O que é Missa?
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.016.645
Visitas Únicas Hoje: 2.002
Usuários Online: 349
Sistema de Busca

 

Protestantes/ Seitas




Salvar no Instagram

Salvar em PDF





+ Detalhes: Baixado 26 vezes
Obs.:1) Todo áudio baixado neste site é mono, ou seja, tem apenas 20% da qualidade, compre a trilha sonora original e tenha um som limpo, estéreo e com qualidade total. 2) O Google Chrome esconde o Download, por isso ao clicar em Baixar, dê Control+j para mostrar a janela de Download.



Visto: 1748 - Impresso: 82 - Enviado: 20 - Salvo em Word: 44
Postado em: 10/03/10 às 11:18:02 por: James
Categoria: Protestantes/ Seitas
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=119&id=4535
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Protestantes/ Seitas

Por que o Sagrado Sacrifício Eucarístico é chamado Missa? Saiba aqui ouvindo este interessante aúdio de narração de um texto extraído do livro “Os Sacramentos trocados em miúdos”, de José Ribolla.

Audio digitado:

 

Por que o nome Missa?

Vocês se lembram quando o Padre rezava a Missa em Latim? No fim a última palavra que ele dizia despedindo do povo era: “Ite, missa est”. Desta palavrinha Missa é que é Eucaristia, como sacrifício, como Celebração Pascal Dominical, tomou o nome.

Mas o que quer dizer Missa?

Etimologicamente vem do verbo latino “Mittere” quer dizer enviar, Missa é o particípio passado enviado/enviada. “Ite, missa est”, quer dizer literalmente, “foi enviada”. O que foi enviado? A oblação, o sacrifício de louvor e reparação de Cristo. Ação de Graças por meio de Cristo, isto é, ação Sacrificial de Cristo de valor infinito já foi enviada, apresentada ao Pai em nome de vocês todos.

Realmente é um tanto estranho que a Eucaristia, como ação renovadora da morte e ressurreição de Cristo tenha ficado com esse nome um tanto estranho, Missa, embora o significado profundo, teológico seja muito expressivo: Cristo em nome de vocês todos, já enviou ao Pai ação de graças à reparação, adoração e os pedidos de vocês. “Missa est”, quer dizer, foi enviada a grande ação, a grande Mensagem.

Outro significado, ou melhor, um significado que completa o acima explicado seria este: Agora que Cristo apresentou ao Pai em nome de vocês o Louvor, ação de Graças à reparação e os pedidos de vocês, agora vocês que aqui estiveram como o Cristo e o receberam na Comunhão, agora vão “ide” e continuem esta Missa, esta oblação de Ação de Graças, de reparação, de Louvor através da vida de vocês, quer dizer, vão agora, como participantes do Sacerdócio de Cristo, ofereçam suas vidas a Deus, consagre as realidades do mundo a Deus.

Como profetas, anunciem a palavra de Deus, o plano de Deus ao mundo de hoje, participantes do reino de Deus, anunciem esse reino, servindo aos irmãos, vendo em cada pessoa humana a pessoa do próprio Cristo, tenham coragem de viver, proclamar o plano de Deus, denunciando tudo que a ele se opõe. Agora vocês sabem que devem ir para a missão de vocês no Mundo.

Mas porque sacrifício da Missa? Por que e o que quer dizer a palavra sacrifício?

É uma palavra latina que significa “sacrum facie” isto é, fazer o sagrado, uma coisa sagrada, e a coisa mais sagrada que se possa fazer é adorar, louvar a Deus, entrar em contato com ele e a coisa mais sagrada que uma criatura pode fazer é oferecer a vida, imolar-se por Deus para reconhecer Sua soberania, seria o maior ato de adoração e de amor a Deus, o sacrifício da própria vida por Deus.

Ora, todas as religiões demonstravam reconhecer a divindade, adoravam seu deus, louvavam-no reconhecendo como o senhor da vida, e para reconhecer essa soberania de seu deus, ofereciam-lhe dons e entre esses dons, ofereciam nos altares a vida de criaturas, sacrificavam animais e até mesmo vidas humanas.

Faziam SA-CRI-FÍ-CIOS, quer dizer, faziam sagrado, “sacrum facie”, daí a palavra sacrifício, sacriificar, era fazer a coisa mais sagrada possível, oferecer a vida a divindade, reconhecendo que Deus era o senhor da vida.

A religião judaica, como sabemos, tinha também os sacrifícios, tão freqüentemente lembrados na bíblia, não só sacrifícios de coisas, alimentos que também queimavam no altar, mas sacrifícios de animais, de vidas, queriam dizer e reconhecer, com isso, que Deus é “o primeiro princípio e o último fim”, o Senhor da Vida.
Ora, Jesus Cristo veio e aboliu todos esses sacrifícios de criaturas e animais e se colocou no lugar da criatura para oferecer a Deus um sacrifício de valor infinito, “sacrum fecit”, fez a coisa mais sagrada possível, tomou nossa carne e sacrificou-a no altar da cruz para em nosso lugar, adorar, louvar, agradecer, reparar o pecado.

E para que este ato supremo de amor se perpetuasse e se reatualizasse, Jesus instituiu a Eucaristia, conforme já meditamos, daí que ela toma o nome de sacrifício, isto é, a Eucaristia faz a coisa mais sagrada imaginável, reatualizando a morte e ressurreição do Senhor, possibilita-nos participar do próprio sacrifício de Cristo que se torna nosso sacrifício.

A Eucaristia celebra a vida e a morte?

Sim, a Eucaristia Celebra a morte e a ressurreição de Jesus, celebrando a ressurreição, mais do que nunca celebra a vida, pois Jesus veio para nos trazer a vida nova da graça, conquistada por sua morte e garantida por sua ressurreição e essa vida é alimentada pela Eucaristia.

A morte de Jesus, o filho de Deus, encerra o mistério humano e divino, ela tem a dimensão da providência, da onisciência e sabedoria de Deus e a dimensão da maldade, da miséria humana. De um lado, claro que Deus em sua onisciência, absorvendo o conhecimento prévio da própria liberdade humana, sabia de como seu filho morreria, submetido às limitações e maldades humanas.

Deus enviou seu filho para morrer por nós, essa expressão não quer dizer que Deus assassinou seu filho por nós, Deus até certo ponto submeteu-se, aceitou a decisão dos homens de matarem seu filho, Deus com Deus, já sabia de tudo que aconteceria com Jesus, nesse sentido Deus enviou seu filho para morrer por nós, não deixa de ser um mistério apesar de todas as expressões que encontramos tanto na previsão do Antigo Testamento a respeito das profecias sobre Jesus, como também no Novo Testamento a respeito da morte de Jesus.

“Deus entregou seu filho a morte e Jesus foi obediente até a morte e morte de Cruz”, e outra expressão semelhante nada diminui o real amor de um Deus que morre por nós, mas de outro lado houve uma deliberação humana, houve uma condenação, houve uma crucificação deliberada pelos poderes da época.

Houve um assassinato, sim, podemos dizer com todas as letras que Jesus de Nazaré foi assassinado, morreu assassinado na Cruz, só que ele, como Deus, poderia livrar-se, mas não fez para cumprir a vontade do Pai que aceitou a maldade humana, respeitou a decisão toda prevista por ele, e desde toda a eternidade.

Mistério sim, do divino e do humano quando se encontram, tudo isto torna maior ainda para a nossa compreensão o amor infinito de Deus por nós, ainda mais quando vemos Jesus perpetuar esse mistério de amor na Eucaristia.









Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 10/03/10 às 11:18:02 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES