A conversão de um ateu: “Naquela noite, no deserto do Saara, eu conheci Deus”.
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.136.973
Visitas Únicas Hoje: 446
Usuários Online: 122
Sistema de Busca

 

Ateismo
Espaço dedicado aos irmãos Ateus: "Achar que o mundo não tem um criador é o mesmo que afirmar que um dicionário é o resultado de uma explosão numa tipografia" (Benjamin Franklin)




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1312 - Impresso: 23 - Enviado: 10 - Salvo em Word: 16
Postado em: 21/10/15 às 14:35:32 por: James
Categoria: Ateismo
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=63&id=13866
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Ateismo

Para ele, o encontro com Deus foi imprevisto e imprevisível. Ele era ateu, filho de pais incrédulos, leitor de Diderot e dos iluministas do século XVIII.

Eric-Emmanuel Schmitt, filósofo de formação, dramaturgo de nascimento, escritor prolífico e diretor de cinema é uma das figuras culturais francesas mais conhecidas internacionalmente. Ele contou ao jornal italiano Avvenire (6 de outubro) a história da sua conversão, numa noite de 1989, em pleno deserto de Hoggar, no Saara.

O extraordinário dom de Deus

Schmitt se perdeu da sua comitiva e passou a noite sozinho. Foi assim que aconteceu o encontro com Deus. “Dizer que uma pessoa se converteu é dizer que ela fez uma escolha ativa e voluntária. Devo admitir que isto não representa exatamente o que eu vivi naquela noite no deserto. O que eu recebi foi uma graça e um dom extraordinário. E abri em mim todo o lugar e espaço possível para esse dom. Por isso, quando me chamam de ‘convertido’, eu prefiro ser definido como alguém que recebeu uma revelação”.

“Eu recebi uma revelação”

Esta é “a expressão que me caracteriza melhor, porque ela fala da surpresa do presente que eu recebi. Eu não estava à procura de Deus, nem sabia que Deus estava à minha procura. Recebi como presente algo que eu não estava buscando. Esta revelação, para mim, foi apenas o começo”.

O estudo do Evangelho

Quando voltou à França, o dramaturgo passou a ler vários poetas místicos de diversas religiões. “Após aquela revelação, eu percorri um caminho de descoberta do Evangelho. E houve um trabalho muito ativo da minha parte para entender esse texto cheio de contradições. Nisto eu posso dizer que experimentei uma conversão. Em síntese, portanto: no deserto, uma revelação; com o Evangelho, uma conversão”.

Seguindo os passos de Foucauld

Deve ser coincidência, mas a história dessa revelação é muito similar à que aconteceu com o explorador francês Charles de Foucauld, outro famoso convertido, depois do encontro com Deus no coração do Saara. A partir daquele momento, tornando-se eremita, Foucauld deu início a um grande trabalho de evangelização daquelas terras. “A sua força”, explica Schmitt, “estava em não tentar cristianizar à forçar aquelas pessoas, mas em testemunhar o Evangelho com o exemplo da própria vida. Foi assim que Cristo mesmo fez em seu tempo”



Fonte: www.aleteia.org





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 21/10/15 às 14:35:32 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES