LISTAR ARTIGOS DESTA CATEGORIA
LISTAR MENUS

Destaque



Artigo visto 970 vezes




Visto: 970 - Impresso: 29 - Enviado: 8 - Salvo em Word: 12
Postado em: 31/07/15 às 13:13:31 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=13594
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Espacojames: Em menos de quatro anos após terem falado esta bobagem a banda acabou, seria apenas coincidência?

Uma reflexão sobre a polêmica frase de John Lennon. 

Em 4 de março de 1966, John Lennon afirmou que os Beatles eram mais populares que Jesus. Foi um polêmico comentário feito ao jornal inglês London Evening Standard.


John foi além, porque afirmou que o cristianismo estava em decadência e que os Beatles haviam se tornado mais populares que Jesus Cristo.

Quando a revista estadunidense Datebook citou a frase de Lennon, em agosto de 1966, surgiram vários protestos no sudeste dos Estados Unidos.

Discos dos Beatles foram proibidos em várias emissoras de rádio e queimados publicamente. Diversas coletivas de imprensa foram canceladas e houve até ameaças.

A polêmica coincidiu com uma turnê do grupo pelos Estados Unidos, e tanto Lennon como Brian Epstein, manager da banda, tentaram acalmar o conflito com uma série de comunicados à imprensa. Alguns eventos da turnê sofreram interrupções e intimidações, incluindo um protesto do Ku Klux Klan.

--

Espacojames: Ku Klux Klan (também conhecida como KKK) é o nome de várias organizações racistas dos Estados Unidos que apoiam a supremacia branca e o protestantismo (padrão conhecido também como WASP) em detrimento de outras religiões. A KKK, em seu período mais forte, foi localizada principalmente na região sul dos Estados Unidos, em estados como Texas e Mississipi.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ku_Klux_Klan

--


Este episódio marcaria o desinteresse dos Beatles por oferecer espetáculos ao vivo, e a turnê pelos EUA foi a última, porque depois dela eles se tornaram exclusivamente uma banda de estúdio.

No entanto, resgato o olhar do jornal vaticano, L'Osservatore Romano, órgão que publicou esta evocação em abril de 2010, 40 anos após a separação definitiva dos Beatles, no qual prevalece um olhar artístico e nulo de rancor pela infeliz declaração:

"É verdade que eles tomaram drogas, viveram uma vida de excessos por causa do seu sucesso, e até disseram que eram mais famosos do que Jesus. Eles podem não ter sido o melhor exemplo da juventude da época, mas não eram, de maneira nenhuma, o pior. No entanto, ao ouvir suas canções, tudo isso parece distante e insignificante."

E acrescenta: "Quarenta anos após a turbulenta dissolução dos Beatles (oficializada em 10 de abril de 1970, mas ocorrida de fato no ano anterior), ao término da gravação de Abbey Road, permanecem como joias preciosas suas belíssimas melodias, que transformaram para sempre a música e continuam despertando emoções".

O amor e a música são mais fortes.

Fonte: http://www.aleteia.org/

Total Visitas Únicas: 6.501.278
Visitas Únicas Hoje: 37
Usuários Online: 275