Bispo sudanês denuncia terríveis massacres contra cristãos
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.021.462
Visitas Únicas Hoje: 42
Usuários Online: 389
Sistema de Busca

 

Destaque




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1301 - Impresso: 85 - Enviado: 19 - Salvo em Word: 53
Postado em: 16/10/09 às 20:56:34 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=3374
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

A violência no sul do Sudão busca dificultar o referendo, afirma



Por Nieves San Martín

ROMA, sexta-feira, 16 de outubro de 2009 (ZENIT.org).- O Sínodo da África dedicou especial atenção ao Sudão, país dividido entre o Norte, predominantemente árabe, que impôs a lei corânica, e o Sul, cristão animista.


Dom Hiiboro Kussala, bispo da diocese meridional de Tombura Yambio, afirma que há interesse em dificultar o caminho da autodeterminação do Sul, provocando a violência.

As eleições políticas, previstas pelos acordos de paz de 2005, deveriam acontecer em 2010, enquanto para 2011 estão programando um referendo para a autodeterminação do Sul.

Mas o encontro com as urnas está em risco pelas contínuas violências perpetradas por grupos rebeldes ligados ao governo de Cartum.

Segundo Dom Kussala, "estes rebeldes, a nosso modo de ver, estão recebendo ajuda do governo do Norte. Todos têm fuzis, armas. Acho que existe vontade de deixar o Sul do Sudão em dificuldade para que não tenha a paz necessária para preparar o referendo que está previsto para o ano que vem".

O bispo sudanês informa sobre os ataques a cristãos: "No último dia 13 de agosto, os rebeldes entraram na igreja da minha paróquia e tomaram muitas pessoas como reféns. Enquanto fugiam pela selva, mataram 7 delas: eles as crucificaram nas árvores. Acontecem muitos dramas como este. Alguns deles foram instruídos pela Al Qaeda no Afeganistão: estão contra a Igreja. O projeto é atormentar os cristãos".

Viver o Evangelho no Sudão é uma opção difícil, corre-se o risco do martírio, confirma Dom Kussala: "Vivemos justamente neste sentido porque estão matando as pessoas, queimam as suas casas, as igrejas: este é o martírio".

Os cristãos vivem em meio ao medo "porque os rebeldes continuam matando as pessoas. Este é o nosso medo. Mas não queremos morrer: tudo isso reforça a fé das pessoas, que continuam vindo à igreja".

Ser sinal de paz e de reconciliação é testemunhar o Evangelho em uma terra que persegue os cristãos: "Este é o nosso lema: continuar vivendo a reconciliação e a paz. Após 6 séculos, o cristianismo foi praticamente destruído no Norte do Sudão e nós sofremos em nome do Senhor".

Pensando na situação de sua diocese e no conflito de Darfur, Dom Kussala pediu ajuda à comunidade internacional, mas também disse: "Precisamos dos bons samaritanos da Bíblia".

"Queremos bons samaritanos - conclui: nossos irmãos, nossos amigos na comunidade internacional podem vir em nosso auxílio. Porém, mais ainda que isso, pedimos orações, muitas! Por nós, para que possamos ser fortes e prosseguir neste caminho tão difícil. Mas com o Senhor, nós bem o sabemos, no final venceremos!"



Fonte: www.zenit.org





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 16/10/09 às 20:56:34 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES