Espacojames


Página Inicial
Listar Artigos Site Aarão




Artigo N.º 1924 - SOBRE A ENCÍCLICA
Artigo visto 1837 vezes




Visto: 1837
Postado em: 10/07/09 às 14:46:35 por: James
Categoria: Artigos Site Aarão
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=50&id=1924
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos Site Aarão

Começam a surgir comentários inapropriados sobre o conteúdo da nova Encíclica de Sua Santidade o Papa Bento XVI. Segue abaixo um pequeno comentário que esclarece isso, extraído do site da Cléofas. O Santo Padre é efetivamente contra qualquer tipo de governo mundial, e devemos ter cuidado com esta mídia repulsiva que trata de sempre subverter o sentido das palavras dele. Querem que o Papa caia em contradição. Rezemos pelo Papa!

A nova encíclica do Papa fala contra, e não a favor de, um Governo Mundial e uma Nova Ordem Mundial

Editorial - John-Henry Westen


8 de julho de 2009 (LifeSiteNews.com) - Jornais, blogs, programas de rádio e de televisão estão repletos de discussões sobre o suposto convite do Papa Bento XVI para uma "Nova Ordem Mundial" ou um "Governo Mundial" [one-world government]. Estas idéias, no entanto, não estão baseadas nem na realidade nem numa leitura clara da última encíclica do Papa, Caritas in Veritate, cuja publicação ontem [07 de julho] acendeu a discussão inflamada.

O Papa, na verdade, fala diretamente contra um Governo Mundial e, como deveria ser esperado por aqueles que leram os seus escritos anteriores, convida a uma massiva reforma das Nações Unidas. A confusão parece ter surgido do parágrafo 67 da encíclica, que teve algumas citações [pull-quotes] escolhidas para apimentar [have spiced] as páginas dos jornais mundo afora, do New York Times àqueles bloggers de teorias da conspiração que vêem o Papa como o Anticristo.

A citação chave que leva a esta acusação diz: "Para gerenciar a economia global; para reviver as economias atingidas pela crise; para evitar qualquer deterioração na presente crise e maiores desigualdades que dela podem resultar; para proporcionar um integral e conveniente [timely] desarmamento, segurança alimentar e paz; para garantir a proteção do meio-ambiente e regular a migração; para tudo isso, há uma urgente necessidade de uma verdadeira autoridade política mundial, como o meu predecessor, o Bem-Aventurado João XXIII, indicou alguns anos atrás".

Entretanto, no parágrafo 41, o Santo Padre diferencia especificamente o seu conceito de uma autoridade política mundial [a world political authority] daquele de um Governo Mundial [a one-world government]. "Nós devemos", ele diz, "promover uma autoridade política dispersa". Ele explica que "a economia integrada do presente não faz com que o papel dos Estados seja redundante; mas, ao invés disso, faz com que os governos precisem de uma maior colaboração mútua. Ambas, sabedoria e prudência, sugerem que não sejamos tão precipitados em declarar o fim do Estado. Em termos de solução da presente crise, o papel do Estado parece destinado a crescer, conforme ele recupere muitas de suas competências. Em algumas nações, no entanto, a construção ou reconstrução do Estado permanece um fator chave de seu desenvolvimento".

Mais adiante na encíclica (57), ele fala no conceito oposto de um Governo Mundial - subsidiariedade (o princípio da Doutrina Social da Igreja que estabelece que as questões devem ser resolvidas pela menor, mas baixa e menos centralizada autoridade competente) - como sendo essencial. "A fim de não produzir um perigoso poder universal de natureza tirânica, o governo da globalização deve ser marcado pela subsidiariedade", diz o Papa.

Outra das citações chaves que foram extraídas da encíclica por causa do seu potencial chocante é esta: "em face ao inesgotável crescimento da interdependência global, há um forte sentimento da necessidade, mesmo no meio de uma recessão global, de uma reforma da Organização das Nações Unidas, e igualmente das instituições econômicas e financeiras internacionais, de modo que o o conceito de Família das Nações possa se tornar realidade [can acquire real teeth]".

Desde muito antes do seu papado, Joseph Ratzinger lutou vigorosamente contra a visão das Nações Unidas de uma "Nova Ordem Mundial". Já em 1997, e repetidas vezes depois disso, Ratzinger fez de tal visão seu objetivo público [took public aim at such a vision], notando que a filosofia vinda das conferências da ONU e o Millenium Summit "propunha estratégias para reduzir o número de convidados à mesa da humanidade, a fim de que a presumida felicidade que [nós] atingimos não seja afetada".

"Na base desta Nova Ordem Mundial", ele falou que está a ideologia do "fortalecimento das mulheres", que equivocadamente vê "os principais obstáculos para a plenitude [das mulheres] [como sendo] a família e a maternidade". O então cardeal avisou que "neste estado do desenvolvimento da nova imagem do novo mundo, os cristãos - não somente eles; mas, em qualquer caso, eles mais do que os outros - têm o dever de protestar".

Bento XVI de fato repetiu estas críticas em sua nova encíclica. Na Caritas in Veritate, o Papa condena as "práticas de controle demográfico, da parte de governos que freqüentemente promovem a contracepção e chegam até mesmo a ponto de impôr o aborto". Ele também denuncia os corpos econômicos mundias como o FMI e o Banco Mundial (sem os nomear especificamente) por suas práticas de empréstimo que visam ao assim chamado "planejamento familiar". "Há razões para suspeitar que a ajuda ao desenvolvimento está às vezes ligada a específicas políticas de saúde pública que de fato envolvem a imposição de fortes medidas de controle de natalidade", diz a encíclica.

Qualquer visão de uma adequada ordenação do mundo, de economia ou cooperação política internacional, sugere o Papa, deve estar baseada em uma "ordem moral". Isto inclui primeiro e principalmente "o direito fundamental à vida" da concepção à sua morte natural, o reconhecimento da família baseada no casamento entre um homem e uma mulher como base da sociedade e liberdade religiosa e a cooperação entre todas as pessoas com base nos princípios da Lei Natural.



Data da publicação: 08/07/2009


www.recadosaarao.com.br




Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!


LEIA TAMBÉM
SUICIDAS
MARXISMO NOS EUA?
O INFERNO (parte 5)
O INFERNO (parte 4)
O INFERNO (parte 3)
O INFERNO (parte 2)
O INFERNO (parte 1)
AARÃO & JOSÉ DE NAZARÉ!
AS TREVAS



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.216.499
Visitas Únicas Hoje: 1.479
Usuários Online: 372