Espacojames


Página Inicial
Listar Marisa Bueloni




Artigo N.º 11163 - Férias de julho
Artigo visto 1883 vezes




Visto: 1883
Postado em: 11/07/13 às 06:55:05 por: James
Categoria: Marisa Bueloni
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=123&id=11163
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Marisa Bueloni

Marisa Bueloni

Sofro de recordações maravilhosas. Uma delas é a figura da minha madrinha, uma fada risonha, na aurora da minha vida. Tia Anita foi o anjo que Deus designou para assoprar nas minhas inevitáveis feridas. O seu abraço tinha gosto de bolacha recheada e o perfume em suas roupas era o único que nunca me deu dor de cabeça.

Ah, o abraço apertado da minha madrinha, o sobrado amado no bairro da Mooca, as luzes que se viam do terraço no andar de cima, a cidade luzindo ao longe, piscando e dizendo para mim: esta cidade é sua. São Paulo era só minha durante as férias de julho.
 
O sobrado da tia Anita. O almoço maravilhoso que brotava de suas mãos, o seu riso aberto, a sua alegria, as piadas e brincadeiras, as histórias que faziam nos reunir em roda à sua volta, todos prontos para o impagável desfecho de tudo o que ela contava.
 
Posso ouvir ainda as gargalhadas estrepitosas, gente tossindo e se engasgando de tanto rir, os comentários de quem queria atestar a veracidade de tudo o que ela havia contado, sem conseguir terminar a frase, por falta de fôlego... Tia Anita fez meu coração pequenino conhecer este mel adorado e sou grata pela lembrança daqueles risos que me transportavam ao céu!
 
Minha madrinha foi o fato mais belo da minha infância, da minha juventude, da minha vida adulta, da minha existência. Foi nas férias de julho que o mundo se desenhou mais fascinante para mim. Ir de trem para a capital, junto com Neusa, minha melhor amiga de infância e minha melhor amiga até hoje, era um sonho, igualzinho aos dos livros que devorávamos naquele tempo memorável.
 
A viagem significava uma aventura sem palavras. Viajar de trem era um acontecimento naquele tempo. Disputávamos a janela e tínhamos um acordo tácito: cada uma tinha a sua vez de contemplar a beleza, o sonho. Antegozávamos em silêncio tudo o que iríamos viver. Os trilhos da ferrovia penetravam fundo em nossa alma pequenina.
 
Sabíamos de cor a delícia de estar com tia Anita, com os primos e os demais tios que lá moravam e que nos recebiam para almoçar e jantar. “E como vai Piracicaba?”, perguntavam meio superiores por morarem na capital. Nós duas, caipiras envergonhadas, mal sabíamos o que responder.
 
As doçuras da vida também acabam. O apito do trem na Estação da Luz era o som da partida, fazendo meu peito explodir de dor, numa agonia insuportável. Eu evitava olhar para a janela e ver tia Anita acenando o adeus mais sofrido do mundo. Ela abria os braços, ria, acenava, enxugava o canto dos olhos, jogava beijos. E a volta para casa era uma viagem muda e sem paisagem, cheia de sombras e saudades.
 
O banco duro de madeira do trem era a certeza de que as férias haviam acabado e que o sonho ficara para trás. Adeus terraço do sobrado, livros, brincadeiras, a comida incrível de tia Anita, a sua bondade, seu riso escancarado, um coração que se derramava para todos, os braços sempre abertos, a voz alta, os olhos faiscando uma luz que só eu captava. Ela era só minha, a minha madrinha adorada das inesquecíveis férias de julho.
 
 
marisabueloni@ig.com.br


 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 6.748.750
Visitas Únicas Hoje: 2.203
Usuários Online: 342