Espacojames


Página Inicial
Listar Livro Aberto




Artigo N.º 7268 - Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 13
Artigo visto 1904 vezes




Visto: 1904
Postado em: 09/02/11 às 21:29:47 por: James
Categoria: Livro Aberto
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=180&id=7268
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Livro Aberto

Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo à sua esposa escolhida e muito amada, Santa Brígida; sobre a proclamação de sua santíssima encarnação; a rejeição, profanação e abandono de nossa fé e batismo; e como Ele convida sua amada esposa e todo o povo cristão a amá-Lo.

Baixe o livro completo em nosso site no artigo N.º 4917

http://www.espacojames.com.br/?cat=99&id=4917

--

Livro 1 - Capítulo 33

Alguns dos meus amigos são como estudantes com três características: uma inteligência para discernir, maior do que é natural ao cérebro; segunda, uma sabedoria sem ajuda humana, tanta quanto eu lhes ensino interiormente; terceira, estão sempre cheios de doçura e amor divino com os quais derrotam o demônio. Mas hoje em dia, as pessoas abordam seus estudos de outra maneira. Primeiro, buscam o conhecimento com arrogância para serem considerados bons alunos. Segundo, buscam o conhecimento para manter e obter riquezas. Terceiro, buscam o conhecimento para alcançar honras e privilégios. Por isso, quando comparecem em suas escolas e entram ali, apartar-me-ei deles, pois estudam por orgulho mesmo Eu lhes ensinando a humildade.

Entram por cobiça, quando Eu não tive nem onde repousar a cabeça. Entram para obter privilégios, invejosos de que outros estejam situados em lugares mais altos do que eles, enquanto que Eu fui sentenciado por Pilatos e enganado por Herodes. É por isso que os abandono, porque não estudam meus ensinamentos. Todavia, como sou bondoso e amável, dou a cada um o que pedem. Se me pedem pão, dou-lhes pão e se me pedem palha dou-lhes palha.

Meus amigos pedem pão, porque buscam e estudam a divina sabedoria, onde se pode encontrar meu amor. Outros, ao contrário, pedem palha, ou seja, sabedoria mundana. Como a palha, não serve para nada e é o alimento dos animais irracionais, da mesma forma, não há nenhum uso na sabedoria do mundo que sirva de alimento para a alma. Não há nada mais que uma pequena reputação e esforço sem sentido, pois quando um homem morre, todo seu conhecimento se apaga da existência e aquilo que empregaram para se exaltarem já não o podem ver. Eu sou um grande Senhor com muitos servos que, por meio de seu Senhor, distribuem às pessoas o que necessitam.

Desta forma, os anjos bons e os maus permanecem debaixo de minha autoridade. Os anjos bons ajudam as pessoas que estudam meu conhecimento, ou seja, aqueles que me servem, nutrindo-os de consolações e do proveito de seu trabalho. Os anjos maus assistem os sábios do mundo. Inspiram-lhes o que eles querem e os formam segundo seus desejos, inspirando-lhes especulações junto com grande quantidade de trabalho. Ainda assim, se voltam seus olhos para mim, poderia dar-lhes o pão que não tiveram por seu esforço e bastante do mundo como para saciá-los do que nunca se podem saciar, pois eles mesmos convertem o doce em amargo.

Mas você, esposa minha, deve ser como um queijo e seu corpo como o molde, no qual o queijo se molda até que fica na forma do molde. Desta forma, sua alma, que é para mim tão deliciosa e saborosa como o queijo, deve ser provada e purificada no corpo o tempo suficiente para que o corpo e a alma se ponham de acordo e para que ambos mantenham a mesma forma de continência, de maneira que a carne obedeça ao espírito e o espírito guie a carne até a virtude.


Instruções de Cristo à esposa sobre a forma de viver. Também sobre como o demônio admite diante de Cristo que a esposa ama a Cristo sobre todas as coisas; sobre a pergunta que o demônio fez a Cristo do porque a ama tanto e sobre a caridade que Cristo tem para com a esposa, e como descobre o diabo.



Livro 1 - Capítulo 34

“Sou o Criador do Céu e da terra e nas entranhas da Virgem Maria fui verdadeiro Deus e homem, que morri ressuscitei e subi aos Céus. Tu, minha nova esposa, chegaste a um lugar desconhecido e, por isso, tens de aprender quatro coisas: Primeira, o idioma do lugar; segunda, como te vestir adequadamente; terceira como organizar teus dias e teu tempo segundo os hábitos do lugar; quarta; acostumar-te a uma nova alimentação. Como vieste da instabilidade do mundo para a estabilidade, deves aprender um novo idioma, ou seja, como abster-te de palavras inúteis e ainda das mais legítimas, devido à importância do silêncio e da quietude.

Deves vestir-te de humildade interior e exterior, de forma que, nem te exaltes interiormente por crer-te mais santa do que outros, nem exteriormente te sintas envergonhada de atuar publicamente com humildade. Terceiro, teu tempo deve ser regulado de maneira que, da mesma forma que frequentemente costumavas dedicar tempo às necessidades do corpo, agora tenhas tempo para a alma e nunca queiras pecar contra mim. Quarto, sua nova alimentação é a prudente abstinência da gula e dos manjares tanto quanto possa suportar tua constituição natural. Os atos de abstinência que excedem a capacidade da natureza não me agradam, pois Eu exijo racionalidade e submissão dos desejos.”

Neste momento apareceu o demônio. O Senhor lhe disse: “Tu foste criado por mim e viste em mim toda justiça. Diga-me se esta nova esposa é legitimamente minha por direito demonstrado! Eu te permito que vejas e entendas seu coração para que saiba como me contestar! Ama ela algo mais que a mim ou me trocaria por algo?” O demônio lhe respondeu: “Ela não ama nada como a ti. Antes que perder-te, se submeteria a qualquer tormento, sempre que tu lhe deres a virtude da paciência. Vejo, como um veículo de fogo, descendo de ti até ela, que amarra tanto seu coração a ti que ela não pensa nem ama nada mais que a ti”.

Então, o Senhor disse ao demônio: “Dize-me o que sente teu coração e se gostas do grande amor que sinto por ela”. O demônio respondeu: “Tenho dois olhos, um corporal – mesmo que não sou corpóreo – por meio do qual percebo as coisas temporais tão claramente que não há nada escondido nem tão escuro que se possa esconder de mim. O segundo olho é espiritual, e com ele vejo toda dor, mesmo que seja muito leve, e posso entender a que pecado pertence. Não há pecado, por mais tênue e leve que seja, que eu não possa ver, a menos que tenha sido purgado pela penitência. Apesar de que não há órgãos mais sensíveis que os olhos, deixaria que duas tochas ardentes penetrassem meus olhos em troca de que ela não visse com os olhos do espírito. Também tenho dois ouvidos. Um deles é corporal, e ninguém fala tão privadamente que eu não o possa ouvir e saber graças a este ouvido. O segundo é o ouvido espiritual, e nem os pensamentos nem os desejos de pecar se me podem ocultar, a menos que tenham sido apagados com a penitência. Há certo castigo no inferno que é como uma torrente fervendo que jorra de um terrível fogo. Eu o sofreria dentro e fora dos meus ouvidos, sem cessar, em troca de ela deixar de ouvir com os ouvidos de seu espírito. Também tenho um coração espiritual. Desejaria que o cortassem interminavelmente em pedaços, e que se renovasse continuamente para ser cortado de novo, se assim seu coração esfriasse em seu amor por ti. Mas, agora, como és justo, quero fazer-te uma pergunta para que me a respondas: Diga-me, por que a amas tanto e por que não elegeu alguém de maior santidade, riqueza e beleza para ti?”

O Senhor respondeu: “Porque isto é o que a justiça demanda. Tu foste criado por mim e viste em mim toda justiça. Agora que ela escuta, diga-me, por que foi justo que tu caísses tão baixo e em que pensavas quando caíste?” O demônio respondeu: “Eu vi três coisas em ti: Vi tua glória e honra sobre todas as coisas e pensei em minha própria glória. Em minha soberba, estava disposto não só a igualar-te, mas ser ainda mais que ti. Segundo, vi que era o mais poderoso de todos e eu quis ser mais poderoso do que ti. Terceiro, vi o que havia de ser no futuro, e como tua glória e honra não tem nem princípio nem fim, invejei-te, e pensei que com gosto seria torturado eternamente com todo o tipo de castigos, se assim, te fizesse morrer. Com tais pensamentos caí e, assim, se criou o inferno”.

O Senhor acrescentou: “Perguntaste-me por que amo tanto esta mulher. Asseguro-te, é porque Eu transformo em bondade toda tua maldade. Ao te tornares tão soberbo e não quererdes ter a mim, teu Criador, como a um igual, humilhando-me de todas as maneiras, reúno os pecadores comigo e me faço seu igual compartilhando minha glória com eles. Segundo, por este desejo tão baixo de querer ser mais poderoso que Eu, faço os pecadores mais poderosos que tu e compartilho com eles meu poder. Terceiro, pela inveja que me tens, estou tão cheio de amor que me ofereço a todos. Agora, pois, demônio – continuou o Senhor – teu coração de escuridão saiu da luz. Diz-me, enquanto ela escuta, quanto a amo”. E o demônio disse: “Se fosse possível, estarias disposto a sofrer em todos e cada um de teus membros a mesma dor que sofreste na cruz em vez de perdê-la”. Então o Senhor replicou: “Se sou tão misericordioso que não recuso perdoar a ninguém que me peça humildemente, pede-me tu mesmo misericórdia e Eu a darei”. O demônio lhe respondeu: “Isso não farei de nenhuma maneira! No momento de minha queda foi estabelecido um castigo para cada pecado, para cada pensamento ou palavra indigna. Cada um dos espíritos que caiu terá seu castigo. Mas antes de dobrar meu joelho ante ti, buscaria todos os castigos para mim enquanto minha boca possa abrir e fechar no castigo e o renovaria eternamente para ser castigado de novo”. Então, o Senhor disse à sua esposa: “Veja que endurecido está o príncipe do mundo e que poderoso é contra minhas graças, a minha oculta justiça! Tenha certeza de que poderia destruí-lo em um segundo por meio do meu poder, mas não lhe faço mais dano assim como a um bom anjo do Céu. Quando chegar seu tempo, e já está se aproximando, o julgarei e também a seus seguidores. Por isso, esposa minha, persevera nas boas obras! Ama-me com todo teu coração! Não temas a nada mais que a mim! Pois Eu sou o Senhor que está acima do demônio e de tudo que existe”.


Palavras da Virgem à esposa, explicando sua dor na paixão de Cristo, e sobre como o mundo foi vendido por Adão e Eva e recuperado mediante Cristo e sua Mãe, a Virgem.



Livro 1 - Capítulo 35

Falou Maria: “Considera, filha, a Paixão de meu Filho. Senti como se os membros de seu corpo e seu coração fossem os meus. Da mesma forma como as outras crianças são normalmente geradas no útero de sua mãe, aconteceu em mim. Todavia, Ele foi concebido pelo ardor do amor de Deus, enquanto que outros são concebidos pela concupiscência da carne. Assim, seu primo João disse corretamente: O verbo se fez carne. Ele veio e esteve em mim por amor. O verbo e o amor o criaram em mim. Ele foi para mim como meu próprio coração e, por isso, quando dei à luz, senti que a metade de meu coração havia nascido e saído de mim. Quando Ele sofria, eu sentia como se sofresse meu próprio coração. Quando algo está metade fora e metade dentro, se a parte de fora está ferida, a parte de dentro sente uma dor parecida. Da mesma maneira, quando meu Filho foi açoitado e ferido, era como se meu próprio coração estivesse sendo açoitado e ferido.

Eu era a pessoa mais próxima a Ele em sua Paixão e nunca me separei dele. Estive ao lado de sua cruz e, como quem está mais próximo da dor a sofre mais, assim sua dor foi pior para mim que para os demais. Quando ele me olhou da cruz e eu o olhei, minhas lágrimas brotaram de meus olhos como sangue das veias. Quando Ele me viu assoberbada de dor, se sentiu tão angustiado por minha dor que toda a dor de suas próprias feridas se atenuou ao ver a dor em mim. Por isso, posso dizer que sua dor era minha dor e que seu coração era meu coração. Da mesma forma como Adão e Eva venderam o mundo por um simples fruto, podemos dizer que meu Filho e Eu recuperamos o mundo com um só coração. Assim, Filha minha, pensa em como estava Eu quando morreu meu Filho e, com isso, não será difícil para você renunciar ao mundo”.


Resposta do Senhor a um Anjo que estava rezando, de que à esposa se dariam padecimentos no corpo e na alma e sobre como às almas mais perfeitas se dão maiores moléstias.

 

Continua...

 


Fonte: Extraído do Livro As
Profecias e Revelações de Santa
Brígida

 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 6.937.797
Visitas Únicas Hoje: 645
Usuários Online: 338