ATENTADOS CONTRA VIDA DESAFIAM DOUTRINA SOCIAL CRISTÃ
 
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 5.775.173 - Visitas Únicas Hoje: 1.317 -
Usuários Online: 406
Sistema de Busca



Qual a aparição de Nossa Senhora mais importante na História?

Medjugorje

Fátima














Newsletter Espacojames
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Destaque




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 987 - Impresso: 33 - Enviado: 14 - Salvo em Word: 29
Postado em: 08/12/10 às 07:20:23 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=6794
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Conferência de Dom Zimowski em Roma

ROMA, terça-feira, 7 de dezembro de 2010 (ZENIT.org) – As atuais ameaças à vida, especialmente o aborto, a eutanásia e a destruição de embriões, “introduzem desafios inéditos para a doutrina social cristã e requerem respostas adequadas”, afirmou o presidente do Conselho Pontifício para a Pastoral no Campo da Saúde.

Dom Zygmunt Zimowski interveio no encontro organizado pela Universidade Católica do Sagrado Coração, em Roma, sobre o tema “Respeito à vida e desenvolvimento dos povos”, refere o L’Osservatore Romano nesta terça-feira.

O arcebispo advertiu que esta emergência ética está-se transformando lentamente em emergência política.

E destacou que a falta de respeito à vida humana possui “implicações em certos aspectos dramáticas porque afetam diretamente a dignidade da vida de indivíduos e povos”.

Segundo Dom Zimowski, a doutrina social cristã deve responder aos “fenômenos sociais” gerados após a legalização do aborto e de algumas formas de eutanásia, e a prática usual da inseminação artificial e a crioconservação de embriões humanos em vários países. 

O arcebispo citou alguns números: 46 milhões de abortos legais realizados a cada ano no mundo; 50 mil crianças nascidas a cada ano nos EUA através de técnicas para a fecundação assistida.

Crise cultural

Ele destacou três pontos de análise. Em primeiro lugar, explicou que a opinião pública está influenciada por campanhas ideológicas que induzem a perceber atentados contra a vida como “direitos à liberdade individual”.

Também indicou que a prática médica os legitima socialmente. “O contexto científico e a autoridade moral do serviço de saúde são amplamente suficientes, aos olhos de muitos, para torná-los aceitáveis”, lamentou.

Em terceiro lugar ele indicou que “a normativa jurídica do Estado confere a estas práticas a status de uma lei, aprovada pela maioria e que portanto dispensa posteriores juízos de consciência”.

Na opinião do representante vaticano, há uma verdadeira crise cultural, em cuja raiz encontra-se o fenômeno da tendência a dissociar consciência privada e sistema sócio-civil.



Fonte: http://www.zenit.org/article-26739?l=portuguese











Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 08/12/10 às 07:20:23 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES