Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.187.613
Visitas Únicas Hoje: 34
Usuários Online: 242
Sistema de Busca

 

Artigos
Artigos sobre diversos temas, todos relacionados a igreja e o nossa vida cristã.




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1913 - Impresso: 55 - Enviado: 23 - Salvo em Word: 38
Postado em: 27/08/10 às 21:01:56 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=1&id=6072
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos

Quem não se sente agradado ao inalar o perfume de uma rosa ou a fragrância de um lírio? O cheiro inconfundível de um churrasco ou de um prato temperado com ervas aromáticas, ou ainda o bouquet de um vinho de boa qualidade, quanta atração exercem sobre nós?

Em sentido contrário, o mau cheiro repele; dependendo da intensidade, pode provocar náuseas. Daí o gesto simbólico, muito conhecido, de se tapar o nariz quando um assunto repelente é exposto durante uma conversa.


São reações naturais, que fazem parte da boa ordenação das coisas, pois o que é desagradável ao olfato ou ao paladar tem uma afinidade profunda com o feio, o mal e o erro. Daí Plinio Corrêa de Oliveira afirmar: "Como Deus estabeleceu misteriosas e admiráveis relações entre certas formas, cores, sons, perfumes e sabores e certos estados de alma, é claro que por estes meios se pode influenciar a fundo as mentalidades" (Revolução e Contra-Revolução, 4ª edição, Artpress, São Paulo, 1998).

Nessa perspectiva, é rejeitável a propaganda que vem sendo feita em torno das atividades de uma escandinava de nome Sissel Tolaas, apresentada como "especialista em aromas e artista dos cheiros", ou então "teórica do odor e missionária do aroma".

Nascida na Noruega, Sissel dedica-se a pesquisar odores e os produz artificialmente em seu laboratório de Berlim, tanto perfumes como maus cheiros. Coleciona um arquivo de cerca de 6.700 cheiros diferentes e treina seu nariz (e o de outros) para deixar de lado a noção de que os odores podem ser bons ou ruins. Segundo ela, "para o artista do odor, é preciso se libertar da idéia de cheiro bom ou ruim".

Há anos ela vem "investindo no futuro". Ataca o que considera idéias pré-concebidas das crianças em relação aos cheiros bons e ruins: "Eu levo as crianças para bairros movimentados, onde o cheiro é bastante irritante, e as crianças ficam desvairadas". Em seguida reproduz esses mesmos cheiros em seu laboratório e expõe novamente a eles as mesmas crianças. No primeiro dia elas não gostam, mas lentamente se acostumam. No quinto dia, aprenderam a gostar daquele odor que antes lhes era estranho. Tomada por um relativismo assustador, afirma: "Não nascemos para gostar ou não das coisas. [...] Todo cheiro acontece num contexto emocional, e você precisa ter uma experiência para reagir ao cheiro".

Sissel realiza instalações de arte, trabalha com universidades em projetos de pesquisa e utiliza comercialmente sua atividade. Expôs nove tipos de cheiro de suor no Centro Artístico MIT, dos Estados Unidos. Em um show na Fundação Cartier, em Paris, simulou o cheiro da cidade, tendo para isso trabalhado durante seis meses com perfumistas para capturar com precisão o odor de fezes de cão, onipresente na Rive Gauche; de cinzeiros transbordando; e do fedor sulfuroso do sangue de um matadouro.

Numa festa, borrifou sua roupa com cheiro de suor: "Para muitas pessoas da festa, eu estava fedendo. Todas as mulheres exclamavam: Ohhh!". Gosta de citar Napoleão, numa carta a Josefina. Estando a centenas de quilômetros de Paris, ele escreveu: "Chegarei em três dias. Não se lave".

Algum tempo atrás os cinemas brasileiros projetaram um filme intitulado "O cheiro do ralo", em que um permanente e fedorento cheiro de ralo faz parte da trama.

Assim vão se habituando as pessoas a conviver com o mau cheiro. Assim se vai quebrando mais uma barreira, esta de caráter psicológico, entre as muitas barreiras ideológicas já demolidas.

O mau cheiro é um dos tormentos do inferno. Narra Dante Alighieri, na Divina Comédia, que ao chegar com o poeta à beira do sétimo círculo do Inferno, "o ar denso e fedorento que emanava do abismo nos afastou de sua borda" (Inferno, canto XI).

Nesta nossa sociedade em que figuras horrendas e disformes nos são apresentadas como arte, e ruídos cacofônicos como música, só faltava o mau cheiro para torná-la uma antecâmara do inferno.



www.catolicismo.com.br





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 27/08/10 às 21:01:56 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES