Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 12683 - Relator do Sínodo da Família: “Todos sabemos que o matrimônio sacramental é indissolúvel”
Artigo visto 1184 vezes




Visto: 1184
Postado em: 06/10/14 às 20:29:27 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=12683
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

O Cardeal Peter Erdo, relator geral do Sínodo Extraordinário dedicado aos “Desafios pastorais da família no contexto da Nova Evangelização”, que está sendo celebrado no Vaticano entre os dias 5 e 19 de outubro, recordou que o matrimônio sacramental nunca poderá dissolver-se por vontade dos próprios contraentes.

Com fundamento nos conteúdos do Instrumentum laboris, fruto também das respostas dadas no questionário elaborado pela Secretaria do Sínodo, o Cardeal Erdo afirmou em uma entrevista concedida à revista italiana Rossoporpora e publicada em 2 de outubro que “podemos concluir que a maioria dos católicos do mundo sabe que o matrimônio sacramental é indissolúvel por vontade dos próprios contraentes. Não é uma relação no tempo, não se pode dissolver”.

“Há um grande acordo em relação a isso, não por motivos teológicos abstratos, mas por motivos bíblicos e de Catecismo da Igreja”, acrescentou.

Durante o Sínodo da Família, a tarefa do Cardeal Erdo será moderar e recolher as contribuições que surgirão do debate entre os padres sinodais, para cujo desenvolvimento, convida a “ser fiéis ao método usado durante o Concílio Ecumênico Vaticano II, com argumentos teológicos grandes e profundos cujos resultados se ofereceram à vida da Igreja”.

“Devemos comunicar-nos com os homens e mulheres de hoje para que os valores do Evangelho não sejam somente aceitos, mas também sejam atrativos, capazes de fazer a nossa vida feliz. Este é o grande desafio”, destacou.

O Cardeal Erdo tem 62 anos, foi Arcebispo de Esztergom-Budapeste e primado da Hungria. Desde 2006 é Presidente da Conferência Episcopal Europeia.

Em referência à polêmica desatada sobre a administração do Sacramento da Comunhão aos divorciados recasados, proposta pelo Cardeal alemão Walter Kasper para o Sínodo, o Cardeal Erdo explicou que “este não é o tema central do debate”.

Na Igreja Católica, as pessoas divorciadas recasadas têm um acesso diferente ao sacramento da comunhão em relação ao resto dos fiéis, pode dar-se somente de modo espiritual. O motivo é que durante o matrimônio os cônjuges fazem um pacto com Deus, e Deus faz um pacto com eles, criando um sacramento indissolúvel, dentro do qual não tem sentido algum uma segunda união.

Nesta linha e segundo os dados obtidos do questionário enviado às conferências episcopais para a elaboração do Instrumentum Laboris do Sínodo em referência a todos os âmbitos da família, o Cardeal Erdo explicou que “na maioria dos países, tais divorciados não pedem nada”.

“Em muitos países, explicou, é muito raro que os divorciados recasados queiram voltar para a comunhão. Muitos divorciados celebraram o seu primeiro matrimônio na Igreja, mas depois não se preocuparam em frequenta-la e, portanto, para eles, a questão da readmissão aos sacramentos não é algo importante, nem lhes supõe um problema. Em algumas regiões inclusive, os divorciados recasados não sabem nem sequer que não podem aproximar-se a certos sacramentos”.

Para o Cardeal Erdo, o debate desatado a respeito deste sacramento e as pessoas em segunda união, encontra sua explicação em “pessoas de 40 anos ou mais que começam a conhecer verdadeiramente a fé, provavelmente através dos amigos”.

“São pessoas batizadas, que celebraram seu primeiro matrimônio na Igreja, e depois, do ponto de vista católico ficaram parados aí. Nunca foram realmente praticantes. Divorciados e recasados, depois de um caminho de aproximação à fé, começam a compreender que a sua situação matrimonial não é compatível com o redescobrimento da fé”, assinalou.

Do ponto de vista pastoral, o cardeal indicou que esta é uma oportunidade para explicar o verdadeiro valor do matrimônio, refletir sobre o passado, e sobre os motivos do desafio matrimonial. “Pode acontecer que, aprofundando em sua história, descubram motivos reconhecidos pela Igreja como elementos potenciais de declaração de nulidade do primeiro matrimônio. Caso isso aconteça, a sucessiva sentença eclesial de nulidade do primeiro matrimônio não será apenas um ato oficial, formal para poder considerar válida a segunda união, mas uma verdadeira e própria libertação psicológica e pastoral”, afirmou.

Para o Cardeal Erdo, o principal inimigo da família é a tendência atual de conviver sem estar casados. Trata-se de “um problema global que estatisticamente é a mais relevante de todas as questões”. “As pessoas já não se casam. Na Hungria, mais de 50 por cento dos casais, de qualquer idade, convive sem forma alguma de instituição, nem religiosa nem civil”.

“O matrimônio e a família não são somente uma realidade espiritual, mas têm uma incidência na sociedade, portanto, querendo ou não, assumem um papel institucional importante”, ressaltou.

Por último, o Cardeal Erdo indicou que a competência do Sínodo será falar do matrimônio no contexto da evangelização, “um tema muito importante, comprovado pela realidade dos fatos”. “Em muitos continentes as famílias se converteram no núcleo operativo paroquial, fazem o trabalho de caridade e o anúncio entre os não crentes”, concluiu.

 


Fonte: ACIdigital.com





LEIA TAMBÉM
O aborto NÃO é um direito, a vida NÃO é negociável! Ciência prova que desde a concepção existe um novo ser humano, único e irrepetível, que se distingue de seus pais.
Papa: razões religiosas não justificam perseguição em Iraque e Síria
Irã preocupa congressistas americanos
Jihadistas avançam para cidade síria de Ain al-Arab
Agora querem acabar com a criminalização do incesto: “Tabu social”. Homem tem 4 fillhos com sua própria irmã.
Um simples acontecimento familiar ajudou um menino a descobrir a sua vocação sacerdotal.
Uma carta para si mesma cheia de amor e confiança em Deus: O legado de uma menina falecida que comoveu o mundo.
Para evitar profanação de catedral por feministas radicais, jovens católicos providas se mobilizam em Campinas.
Bispos brasileiros pedem aos católicos que busquem eleger candidatos que promovam os valores cristãos.



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.435.432
Visitas Únicas Hoje: 2.241
Usuários Online: 382