VOZ DA SERPENTE
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.138.192
Visitas Únicas Hoje: 1.665
Usuários Online: 298
Sistema de Busca

 

Artigos Site Aarão
Aqui estão relacionados alguns dos artigos extraídos do site www.recados.aarao.nom.br, site do Sr. Arnaldo que com inspiração divina, colocam matérias belíssimas que nos aproximam do amor de Deus e nos conduz à salvação.




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 2323 - Impresso: 77 - Enviado: 17 - Salvo em Word: 36
Postado em: 04/06/10 às 09:34:50 por: James
Categoria: Artigos Site Aarão
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=50&id=5352
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos Site Aarão

Sempre tenho procurado dar ao amigo que nos acompanha uma direção para entender melhor o sentido oculto das palavras. O mundo de hoje está tão cheios de fantasias literárias e de floreios bajuladores, e muitos não sabem que na maioria delas se esconde o veneno da serpe maldita, e sua baba pestilenta. E ela fica ali bem enroladinha, silenciosa, quieta, apenas aguardando que os incautos venham e se banqueteiam! De sua podridão.

E tal é a argúcia de suas elucubrações verbais, é tão belamente floreado seu verbo, tão destilado e instilado seu veneno, que ele muda uma mentira das mais repugnantes à “verdade” popular, como num passe de mágica. E logo diz a turba: que bonitas palavras! Não será verdade? Quem sabe não seja verdade? Sim, deve ser verdade! Ou porque um padre falou: Então é mesmo verdade! Pronto, o veneno foi instilado, bebido, absorvido e vai produzir efeitos de apostasia como se fosse delicado e fino mel. E é fel!
 
     Recebi este o texto abaixo de um amigo, extraído do portal anjo, e dele retirei apenas a parte que interessa comentar, para bem exemplificar aquilo que acima expliquei. Trata-se de um texto de um sacerdote, onde ele defende de maneira solerte a obrigação de não se ajoelhar durante a santa Missa, especialmente na hora da Consagração. Como não existe outra forma mais perfeita de mostrar culto de adoração ao nosso Deus, ali presente neste santo Sacramento, que não seja estando DE JOELHOS, cada palavra deste sacerdote fere ao disposto no Sacrossanto e dogmático Concílio de Trento. E ele continua valendo!.
 
     Temos assistido de forma contumaz e cada vez mais ousada este princípio de negação, e não faz tempo pessoalmente presenciei a furiosa deprecação de uma religiosa em Madre Paulina, que exigia que nós ficássemos de pé durante a consagração. Ela mesma, nesta atitude de verdadeiro ódio, dava testemunho perfeito, daquilo que se passa nos corações de todos os que defendem esta maligna proposição. São arrogantes demais em sua teologia! Devem eles saber que, se aplicado o Concílio de Trento, todos são passíveis de excomunhão, que é automática, caso insistam nesta proposta infernal. Parece até bonito e soa bem, mas vocês não fazem nem idéia do quanto veneno está posto aqui.
 
     Autor: Padre D... > Membro da Comissão de Liturgia.... da Arquidiocese de... > Pároco da Paróquia... Disse ele: De pé, um sinal de prontidão! Voltando ao propósito de responder à questão que intitula nosso artigo, o desafio que se coloca diante de nós é assumir em profundidade o significado e as conseqüências de celebrar a Eucaristia hoje. Na liturgia, isso requer de todos nós uma atitude ritual nova, que exprima a prontidão para o efeito do sacramento em nossa vida: Igreja, Corpo de Cristo. Estar de pé na Eucaristia, não dobrar os joelhos, como nos propõe a rica tradição do primeiro milênio, responde não só a uma compreensão mais profunda do que nos deixou Jesus, mas a própria natureza de um povo sacerdotal, erguido de suas prostrações pela Páscoa do Senhor.
 
     Penso que a serpente, se fosse falar em língua portuguesa, não se exprimiria com mais ardilosa e maligna perfeição. Em síntese, o texto diz uma coisa: É proibido se ajoelhar durante o momento Magno e Sublime da Consagração! Mas nas entrelinhas, se pode ler toda uma escola de putrefação, que não somente fere a Doutrina da Igreja, como não encontra sequer apoio na realidade, o que a torna completamente maligna. Vou então separar em 12 partes este texto, e caminharemos pelas diversas heresias que ele contém:
 
01 > De pé: Um sinal de prontidão! > Observem os atletas olímpicos na linha de partida! Em que posição eles ficam? De joelhos! Alertas! Atentos ao disparo! Ora, há gente, que se acha sabida, mas é como elefante e camelo que dormem em pé! E todos os que defendem isso, dormem em pé, e dormem um sono de morte! São os que muitas vezes acordam tarde demais, quando um dos pés já pisa no inferno! Por sua doutrina de serpente!

02 > O desafio que se coloca diante de nós > Contra a verdade não se faz desafio, nem contra a doutrina da Igreja sobre a Eucaristia, conforme o Concílio de Trento. Quem faz isso, desafia ao próprio Deus e lança ao ar mais uma vez o grito insano de Lúcifer: “non servian!”. O verdadeiro desafio na Missa é ser obediente ao Missal, ao rito é atentar para os documentos da Santa Igreja e para a Doutrina dos Santos Padres, que nos mandam ajoelhar durante a Consagração. O grande desafio é então – de joelhos – adorar a Jesus, presente na Eucaristia, Deus Vivo! Qualquer outro “desafio” é venenoso!
 
03 > É assumir em profundidade > Este dístico, no contexto é blasfemo! Porque quer afirmar uma nova forma, mais profunda, de viver este Mistério. E não existe esta nova forma! Porque ontem, hoje e sempre, assumir a Eucaristia em sua profundidade significa: com toda força do nosso coração, com todo o desejo de nossa alma, com a expressão mais profunda de nosso sentimento nos apropriar dignamente dos méritos deste Corpo e deste Sangue Divino, sem os quais não existe garantia de salvação eterna. Qualquer outro sentimento ou significado que contradiga este, é veneno da serpe imunda.
 
04 > O significado e as conseqüências > Mais um melífluo veneno! O significado único é que na Eucaristia Jesus está VIVO, presente, real! É Carne de Cristo! É Sangue de Cristo! E a conseqüência disso é dupla: a) Quem se alimenta Dele dignamente, tem a garantia da Ressurreição, e da Vida Eterna com Deus. B) Quem DELE se alimenta de forma indigna, com a alma em pecado, adquire um sacramento sacrílego, causa de sua ruína e condenação eterna. Não existe significado diferente! O resto vem do mentiroso!
 
05 > De celebrar a Eucaristia hoje > Mais fel e veneno! A Eucaristia não é somente hoje, mas foi ontem e o será sempre. É Mistério que se renova e se perpetua e se eterniza, em cada Santa Missa que se celebra diariamente, de sol a sol, em todos os lugares da terra. Desde que Jesus a instituiu na Quinta feira Santa, ela nunca mudou, e nunca mudará de essência nem de significado! Não envelhecerá jamais, pois se renova constantemente! Não existe forma nova ou jeito novo de celebrá-la! O rito central é único e é imutável! Nem mil milênios o poderão mudar, nem mil eras modernas o derrubar, nem vãs teologias o desqualificar. Nem papas nem homens! Ela é o Sacrifício da Nova e Eterna Aliança de Deus com os homens! Quem quer dar a ela um sentido novo e moderno, vem do inferno!
 
06 > Na liturgia, isso requer de todos nós uma atitude ritual nova > Modernismo! Heresia funesta! Não existe interpretação NOVA! Existe interpretação única e eterna! Missa é a rememoração do Sacrifício da Cruz e o rito central é imutável. Não existe atitude nova a ser tomada! Existe é uma atitude permanente a ser seguida por todos: a adoração de joelhos, em devoção perfeita, com profundo amor, com fé inabalável, com humildade à toda prova, com arrependimento sincero, contrição dolorida e profunda, respeito sublime e reconhecimento a Deus por esta graça que nos salva. Neste caso, estar de pé pode ser a atitude preventiva de quem esta prestes a ser posto em fuga! E o será!
 
07 > Que exprima a prontidão para o efeito do sacramento em nossa vida > Prontidão para que? Para negar o Sacrifício? Para negar o Mistério? Negar a Cruz que salva? Nossa prontidão em relação à Eucaristia deve antes de tudo, se caracterizar por um desejo fremente de viver este Mistério Supremo de nossa Fé. De vivê-lo com a nossa vida! De participar dignamente dele, com a alma contrita e confessa! De participar todos os dias, em todas as horas e tantas vezes quanto a graça nos der vez de viver! Isso com um desejo fremente e insaciável Daquele que sacia nossa alma. Pois só assim este Sacramento pode frutificar em nossa vida, não para fortaleza de nosso corpo, mas para a energia vital de nossa alma. Quem é pronto em negar isso, se apronte para enfrentar ao Juiz que vem!
 
08 > Igreja, Corpo de Cristo > Ou como dizem: nós, corpo de Cristo? É desta forma solerte que querem desvirtuar as palavras de Jesus! A Igreja é sim, o Corpo Místico de Cristo! Quer dizer, representa-O misteriosamente! Estas proposições maléficas visam apenas transformar as pessoas no Corpo de Cristo – não mais o pão e o vinho – como se fosse então possível depois, nos alimentarmos todos de nós mesmos. Este entendimento é blasfemo e deveria ser punido com a excomunhão! Aliás, quem afirma assim, já está!   
 
09 > Estar de pé na Eucaristia, não dobrar os joelhos > Non Servian! Significa dizer: não Te reconheço como meu Deus e Senhor! Não reconheço que estás presente aqui neste sacramento, e não Te devo adoração! Significa dizer: nada mais que pão, e nada mais que vinho, “abençoados!” Pão, nada mais que pão, como aquele que nossos pais comeram no deserto e morreram (Jo 6, 49) e vinho comum, aquele que embriaga e alegra a vida. Ora, na Missa não se celebra o pão que sustenta o corpo, mas o Pão que sacia a alma e sacia eternamente. Não se celebra o vinho da alegria, da festa, da ceia entre amigos, mas sim o Sangue Redentor, vertido na Paixão e que nos libertou da morte pelo pecado! Qualquer teologia que negue isso vem do asqueroso! Vem do inominado! Vem do amaldiçoado!
 
10 > Como nos propõe a rica tradição do primeiro milênio > Mais veneno! Aqui, como o morcego hematófago, ele primeiro passa a saliva com anestésico e depois morde. Eis a contradição: se a tradição do primeiro milênio era rica por que a Igreja a abandonou? Ou aquela tradição – para ele – era rica porque não se ajoelhava diante do Santíssimo? Ora, a Igreja do segundo milênio já definiu claramente tudo isso, e esta Igreja de sempre pede ainda hoje culto de adoração. O Concílio de Trento formou-se Doutrina clara e ela diz: a Eucaristia deve se adorada! Como adorar de pé? Como orgulhoso e rebelde? Quem não dobra os joelhos, jamais há de dobrar o coração! Exatamente como Lúcifer fez um dia!
 
11 > Responde não só a uma compreensão mais profunda do que nos deixou Jesus > Ardiloso! Manhoso! Compreensão nefanda a dele! Como se dissesse de que algo mudou no Mistério! Ou que para ele deixou de ser mistério? Deixou de ser algo sério, da mais extrema e profunda seriedade, para ser banal e corriqueiro? Para ele a Eucaristia não passa de uma ceia de confraternização? Uma despedida de velhos amigos? Deve terminar em porre? Então deve ter muita festa, muitos abraços! Muitos beijos! Muitos apertos de mão! Nesta semana, numa só Missa, tivemos que apertar cinco vezes a mão do vizinho, é isso que eles querem dizer nova liturgia? Muita euforia, alegria, expansão, solidariedade, fraternidade, igualdade! Esta é a “compreensão profunda” que eles querem ter da Missa? Ou seja: não compreendem nada do Mistério! Mas o diabo sim! Por isso o combate!
 
11 > Mas a própria natureza de um povo sacerdotal > Ardil pestilento! Mais um! Aqui ele embute o maligno conceito de “comunidade celebrante”, como se fosse o povo quem de fato celebra, porque Missa para eles celebra a vida... Quando na verdade rememora a Paixão! A Missa verdadeira não lembra o vinho da festa, mas o Sangue da Cruz! Quem a ela celebra, é o próprio Cristo, o Sacerdote por excelência! O sacerdote humano e visível é o padre celebrante, mas o Mistério se realiza em Cristo, pelo Espírito Santo. O povo, esta tal de bisonha “comunidade”, não celebra coisa alguma! Não é ela quem se oferece em sacrifício, mas Cristo, Ele a Vítima perfeita! Maximizam o homem, expulsam a Deus!
 
     Sim, existe uma suprema diferença entra a gota de água do cálice que nós somos – sem cheiro, sem sabor e sem cor – e o Sangue Precioso de Jesus que de forma salutar e Misteriosa confirma o Sacrifício da Cruz! Mesmo de forma incruenta. Mas de forma perfeitamente expiadora, que o pai Santo aceita! Nós somos povo de sacerdotes – não oficiantes – mas não por efeito de Ordem, e sim pela graça da adoção ao Sacerdócio Eterno de Cristo. E só quem celebra de fato é o Sacerdote Eterno. Na pessoa do padre!
 
12 > Erguido de suas prostrações pela Páscoa do Senhor > Mais um ardil! Quem fala desta forma, comete um ato nefando de escondimento. Em verdade, quem fala da Páscoa e não antes passa pela Cruz, entra direto pela porta larga – e da predição – porque pula direto da Quinta Feira Santa para a festa pascal. Isso sem tomar sentido em relação ao horror que vem antes: o Getsêmani, o pretório, o tronco dos açoites, a vil condenação à morte, a mutilação das torturas, as cusparadas, os escarros, os escárnios, a troca por um bandido, o Calvário, os cravos e os braços abertos de um Corpo suspenso no vil madeiro! Entre dois ladrões. Tudo isso se ignora! Mas é isso tudo que na Santa Missa se rememora!
 
     Muito fácil é dar este pulo – mas pulo enganoso e salto no vazio – por aqueles que renegam a Doutrina da Cruz que salva! Que trocam o Calvário e o Sangue redentor, pelo simples pão da ceia festiva, e pelo vinho da farra. Porque, para estes, a Missa é festa! É celebração da vida! Abraços, beijos, mãozinhas para cima, pulinhos, danças, palmas, assovios, e guitarras, e pandeiros!... E atabaques de cultuar exu! Ó sim, a inculturação! E o falso ecumenismo! Que tem a ver com entreguismo! Com as 30 moedas de Judas, que ao invés de adquirirem o mérito para a Vida eterna, compram o novo campo da morte.
 
     Estão aqui expostos alguns dos ardis que se escondem por trás da “moderna teologia”, e das “novas formas de interpretação” da Missa. Novo, moderno, teológico, é com estes termos que o diabo engana, é com tais conceitos que ele destrói o Mistério. Porque sua grande vitória em relação à Santa Missa, tem sido exatamente destruir o Mistério, tirar dela o véu do Sublime, do Sagrado, do Divino ao tornar banal aquilo que nunca deixou de ser Santíssimo e Supremo. Foi fazê-la banal! Uma ceia de abraços, com direito a comissão de recepção – já não mais com traje de gala, falo da alma confessa, ó tolice isso – e com a despedida assim: “ide de ventres fartos para vossas casas”, pois é isso que se está hoje fazendo em muitas igrejas: “comes e bebes” de pão com kisuco! Ó abominável ceia!
      
