Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 13742 - Por que os refugiados sírios estão procurando a Europa em vez de seus vizinhos árabes?
Artigo visto 1389 vezes




Visto: 1389
Postado em: 15/09/15 às 13:27:06 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=13742
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Poucos anos atrás, eles procuravam refúgio na Líbia, em Israel e no Líbano. Hoje, preferem arriscar a vida tentando chegar à Europa. O que houve?

A Arábia Saudita e vários de seus vizinhos do Oriente Médio pintaram os refugiados sírios e iraquianos que poderiam entrar em seus territórios como “violentos” e “hostis”, embora a maioria deles sejam muçulmanos, assim como os habitantes desses países. Esses governos árabes têm alegado que os refugiados sírios e iraquianos poderiam levar consigo “ideologias subversivas”, incompatíveis com a sua “estabilidade”.

Ironicamente, é o mesmo tipo de discurso adotado por um número muito considerável de ocidentais para rejeitar o acolhimento dos mesmos refugiados, confundindo-os um tanto arbitrariamente com “terroristas”, “jihadistas” ou “adeptos de um plano de islamização da Europa”. Na realidade, a maior parte dos refugiados está fugindo precisamente dos terroristas, dos jihadistas e dos que pretendem impor a todos um islã extremista e fundamentalista. Em sua maioria, os refugiados são vítimas do mesmo terror que assusta os europeus – e não parceiros desse terror.

Aleteia conversou com Roland Lombardi, consultor independente em relações internacionais, especializado em Norte da África, Oriente Médio e desafios ligados a defesa, segurança e geopolítica. Mencionamos a ele a crise de refugiados que a Europa enfrenta hoje, ligada, em grande parte, a pessoas que fogem da Síria. Considerando que os países do Golfo Pérsico estão muito mais próximos da Síria do que a Europa Ocidental, o que pode ser inferido dessa escolha dos refugiados pela Europa como destino?

Roland Lombardi respondeu:

Primeiro, eu gostaria de fazer alguns esclarecimentos. É verdade que o maior número de refugiados da crise atual vem da Síria. Logo atrás deles, em termos de números, vêm os somalis, afegãos e africanos subsaarianos. Vale a pena destacar que, poucos anos atrás, esses refugiados se dirigiam à Líbia, a Israel e ao Líbano. Os líbios estão atualmente imersos no caos. Israel endureceu as suas políticas, especialmente em matéria de imigração. E o Líbano já não tem capacidade de assimilar mais refugiados [há no país mais de 1,1 milhão de refugiados sírios]. Esta conjuntura leva os refugiados a rumarem para a Europa.

Os meios de comunicação ocidentais têm enfatizado o grande afluxo de refugiados sírios, iraquianos e afegãos indefesos que chegam através dos Bálcãs. Mas não podemos esquecer que as regiões do sul da Itália e da Espanha estão até mais familiarizadas do que os Bálcãs com as pressões ligadas à grande quantidade de imigrantes [muitos deles, precisamente, em fuga do radicalismo terrorista que grassa em seus países].

Mais de 100.000 refugiados chegaram ilegalmente à Europa desde o início de 2015. A Organização Internacional para as Migrações, sediada em Genebra, informou que 1.770 homens, mulheres e crianças já morreram ou estão desaparecidos depois de tentarem atravessar o Mediterrâneo. Isto desde janeiro [outras fontes estimam que o número já passa de 2.500, ndr]. O número de mortos e desaparecidos na tentativa de travessia do Mediterrâneo atingiu 3.400 em 2014, sendo 2.800 só entre julho e dezembro de 2014.

Com tantos riscos, por que esses refugiados, a maioria dos quais são muçulmanos, estão escolhendo a Europa em vez dos países do Golfo? É um grande paradoxo, devido à proximidade das fronteiras e das culturas.

Embora esta questão seja bastante relativa, o caso é que a Europa é sempre considerada como o lugar ideal para se refugiar com estabilidade, segurança e paz. Durante anos, as políticas relaxadas da União Europeia em relação à imigração, os vários serviços sociais e médicos oferecidos aos refugiados, a ausência de cooperação e solidariedade para lidar com esta crise sem precedentes, além da recente indecisão e incapacidade das autoridades europeias, só contribuíram para agravar a crise. Ao contrário de parceiros como a França e a Áustria, que relutam a aceitar os refugiados, a Alemanha anunciou a sua disposição de acolher cerca de 800.000 deles.

Grosso modo, a maioria dos refugiados quer basicamente fugir do radicalismo e refazer a vida em países que os acolham com segurança e que não os confundam cegamente com os mesmos fanáticos dos quais eles próprios estão fugindo.


Fonte: www.aleteia.org



LEIA TAMBÉM
Drogas – uma prisão voluntária.
Justiça condena Paróquia a indenizar noivos por casamento “mal celebrado”.
Os caminhos de Deus
Revista “National Geographic” com o papa Francisco na capa é censurada na Arábia Saudita
Quando o mar do mundo se encapela, e, no barco da vida, já sem vela, não nos resta sequer uma ilusão…
As 10 passagens bíblicas mais compartilhadas no celular
As reveladoras palavras de Jesus à Madre Teresa de Calcutá
Todos os sacerdotes do mundo poderão absolver o pecado do aborto durante o Jubileu da Misericórdia
Refugiados: paróquias do Vaticano já mobilizam-se para acolhimento.



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.337.565
Visitas Únicas Hoje: 816
Usuários Online: 253