Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 7234 - EUROPA PRECISA RECONHECER SUAS RAÍZES CRISTÃS, AFIRMA PAPA
Artigo visto 1991




Visto: 1991
Postado em: 04/02/11 às 18:47:18 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=7234
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Pontífice recebe novo embaixador da Áustria junto à Santa Sé

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) - "A construção de uma casa comum europeia pode ser bem sucedida se o continente estiver ciente de suas raízes cristãs e se os valores do Evangelho, assim como a imagem cristã do homem, forem, também no futuro, o fermento da civilização europeia."

Isto foi afirmado ontem Papa Bento XVI, ao receber em audiência Alfons M. Kloss, novo embaixador da Áustria junto à Santa Sé, por ocasião da apresentação das suas cartas credenciais.

"A fé viva em Cristo e o amor ativo pelo próximo, refletindo as palavras e a vida de Cristo e o exemplo dos santos, devem pesar mais fortemente na cultura ocidental cristã", observou o Papa.

Estado e liberdade religiosa

Em muitos países europeus, disse o Pontífice, "a relação entre Estado e religião está enfrentando uma tensão particular".

"Por um lado, as autoridades políticas procuram não fornecer espaços públicos para as religiões, concebendo-as como ideias de fé meramente individuais dos cidadãos. Por outro lado, pretende-se aplicar os critérios de uma opinião pública leiga às comunidades religiosas."

"Parece que se quer adaptar o Evangelho à cultura e, no entanto, busca-se impedir, de forma quase vergonhosa, que a cultura seja moldada pela dimensão religiosa", lamentou.

Neste sentido, quis reconhecer "a atitude de alguns Estados da Europa Central e Oriental que buscam dar espaço para as questões fundamentais do homem, a fé em Deus e a fé na salvação por meio de Deus".

A Santa Sé, acrescentou, "observou com satisfação algumas atividades do governo austríaco, neste sentido", incluindo "a importância da posição tomada em relação à chamada ‘sentença do crucifixo, ou a proposta do ministro de Assuntos Exteriores de que se elabore um informe sobre a situação da liberdade religiosa no mundo".

Não só uma ONG

Bento XVI também quis destacar os esforços da Igreja pelos necessitados, que "evidencia" o modo como ela "é porta-voz dos desfavorecidos".

"Este esforço da Igreja, que na sociedade recebe amplo reconhecimento, não pode ser reduzido a uma mera filantropia", disse o Papa.

"Suas raízes mais profundas estão em Deus, no Deus que é amor. Por isso, é necessário respeitar plenamente a ação própria da Igreja, sem transformá-la em um dos muitos serviços de beneficência."

Política familiar

Outra questão em que o Papa quis mostrar a preocupação da Santa Sé é a necessidade de uma "política equilibrada em relação à família".

Dado que a ordem social "encontra um apoio essencial na união esponsal do homem e da mulher, que também é direcionada à procriação", o casamento e a família "requerem uma proteção especial do Estado".

"São, para todos os seus membros, uma escola de humanidade, com efeitos positivos para os indivíduos, bem como para a sociedade", explicou, ressaltando que a família é chamada a "viver e proteger o amor mútuo e a verdade, o respeito e a justiça, a fidelidade e a colaboração, o serviço e a disponibilidade aos demais, em particular os mais fracos".

Neste contexto, ele lamentou que a vida dos nascituros não receba a "proteção jurídica adequada", mas, ao contrário, "seja muitas vezes reconhecido o direito de existir como secundário com relação à liberdade de escolha dos pais".

Direitos fundamentais

Em seu discurso ao Papa, que aparece na edição diária do LOsservatore Romano, o novo embaixador manifestou a "convicção do seu país, no campo dos direitos humanos, da necessidade de chamar mais a atenção sobre as liberdades de religião e de consciência como elementos básicos desses direitos".

"A Áustria, portanto, está entre os países que intervêm com ênfase para que, no futuro, seja atribuído um maior valor ao compromisso com a liberdade de religião nas relações externas da União Europeia."

Kloss também observou que, em 2013, seu país vai organizar o 5º Fórum Anual da Aliança das Civilizações e que o "tradicional papel" da Áustria, como ponto de encontro cultural, "confirma a escolha de Viena como sede do Centro Rei Abdullah para o Diálogo Inter-Religioso".

A este respeito, disse que a Áustria "aprecia a atitude positiva da Santa Sé com relação a esse Centro e sua disponibilidade para enviar um representante ao comitê de direção".

O embaixador concluiu agradecendo ao Papa pelas suas intervenções "sobre o significado do diálogo entre as religiões", que são para seu país "um incentivo para prestar atenção especial a esta instância em sua atividade política".


Fonte: http://www.zenit.org/article-27176?l=portuguese



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

LEIA TAMBÉM
SEGUIR CRISTO NA CHINA
Por que um CATÓLICO não pode ser ESPÍRITA?
Refrigerante de maconha será lançado nos Estados Unidos
É urgente que os cristãos testemunhem com valor o Evangelho no mundo, afirma Bento XVI
França diz não ao "matrimônio" homossexual
Bento XVI pede moderação aos usuários de redes sociais apesar de não navegar na Internet
Internet: Facebook já destruiu 28 milhões de casamentos
DANDO A VIDA PELO PAPA
Anunciam passagem ao catolicismo de sete sacerdotes e 300 paroquianos anglicanos
Veja mais artigos relacionados
 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.422.057
Visitas Únicas Hoje: 113
Usuários Online: 262