     Eis aí um povo inseguro e desarmado! Já quase sem o escudo perfeito da Eucaristia! Já não saciados na alma e libertos do jugo do pecado! Já não mais felizes porque novos sacrários, e templos vivos de Deus! Já não mais fortalecidos, para as batalhas do espírito contra as trevas! Já não mais um povo que adora a Jesus Sacramentado, mas um povo que dança, e rebola diante da Cruz – já não adora – tudo para sufocar o que ainda resta de Sagrado, daquilo que é a nossa maior fortaleza de expiação: o Santíssimo Sacramento!
 
     Não mais adoração! Não mais gestos exteriores de piedade porque almas embrutecidas pelo jugo da serpente, que as engana com sortilégios, com falas bonitas e falsos floreios de linguagem! Entanto bafo fétido e venenoso. Pois a palavra é dura, clara e está escrita e para sempre: "Por Minha Vida, diz o Senhor, diante de Mim se dobrará todo joelho, e toda língua dará glória a Deus" (Is. 45,23). E ainda: "para que ao Nome de Jesus se dobre todo joelho no Céu, na terra e nos infernos." (Fl. 2,10). E isso diz tudo! Aos não cegos?
 
     Mas estas pessoas, que negam adoração a Jesus Sacramentado, que dizem que “Jesus não quer ser adorado, mas comido”, elas pagarão duramente, eis que o dia do Tribunal se aproxima e a Justiça perfeita não tarda. E não falhará! Todo aquele que – arrogante – ensinar e persistir hoje, em não dobrar seu joelho diante do Justo Juiz – que é o Mesmo, o Eterno Vivo, presente na Eucaristia – não tomará parte das delícias do Reino. Porque o Reino dos Céus é daqueles que adoram a Deus em espírito e em verdade.  Quem já aqui na terra não ensaia este gesto de adoração, joelhos cravados, não sabe o peso da mão de Deus, nem faz idéia de como será punição eterna dos rebeldes. Dos orgulhosos! De pé!
 
     Mais ainda, pior ainda, do que não se dobrar diante de Deus, é certamente induzir outros para que igualmente e teimosamente não o façam. Ai de quem escandalizar a um só destes pequeninos, disse o Senhor! Melhor seria não terem nascido, eis que são novos Judas! E quantos ignaros seguem estes ensinamentos humanos! Se eu não cravo meus joelhos em terra diante de Deus Vivo, presente na Eucaristia, em que outra circunstância o farei? Este gesto arrogante de não curvar-se diante do Altíssimo, terá certamente seu preço medido em lágrimas eternas, não de arrependimento, mas de remorso, caminho dos pregadores do escândalo e senda falaz dos semeadores da rebeldia!
 
     Esta gente é um povo sem oração, porque a oração conduz a adoração. Ao respeito por Deus, ao Temor de Deus! Para esta gente outro satânico dístico é este: uma Ave Maria basta! Basta? Sim, só para aqueles que de fato não rezam nenhuma! Para quem rezar uma Ave Maria diária é sinônimo de martírio, uma forma de suplício! São eles que assim pregam abertamente contra o Rosário de Maria, e que ensinam que “Deus não quer um religião formal”. Não quer oração formal – feita para os simples e humildes – porque mudaram a religião? Porque a fizeram humana, afastando-a de Deus! Para que um Deus se não for para adorá-lO? Como adorar sem profundamente humilhar-se diante Dele?
 
     Sim, não somente os joelhos, não somente com a face, não somente o corpo mortal, mas acima de tudo o coração, a alma, o ser inteiro cravado ao solo, vergado, dobrado e humildemente ao infinito, como resposta de respeito, de amor, de adoração, de sincero e profundo agradecimento pela vida presente, e pela possibilidade de vida Eterna. Eis que somos vermes, somos pó da terra e a ele voltaremos! E tudo isso brota da Cruz, brota do respeito que se tem por ela! Mistério que verte do Sangue do Calvário! Um Mistério que se renova incruentamente a cada Santa Missa: eis o que ensina a verdadeira Igreja!
 
     Entrementes, por toda parte se alastram as teologias de destruição e ódio, os artifícios humanos que com fúria incontida buscam se livrar de Deus. Afastar a Deus da nossa vida! Tudo é feito em nome do homem, para que neste nome, se adore ao seu “número” fatídico. Pois está escrito: Quem tiver inteligência calcule o número da Fera, porque é um número de homem, e este número é seiscentos e sessenta e seis (Ap 13, 18) Quem não se curvar por bem, diante de Deus, se curvará por mal, diante da besta! Da fera! A mesma que prega estes falsos ensinamentos sobre a Eucaristia! E isso não ficará sem castigo!
 
     Infelizmente estas teologias têm sido acolhidas pela maioria dos católicos, que já não mais conseguem diferenciar “alhos de bugalhos”. E os poucos bons que ainda conseguem perceber os ardis de satanás que se escondem por trás destas doutrinas humanas, já não mais têm forças de lutar, eis que parece uma maré de lodo que nos ameaça submergir a todos. Que é lodo, senão podridão! Que é podridão senão a “abominação da desolação” que foi predita pelo profeta Daniel? Haverá maior abominação que negar ao nosso Deus a devida adoração? Precisará Ele de maior gesto de rebeldia para agir, e com fúria? Vejam:
 
     Dezenas de profecias atuais nos dão conta de que esta “abominação devastadora” se refere à destruição da Santa Missa, como está em Daniel 8, 9 De um deles saiu um pequeno chifre que se desenvolveu consideravelmente para o sul, para o oriente e para a jóia (dos países). 10 Cresceu até alcançar os astros do céu, do qual fez cair por terra diversas estrelas e as calcou aos pés. 11 Cresceu até o chefe desse exército de astros, cujo (holocausto) perpétuo aboliu e cujo santuário destruiu. 12 Por causa da infidelidade, além do holocausto perpétuo foi-lhe entregue um exército! A verdade foi lançada à terra... 13 Ouvi um santo que falava, a quem outro santo respondeu: quanto tempo durará o anunciado pela visão a respeito do holocausto perpétuo, da infidelidade destruidora, e do abandono do santuário e do exército calcado aos pés?
 
     Vamos pelos tópicos em negrito: pequeno chifre > o anticristo > os astros do céu, > cardeais e bispos da Igreja > fez cair por terra diversas estrelas > muitos dos bispos e grandes se tornaram infiéis > calcou aos pés. > foram submetidos primeiro e depois esmagados > chefe desse exército de astros, > O Santo Padre o Papa > (holocausto) perpétuo aboliu > O exército infiel de dentro da Igreja destrói a Santa Missa > santuário destruiu > Roma perderá seu poder > Por causa da infidelidade, > Dos infiéis que se venderam ao inimigo > verdade foi lançada à terra... > hoje a verdade, a Doutrina, está sendo trocada pela mentira > abandono do santuário > fuga do Santo Padre > exército calcado aos pés > Os que ajudaram ao anticristo, serão também eles esmagados. Muitos dos bispos, cardeais e padres responsáveis por este desastre, serão martirizados pelas forças do mal a quem ajudaram. Rezemos por eles! O martírio poderá ser sua salvação!
 
     Mais ainda: Dn 11, 31 Tropas sob sua ordem virão profanar o santuário, a fortaleza; farão cessar o holocausto perpétuo e instalarão a abominação do devastador. 32 Submeterá, com suas lisonjas, os violadores da aliança, mas a multidão daqueles que conhecem seu Deus manter-se-á firme e resistirá. Roma será profanada, as igrejas serão devastadas, cairão os sacrários – reserva eucarística dizem eles, ó blasfêmia – e o culto Eucarístico será proibido. Enganados pelas astúcias de satanás – o exemplo está nas palavras do padre acima – eles violarão a aliança destruindo o holocausto perpétuo, que é a Santa Missa – como já fazem hoje. Entretanto, nem todos serão enganados, porque sempre haverá um pequeno rebanho fiel, que não se deixará enganar por artifícios mentirosos: as famílias que rezam! O resto cairá junto com as “estrelas”...
 
      Dn 12, 11 Desde o tempo em que for suprimido o holocausto perpétuo e quando for estabelecida a abominação do devastador, transcorrerão mil duzentos e noventa dias. 12 Feliz quem esperar e alcançar mil trezentos e trinta e cinco dias! A Missa é abolida e em seu lugar posta uma ceia abominável, um rito ineficaz – como hoje – administrado por milhares de sacerdotes que não mais acreditam na presença real de Cristo na Eucaristia. Padres que celebram de forma mecânica ou mercenária, sem o devido amor, sem respeito, sem sequer entender a imensidão do Mistério que se realiza por suas ungidas mãos. Esta abominação irá devastar a Igreja por alguns meses, até que Deus intervenha com vigor. Nós já estamos no meio do torvelinho. Podia ser evitado e não por falta de aviso...
 
     Já quase 800 anos antes de Cristo lamentava o profeta Oséias 6, 7 Mas eles violaram vergonhosamente a aliança e traíram-me. E por isso alertava: 8, 1 ... O inimigo precipita-se como uma águia sobre a casa do Senhor, porque violaram minha aliança e transgrediram minha lei. A causa central do desastre que desabará a Igreja, sobre Roma, sobre a terra e os seus habitantes, se deverá em síntese à quebra da Aliança Eterna, como está em Lucas 22, 20: Este cálice é a NOVA ALIANÇA em Meu Sangue! Mais que uma simples aliança, como as antigas e bem maior, esta deve ser eterna, porque assinada com o Sangue Preciosíssimo de Jesus. Devido a isso Deus avisa o profeta...
 
      Isaías, 24 3 A terra será totalmente devastada, inteiramente pilhada, porque o Senhor assim o decidiu. 4 A terra está na desolação, murcha; o mundo definha e esmorece, e os chefes do povo estão aterrados. 5 A terra foi profanada por seus habitantes, porque transgrediram as leis, violaram as regras e romperam a aliança eterna. 6 Por isso a maldição devora a terra e seus habitantes expiam suas penas; os habitantes da terra são consumidos, um pequeno número de homens sobrevive. Tudo isso se refere à Missa e à Eucaristia! Abatem-se os sacrários, vendem-se igrejas e reina soberana a apostasia. Por isso, restarão bem poucos ao final! Só os que estiverem com a Eucaristia!
 
     É tão grande, tão monumental, tão arrasadora a insensatez daqueles que colaboram para destruição da Missa, que a eles se destina a frase de Jesus na Cruz: eles não sabem o que fazem. O pandeiro é uma abominação, a oferta humana em detrimento da Vítima é abominação, a ceia ao invés do Sacrifício é abominação, o riso, as palmas e as danças diante do Crucificado são abominações! E tudo que tira dela o Solene, o Mistério, o Sagrado, o Divino é abominação desoladora. Ai de quem mudar uma só palavra do rito central! No mais: quem quer festa, que vá assistir ao show do Cai Cano e ou da Ivana Sengola. Será abominação menor! Mas deixem de profanar a Missa: Mistério da nossa fé!
 
     E Jesus avisou: quando virdes a abominação predita por Daniel instalada no templo santo... Fujam para as montanhas! Virá a tribulação! E será tão grande como nunca houve na terra, desde que o homem existe, e nunca mais haverá igual. Está em Ezequiel  10 Eis o dia! Ei-lo que chega. Tua vez chegou. A vara floriu o orgulho produziu seus frutos! Quem orgulhosamente se negar a dobrar seus joelhos na hora da consagração da Missa corre o risco de ficar eternamente de joelhos... Não no Céu!  Perdoai-os Senhor! (Arnaldo)



www.recadosaarao.com.br





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 04/06/10 às 09:34:50 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES