Testemunho de Jonas Abib: Eu também me enganei
 
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 5.781.308
Visitas Únicas Hoje: 290
Usuários Online: 307
Sistema de Busca



Qual a aparição de Nossa Senhora mais importante na História?

Medjugorje

Fátima














Newsletter Espacojames
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Padre Jonas Abib
Artigos do Monsenhor Jonas Abib - Fundador da Comunidade Canção Nova




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 4617 - Impresso: 194 - Enviado: 54 - Salvo em Word: 66
Postado em: 22/07/10 às 12:04:28 por: James
Categoria: Padre Jonas Abib
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=209&id=5749
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Padre Jonas Abib

Testemunho de um sacerdote brasileiro No livro “Sim, sim! Não, não!” (1) o monsenhor Jonas Abib, fundador da Comunidade Canção Nova, aborda algo de uma grande confusão teológica no meio Católico que passou ocorrer a partir das décadas de 60 e 70 como conseqüência direta da ambigüidade doutrinária da “nova era” assimilada por muitos elementos da Igreja.

"Eu também me enganei"

Com o título Eu também me enganei, o monsenhor Jonas conta como caiu na “isca” de uma prática da “nova era” muito comum: um curso de controle mental. Isso ainda na década de 70.

 

 

Relata ele com sinceridade:

Fiz um curso em São Paulo, dirigido por um mestre de controle mental que veio dos Estados Unidos. Fiquei fascinado com o controle mental. Já participava da Renovação Carismática. Mas fiquei tão impressionado com tudo aquilo que vi, que cheguei a imaginar que ali estava um caminho de salvação para muitas pessoas. Voltei para casa decidido a pôr em prática o que aprendi no curso de controle mental.”

 

Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas

Ao chegar em casa Jonas confessa que estava muito feliz e abre a Bíblia para agradecer a graça daquele curso. Mas, curiosamente, depara com a seguinte passagem:

Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores. Pelos seus frutos os conhecereis (Mt 7,15-16a)”.

Depois de abrir várias vezes as Escrituras e deparar com passagens semelhantes, Jonas confessa que estava tão cego que não entendeu. No entanto orou e compreendeu que deveria continuar no curso mas em estado de alerta.

Na minha região, muitas pessoas que já haviam feito o curso de controle mental faziam reuniões de mentalização e mandavam energias para lá e para cá, e eu era convidado a participar dessas reuniões”, confessa o sacerdote.

Mesmo assim continuou orando com humildade para obter discernimento:

Senhor, pode ser que esse curso seja maravilhoso, e eu esteja impressionado... Mas pode ser que realmente seja um curso de lobos com pele de ovelhas... Dá-me o discernimento, porque eu não tenho”.

 

 

"As pessoas que praticavam aquele método de controle mental transferiam sua fé para a própria mente"

 


Monsenhor Jonas então passou a perceber que o curso se direcionava para convencer as pessoas de que elas eram “seres superiores”, porque sabiam usar a própria mente e com ela realizar coisas prodigiosas.

Ele prossegue em seu depoimento:

Naquele curso éramos continuamente convencidos de que podíamos, pela força da mente, buscar poderes especiais. Eu percebia também que as pessoas que praticavam aquele método de controle mental transferiam sua fé para a própria mente. Elas acreditavam na sua força pessoal, e não naquele de que vem toda a força. Cada dia mais as pessoas tornavam-se egocêntricas, orgulhosas e auto-suficientes”.

Quando analisamos toda e qualquer doutrina proposta pela "nova era" imediatamente percebemos claramente a velha e eterna proposta da Gnose:

"... vós sereis como deuses..." (Gn 3,5)

 

 

"Eu sou a fonte de tudo, eu não preciso pedir... A força está em mim..."


A oração, que na verdade é um ato de humildade e reverência ao Criador, “consistia em mandar energia para essa ou aquela pessoa; não era uma oração de súplica, de louvor ao Senhor. Não era mais pedir com humildade: ‘Senhor, tem piedade de mim, socorre-me e alcança estas pessoas... estas situações...’ Não. Era totalmente o contrário: ‘Eu, o todo poderoso, que tenho a minha mente controlada, posso mandar energia para tal pessoa... faço mentalização para as pessoas serem curadas... Eu sou a fonte de tudo, eu não preciso pedir... A força está em mim... O poder está em mim: basta canalizar este poder’”.

Monsenhor Jonas conta que viu grupos de cursilhistas e seus dirigentes caírem totalmente nessa tentação. “Vi irmão de renovação, religiosas e colegas perderem a fé. Vi religiosas mudando totalmente seu comportamento: escolheram fazer mentalização em vez de participar da Eucaristia, em vez de rezar o Ofício Divino ou as própria orações” (práticas de praxe para os religiosos consagrados a Deus, conforme a milenar tradição cristã).

 

A influência das doutrinas da “nova era” no esfriamento da fé

Conforme podemos ver, a experiência desse sacerdote ocorre exatamente em consonância com nosso presente estudo, no que diz respeito à influência da “nova era” no esfriamento da fé.

Com clareza, o monsenhor Jonas traça o passo-a-passo da conspiração gnóstica:

Por graça de Deus fui percebendo que a prática do controle mental partia de uma verdade: Deus habita em nós. Mas logo acrescentava: o lugar de Deus é o nosso inconsciente. Por isso, explicavam eles, com a força do meu inconsciente, a minha mente mais profunda, de onde me vem todo o poder, posso fazer tudo... Nada me é impossível. Eu posso tudo: basta retirar a força que lá está e aplica-la ao objetivo a que me propus. Eu posso tudo. A força está em mim. O poder está ao meu alcance”.
Se ‘o meu inconsciente é Deus’, então ‘eu sou deus"

 

Se ‘o meu inconsciente é Deus’, então ‘eu sou deus’”

A partir de então Jonas passou a perceber que “pouco a pouco, e muito sutilmente, essas pessoas iam mudando a linguagem e também a realidade. Já não diziam que Deus estavam no meu inconsciente, mas que ‘o meu inconsciente é Deus’”.

E como vimos até aqui, nisto consiste a astúcia das doutrinas gnósticas: inverter os significados e a criatura tornar-se o Criador.

Conforme seu testemunho, “os dois passos seguintes eram bem mais fáceis e mais rápidos: o meu inconsciente é o meu eu profundo. Portanto, se ‘o meu inconsciente é Deus’, ‘eu sou deus’”.

 

Buscar o mestre. O mestre existe. O mestre é alguém!


‘Não. Não é uma ficção. O mestre existe. O mestre é alguém!’
Mas a coisa não pára aí:

“Por graça de Deus pude perceber que nos tais cursos de poder da mente há um momento-chave para o qual tudo converge e para o qual tudo foi mera preparação: o momento em que a pessoa ‘busca’ e então ‘recebe’ um ‘mestre’ (...) A pessoa é levada e convencida a buscar o tal mestre. Ela precisa querer. Ela precisa como que atrair esse mestre, que a vai aconselhar e conduzir dali para frente”.
Com mestria, esse sacerdote percebeu muito bem a armação gnóstica contida nesses tipos de curso: “O momento-chave para o qual tudo converge no decorrer do curso é ‘buscar e receber o próprio mestre’”.

“Para tirar qualquer dúvida” —continua o sacerdote em seu depoimento, “fiz questão de consultar o dirigente do curso: ‘Este mestre de que vocês falam não é alguém, não é verdade? Ele é apenas uma ficção mental. A gente acaba chamando de mestre, de conselheiro, de guia, o nosso próprio inconsciente que nos responde e nos direciona, não é?’

“O dirigente me olhou sério e afirmou: ‘Não. Não é uma ficção. O mestre existe. O mestre é alguém!’

“Foi o suficiente. Entendi tudo. Vi a semelhança com tudo o que acontece com os gurus nas religiões orientais. Eles levam as pessoas a receber o próprio mestre que os orienta e conduz.

“Naquele momento foi como se o Espírito Santo gritasse no meu ouvido: ‘Não quero que coloquem a própria vida para ser guiada por nenhum outro que não seja Jesus, o Senhor!’”

 

 

"Entre num quarto escuro, coloque um espelho na sua frente e uma vela de cada lado. Concentre-se. Peça o próprio mestre. O restante depois você me conta...”


