Espacojames


Página Inicial
Listar Arqueologia




Artigo N.º 13018 - Cientistas demonstram que o Sudário de Oviedo tem a mesma origem que o Santo Sudário de Turim.
Artigo visto 2542 vezes




Visto: 2542
Postado em: 20/02/15 às 20:50:33 por: James
Categoria: Arqueologia
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=199&id=13018
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Arqueologia

A equipe de Pesquisa do Centro Espanhol de Sindonologia (EDICES), em colaboração com a Universidade Católica de Murcia (UCAM), confirmaram que o Sudário de Oviedo, o pedaço de pano que envolveu a cabeça de Jesus Cristo depois de sua Paixão, contém o mesmo tipo de pólen que o Sudário de Turim, o pano que cobriu o corpo do Senhor.

O pólen chegou até os nossos dias preso a um coágulo de sangue e provém da espécie Helicrysum, utilizada nos unguentos para envolver os cadáveres dos sepulcros judeus durante o século I da era cristã.

Em declarações ao grupo ACI, Alfonso Sánchez Hermosillo, diretor do EDICES, explicou que “este tipo de pólen tinha um preço mais alto que o ouro e demonstra que o cadáver recebeu o trato que teria recebido uma pessoa muito influente e poderosa. Segundo os Evangelhos, para envolver Jesus, utilizou-se uma quantidade importante e custosa de mirra e óleos para envolver o corpo de Jesus Cristo”.

O também chefe da Seção de Histopatologia Forense do Instituto de Medicina Legal Murcia, considera que a descoberta é mais uma concordância de primeira categoria a fim de unir-se à crescente lista destacada pelo estudo científico destas relíquias da Paixão, atribuída a Jesus de Nazaré.

Manchado de sangue e com algumas queimaduras de velas, este pano de forma retangular é um dos objetos funerais que envolveram o Senhor descritos por São João no Evangelho. Este objeto, junto ao Santo Sudário, teria sido recolhido pelo apóstolo que estava junto com São Pedro ao descobrir que o sepulcro de Jesus estava vazio.

O Santo Sudário de Oviedo representa assim uma das relíquias mais importantes da Igreja Católica que atualmente estão guardadas na Câmara Santa da Catedral de Oviedo (Espanha).

A pesquisa foi realizada através de um microscópio eletrônico de varredura de última geração da UCAM. Marzia Boi, a polinóloga do EDICES, o Centro Espanhol de Sindonologia, explicou que o pólen tem a mesma morfologia que o encontrado no Sudário de Turim.



Do mesmo modo, a perita descarta que o pólen proceda de uma contaminação posterior à época de Cristo, uma vez que está aderido ao sangue; ou seja, chegou à relíquia, ao mesmo tempo que o sangue, não de forma aleatória em algum momento ao longo de sua história. Este dado é muito importante pois permite provar a autenticidade do Sudário de Oviedo, e negar que se trate de uma falsificação.

Pesquisas anteriores demonstraram vários aspectos que relacionam as duas relíquias. O Sudário de Oviedo e o Santo Sudário apresentam manchas de sangue humano do grupo AB, e além disso as manchas deste sangue se encaixam perfeitamente com as manchas de sangue do rosto do Santo Sudário, o que só pode ser explicada se as duas telas cobriram a mesma face.

O Santo Sudário tem impresso o rosto e o corpo maltratados de um homem que coincide com a descrição do Senhor. Segundo a história da Igreja, os primeiros cristãos levaram consigo o Sudário para preservá-lo da perseguição.

Desde Jerusalém e ao longo dos séculos, atravessaram Edesa, Constantinopla, Atenas, Lirey, Chambery e finalmente, chegaram a Turim, onde hoje em dia, foi objeto de numerosas investigações, e onde encontraram que este trajeto descrito pela história da Igreja, coincide com a procedência dos 57 tipos de pólen que aparecem incrustados no tecido.

Durante a sua permanência na França em 1632, o Sudário foi recuperado de um incêndio na França. Isto não permite aos cientistas de hoje datar com segurança a sua origem, já que as mudanças químicas que se produzem em uma reação química como a combustão, falsificam os resultados da prova de datação com Rádio C-14.

 


Fonte ACIdigital.com



LEIA TAMBÉM
Carta a Diogneto, uma carta de mais de mil anos considerada a “joia mais preciosa da literatura cristã primitiva”.
Encontrado manuscrito que pode ser o mais antigo do Novo testamento, segundo especialistas.
Conheça as pinturas mais antigas dos apóstolos de Jesus.
Tabuleta de 4.500 anos, dos registros históricos mais antigos que se conhecem, reforça diluvio bíblico.
Restos de porto e sinagoga do tempo de Cristo são encontrados na Galileia
As catacumbas, local de descanso dos mártires da fé!
Qumran: anunciada a descoberta RECENTE de mais nove rolos dos chamados "Manuscritos do Mar Morto"
Mosaico cristão de 1500 anos com os nomes de Jesus e Maria é desenterrado em Israel e reafirma veneração histórica a Maria.
Cores “perdidas” e raras, mencionadas na Bíblia, são descobertas em tecidos antigos em Israel.



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.156.901
Visitas Únicas Hoje: 2.436
Usuários Online: 419