Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 3592 - Lição da queda do Muro de Berlim: não reduzir a fé
Artigo visto 1848 vezes




Visto: 1848
Postado em: 09/11/09 às 07:27:51 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=3592
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

O porta-voz vaticano analisa o papel de João Paulo II, 20 anos depois


CIDADE DO VATICANO, domingo, 8 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- Vinte anos depois da queda do Muro de Berlim, o porta-voz da Santa Sé constata que muitos ainda não entenderam a lição daquele acontecimento histórico: a fé não pode ser reduzida à esfera privada.

O Pe. Federico Lombardi, SJ, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, no editorial do último número de Octava Dies, semanário do Centro Televisivo Vaticano, analisou o papel desempenhado por João Paulo II naquele acontecimento que transformou a história da humanidade no dia 9 de novembro de 1989.

“Que grande festa para o povo em Berlim! – reconhece o porta-voz, ao recordar a queda do símbolo da Guerra Fria. Quando estupor e quanta alegria em toda a Europa e no mundo, vendo e revendo aquelas imagens incríveis!”

“Durante quase 30 anos, quem tentava superá-lo fugindo rumo à liberdade, arriscava a vida; dezenas e dezenas de pessoas haviam morrido diante dos olhos horrorizados das testemunhas que passavam. Acreditavam que a grande prisão protegida pelo muro – e com maior amplitude pela cortina de ferro – ia resistir ainda por muitos anos.”

“No entanto, as aspirações de liberdade e as fraquezas intrínsecas nos regimes fundamentados em uma ideologia inimiga de Deus e da pessoa humana haviam trabalhado em profundidade nos povos do Leste, preparando uma queda histórica, sem estar acompanhada – acontecimento afortunado e raro – por grandes derramamentos de sangue.”

“Sem querer simplificar um processo histórico extremamente complexo”, o Pe. Lombardi recorda que “o papel da eleição e a pessoa de João Paulo II, de suas viagens a uma Polônia, que em grande parte permaneceu fielmente católica, e de suas consequências sobre as aspirações e o desejo de liberdade do seu povo e dos povos vizinhos”.

Quando, depois, o pontífice, já idoso, atravessou a porta de Brandenburgo, em Berlim, reconhece o Pe. Lombardi, “não somente a Alemanha estava unificada, mas a Europa respirava com seus dois pulmões, o do Oeste e o do Leste, e a fé cristã havia demonstrado que, mais uma vez, havia contribuído para a união e a civilização do continente, superando a prova cruel do ateísmo do Estado”.

“É bom recordar isso, quando se insiste em reduzir a fé ao âmbito estritamente privado”, afirma o Pe. Lombardi, poucos dias depois da sentença do Tribunal Europeu de Direitos Humanos, que proíbe os crucifixos nas escolas.

“Pois bem – conclui –, no mundo, infelizmente, foram levantados e ainda são levantados muitos muros. Continuaremos comprometidos, esperando festejar, no final, também sua inutilidade e sua queda”.


Fonte: www.zenit.org



LEIA TAMBÉM
Papa exorta a amar Igreja apesar de suas manchas
Apesar de desaprovar: Presidente Checo assinou Tratado de Lisboa que pode agora avançar
NOVA ORDEM A CAMINHO?
Papa convida a viver com os olhos na eternidade
Católicos devem cobrar de Obama direito à vida, pede bispo
Anticatolicismo é o novo passatempo nos EUA, diz arcebispo de Nova York
Crucifixo não é fator de exclusão, mas de união
Tribunal da UE decide contra crucifixos em escola na Itália
O que vêm além do Codex Alimentarius



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.162.937
Visitas Únicas Hoje: 2.348
Usuários Online: 383