Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.408.261
Visitas Únicas Hoje: 1.625
Usuários Online: 330
Sistema de Busca

 

Artigos Site Aarão
Aqui estão relacionados alguns dos artigos extraídos do site www.recados.aarao.nom.br, site do Sr. Arnaldo que com inspiração divina, colocam matérias belíssimas que nos aproximam do amor de Deus e nos conduz à salvação.




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1566 - Impresso: 41 - Enviado: 17 - Salvo em Word: 50
Postado em: 22/01/10 às 22:37:38 por: James
Categoria: Artigos Site Aarão
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=50&id=4137
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos Site Aarão

Deve-se parar com a má-fé, o preconceito e, verdade seja dita, a desinformação quando se trata de Bento XVI. Logo após sua eleição, se tentou um processo com relação a seu “ultraconservadorismo”, retomado continuamente pelos meios de comunicação (como se um Papa pudesse ser outra coisa que não “conservador”). Insistiu-se de modo implicante, para não dizer com “batidas pesadas”, no “Papa alemão”, sobre o “pós-nazista” de batina, a tal ponto de uma transmissão satírica no jornal francês “Les Guignols”, que não hesitava em lhe apelidar como “Adolf II”.

São forjados, pura e simplesmente, os textos. Por exemplo, a propósito da viagem papal a Auschwitz, em 2006, se sustenta e – uma vez que ao longo do tempo as memórias ficam mais incertas – ainda se repete que teria honrado a memória dos seis milhões de poloneses mortos, vítimas de um simples “bando de criminosos”, sem precisar que a metade deles eram judeus (a mentira é verdadeiramente espantosa, pois Bento XVI, naquela ocasião, falou efetivamente sobre os “poderosos do Terceiro Reich” que tentaram “eliminar o “povo judeu” do “leque de nações da Terra” – Le Monde, 30 de Maio de 2006).

Por ocasião da visita do Papa à Sinagoga em Roma e depois de suas duas visitas às sinagogas de Colônia e Nova Iorque, o mesmo coro de desinformação estabeleceu um recorde, diria que alcançaram a palma da vitória, pois nem sequer esperaram que o Papa atravessasse o Rio Tibre para anunciar, a cidade e ao mundo, que ele teria sido incapaz de encontrar as palavras que gostaria de dizer, nem fez o gestos que gostaria de fazer e que teria falhado em sua tentativa…

Assim, dado que o evento ainda é recente, eu me permitiria colocar alguns pontos em destaque. Bento XVI, quando se recolheu em oração diante da coroa de rosas vermelhas colocadas em frente à placa em memória do martírio dos 1021 judeus romanos deportados, não fez algo que fosse de seu dever, mas fez. Bento XVI, quando prestou homenagem às “faces” de “homens, mulheres e crianças”, fez um relato sobre o projeto de “extermínio do povo da Aliança de Moisés”, disse uma evidência, mas a disse. Bento XVI, que retoma, palavra por palavra, os termos da oração de João Paulo II, dita dez anos atrás, no Muro das Lamentações; Bento XVI, que pediu “perdão” ao povo judeu pela fúria devastada de um anti-semitismo por um longo tempo de essência católica e assim, mais uma vez, leu o texto de João Paulo II. É preciso parar de repetir, como burros, que ele está em oposição a seus predecessores.

Bento XVI que declara enfim, após uma segunda parada em frente à inscrição que lembra o atentado à bomba cometido em 1982 por extremistas palestinos, que o diálogo católico-judeu, iniciado pelo Concílio Vaticano II, é “irreversível”; Bento XVI, que anuncia ter a intenção de “aprofundar” o “debate entre iguais”, que é o debate com os “irmãos mais velhos”, que são judeus. É possível fazer todos os processos que se deseja, mas não o de “congelar” os progressos obtidos por João XXIII.

Quanto à história muito complexa de Pio XII, voltarei, se necessário. Voltarei ao caso de Rolf Hochhuth, autor do famoso “O Vigário”, que lançou, em 1963, a polêmica em torno dos “silêncios de Pio XII”. Em particular, voltarei ao fato de que o justiceiro em foco é também um negador do Holocausto, repetidamente condenado como tal e cuja última provocação, cinco anos atrás, foi de sair em defesa, em uma entrevista ao semanal jornal de extrema-direita “Junge Freiheit”, daquele que nega a existência de câmaras de gás, David Irving. Por hora, é justo recordar, como fez Laurent Dispot na revista que editou, “La règle du jeu” que o “terrível” Pio XII, em 1937, quando ainda era apenas o Cardeal Pacelli, foi o coautor, com Pio XI, da Encíclica Mit brennender Sorge (”Com profunda preocupação”), que ainda hoje continua a ser uma das manifestações anti-nazistas mais claras e eloquentes.

Por hora, devemos, pela exatidão histórica, precisar que, antes de optar pela ação clandestina, antes de abrir, sem divulgar, os conventos aos judeus romanos perseguidos pelos fascistas, o “silencioso” Pio XII pronunciou algumas alocuções radiofônicas (por exemplo, nos Natais de 1941 e 1942) que tiveram, após sua morte, a homenagem de Golda Meir [uma das fundadoras do Estado de Israel]: “Durante os dez anos do terror nazista, enquanto nosso povo sofria um terrível martírio, a voz do Papa levantou-se para condenar os carrascos”.

Muitos ficam surpreendidos com o silêncio ensurdecedor que se propagou no mundo inteiro na época do Holocausto, e colocam todo esse peso, ou quase todo, sobre os soberanos daquela época: a) não havia armas de fogo ou canhões disponíveis; b) não se pouparam esforços para partilhar, com aqueles que dispunham de aviões e armas, a informação de que se tinha conhecimento; c) salvaram em primeira pessoa, tanto em Roma quanto em outros lugares, um grandíssimo número daqueles pelos quais tinham responsabilidade moral.

Últimos retoques ao Grande Livro da mesquinharia contemporânea; Pio ou Bento, que podem ser Papas e bodes expiatórios!
===========================================================
OBS. Viva o Papa Bento XVI, abaixo a todos os inimigos dele e da Igreja. Falo também dos inimigos dele, que estão dentro da Igreja. E quem nao é amigo aqui é inimigo, portanto está fora da Rocha de Pedro, e será destroçado, mais dia, menos dia. O machado está posto à raiz! Bento XVI é sem dúvida o maior teólogo que a Igreja já teve até hoje, nisso incluso todos os santos e doutores antigos. Porque ele tanto conhece o antigo, quanto o novo da Igreja de sempre.0
 
 Não há na terra, outra pessoa qu o possa substituir, em nivel de conhecimento e de autoridade. Sua eleição foi, sem dúvida, uma das maiores demonstrações da atuação direta do divino Espírito Santo, que realmente abalroou a besta e os seus sequazes. Quem estiver com Bento XVI até o fim, será salvo. Ai de quem se bater contra ele...



www.recadosaarao.com.br





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 22/01/10 às 22:37:38 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.

LEIA TAMBÉM












Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES