Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 5.409.642 Visitas Únicas Hoje: 1.204
Usuários Online: 253
Sistema de Busca
Documento sem título

Qual a aparição de Nossa Senhora mais importante na História?

Medjugorje

Fátima














Newsletter Espacojames
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Destaque




Salvar em PDF






Visto: 1157 - Impresso: 62 - Enviado: 14 - Salvo em Word: 35
Postado em: 31/10/09 às 18:05:24 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=3512
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Ao receber as cartas credenciais do novo embaixador

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 29 de outubro de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI destacou a necessidade de que a situação dos cristãos no Irã melhore e expressou sua confiança em que as autoridades do país lhes garantirão liberdade para viverem sua fé.

Ele o fez no discurso que dirigiu hoje ao novo embaixador da República Islâmica do Irã, Ali Akbar Naseri, ao recebê-lo em audiência no Vaticano para aceitar suas cartas credenciais.

“Desejo que se desenvolva um diálogo confiado e sincero com as instituições do país para melhorar a situação das comunidades cristãs e de suas atividades no contexto da sociedade civil, de maneira que aumente seu senso de pertença à vida nacional”, afirmou o Papa.

“A Santa Sé confia em que as autoridades iranianas saberão reforçar e garantir aos cristãos a liberdade para professar sua fé e assegurar à comunidade católica as condições essenciais para sua existência, especialmente a possibilidade de ter a equipe religiosa suficiente e as facilidades de deslocamento no país para garantir o serviço religioso dos fiéis”, acrescentou.

O Papa destacou que os católicos “estão presentes no Irã desde os primeiros séculos do cristianismo e sempre foram parte integrante da vida e da cultura da nação”.

Assegurou que “esta comunidade é realmente iraniana e sua experiência secular de convivência com os crentes muçulmanos é de grande utilidade para a promoção de uma maior compreensão e cooperação”.

“A Santa Sé, em cuja natureza e missão se encontra interessar-se diretamente pela vida das igrejas locais, deseja fazer os esforços necessários para ajudar a comunidade católica no Irã a manter vivos os sinais da presença cristã, em um espírito de entendimento e de boa vontade com todos”, acrescentou.

Bento XVI manifestou sua proximidade a todos os fiéis e afirmou que “reza por eles para que, mantendo com perseverança sua identidade própria e permanecendo ligados à sua terra, colaborem generosamente com todos os seus conterrâneos no desenvolvimento da nação”.

Mais princípios humanitários que frios cálculos

Por outro lado, o pontífice expressou a necessidade de que as nações cooperem para a paz e promoção da dignidade humana.

“Hoje, todos nós devemos esperar e apoiar uma nova fase de cooperação internacional, mais fundada nos princípios humanitários e na ajuda efetiva aos que sofrem que dependente de frios cálculos de intercâmbios e de benefícios técnicos e econômicos”, afirmou.

O Papa valorizou a presença do novo embaixador do Irã no Vaticano e considerou que ele “manifesta o interesse do seu país pelo desenvolvimento de boas relações com a Santa Sé”.

Destacou que “a Santa Sé deseja consolidar as relações com a República Islâmica do Irã e favorecer a compreensão mútua e a colaboração para o bem comum”. E isso a partir da vontade de “defender e promover a dignidade humana” e de estar “ao serviço do bem da família humana, prestando um interesse particular aos aspectos técnicos, morais e humanitários das relações entre as populações”.

Irã e a comunidade internacional

Sobre o Irã, Bento XVI indicou que “é uma grande nação, que possui eminentes tradições espirituais e suas pessoas têm uma profunda sensibilidade religiosa”.

“Isso pode ser um motivo de esperança para uma abertura crescente e uma colaboração confiada com a comunidade internacional”, acrescentou.

O Papa também reiterou a “necessidade urgente da nossa época” do “estabelecimento de relações cordiais entre os crentes das diversas religiões”.

“A fé no único Deus deve aproximar todos os crentes e animá-los a trabalharem juntos na defesa e promoção dos valores humanos fundamentais”; entre eles, os direitos universais, a liberdade religiosa e a liberdade de consciência ocupam um lugar fundamental, porque são fonte das demais liberdades”, afirmou.

Para o Santo Padre, “a defesa de outros direitos que nascem da dignidade das pessoas e das populações, em particular a promoção da proteção da vida, da justiça e da solidariedade, deve também ser objeto de uma colaboração real”.

O Papa também valorizou o trabalho dos representantes do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso e da Organização para a Cultura e as Relações Islâmicas, que têm encontros organizados sobre temas de interesse comum, há vários anos.

“Contribuindo para buscar juntos o que é justo e correto – disse –, esses encontros permitem que todos progridam no conhecimento recíproco e cooperem na reflexão sobre as grandes questões que afetam a vida da humanidade.”

Ali Akbar Naseri nasceu na cidade iraniana de Babul, no dia 8 de setembro de 1956. Ele fala árabe e é especialista em estudos jurídicos, teológicos e filosóficos.



Fonte: www.zenit.org











Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 31/10/09 às 18:05:24 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES