A infertilidade para uma mulher católica é um chamado
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.074.141
Visitas Únicas Hoje: 232
Usuários Online: 139
Sistema de Busca

 

Destaque




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 213 - Impresso: 3 - Enviado: 2 - Salvo em Word: 2
Postado em: 28/09/18 às 22:35:09 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=15086
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Um caminho pode ser fechado, mas existem outras maneiras de se tornar frutífero

Como católicos, muitas vezes ouvimos sobre a importância de estar abertos à vida e sobre o grande valor da maternidade, através do qual compartilhamos o amor e o poder de Deus como Criador e construímos uma família, a “Igreja doméstica”.

Celebramos os nascimentos das crianças em nossas comunidades, e quando vemos um novo casal a primeira pergunta que pode vir à mente pode ser: “Quando estaremos celebrando o batismo de seu primeiro bebê?”.

Mas, e se, apesar do seu desejo de começar uma família, nada acontece? Os meses se transformam em anos e, finalmente, você recebe o diagnóstico: infertilidade.

Esta notícia pode ser muito difícil de ouvir e aceitar, especialmente porque os outros ao seu redor recebem o dom da nova vida em suas famílias. Muitas mulheres católicas recebem sinais constantes de seu ambiente, de que, se elas não têm filhos, devem ser egoístas ou concentradas em sua carreira, ou talvez elas simplesmente não tenham tentado ou rezado com força suficiente.

Embora os estereótipos tenham mudado, você pode acabar acreditando que você deve se tornar uma mãe, ou então você ficará infeliz pelo resto de sua vida. Isso não é necessariamente verdadeiro, mas se você acredita nisso e é obcecada por isso, pode se tornar uma profecia autorrealizável. O primeiro passo para superar essa negatividade é perceber que é normal sentir-se desapontada, deprimida e isolada – mas também há uma saída.

Infertilidade causa alto estresse psicológico

Estudos psicológicos mostram que as mulheres inférteis experimentam depressão com a mesma intensidade que os doentes terminais.

Ter filhos é um evento normal e esperado que, muitas vezes, é uma parte fundamental da identidade e do ambiente social de uma pessoa; não ser capaz de conceber e ter filhos significa que você vai perder todas as experiências relacionadas e os ritos de passagem envolvidos com isso.

Se você nunca será mãe, você também não será avó. Você não conseguirá experimentar a perda do primeiro dente, o primeiro passo ou o primeiro sorriso do seu filho. Você nunca se preparará para a Primeira Comunhão de seus filhos, nem estará presente em seu casamento.

A resultante sensação de perda e desamparo pode ser traumática. Podemos ser tentados a ter pena de nós mesmos, de reclamar e nos ver como vítimas. Podemos nos tornar excessivamente protetores de nós mesmos e procurar nossa identidade em nosso sentido de vitimização. Se não podemos ter a maternidade, o martírio permanente pode se tornar o substituto inconsciente.

Por que isso aconteceu comigo?”, nos perguntamos. Uma pergunta mais realista é: “Por que não deveria?”. A vida de todos tem sua medida de sofrimento. A dor da infertilidade é isolada, mas as mulheres férteis também não são fáceis; seus filhos, às vezes, ficam gravemente doentes ou morrem, ou eles podem subitamente ter uma doença terminal enquanto ainda são jovens. A maternidade não é apenas satisfação e felicidade; pode envolver muitas formas de sofrimento que só uma mãe pode experimentar.

A infertilidade é um desafio, assim como o nascimento de uma criança

É preciso alguma humildade para uma mulher infértil aceitar sua situação e reconhecer isso diante de si mesma e dos outros: ela nunca será uma mãe biológica. É uma situação que está além de seu controle, e quanto mais cedo ela aceitar isso, melhor. Deus permitiu isso, dentro de Seu plano amoroso.

Sim, um caminho está fechado, mas outros estão abertos, e podemos vê-los quando paramos de bater desesperadamente no portão trancado. Quando paramos de sentir pena de nós mesmos e tomamos uma iniciativa em nossa vida novamente, será mais fácil. A aceitação nos dá força e nos ajuda a continuar nossas vidas com maior generosidade, vendo nossa infertilidade não como o fim da estrada, mas como uma tremenda oportunidade.

Comece cuidando de si mesmo

Antes de cuidar dos outros, devemos cuidar de nós mesmas. Devemos enfrentar nossos próprios sentimentos difíceis e aprender a gerenciá-los de forma saudável.

Se um casal é infértil, o marido e a mulher podem compartilhar sua dor. É importante reconstruir constantemente a sensação de proximidade entre você e fortalecer seu vínculo. Permita essa dificuldade para uni-los, ao invés de dividi-los.

Muitas vezes é uma boa ideia procurar ajuda profissional para lidar com o sofrimento envolvido. Terapia, especialmente em relação ao seu relacionamento com seu próprio corpo, pode ajudar. É fácil rejeitar algo que você sente que falhou em você, e começar a sofrer de doenças psicossomáticas, negligenciar-se e ganhar peso ou morrer de fome. É importante abraçar a si mesmo e ao seu corpo.

É bom aprender exercícios de relaxamento, exercícios respiratórios e técnicas que o ajudem a lidar com emoções difíceis. Workshops e seminários para melhorar suas habilidades e qualidade de vida também podem ajudar. Precisamos desfrutar o que temos em vez de nos atormentarmos com o que nos foi negado – mas, às vezes, isso exige trabalho. Temos que querer isso.

Você tem acesso a reservas psicológicas e espirituais de força que você nunca conheceu, se você usar os meios corretos. O que inicialmente parece um beco sem saída pode ser o meio que Deus usa para nos ajudar a descobrir nossa vocação para exercer nossa “maternidade espiritual” como um presente que abençoa a vida dos outros.

A maternidade espiritual como uma expressão valiosa da maternidade

Na exortação apostólica Familiaris Consortio sobre a família no mundo moderno, João Paulo II apontou que a maternidade biológica não é a única maneira de ser mãe; “mesmo quando a procriação não é possível, nem por isso a vida conjugal perde o seu valor. A esterilidade física, de facto, pode ser para os esposos ocasião de outros serviços importantes à vida da pessoa humana, como por exemplo a adopção, as várias formas de obras educativas, a ajuda a outras famílias, às crianças pobres ou deficientes” (Parágrafo 14).

A falta de filhos não precisa nos definir; nós somos muito mais do que nossa infertilidade. Podemos passar por um momento difícil quando somos diagnosticados, mas podemos sair desse túnel escuro mais forte, mais aberto ao futuro e outras possibilidades. Não devemos nos concentrar em nossas limitações; em vez disso, devemos nos concentrar em todas as boas qualidades e talentos que nos fazem quem somos: um presente de Deus para nós mesmos e para os outros.



Fonte: www.aleteia.org





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 28/09/18 às 22:35:09 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES