Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.406.875
Visitas Únicas Hoje: 239
Usuários Online: 167
Sistema de Busca

 

Destaque




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 2488 - Impresso: 175 - Enviado: 17 - Salvo em Word: 127
Postado em: 12/09/11 às 10:11:42 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=8689
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

11 de setembro, é impossível não lembrar do World Trade Center. E não podemos esquecer também, da memória dos brasileiros que perderam suas vidas diante da fúria islâmica. Muitos dizem que eles morreram por uma cruel coincidência do destino, não compartilho de tal opinião.

Sandra Fajard

Não se pode dizer que os mortos eram brasileiros que, por azar, estavam no lugar errado na hora errada. Isso não existe. Eles exerciam o direito de viver, passear e buscar livremente uma vida melhor longe de casa e só morreram por que está em curso uma ofensiva de morte contra valores que os brasileiros compartilham com outros povos igualmente vítimas do terror. A democracia e a liberdade de escolher como viver ou qual religião seguir. (De Olho na Jihad artigo "As vítimas brasileiras do terror").

São vítimas da guerra empregada contra todo o ocidente!


Ivan Kyrillos Barbosa


Quatro brasileiros morreram nas torres gêmeas do World Trade Center, em 11 de setembro de 2001. A mineira Sandra Fajardo Smith, morta aos 37 anos, vivendo nos Estados Unidos desde 1991, era contadora na corretora Marsh Inc., no 98º andar. Os paulistas Ivan Kyrillos Barbosa, morto aos 30 anos, e Anne Marie Ferreira, de 29, trabalhavam na corretora Cantor Fitzgerald, no 105º andar. Ivan Barbosa havia sido contratado dois anos antes, quando se mudou para Nova York com a mulher, Valéria. Anne tinha conseguido o emprego poucos meses antes, ao trocar Londres por Nova York, com o marido, Alexandre. A família de Ivan Barbosa ainda não superou a perda.

 



Anne Marie Ferreira


"Passados mais de dez anos, continuo com medo de aglomerados, fico imaginando que podemos ser alvos de um ataque", diz o médico Ivan Barbosa, pai de Ivan Kyrillos Barbosa. O engenheiro capixaba Nilton Fernão Cunha, que morreu aos 41 anos, estava no prédio por acaso. Ele havia ido ao WTC para tratar de negócios com uma empresa japonesa no 108º andar. Cunha era despachante de importações e sempre viajava para os Estados Unidos a trabalho.

E nesse dia de luto, a única coisa que podemos fazer é não deixar que a memória desses bravos brasileiros não sejam esquecidas.

Jefferson Nóbrega Blog Candango Conservador

 



Fonte: http://olhonajihad.blogspot.com/





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 12/09/11 às 10:11:42 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.

LEIA TAMBÉM












Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES