Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.274.266
Visitas Únicas Hoje: 1.195
Usuários Online: 417
Sistema de Busca

 

Destaque




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1482 - Impresso: 73 - Enviado: 31 - Salvo em Word: 38
Postado em: 13/01/10 às 06:50:10 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=4053
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Apenas entre os dias 8 a 11 de janeiro, nove igrejas foram atacadas no país

ROMA, terça-feira, 12 de janeiro de 2010 (ZENIT.org).- De acordo com os cristãos da Malásia, a disputa sobre o uso da palavra “Alá” para referir-se a Deus tem raízes muito mais políticas do que teológicas.

 

De acordo com a agência Fides, para os féis se trata de uma tentativa do partido governista, United Malays National Organization (UMNO), de reaver votos perdidos.

Essa opinião é compartilhada com diversos partidos da oposição, muitos dos quais muçulmanos, que têm condenado o que chamam de “uma tentativa de polarizar a sociedade malaia em suas bases religiosas”.

Após os primeiros atentados contra as igrejas (cf. ZENIT, 8 de janeiro de 2010), o Parti Islam Se-Malaysia (PAS), influente partido islâmico da oposição, declarou-se favorável ao uso da palavra “Alá” pelos cristãos.

Por seu turno, o líder da oposição, Anwar Ibrahim, do partido People Justice, condenou firmemente os ataques a igrejas, declarando que é preciso "tentar manter o espírito de unidade dos fundadores e defender o artigo 11 da Constituição governo federal, que garante a liberdade de religião”, convidando ainda “a isolar aqueles que incitam ao ódio religioso com motivações políticas.”

Anwar também lembrou que "Alá é o termo normalmente usado pelos muçulmanos, judeus e cristãos de língua árabe há 14 séculos". 

Do mesmo, denunciou “a incessante propaganda e a retórica incendiária dos órgãos de comunicação controlados pelo governo”, assegurando que seu partido, o Pakatan Rakyat, da oposição, “fará tudo o que estiver ao seu alcance para que nossos irmãos cristãos se sintam seguros em seu próprio país.”

A polêmica foi iniciada em 1995, quando o semanário católico da arquidiocese de Kuala Lumpur, The Herald (http://www.heraldmalaysia.com), publicou artigos nos quais referia-se a Deus por “Alá”, como consta na Bíblia em árabe.

Em 2006, o Governo malaio, controlado pelo UMNO e ligado à população malaia predominantemente muçulmana, declarou publicamente a intenção de impedir as publicações cristãs em língua malaia de fazer uso da palavra “Alá” para indicar Deus.

Em 31 de dezembro de 2009, o Supremo Tribunal de Justiça da Malásia emitiu um parecer favorável ao uso da palavra “Alá” por cristãos.

Em 4 de janeiro, começaram a se difundir na rede Facebook grupos convocando os fiéis muçulmanos a protestar contra a decisão. Em 6 de janeiro, o governo anunciou sua intenção de recorrer junto ao tribunal contra a liminar.

A partir do dia 8 de janeiro, iniciaram-se os ataques contra alvos cristãos.

Entre 8 e 11 de janeiro, nove igrejas foram atacadas na Malásia, oito das quais com coquetéis-molotov.

Além de igrejas católicas, outras igrejas cristãs também foram alvo de ataques, sendo uma delas batista, uma luterana, uma anglicana, uma pentecostal e duas evangélicas.

 



Fonte: zenit.org





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 13/01/10 às 06:50:10 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.

LEIA TAMBÉM












Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES