De ONDE o ateu retira os princípios éticos e morais que conduzem sua vida cotidianamente?
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.138.687
Visitas Únicas Hoje: 23
Usuários Online: 305
Sistema de Busca

 

Ateismo
Espaço dedicado aos irmãos Ateus: "Achar que o mundo não tem um criador é o mesmo que afirmar que um dicionário é o resultado de uma explosão numa tipografia" (Benjamin Franklin)




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1520 - Impresso: 30 - Enviado: 12 - Salvo em Word: 23
Postado em: 10/03/14 às 10:36:11 por: James
Categoria: Ateismo
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=63&id=12035
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Ateismo

Todos nós conhecemos a célebre frase de Dostoiévski: se Deus não existe, tudo é permitido. Encontramo-la registrada no famoso livro Irmãos Karamázov.

Relendo a obra-prima acima citada, deparou-se-me esta outra pérola do grande escritor russo: se a imortalidade da alma não existe, tudo é permitido. Com efeito, uma das personagens advoga a tese de que a ética ou a moral está alicerçada na crença na   imortalidade da alma. O interlocutor revida, afirmando que é possível ser ético simplesmente amando a liberdade, a fraternidade e a igualdade.

O problema da possibilidade de uma ética sem Deus foi objeto de um célebre debate entre o saudoso cardeal Martini e o filósofo Humberto Ecco. Em uma das cartas dirigidas a Ecco, Martini o questiona a propósito da fonte de onde um ateu extrairia princípios éticos ou morais para pô-los em prática no quotidiano.

A questão ora arguida em Irmãos Karamázov é bem diferente, porquanto é possível crer em Deus, mas não acreditar na imortalidade da alma, como, aliás, procedem certas seitas contemporâneas. Sem embargo, segundo o livro em apreço, a permissão para o cometimento de toda sorte de pecados e crimes encontra-se atrelada à descrença na imortalidade da alma.

As duas premissas dostoieviskianas são verdadeiras: não há que se falar em ética, se Deus não existe e, outrossim, não há que se falar em ética, se a alma não for imortal, pois a vida passageira e tumultuada do homem seria um completo sem-sentido. O existencialismo de Sartre, estribado no ateísmo e, por conseguinte, no descrédito absoluto da imortalidade da alma, chegou às últimas consequências, asseverando que não vale a pena viver.

Com arrimo nestas lucubrações inspiradas em Irmãos Karamázov, aquilata-se a relevância de o Estado salvaguardar a religião, fazendo-o na própria carta constitucional. O Estado deve ser laico, porém jamais ateu. Em suma, toda moral ou ética só é legítima, à medida que elaborada a partir de uma visão metafísica ou trans-histórica da criatura humana, em outras palavras, desde que considere a crença cristã na imortalidade da alma. A barbárie e o caos, consoante a personagem de Dostoiévski, derivam diretamente da descrença social na imortalidade da alma.

Por Edson Sampel



Fonte: http://blog.comshalom.org/carmadelio





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 10/03/14 às 10:36:11 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES