LISTAR ARTIGOS DESTA CATEGORIA
LISTAR MENUS

Destaque



Artigo visto 77 vezes




Visto: 77 - Impresso: 0 - Enviado: 0 - Salvo em Word: 0
Postado em: 13/04/19 às 23:36:18 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=15229
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Entenda por que um dos piores inimigos da Igreja é a tentação do poder

Não somente a antiga tradição das procissões da Semana Santa, mas inclusive o ancestral fenômeno social das manifestações e aclamações públicas têm seu principal paradigma na entrada de Jesus em Jerusalém. Ele entra com humildade, em um jumento.

Cristo é aclamado como rei, como o esperado de todos os tempos para satisfazer todas as expectativas do povo de Israel. A Missa do Domingo de Ramos nos recorda esta passagem no início, na procissão de entrada, mas, na Liturgia da Palavra, ouvimos o relato da Paixão.

Pouco depois de ser aclamado, as pessoas o insultam, Jesus é flagelado, torturado, recebe uma coroa de espinhos, cospem nele e zombam dele.

A Igreja de Cristo vive permanentemente o mistério do seu Senhor. Somente quando seus filhos não são fiéis a Ele, conseguem se livrar do mesmo destino, mas também se livram da salvação. Seus filhos, suas instituições, suas obras, todas as suas empresas humanas.

Entrar em Jerusalém é fácil. Muitos o fazem. Mas Jesus, antes de entrar, advertiu seus discípulos: Vocês estão dispostos a beber do cálice que eu beberei? (cf. Mt 20, 22). O Evangelho não engana, nem à Igreja, nem ao mundo. Se nos aplaudem, cuidado: prelúdio de perseguição. E se a cruz não chega, vale a pena perguntar-se: será que realmente estamos seguindo Jesus?


A maior ameaça para a Igreja não vem de fora, de inimigos externos, mas do seu interior, dos pecados que existem nela, recordou várias vezes Bento XVI. E o Papa Francisco repete isso quase diariamente, quando nos fala da mundanização da Igreja. E um dos piores inimigos da Igreja está na tentação do poder.

Entrar hoje na Jerusalém deste mundo globalizado e dividido, descrente e interessado, adulador e trapaceiro, não é fácil. Nem um só compromisso com o poder, e muito menos cair na ilusão de acreditar que nos âmbitos do poder político, econômico ou cultural está a solução para a sórdida rejeição da fé.

O único caminho da Igreja é o ser humano, em sua radical pobreza, despojado de todo poder. O único caminho da Igreja está em um amor assim, como o daquele que foi aclamado e depois crucificado; daquele que acolhe, perdoa, que não pretende nada de ninguém, que não ensina partindo do poder, mas da fraqueza.

Fonte: www.aleteia.org

 
Total Visitas Únicas: 6.493.116
Visitas Únicas Hoje: 591
Usuários Online: 186