Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 5575 - COMUNHÃO COM PEDRO, GARANTIA DE LIBERDADE PARA IGREJA, SEGUNDO PAPA
Artigo visto 1749 vezes




Visto: 1749
Postado em: 02/07/10 às 08:06:54 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=5575
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Frente aos poderes do mundo

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 30 de junho de 2010 (ZENIT.org) - A comunhão com Pedro e seus sucessores "é garantia de liberdade para os pastores da Igreja e para as próprias comunidades confiadas a eles", afirmou o Papa Bento XVI.

O Pontífice presidiu ontem a Missa solene por ocasião da festa de São Pedro e São Paulo, padroeiros de Roma, na qual, como é tradição há séculos, impôs o pálio aos arcebispos metropolitanos nomeados por ele durante o ano passado.

 

A comunhão com o Papa, explicou, é garantia de liberdade para a Igreja em dois sentidos: o histórico e o espiritual.

No âmbito histórico, afirmou, "a união com a Sé Apostólica assegura às Igrejas particulares e às conferências episcopais a liberdade com relação aos poderes locais, nacionais ou supranacionais, que podem, em certos casos, obstaculizar a missão da Igreja".

Isso é muito importante "no caso de Igrejas marcadas por perseguições ou também submetidas a ingerências políticas ou a outras duras provas".

No entanto, sublinhou o Papa, as perseguições, apesar dos sofrimentos que provocam, não constituem o perigo mais grave para a Igreja".

"O maior dano, de fato, é padecido por causa do que contamina a fé e a vida cristã dos seus membros e comunidades, erosando a integridade do Corpo místico, enfraquecendo sua capacidade de profecia e testemunho, ofuscando a beleza do seu rosto."

Por isso, afirmou o Papa, o segundo significado do pálio é mais profundo: que "o ministério petrino é garantia de liberdade no sentido da plena adesão à verdade, à autêntica tradição, para que o povo de Deus seja preservado de erros referidos à fé e à moral".

É o caso de comunidades "que sofrem a influência de doutrinas enganosas ou de tendências ideológicas e práticas contrárias ao Evangelho".

Estes "perigos espirituais", indicou, podem ser "alguns problemas de divisões, de incoerências, de infidelidades ao Evangelho que ameaçam seriamente a Igreja", mas também os perigos dos "últimos tempos", as "atitudes negativas que pertencem ao mundo e que podem contagiar a comunidade cristã: egoísmo, vaidade, orgulho, apego ao dinheiro etc.".

Jugo suave

Este sinal do pálio, explicou o Papa, é "penhor de liberdade, de forma análoga ao ‘jugo' de Jesus, que Ele convida a levar, cada um sobre seus ombros".

"Como o mandamento de Cristo - ainda que exigente - é ‘suave e leve' e, ao invés de pesar sobre quem o leva, levanta-o, assim o vínculo com a Sé Apostólica, ainda que comprometido, sustenta o Pastor e a porção da Igreja confiada aos seus cuidados, tornando-os mais livres e mais fortes."

Em referência ao rito da imposição do pálio, Bento XVI explicou que "o fato de que, cada ano, os novos metropolitanos venham a Roma para receber o pálio das mãos do Papa tem seu significado próprio, como gesto de comunhão".

"Existe, portanto, uma garantia de liberdade assegurada por Deus à Igreja, liberdade tanto dos laços materiais que buscam impedir ou coartar sua missão, como dos males espirituais e morais, que podem erosar a autenticidade e a credibilidade."

Ecumenismo

O Papa se dirigiu também à Delegação Fraterna do Patriarcado de Constantinopla presente na celebração, recordando a promessa de Cristo de que "as forças do inferno não prevalecerão sobre sua Igreja".

"Estas palavras podem ter também um significativo valor ecumênico, desde o momento em que, como indicava há pouco, um dos efeitos típicos da ação do Maligno é precisamente a divisão dentro da comunidade eclesial", afirmou.

Mas, sublinhou, "a palavra de Cristo é clara: não prevalecerão. A unidade da Igreja está arraigada em sua união com Cristo, e a causa da plena unidade dos cristãos - que sempre é preciso buscar e renovar, de geração em geração - é também sustentada por sua oração e por sua promessa".

Bento XVI concluiu reconhecendo "os progressos nas relações ecumênicas entre católicos e ortodoxos" e convidando-os a "renovar o compromisso de corresponder generosamente à graça de Deus, que nos leva à comunhão plena".


Fonte: zenit.org





LEIA TAMBÉM
PAPA A SACERDOTES: “DEDICAI TEMPO À CONFISSÃO”
Bento XVI: O maior perigo para a Igreja é aquilo que polui a fé e a vida cristã
O Papa recorda São Pedro e São Paulo como alicerces da Igreja
BENTO XVI: MARIA DEVE ESTAR NO ALTO
DEUS PREENCHE PLENAMENTE O CORAÇÃO HUMANO, AFIRMA PAPA
Imagem de Jesus é fotografada "escorrendo sangue" em igreja na Argentina
No Peru: Inauguram Cruz de São Bento mais alta do mundo
Maior imagem católica do mundo será inaugurada no Rio Grande do Norte
Descobrem os ícones mais antigos dos Apóstolos em catacumbas de Roma



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.148.212
Visitas Únicas Hoje: 743
Usuários Online: 407