O instrutor respondeu: "Entre num quarto escuro, coloque um espelho na sua frente e uma vela de cada lado. Concentre-se. Peça o próprio mestre. O restante depois você me conta...”
Como prova final o monsenhor Jonas relata que Deus ainda lhe deu mais uma graça:

“Eu nem fui procurá-la. Um rapaz veio a mim para contar que tinha feito um desses cursos de controle mental. Aplicou-se tanto e foi tão bem sucedido na aplicação do que lhe haviam ensinado, que resolveu procurar o instrutor e contar as coisas mirabolantes que tinha conseguido. O instrutor, depois de ouvi-lo, acabou afirmando que ele havia conseguido em pouco tempo o que se consegue só depois de três ou quatro anos de treinamento. Em seguida lhe disse:

“— Olha, você já progrediu muito. Só lhe falta um mestre.
“E o rapaz perguntou:
“— E o que eu preciso?
“O instrutor respondeu:
“— Entre num quarto escuro, coloque um espelho na sua frente e uma vela de cada lado. Concentre-se. Peça o próprio mestre. O restante depois você me conta...”

 

 

"Disse o rapaz: Do espelho veio uma estranha figura amarelada, que se projetou sobre mim"


"Agora você tem seu mestre, lembra-se do que eu lhe falei?"
O padre Jonas Abib lembra que, “horrorizado, o rapaz me contou que naquela mesma noite ele fez o que o instrutor havia lhe instruído. Ele me disse:

“— Do espelho veio uma estranha figura amarelada, que se projetou sobre mim. Dali para frente senti que aquela coisa me conduzia. Era o meu mestre e ele tinha todas as respostas para minhas perguntas. Fiquei impressionado e fui conversar com meu instrutor. E ele, satisfeito, dizia: ‘Agora você tem seu mestre, lembra-se do que eu lhe falei?’

O rapaz então relatou ao sacerdote que realmente aconteceram coisas impressionantes com a ajuda do tal mestre. Ele atingiu um grande sucesso financeiro. Tudo o que ele queria conseguia: desde resolver um negócio insolúvel até conseguir um táxi numa rua deserta.

 

 

"Como não vai fazer? Nós fizemos um pacto!"


Passado um tempo” —relata monsenhor Jonas, “o tal mestre começou a lhe propor coisa com as quais o rapaz não concordava moralmente
“Passado um tempo” —relata monsenhor Jonas, “o tal mestre começou a lhe propor coisa com as quais o rapaz não concordava moralmente. A família dele era evangélica e ele tinha recebido uma educação segundo a Palavra de Deus. Agora ele estava bem afastado da igreja, mas mesmo assim sua consciência não podia concordar com as coisas que o mestre lhe mandava fazer, e ele passou a recusá-las. Daí começaram os choques entre ele e o mestre:

“— Como não vai fazer? Nós fizemos um pacto! Ou você faz ou vai se arrepender.
“— Não, não vou fazer. Não concordo com isso.
“Então você vai sofrer como um cachorro!
“— Posso sofrer... mas não vou fazer!
“O rapaz me contou que naquele momento ele sentiu um calafrio da cabeça aos pés... A partir daquele dia tudo se transformou: desde dores por todas as partes do corpo até o fracasso em seus negócios, tudo aconteceu. O que ele tinha ganhado ele perdeu. Entrou em desespero... Sua vida se tornou um verdadeiro tormento...
“Até que resolveu voltar a Lorena, sua cidade, e foi visitar uma família evangélica que ele conhecia havia muito tempo.
“No caminho passou uma moça por ele dizendo:
“— Nós temos um recado para você no terreiro de umbanda esta noite.
“Estava tão desesperado que pensou em ir ao terreiro. Mas, graças a Deus, continuou o seu caminho e, chegando à casa daquela família, o senhor que o recebeu, muito firme e convicto, logo ao abrir a porta, levantou o dedo em direção do rapaz e disse:
“— Afasta-te, Satanás!
“O rapaz me contou que naquela hora ele sentiu um calafrio maior do que naquele da primeira vez... Mas logo lhe veio uma grande paz! Cambaleou... Entrou na casa e começou a chorar compulsivamente. E o senhor lhe disse:
“— Me perdoe. Eu não sei o que aconteceu. Quando você abriu a porta, eu o vi e reagi desta forma...
“— O senhor tem toda a razão. Sinto que fui longe demais com o tal curso de controle mental. Por isso o inimigo acabou me possuindo. Obrigado. Na hora em que o senhor gritou: ‘Afasta-te, Satanás!’, a minha libertação aconteceu. Por favor, me ajude. Eu preciso muito de oração”.

 

 

“Minha única segurança agora é a Palavra de Deus e a oração"

Monsenhor Jonas relata que a família inteira acorreu e rezou por ele longa e fervorosamente. A libertação aconteceu. Mas o rapaz confidenciou ao sacerdote:

“Minha única segurança agora é a Palavra de Deus e a oração. Sinto continuamente o inimigo me rondando. Infelizmente, fui longe demais.”

 

 

"Atrás da isca do controle mental, quem está pescando é Satanás"


"Graças a Deus, pelo poder do Espírito Santo fui convencido do meu engano e da minha ingenuidade e fui liberto”
Nesse capítulo do livro do monsenhor Jonas, ele comenta:

“Eu lhe digo: atrás da isca do controle mental, quem está pescando é Satanás. As pessoas dizem que existem padres e religiosas dando cursos de controle mental. Eu sei! Eu poderia ser um deles, se Deus não tivesse me salvado. Fiquei tão seduzido pelo controle mental, que julguei ser a solução para os problemas de muita gente. Mas, graças a Deus, pelo poder do Espírito Santo fui convencido do meu engano e da minha ingenuidade e fui liberto”.

Certamente, essas técnicas de controle mental equivalem ao "fermento" das doutrinas da "nova era" que vão sendo assimiladas passivamente por vários sacerdotes, religiosos e religiosas, confundido a enfraquecendo a verdadeira fé cristã de cujo depósito a Igreja é detentora.

 

 

"O inimigo coloca até a isca de um padre ou uma religiosa para pescar incautos”


"Já conversei com mais de um padre dirigente de curso de controle mental da mente..."
Com franqueza Monsenhor Jonas confessa:

“Já dialoguei com vários sacerdotes, colegas meus, que fizeram o curso de controle mental. Constato que ficaram tão convencidos e auto-suficientes, que só a graça de Deus para convencê-los. O coração e a mente se endureceram tanto, que só o poder de Deus para romper a resistência. Já conversei com mais de um padre dirigente de curso de controle mental da mente... Mas veja: o inimigo coloca até a isca de um padre ou uma religiosa para pescar incautos”.

* * *

O corajoso testemunho do monsenhor Jonas Abib nos reporta ao que dizem as Escrituras sobre a cegueira de alguns sacerdotes ao tempo de Jesus.

“Embora tivesse feito tantos milagres na presença deles (os fariseus), não acreditavam nEle”. (Jo 12,27).

 

 

"Preferiram a glória dos homens àquela que vem de Deus”


Seus corações e suas mentes estavam endurecidos
Como vemos, os fariseus estavam cegos pelas doutrinas e ritos secretos que praticavam em segredo. Seus corações e suas mentes estavam endurecidos.

Por isso, também não podiam reconhecer o Cristo, ainda que em pessoa diante deles.

E conforme agem os adeptos das sociedades secretas, os fariseus exerciam forte influência no poder, como vemos adiante.

“Também muitos dos chefes creram nele (em Jesus). Mas por causa dos fariseus não o manifestavam, para não serem expulsos da sinagoga. Assim preferiram a glória dos homens àquela que vem de Deus” (Jo 12,42-43).

________

Fontes de consulta:

1 - ABIB, Jonas. Sim, sim! Não, não! pp. 88-99. Editora Canção Nova. 80ª ed. 2006.

Eclesiastes 3:13 E também que todo o homem coma e beba, e goze do bem de todo o seu trabalho; isto é um dom de Deus.

 

Enviado por: 

ÁTICO CONSTRUÇÕES E SERVIÇOS LTDA
Engº Cláudio de Carvalho Rocha
(33)99517128
Escritório:
(33)32750245














Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 22/07/10 às 12:04:28 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM










Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES