CIENTISTA PREVÊ FIM DO MUNDO OU DO HOMEM EM CEM ANOS
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.074.057
Visitas Únicas Hoje: 148
Usuários Online: 201
Sistema de Busca

 

Profecias




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 3377 - Impresso: 121 - Enviado: 47 - Salvo em Word: 56
Postado em: 18/11/07 às 19:18:02 por: James
Categoria: Profecias
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=11&id=129
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Profecias

Nos próximos cem anos, há uma chance em duas de que grandes incidentes, acidentes ou conflitos causem um considerável retrocesso à sociedade altamente tecnológica do mundo contemporâneo. Provavelmente não seria a extinção da espécie, mas vários passos atrás na escalada histórica que conduziu às maravilhas e desventuras do pós-moderno século XX e além.

O portador das más notícias é sir Martin Rees, astrônomo da Royal Society e do King's College da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Ele tem uma polêmica sugestão para minimizar riscos: impor freios à ciência antes que seja tarde demais. O Astrônomo real Martin Rees, professor em Cambridge e autor de vários livros.

A questão é o tema de Our final hour - Nossa hora final -, livro que ele acaba de lançar e no qual se dedica a esboçar as diversas maneiras diferentes pelas quais o homem poderá liquidar consigo mesmo.

O colapso da União Soviética, por exemplo, deixou como herança plutônio e urânio enriquecidos o suficiente para a confecção de umas 70.000 bombas nucleares. (Dependendo da potência, apenas cinco bastam para dar cabo de tudo.)

Rees vai além. Afirmou que, até 2020, um ato de bioterrorismo ou erro de laboratório que lida com biotecnologia vai causar a morte de um milhão de pessoas. Temos, por suas contas, 17 anos para testemunhar a maior tragédia humanitária jamais vista.



Mas não só do medo nuclear ou bioterrorista devemos nos apavorar.

Experiências ainda mais sinistras e quase esotéricas podem também liquidar com a vida na Terra. Certos experimentos com física podem perturbar com o alinhamento espaço-tempo, virando as leis da natureza de cabeça para baixo e provocando, por exemplo, a rearrumação dos átomos - incluindo os nossos.






Resenhado no New York Times pelo editor de ciência Dennis Overbye, o livro de Rees pode nem sempre parecer crível, mas não é o que importa. Seu objetivo é de alarmar o leitor, chamar a atenção para o fato de que brinca-se demais com o jogo de dados. Sempre se brincou. Mas o nível de conhecimento científico hoje, se lidado com irresponsabilidade, é perigosíssimo.
E, nem sempre, cientistas ou seus patrões - sejam eles governantes, empresários, terceiros - são responsáveis.



De todo modo, diz ele, a civilização humana está a um passo de concluir sua passagem pela Terra. Mesmo que o homem escape às iminentes catástrofes que se abaterão sobre ele nos cem anos vindouros, também estará condenado ao desaparecimento. Em seu lugar, emergiria um novo ser humano, artificialmente evoluído e equipado com toda sorte de interfaces biônicas.
Se sobrevivermos a nós mesmos e às nossas máquinas cada vez menores e mais perigosas, temos um encontro marcado com esse nosso futuro pós-humano em cem anos, afirma Rees.
Antecipando o tortuoso caminho até lá, o astrônomo real (título concedido pela coroa britânica que, desde 1972, tem caráter apenas honorário) decidiu empregar seus esforços na tentativa de reduzir os traumas que o século XXI deve trazer. Daí nasceu "Our Final Hour" (Nossa Hora Final), livro lançado em março nos EUA e sem previsão de publicação no Brasil.
O subtítulo deixa claro o recado: "Alerta de um cientista: como terror, erro e desastre ambiental ameaçam o futuro da humanidade neste século - na Terra e além".

No livro, Rees destaca os principais temores provenientes das novas tecnologias e questiona o ritmo em que a ciência avança em alguns campos. Para ele, cautela seria bem-vinda -de preferência partindo dos próprios cientistas, que costumam lavar as mãos quando o assunto é o modo como sua pesquisa é aplicada por governos, instituições e indivíduos pelo mundo afora.

Questionado sobre o quão ativo esse papel do cientista deve ser, Rees é um pouco mais vago. Ele acredita que a ação deve ser no sentido de informar o público, para que a população possa então decidir quais são os ramos do conhecimento que devem ser perseguidos, e quais são os que devem ser vetados.

"Não estou certo de que precisemos de uma moratória. Há certos tipos de ciência que queremos controlar por razões éticas", diz.

"Mas acho que precisamos ser muito cuidadosos com as aplicações da ciência, e as aplicações da ciência deveriam ser decididas não pelos cientistas, mas por uma comunidade mais ampla."

Em seu alerta, Rees usa como parâmetro a ameaça de uma hecatombe nuclear, tema tão velho quanto o Projeto Manhattan, que criou a primeira bomba atômica, nos anos 1940. Para o astrônomo, a ameaça de um conflito de escala global deflagrado por armamento nuclear não morreu junto com a Guerra Fria. Longe disso: ela tem tudo para voltar com força ainda maior no próximo século. E é só a primeira das grandes ameaças.

Com o avanço das biotecnologias, está cada vez mais próximo o dia em que será possível conceber armas biológicas tão letais quanto as nucleares, com o incômodo adicional de exigirem investimento muito menor para serem desenvolvidas.

E a nanotecnologia deve oferecer perigos que podem até mesmo extinguir a vida na Terra, em mais 50 anos. Com toda essa mistura no mesmo coquetel, Rees considera improvável que escapemos incólumes. "Acho que é ingênuo acreditar que vamos ter todos os benefícios sem risco algum", afirma.



Um dos pontos fundamentais do domínio da nanotecnologia é a criação de uma máquina, de tamanho molecular, capaz de duplicar-se a si mesma.

As novas tecnologias concentrarão tanto poder num indivíduo –culminação da filosofia e do modo de vida que permearam o mundo ocidental nos últimos séculos- que poderão conduzir à derrocada da civilização.Apesar de o gênio aparentemente já ter saído da lâmpada, há uma chance de que a humanidade consiga escapar do turbilhão e chegar a um admirável mundo novo em cem anos, segundo Rees.

Comunidades em colônias espalhadas pelo espaço, alta tecnologia em engenharia genética e a capacidade de elevar a relação entre homem e máquina a um novo patamar devem ser os ingredientes que criarão o pós-humano, uma figura tão assustadora quanto inevitável, argumenta.


Se a civilização tecnológica sobreviver aos próximos cem anos, a seleção natural daria lugar a novos mecanismos, artificiais, para a próxima fase na evolução. O que emergirá disso, nem Rees se arrisca a prever.




Leia mais em http://www.escolainterativa.com.br





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 18/11/07 às 19:18:02 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM


Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES