Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.408.218
Visitas Únicas Hoje: 1.582
Usuários Online: 307
Sistema de Busca

 

Artigos Site Aarão
Aqui estão relacionados alguns dos artigos extraídos do site www.recados.aarao.nom.br, site do Sr. Arnaldo que com inspiração divina, colocam matérias belíssimas que nos aproximam do amor de Deus e nos conduz à salvação.




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1733 - Impresso: 117 - Enviado: 26 - Salvo em Word: 47
Postado em: 22/02/10 às 13:57:28 por: James
Categoria: Artigos Site Aarão
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=50&id=4393
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos Site Aarão

1. O BATISMO É VERDADEIRO SACRAMENTO INSTITUÍDO POR JESUS CRISTO


O Concílio de Trento (1545-1563), sob Paulo III (1534-1549), afirma:
· "Se alguém disser que os Sacramentos da Nova Lei não foram instituídos por Jesus Cristo, a saber: Batismo, Confirmação... e que algum destes não é verdadeira e propriamente Sacramento, seja excomungado."

Sagradas Escrituras:
· Cristo explica a Nicodemos a essência e necessidade do Batismo, em Jo 3,5: "Aquele que não nascer pela água e pelo Espírito não entrará no Reino de Deus".
· Antes de subir aos céus, ordenou a Seus Apóstolos que batizassem a todas as pessoas, cf. Mt 28,19: "Me foi dado todo poder no céu e na terra; ide então e ensinai todas as pessoas, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo".

Escreve São Boaventura:
· "O Batismo foi instituído, quanto a sua matéria, quando Cristo se fez batizar, e quanto à sua forma quando o Senhor ressuscitou e nos deu essa forma (cf. Mt. 28,19); quanto a seu efeito: quando Jesus padeceu, pela paixão, o Batismo recebe toda sua virtude, e a seu fim, quando predisse sua necessidade e suas vantagens: 'Respondeu Jesus: -Em verdade, em verdade vos digo, aquele que não nascer da água e do Espírito não entrará no Reino de Deus' (cf. Jo 3,5)."

O Batismo pela água pode ser substituído, em caso legítimo, pelo Batismo de Sangue.


2. A CONFIRMAÇÃO É VERDADEIRO E PRÓPRIO SACRAMENTO


O Concílio de Trento (1545-1563), sob Paulo III (1534-1549), diz:
· "Se alguém disser que a Confirmação dos batizados é cerimônia ociosa, e não um verdadeiro e próprio Sacramento..., seja excomungado." (Dz. 871).
Diz São Tomás de Aquino:
· "Este Sacramento concede aos batizados a fortaleza do Espírito Santo para que se consolidem interiormente em sua vida sobrenatural e confessem exteriormente com valentia sua fé em Jesus Cristo."

Sagradas Escrituras:
· Jesus promete enviar o Espírito e se cumpre no dia de Pentecostes: "Ficaram todos cheios do Espírito Santo" (At 2,4).
· "Pedro e João são enviados à Samaria, para que recebam ao Espírito Santo, pois ainda não havia vindo sobre nenhum deles" (At 8,14).
· "E impondo-lhes Paulo suas mãos, desceu sobre eles o Espírito Santo" (At 19,6).

Os Apóstolos eram conscientes que efetuavam um rito sacramental, consistente na imposição das mãos e a oração que tinha como efeito a comunicação do Espírito Santo.


3. A IGREJA RECEBEU DE CRISTO O PODER DE PERDOAR OS PECADOS COMETIDOS APÓS O BATISMO


Define o Concílio de Trento (1545-1563), sob Júlio III (1550-1565):
· "...foi comunicada aos Apóstolos e a seus legítimos sucessores o poder de perdoar e de reter os pecados para reconciliar aos fiéis caídos depois do Batismo." (Com. 3; Dz. 894.).

Sagradas Escrituras:
· Mt 16,19: "Eu te darei as chaves do reino de os céus." - O possuidor das chaves do Reino dos céus tem a plena potestade para admitir ou excluir qualquer pessoa deste Reino.
· Jo 20,21: "... a quem perdoares os pecados, lhes serão perdoados, a quem não perdoares, lhes serão retidos...".
Assim como Jesus tinha perdoado os pecados durante sua vida terrena (cf. Mt 9,2; Mc 2,5; Lc 5,20), assim também agora participa a seus Apóstolos esse poder de perdoar. As palavras de Jesus Cristo se referem ao perdão real dos pecados pelo Sacramento da Penitência (Dz. 913).

O poder de perdoar não foi concedido aos Apóstolos como carisma pessoal, mas sim à Igreja como instituição permanente para passá-lo aos sucessores dos Apóstolos.


4. A CONFISSÃO SACRAMENTAL DOS PECADOS ESTÁ PRESCRITA POR DIREITO DIVINO E É NECESSÁRIA PARA A SALVAÇÃO


Diz o Concílio de Trento (1545-1563), sob Júlio III (1550-1555):
· "Se alguém disser que a Confissão Sacramental não foi instituída ou não é necessária para a salvação, por direito divino, ou disser que o modo de confessar secretamente apenas com o sacerdote, como a Igreja Católica sempre observou desde o princípio e segue observando, é alheio à instituição e mandato de Cristo e é uma intervenção humana, seja excomungado." (Dz. 916).
Os reformadores, negaram que a Confissão particular dos pecados fosse de instituição Divina e necessária para a salvação.

Sagradas Escrituras: · Não se expressa diretamente a instituição Divina da Confissão particular mas se deduz: o poder para reter ou perdoar não se pode exercer devidamente se aquele que possui tal poder não conhece a culpa da disposição do penitente. Para ele é necessário que o penitente se acuse.
O Papa Leão Magno, contra os abusos da confissão pública declarou: "basta indicar a culpa da consciência apenas aos sacerdotes mediante confissão secreta." (Dz. 145).


5. A EUCARISTIA É VERDADEIRO SACRAMENTO INSTITUÍDO POR CRISTO


O Concílio de Trento (1545-1563), sob Paulo III (1534-1549), expressa: · "Se alguém disser que os Sacramentos da nova Lei não foram instituídos todos por Jesus Cristo, e que são sete: Batismo, Eucaristia... e que algum destes não é verdadeiro e propriamente Sacramento, seja excomungado."

Sagradas Escrituras:
· O feito de que Cristo instituiu a Eucaristia se vê em suas palavras: "Fazei isto em memória de Mim..." (Lc 22,19). Nelas se cumprem todas as notas essenciais da definição do Sacramento:
· A matéria: o pão e vinho.
· A forma: as palavras da consagração.
· A graça interna: indicada e produzida pelo signo é a união com Cristo e a vida eterna:
1. "Quem come Minha Carne e bebe Meu Sangue permanece em Mim e Eu nele" (Jo 6,56).
2. "Aquele que come Minha Carne e bebe Meu Sangue tem a vida eterna." (Jo 6,54).


6. CRISTO ESTÁ PRESENTE NO SACRAMENTO DO ALTAR PELA TRANSUBSTANCIAÇÃO DE TODA A SUBSTÂNCIA DO PÃO EM SEU CORPO E TODA SUBSTÂNCIA DO VINHO EM SEU SANGUE


O Concílio de Trento (1545-1563), sob Júlio III (1550-1555), declara:
· "Se alguém disser que no sacrossanto Sacramento da Eucaristia permanece as substâncias do pão e do vinho, juntamente com o Corpo e o Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo, e negar aquela maravilhosa e singular conversão de toda a substância do pão e do vinho em Corpo e Sangue, permanecendo apenas as espécies de pão e vinho, conversão essa que a Igreja muito corretamente chama 'Transubstanciação', seja excomungado." (Dz. 884-877).
"Transubstanciação" é uma conversão no sentido passivo; é o trânsito de uma coisa a outra. Cessam as substâncias de Pão e Vinho, pois sucedem em seus lugares o Corpo e o Sangue de Cristo. A Transubstanciação é uma conversão milagrosa e singular diferente das conversões naturais, porque não apenas a matéria como também a forma do pão e do vinho são convertidas; apenas os acidentes permanecem sem mudar: continuamos vendo o pão e o vinho, mas substancialmente já não o são, porque neles está realmente o Corpo, o Sangue, Alma e Divindade de Cristo.

Sagradas Escrituras:
· Mc 14,22: "Tomai, este é Meu Corpo...".
· Lc 22,19: "Tomou o pão, e dando graças o deu a seus discípulos dizendo: Este é Meu Corpo...".


7. A UNÇÃO DOS ENFERMOS É VERDADEIRO E PRÓPRIO SACRAMENTO INSTITUÍDO POR CRISTO


O Concílio de Trento (1545-1563), sob Júlio III (1550-1555), declara:
· "Se alguém disser que a Extrema Unção não é verdadeira e propriamente um Sacramento instituído por Cristo, nosso Senhor, e promulgado pelo bem-aventurado São Tiago Apóstolo, mas apenas um rito aceito pelos Padres ou uma invenção humana, seja excomungado." (Dz. 926).
Pio X condenou a sentença modernista que pretende que o Apóstolo São Tiago tenha, em sua carta, apenas recomendado uma prática piedosa (Dz. 2048).

Sagradas Escrituras:
· Mc 6,13: "Expulsavam muitos demônios e ungiam com azeite a muitos enfermos e os curavam".
· Tg 5,14: "Existe algum enfermo entre nós? Façamos a unção do mesmo em nome do Senhor..."
Esta última passagem expressa as notas essenciais do Sacramento:
1. Sinal exterior da graça: óleo.
2. Matéria e forma: oração dos presbíteros.
3. Efeito interior da graça expresso no perdão dos pecados.
4. A instituição por Cristo: "no nome do Senhor", "por encargo e autoridade do Senhor." cf. Tg 5,10.


8. A ORDEM É VERDADEIRO E PRÓPRIO SACRAMENTO INSTITUÍDO POR CRISTO


O Concílio de Trento 1545-1563, sob Pio IV (1559-1565), afirma:
· "Se alguém disser que no Novo Testamento não existe um sacerdócio visível e externo, ou que não se dá poder algum de consagrar e oferecer o verdadeiro Corpo e Sangue do Senhor e de perdoar os pecados, mas sim, apenas o dever e mero ministério de pregar o Evangelho...seja excomungado." (Dz. 961).
Como se vê, existe na Igreja um sacerdócio visível e externo: "Se alguém disser que na Igreja católica não existe uma hierarquia instituída por ordenação Divina, que consta de Bispos, Presbíteros e Ministros, seja excomungado." (Dz. 966). E é uma hierarquia instituída por ordenação divina.

Sagradas Escrituras:
· At 6,6: "Os quais (7 varões) foram apresentados aos Apóstolos, os quais, orando, lhes impuseram as mãos" - Instituição dos diáconos.
· At 14,22: "Os constituíram presbíteros pela imposição das mãos".


8. O MATRIMÔNIO É VERDADEIRO E PRÓPRIO SACRAMENTO INSTITUÍDO POR CRISTO


O Concílio de Trento (1545-1563), sob Pio IV (1559-1565), declara:
· "Se alguém disser que o matrimônio não é verdadeiro e propriamente um dos sete Sacramentos da Lei do Evangelho, e instituído por Cristo Senhor, mas sim inventado pelos homens da Igreja, e que não confere a graça, seja excomungado" (Dz. 971).

Sagradas Escrituras:
· Mt 19,6: "Assim, pois, já não são dois, mas apenas uma só carne".
· Gn 2,23: "Pelo qual, abandonará o homem a seu pai e a sua mãe, e se juntará a sua mulher, e serão dois em uma só carne".
· Mc 10,9: "O que Deus uniu o homem não o separe".
· Ef 5,32: "Este Sacramento é grande mas em Cristo e na Igreja".

O Matrimônio, como instituição natural, é de origem divina. Deus criou os seres humanos varão e fêmea (cf. Gn. 1,27) e depositou na mesma natureza humana o instinto de procriação. Deus abençoou o primeiro casal e lhes ordenou que se multiplicassem: "crescei e multiplicai, e povoai a terra" (Gn 1,28).
Cristo restaurou o matrimônio instituído e bendito por Deus, fazendo que recobrasse seu primitivo ideal da unidade e indissolubilidade e elevando-o a dignidade de Sacramento.



www.recadosaarao.com.br





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 22/02/10 às 13:57:28 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.

LEIA TAMBÉM












Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES