril de 1976, Pierina viu de repente uma grande cruz luminosa e perguntou à Virgem Santíssima: “Por que essa cruz?” Nossa Senhora respondeu:

“No meio do campo, onde está a capelinha, coloque-se uma grande cruz. Que ela seja para todos os filhos que vierem para rezar e suplicar, um apelo à luz da fé, da caridade e da esperança, porque deste lugar, unida ao meu Divino Filho Jesus Cristo, o meu Coração e os meus braços se abrem continuamente para comunicar graças, especialmente para salvar os pecadores. Venham, filhos! Aqui Eu abri a fonte do perdão e do amor. E vocês, filhos prediletos, que sofrem e trabalham por este lugar, receberão a recompensa do meu amor materno. Este é o tempo e a hora em que desejo espalhar sobre toda a humanidade o meu amor e a misericórdia divina.”

A vidente Pierina Gilli

 

Pierina Gilli nasceu na Itália, em Montichiari, região de Bréscia, no dia 03 de agosto de 1911, no Vilarejo de São Jorge. Foi batizada no dia 05 de agosto, festa de Nossa Senhora das Neves, ocasião em que sua mãe a consagrou à Mãe do Céu.
Em Dezembro de 1944, com trinta e três anos, Pierina contraiu meningite. Ficou gravemente enferma, inconsciente, e recebeu os últimos sacramentos.

Na noite de 17 de Dezembro de 1944, quando todos aguardavam a sua morte, apareceu-lhe Santa Maria Crucifixa Di Rosa, a fundadora das Servas da Caridade. Ela passou sobre a testa e as costas de Pierina uma pomada que a curou. Esta aparição da Fundadora ocorreu para preparar os primeiros encontros de Pierina com Nossa Senhora Rosa Mística. Ainda lhe aparecerá muitas outras vezes para confortá-la e consolá-la.

As aparições de Nossa Senhora iniciaram na madrugada de 24 de Novembro de 1946, na ocasião em que Pierina sofria os sintomas de uma oclusão intestinal.

Apesar de ser confortada pelas aparições de Nossa Senhora, Pierina continuou tendo sérios problemas de saúde. Passou a padecer grandes sofrimentos provocados por perseguições diabólicas e pela atuação da Comissão Diocesana, composta no início de 1948 para examinar a autenticidade das aparições. Esta Comissão logo se mostrou tendenciosa e parcial, passando a exercer-lhe uma oposição forte e sistemática.

De 1968 até o fim da sua vida terrena Pierina teve freqüentes aparições de Nossa Senhora. Na maioria das vezes tratava-se de mensagens para situações particulares. Muitas vezes eram mensagens de ânimo para a continuação da obra e bênçãos para quem trabalhava por essa causa, como o Padre Taddeo Laux, dos Padres Salvatorianos de Bad Wurzach – Alemanha, e o leigo Horst Mehring, fundador do Opus Rosa Mystica de Essen – Alemanha.

Em 12 de Janeiro de 1991, Pierina voltou serenamente para a casa do Pai, tendo cumprido com fidelidade a missão que lhe fora solicitada por Maria Rosa Mística.

A VIRGEM CHORA SANGUE POR SEUS FILHOS

 

La Rosa Mística llora sangre
Imagem de N.S. Rosa M
ística

(Peninsula de Paranagua-Venezuela)
Chora lágrimas de sangue desde o dia 27 de agosto de 2001 (Dia de Santa Mónica, que muito chorou pelos pecados de Santo Agostinho, seu filho)

A Virgem nos pede sempre:
“Voltem ser reservas para meu Filho Jesus Cristo,  Nosso Salvador”, “façam o que Ele vos disser” ( Jô 2,5) e sejam Santos.
 


N.S. Rosa Mística chora sangue.

Santuario de "Blanca Estrella del Mar", Guayaquil, Equador.
Manglaralto, 11 de novembro, de 1990.
Foi comprovado que se trata de sangue humano.

Também N.S. Rosa Mística chora.

Desde 8 de agosto, de 1983 eem uma imagem em Maasmechelen, Bélgica e em tantos outros lugares no mundo...

 

 

 A medalha Milagrosa


http://www.corazones.org/

Tradu
ão e Adaptação: José Alexandre
Faria – AACA Projeto Crescer/
Fund

 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 6.847.403
Visitas Únicas Hoje: 1.384
Usuários Online: 412