Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 5006 - Suposta descoberta da "Arca de Noé" na Turquia tem pouca base arqueológica
Artigo visto 2321 vezes




Visto: 2321
Postado em: 28/04/10 às 22:25:33 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=5006
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

É preciso no mínimo muito cuidado para avaliar as alegações de que restos da célebre Arca de Noé teriam sido encontrados no alto do monte Ararat, na Turquia. Um grupo evangélico de Hong Kong, o Ministério Internacional da Arca de Noé, organizou a expedição até o Ararat e afirma ter achado, no alto da montanha, estruturas de madeira que poderiam corresponder, segundo eles, a recintos do barco, e mesmo aos locais onde os casais de cada espécie de animal teriam sido abrigados, conforme diz a narrativa do livro bíblico do Gênesis.

O ministério também afirma ter datado lascas de madeira com a ajuda do método do carbono-14 (no qual a perda gradual dessa forma do elemento carbono indica a idade do material orgânico). Segundo os exploradores, a datação obtida, de 4.800 anos, bateria com a data da construção da arca estimada com base nos dados da Bíblia.

Em princípio, não há nada de impossível no fato de construções de madeira com tal idade terem sobrevivido no alto do Ararat, mas há uma série de dúvidas sobre as afirmações do Ministério Internacional da Arca de Noé. Embora o grupo afirme ter "99,9% de certeza" de que se trata da arca, a localização exata dos artefatos não foi revelada, pelo menos por enquanto. O grupo também não disse se planeja publicar suas descobertas numa revista científica independente. As duas coisas são cruciais para que outros pesquisadores possam avaliar os dados e verificar se eles estão corretos, a começar da datação, que sempre pode incorrer em erros.

 

Água? Onde?

Recinto estaria associado a abrigos de animais na Arca, afirma grupo

Recinto estaria associado a abrigos de animais na Arca, afirma grupo de Hong Kong

Outro ponto importante, segundo pesquisadores que estudam a região de Ararat -- reino que, na Idade do Bronze, era conhecido como Urartu --, é que não há sinais de que alguma vez nos últimos milhares de anos as montanhas ali tenham ficado cobertas por água, ou que tenha havido uma interrupção na cultura dos povos da região. Uma mudança radical é o que seria de esperar caso Noé e seus descendentes tivessem repovoado a área, como diz a narrativa bíblica.

Finalmente, o próprio estudo detalhado do texto da Bíblia, bem como dos paralelos da história do Dilúvio na literatura do Oriente Médio antigo, dá pistas de que não se deve encarar a saga de Noé como um registro histórico.

Exemplo disso é o fato de que o texto do Gênesis (cuja época de composição provavelmente está entre 800 a.C. e 600 a.C.) parece ter surgido de uma recriação de obras bem mais antigas da Mesopotâmia, como os épicos de Gilgamesh (entre 1300 a.C. e 1000 a.C.) e Atrahasis (cerca de 1700 a.C.). Nessas obras também há a irritação de Deus (ou melhor, dos deuses) contra a humanidade, a destruição dos seres humanos por uma grande inundação e a sobrevivência de uma família que, por instruções divinas, constrói um barco para se salvar.

A diferença, no entanto, é que nos épicos da Mesopotâmia a motivação dos deuses para destruir a humanidade é o puro capricho: os seres humanos se tornaram numerosos demais, fazem muito barulho e, por isso, incomodam as divindades. A narrativa bíblica, por outro lado, vê uma motivação moral para a punição divina: a violência e a injustiça cometidas por todos, menos Noé. Por isso, os principais estudiosos da Bíblia argumentam que a história do Dilúvio na Bíblia é uma adaptação de lendas tradicionais cujo objetivo era defender a moralidade do monoteísmo, ou seja, a crença num único Deus.

Há, inclusive, indícios de "problemas de edição" no texto bíblico da história de Noé. Embora as pessoas quase sempre mencionem os dois casais de cada espécie de animal salvos por Noé na Arca, outros trechos da mesma história falam em sete casais de animais puros e um casal de animais impuros (uma distinção que só apareceu bem mais tarde na religião israelita, segundo a própria narrativa da Bíblia). É provável que as inconsistências derivem da junção de duas histórias diferentes sobre Noé, a qual resultou no texto disponível hoje.


Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u727218.shtml





LEIA TAMBÉM
Aumenta a 1.166 bilhão o número de católicos no mundo
Destituição de bispos por abusos sexuais é sintoma da "tolerância zero" na Igreja Católica
Hollywood elogia o "descarado" Polanski e ataca o arrependido Papa Bento XVI
O Papa Bento XVI criaria novo dicastério para re-evangelizar a Europa e os EUA
"CATÓLICOS" FOGEM
Cresce o catolicismo na internet
Bebê nasce com um olho e seis dedos em Alenquer - Pará
Nova Ordem Mundial – Abrigo Subterrâneo para 1 Ano
AIS divulga relatório sobre as dificuldades dos sacerdotes no mundo e campanha de oração pelos padre



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.127.115
Visitas Únicas Hoje: 1.164
Usuários Online: 231