Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.415.490
Visitas Únicas Hoje: 1.348
Usuários Online: 419
Sistema de Busca

 

Artigos Site Aarão
Aqui estão relacionados alguns dos artigos extraídos do site www.recados.aarao.nom.br, site do Sr. Arnaldo que com inspiração divina, colocam matérias belíssimas que nos aproximam do amor de Deus e nos conduz à salvação.




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1571 - Impresso: 55 - Enviado: 16 - Salvo em Word: 40
Postado em: 02/03/10 às 22:18:19 por: James
Categoria: Artigos Site Aarão
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=50&id=4466
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos Site Aarão

Por Jorge Alberto, in memoriam:

Havia um pai a quem a sua filha um dia pediu que a deixasse ir brincar o Carnaval. O pai respondeu:
- Ao Carnaval brincas tu o ano inteiro! Descansa ao menos hoje!
Perante a surpresa da jovem, o pai lhe explicou como ela todos os dias afivelava a máscara procurando mostrar-se melhor do que realmente era. E fazia isso junto dos pais, das amigas, dos vizinhos, enfim, de toda a gente, pois a ninguém se mostrava como era. Ao próprio confessor… nem sempre! Preferia mudar de confessor e ir a um que não a conhecesse quando tinha de confessar certas coisas que temia deixassem mal impressionado o seu confessor habitual e ele a passasse a estimar menos, a considerá-la menos piedosa… muitos degraus a menos em cada virtude.

Fácil é simular virtude e fazermos da nossa vida um Carnaval permanente! São máscaras e mais máscaras que vamos colocando umas sobre as outras, tantas como os nossos pecados e como as virtudes que queremos mostrar às pessoas que nos rodeiam. Ó como é repugnante tentar apoarentar o que não se é.

Fácil é dizermos como nos horrorizamos com os pecados que se cometem no Carnaval, mas não os lembramos nem nos horrorizamos com o nosso próprio e contínuo Carnaval.

Qual deles será pior?
Não respondamos sem pensar e sem olhar com atenção e sinceridade para o nosso interior, que tão frequentemente está sujo, mesmo quando parece limpo e adornado.

Mostro-me na igreja como alma cheia de unção e recolhimento, pareço um anjo bento, mas interiormente recordo aquilo que o colega me fez, que o vizinho me disse, recordo aquela pessoa embirrenta que vou encontrar mais logo, o trabalho que os outros não ajudam a fazer porque, penso eu, são preguiçosos e descarregam tudo sobre mim. Imagino o que lhes direi, como irei responder a certas coisas. Entretanto peço a Deus que me ajude nessas pequeninas vinganças, que O deixam horrorizado.

Vou rezando pelo livro ou pelo terço, mas vou olhando para quem entra. Ai! Como aquela vem! Olha lá! Que vestido curto! Como é que o pai ou a marido deixa! E aquela outra está com o mesmo vestido da semana passada. Certamente nem lavou! E aquele mais adiante, vai comungar mas ontem o vi cometer velhacaria...

E aquele, olha como está gordo! Deve comer imensos doces! Se fizesse jejuns como eu não estava assim! Sim, penso eu, é preciso jejuar por causa destes pecados desta gente e dos outros que não vêm à Missa! E lá vou eu, fecho os olhos, levanto as mãos para os Céus, suspiro de quando em vez...

Durante a semana vou para o trabalho, cumprimento o chefe com grande sorriso, embora tenha vontade de o morder. Para mim vou pensando que ele é um grande animal que nos mata de trabalho, que só faz favores às moças bonitas que lhe dão sabe-se lá o quê. Vem a secretária do chefe. Sorrio para ela e cumprimento-a, não vá dizer mal de mim e eu ficar em pior situação. Mas sei bem que é uma intriguenta e que nem vai à igreja. E também sei outras coisas, que digo ao ouvido dos outros colegas.

Se estou a estudar, os professores não podem saber que não estudei nada! Os pais ainda menos. Estive metido no quarto a pensar naquela rapariga, naquele rapaz… a mandar MSN, a recordar aquele filme… aquelas anedotas… depois… mas ninguém vai saber! A minha mãe pensa que eu sou tão bonzinho!

Valerá a pena continuar, descer ainda mais o grande abismo dos nossos pecados íntimos, tão costumeiros, que já nem lhes ligamos e deixamos que vão passando nas nossas vidas e se vão acumulando, como poeira e teias de aranha em quarto em que ninguém entra?

Mas entramos vezes sem conta nos pecados dos nossos irmãos. Às vezes até entramos nas suas virtudes e dizemos que são fingidas. Dizemos que se mostram bons porque querem lucrar alguma coisa! Assim vamos afivelando as nossas máscaras e brincando o Carnaval diariamente.

Volto a perguntar: Qual será o pior Carnaval? Será o daquelas pessoas mundanas, motivadas por costumes culturais e por uma imensa ignorância religiosa, pessoas que deviam ter sido ensinadas e nunca foram, pessoas que não beneficiam de bons exemplos… ou será o nosso Carnaval, o das almas piedosas, instruídas em religião, boazinhas, cheias de virtudes (aparentes), almas que rezam, que jejuam… mas que mordem sem cessar na vida dos outros… que resmungam no seu interior… que estão cheias de maus desejos que não revelam… e que pensam que Deus lhes deve muito porque elas são boas e se sacrificam?

Eu não vou ajuizar qual será o pior destes carnavais, porque disso me sinto incapaz, mas lembro que Jesus disse que os publicanos e as prostitutas nos precederiam no reino dos Céus. E porquê? Certamente porque Ele abomina os sepulcros caiados em que nos tornámos, quando pensamos que temos de reparar pelos pecados dos outros e não nos colocamos no meio deles, como pecadores que somos, com muito mais responsabilidade, porque nos foram dadas mais graças!

Sim, Ele abomina mais o pecado escondido, mascarado de bonzinho, do que o pecado declarado, que é mais facilmente reconhecido, mais facilmente levado ao ato de contrição e, portanto, mais facilmente perdoado. Se não nos sentimos pecadores, não poderemos ser perdoados. Que carga então levamos conosco!

Por isso, é importante, muito importante não julgar, ainda que aquilo que nos cai diante dos olhos seja nitidamente mau. A responsabilidade de quem o faz só Deus conhece. Mas a nossa responsabilidade ao julgar o próximo é muito, muito grande. Mal sabem os homens que se a humanidade dependesse dos julgamentos humanos, milhares de bons estariam perdidos, e se salvariam mil celerados. Só porque sabem por máscaras em sua face. Ou são famosos, e estes podem tudo...

Há quem julgue as pessoas até pela sua maneira de rezar, pela sua maneira de estar na igreja e até pela sua maneira de comungar! São terríveis estes julgamentos! É a pessoa querer colocar-se no lugar de juiz, no lugar de Deus, pois só Ele é nosso Juiz! É o velho desejo de Adão: “Sereis como deuses, conhecendo o bem e o mal”.

Sim, conhecemos o bem e o mal, mas não como Deus. Só conhecemos pelas aparências, imperfeitamente. Deus vai ao fundo aos escondido nas profundezas da alma. E lá, quanta sujeira amontoada, quanta maledicência, mesmo não exprassa, mas quem sabe pronunciada entre os dentes.

Como podemos dizer que este ou aquele está naquela posição ou comunga daquela maneira porque não tem respeito ou porque se quer mostrar mais santo que nós? Que sabemos nós dos motivos que o levam a isso? Que sabemos nós daquilo que o Senhor põe no seu coração, talvez até de maneira praticamente irresistível?

Nada sabemos e, se continuamos pelo caminho do Carnaval da vida e dos julgamentos, temo que nunca cheguemos a saber, senão quando entrarmos para o duríssimo Purgatório que os pecados de juízos nos irão merecer.

Não esqueçamos de que Jesus nos recomendou que não julgássemos, para não sermos julgados. Portanto, se julgamos, também seremos julgados com a mesma dureza e severidade que usamos para com os nossos irmãos, porque Jesus também disse que seremos medidos com a medida com que medirmos.

Se não julgarmos e medirmos sempre com medidas largas de misericórdia, certamente receberemos muita misericórdia, no momento em que caírem todas as máscaras e os nossos muitos pecados ficarem a nu.
Não julguemos os nossos irmãos, para termos a felicidade de ouvir um dia o nosso Juiz olhar-nos com Amor e dizer-nos: “Também não te julgo. Vai em paz. Entra para o gozo do teu Senhor”.

Falando em máscaras termino com estes soneto:

MAL SECRETO
De: Raimundo da Mota Azevedo Correia

Se a cólera que espuma, a dor que mora
N´alma e destrói cada ilusão que nasce,
Tudo o que punge, tudo o que devora
O coração, no rosto se estampasse;

Se se pudesse o espírito que chora,
Ver através da mascara da face,
Quanta gente, talvez, que inveja agora
Nos causa, então piedade nos causasse!

Quanta gente que ri, talvez, consigo
Guarda um atroz, recôndito inimigo,
Como invisível chaga cancerosa!

Quanta gente que ri, talvez, existe
Cuja ventura unica consiste,
Em parecer aos outros venturosa!



www.recadosaarao.com.br





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 02/03/10 às 22:18:19 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.

LEIA TAMBÉM












Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES