Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.327.576
Visitas Únicas Hoje: 884
Usuários Online: 310
Sistema de Busca

 

Destaque




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1381 - Impresso: 36 - Enviado: 16 - Salvo em Word: 26
Postado em: 18/10/13 às 10:13:18 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=11598
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Em um levantamento desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa de Mídia do Oriente Médio (MEMRI), um relatório registrou a presença de livros nas escolas públicas do Paquistão que ensinam aos alunos que matar cristãos é o caminho para obter o martírio.

O relatório indica que muitos livros didáticos de ensino fundamental no Paquistão alimentam uma tendência islâmica com ênfase na promoção do ódio e da Jihad, filosofia de luta e empenho em prol da fé considerada perfeita, segundo os muçulmanos.

Outros registros apontam a presença de reinvindicações para que crianças de idade escolar sejam forçadas a se converter ao Islã, ampliando o quadro de perseguição contra outras religiões.

De acordo com o documento, o ódio contra minorias religiosas tem se fortalecido no país, situação que é confirmada por meios oficiais independentes, líderes do governo e estudiosos religiosos. A discriminação tem sido tão intensa que o termo “minoria” é utilizado de forma pejorativa.

O contexto atual no Paquistão inclui alegações de ataques regulares contra os paquistaneses que não são muçulmanos, assim como seitas islâmicas menores, como os grupos xiitas e Ahmadi, que a maioria não considera como muçulmanos reais.

E em relação ao cristianismo, Dom Joseph Coats, Arcebispo de Karachi e chefe do Conselho dos Bispos Paquistaneses, revelou que os cristãos do país estão sob constante pressão para se converter ao islamismo, e os principais casos podem ser observados justamente nas escolas com jovens, objeto de estudo do órgão MEMRI.

“O cotidiano das minorias religiosas no Paquistão são caracterizadas pela pobreza, injustiça e discriminação. Os não-muçulmanos são identificados como cidadãos de segunda classe nos manuais escolares. Professores pedem repetidamente aos alunos que escrevam textos intitulados ‘escreva uma carta para seu amigo incentivando-o a se converter ao Islã’”, relatou Dom Joseph Coats à agência italiana AKI.



Fonte: http://blog.comshalom.org/carmadelio





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 18/10/13 às 10:13:18 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.

LEIA TAMBÉM












Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES