LISTAR ARTIGOS DESTA CATEGORIA
LISTAR MENUS

Artigos Site Aarão



Artigo visto 1776 vezes




Visto: 1776 - Impresso: 101 - Enviado: 24 - Salvo em Word: 50
Postado em: 19/08/10 às 10:28:19 por: James
Categoria: Artigos Site Aarão
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=50&id=5984
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos Site Aarão

Padre Mateus Maria

"Que a Paz de Cristo e a Ternura de Maria esteja contigo e com os teus!"

Hoje está em moda as Cristotecas e baladas santas, será que são santas realmente, são de Deus ou do demônio para destruir os jovens e a sã doutrina?

Na minha opinião estas baladas santas, barzinhos de Jesus e cristotecas, nada mais são do que uma obra de satanás, digo isto, pois conversei com muitos jovens que foram a estas cristotecas, e lá se perverteram no pecado, usaram drogas, arrumaram garotas para ir para o motel, um até me contava que o seu colega fez sexo com uma das garotas que lá estava, no banheiro da própria cristoteca, e diante de tudo isto eu me perguntava: “Isto é evangelização?”.

Mas o mais triste é que muitos sacerdotes apóiam, são cúmplices do pecado, se vendem ao dinheiro, ao aparecer! A quem estão evangelizando? Como também outro ponto discordante é o chamado “barzinho de Jesus!”, que banalização!!!
Nestas Cristotecas e barzinhos de Jesus acontece, muita mais baixaria que nos próprios bares e discotecas do mundão! Mas o que mais me irrita, é que reveste algo profano de divino, barzinho de JESUS, CRISTOteca, para mim esta é maior artimanha de satanás, para perdição dos jovens católicos!

Na época em que são João Maria Vianey chegou em Ars, o povo estava perdido com a depravação, e o santo Cura, não foi nos butecos buscar as ovelhas, não foi na discoteca buscar os jovens, mas foi sim, diante do santíssimo buscar as almas, dobrando os seus joelhos para a salvação daquele povo, e este foi o seu plano pastoral! Resultado? Toda Ars se converteu!

Este sim é o modelo do sacerdote, do pastor! Agora parece que não entendemos os sinais que a Igreja nos dá, pois neste ano sacerdotal, o Papa colocou o Santo Cura, como modelo de todos os sacerdotes, e estes agem ao contrário! Os tempos mudaram? Mudaram sim, mas o homem e o pecado, continuam os mesmos, como também a única resposta que é a oração!

O santo Cura dizia que quando um jovem entra na discoteca, o seu anjo da guarda fica do lado de fora e lhe acompanha um demônio! Vejam que contradição pastoral! Tudo porque nem os padres querem mais rezar, e porque não rezam, não sabem o que fazer, e em vez de ganhar as almas, as dão de presente a satanás, e perdem também as suas..

Se você deseja assistir o vídeo comentário do evangelho de domingo dia 22/08/2010, onde aceno e medito ainda mais sobre este tema, clique em:
http://nossasenhorademedjugorje.blogspot.com/2010/08/balada-santa-e-cristoteca.html

Me desculpem, mas esta é minha opinião que adquiri com a experiência de sacerdote. "Que o Senhor que é rico em Misericórdia te abençoe: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém!"
++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
OBS> Faço minhas as palavras do Padre Mateus, e acrescento outras aproveitando a ocasião. Primeiro que o Cura de Ars não converteu toda a cidade como expulsou da Igreja as dançarinas que nao se converteram, pois havia um prostibulo diante da Igreja. Segundo que quase toda a França se converteu, pois de todos os lugares vinham pessoas para ver aquele padre que so rezava. E confessava, e convertia! Este é o padroeiro dos sacerdotes do mundo inteiro e deve ser este o ÚNICO exemplo a ser seguido exatamente pelos padres do mundo inteiro. Padres como este é que são exemplos de vida e santidade.
 
E não venham com esta conversa fiada e modernista de que o mundo mudou, as mentalidades mudaram, e já não é mais possível atrair os jovens para a Igreja. Isso não se faz com batuques & atabaques, mas com oração, e acima de tudo com a catequese. Como atrair os jovens para a Igreja se o comportamento dos pais, seu desconhecimento quase completo do que é ser Igreja, de sua Doutrina, dos Sacramentos e sua falta de moral para impor, faz deles maus exemplos?
 
O fato é que depois do Concílio Vaticano II, já perdemos mais de duas gerações de pais maus evangelizadores, porque a praga do modernismo os conduziu ao vazio em que vivem hoje milhões de famílias. O exemplo arrasta e não se pode amar, e menos ainda seguir uma Igreja que se desconhece. Não se pode viver os Sacramentos se você não sabe de sua importância e eficácia. Eu mesmo, embora tenha bons filhos, devo me penitenciar pelos anos que perdi, levado pelos ventos modernistas, e cegado pela fumaça de satanás que entrou na Igreja, através deste Concílio mal interpretado.
 
Cristoteca? Balada Santa? Onde está a cabeça dos sacerdotes de sujar o nome de Jesus com estas semi-orgias? Os jovens não mais conseguem ficar uma hora sequer quietos, voltados para seu interior, para sua necessidade de Deus, e precisam estar o tempo inteiro com os ouvidos entupidos de música berrante, instrumentos explosivos, barulhos e requebros. Isso jamais conduzirá a um culto a Deus, porque serve apenas de uma distração passageira, da qual nao se extrai nada de bom para a vida espiritual. O jovem sai dali mais vazio do que entrou! Quando não sai excitado e pior!
 
Com a mesma experiência que Padre Mateus escreveu este artigo, posso dizer que acompanho os movimentos da RCC. Há 10 anos atrás eu escrevi um artigo com o título de O OCASO DA RCC e recebi críticas ferozes de alguns, mas como já naquela época e hoje mais ainda, nota-se o esfacelamento destes grupos, porque eles nunca formaram um movimento de Igreja, e como grupos se digladiam, se batem uns contra os outros, divinizam-se os líderes, esmagam os servos, se entopem de burocracias e o resultado é que nao duram muito: em cada cidade, tão logo haja divergência num grupo, logo forma-se outro, e ali já temos dois inimigos, cada um brigando para ser dono único do Espírito Santo.
 
Por que acontece isso? Porque eles não se firmam na oração, e o estrelismo dos líderes acaba fazendo atrair para si os louvores do grupo - quando nao exigem de toda a comunidade - de tal forma que Jesus já não é mais a figura central. Aliás, o excesso de louvores ao Espirito Santo, em especial durante a Santa Missa, tira de Cristo a pessoa central do Mistério que ali se desenrola, e deforma o sentido sacrifical daquela que é a Rememoração Incruenta do Calvário e da Cruz.
 
E está exatamente neste desvrituamento do Rito da Santa Missa, a chave que abre o circuito destruidor do grupo. Música barulhenta, guitarras, pandeiros, tudo isso serve para um show de música popular, não para louvar a Deus. Quem nega isso, não sabe o que diz, não entende de adoração, nem de louvor. Jamais de Missa! Não são algumas letras peigas, desvirtuantes e improcedentes o que vai encher a vida dos jovens, para que ele amem a sua Igreja, e consigam ficar quietos pelo menos uma hora por semana, sem estar em requebros, palmas, risos e abraços. Nada disso deve entrar na Santa Missa.
 
Ademais, a mania de querer IMPOR a força, para toda a comunidade, os modos e meios da RCC, é um fator chave de divisão. É preciso saber que a Igreja deve manter a unidade pedida por Jesus. Tudo aquilo que não leva a unidade, deve ser abolido e banido, melhor ainda, jamais introduzido no culto ao nosso Deus. Isso quer dizer que, tudo aquilo que foge do Missal, dos documentos oficiais da Igreja, não pode, de forma alguma, adentrar nas celebrações da Eucaristia.
 
Porque de nada adianta alguns estarem ali eufóricos se achando seduzidos pelo Espírito Santo, quando aqueles que entendem do Mistério sentem-se traídos e mal durante a Missa. E há multidões de católicos que não gostam dos shows de alguns grupos da RCC, pois pouco diferem dos movimentos pentecostais. Isso tudo divide, e não presta!
 
De fato é impossível concentrar-se e adorar numa Santa Missa conduzida pela RCC. Quem diz que faz isso mente, porque sai dali mais vazio do que entrou, eis que buscará novamente o mesmo show, a mesma falsa euforia, porque sua alma não sai repleta de Deus. Missa é adoração, recolhimento profundo, mergulho no mais profundo de nossa alma para adentrar em Deus, meditando em nossa miséria infinita, em nossos pecados e percebendo a nossa necessidade imensa de Deus. Missa é perdão, é arrependimento sincero, é colocar-se nas mãos Onipotentes do Criador, e isso não se faz com berros e gritos, e sim no silêncio, do corpo e da alma. Misse deve ser como um mergulho na alma, onde se entra miséria, e sai exultante e divininizado, porque cheio de Deus.
 
Neste sentido, pessoalmente eu sempre fui contra os cantos logo após a Comunhão, porque eles distraem os sentidos, quando não irritam profundamente, não permitindo a interiorização da alma, o mergulho no Mistério do Amor de um Deus que se doa inteiro, como alimento Celeste, cura do corpo e da alma. O tal de abraço da Paz antes da Comunhão é um verdadeiro desastre e deveria ser supenso o sacerdote que insiste nele. E mais, oh! quantas milhares de vezes já percebi, e me entristeci, vendo os cantores e os guitarristas e batuqueiros, pegando rapidamente a Sagrada Espécie, e engolindo até em seco, para continuar aos berros, como se Deus fosse surdo.
 
Aliás, eu comparo este comportamento igual ao dos crentes e outras igrejas que se dizem evangélicas, onde eles gritam alucinados, com aquela passagem de São Paulo, em que desafiou os sacerdotes pagãos a incendiar a oferenda, com fogo vindo de Deus. E como não conseguiam, mesmo se rasgando as roupas e as carnes, mesmo gritando a plenos pulmões, São Paulo os incentivava: gritem mais alto, quem sabe vosso deus esteja ocupado com outra coisa ou ausente! É o que faz a maioria dos grupos da RCC: precisam gritar alto, até porque sentem que Deus não os escuta!
 
Por que não olham para as Escrituras! Onde Moisés encontrou Deus? No trovão? No terremoto? Na ventania? Nada disso: Deus se achou na leve brisa! Adão O via no paraiso, durante a brisa da tarde! Deus é Amor, ternura, e sopra na alma humana seu hálito benfazejo, mas não é movido a berros, cantos pagãos, letras desvirtuadas nem com guitarras e batuques. Tudo isso é próprio do paganismo, jamais do verdadeiro culto, ao Verdadeiro Deus!
 
Padres queridos, cuidem de não fazer cumprir a destruição do anticristo, tirando do culto aquilo que é sagrado, santo, eficaz e digno do nosso Deus. Cuidem de não se deixarem contaminar pelo espírito modernista, porque a Igreja não se moderniza e sim se pereniza, pois o Deus do ontem é do hoje, e o de sempre. É sim possível ficar quietinho uma hora por semana, sem rebolamentos e dengos, sem requebros e palmas, e jamais coisas assim dentro da Santa Missa. Isso cumpre a dessacralização predita por São Paulo.
 
Sim, temos muitas pessoas boas dentro dos grupos da RCC, que cada um olhe para si e meça-se diante daquilo que acima coloquei. Perceba como agem os vossos líderes: se atraem sobre si os louvores da grande pregação, do donismo do Espírito Santo e donismo dos servos, saiba que acontecerá em breve convosco aquilo que a Mãezinha nos falou há tempos: nestes casos, ou cai o lider, ou cai o grupo todo!
 
E diante disso tudo, faço minhas as palavras do nosso Bispo, quando foi perguntado o que tinha a dizer sobre o carismatismo, e ele respondeu assim: RCC? Melhor não ter na diocese! De fato, em nosso diocese todos os grupos se entredevoraram. O que sobrou foram líderes indo pregar em outras igrejas, e até uma mulher que fundou a própria! E isso tudo é uma pena!
 
Enfim, isso vale também para o neocatecumenato, e vale para qualquer tipo de grupo que queira introduzir práticas diferentes nas celebrações, divergentes do Rito Oficial, daquilo que vem do Papa e brota dos documentos da Igreja. Tudo o que é bom, santo, eficaz e necessário para o verdadeiro culto a Deus já consta do Missal, do Catecismo, da Tradição, e dos documentos especiais. Tudo o que vem para fugir disso, introduzir normas e comportamentos divergentes disso, NÃO PRESTA, e NÃO DEVE ser seguido, porque divide, segrega, provoca intrigas e animosidades, destrói e dessacraliza nossa Igreja Católica.
 
Nosso Movimento Salvai Almas, hoje em praticamente todos os municípios do Brasil, na humildade, no silêncio, na obediência ao Céu, tem pregado e vivido a verdadeira Igreja, sem mudar nada, sem acrescentar nada a aquilo que já está disposto nos documentos do Papa. Nada de ser diferente, exigir que o padre siga novas instruções, altere o Rito Oficial, ou desobedeça ao já disposto. Nada de aparecer diante dos outros, querer sobressair-se fazendo melhor, porque quem faz isso na verdade busca os louvores para si, não para agradar a Deus! Busca "fazer bonito" e aparecer diante da comunidade, e para estes Jesus disse: já receberam a sua consolação! E isso acontece em milhares de comunidades!
 
Vale também para cada pessoa que participa da Liturgia: façam tudo para agradar a Deus, sem preocupar-se com os louvores do mundo, ou em agradar as pessoas! E para agradar a Deus, seguramente e unicamente, deve-se seguir aquilo que está disposto oficialmente, porque a Igreja é sabia e pela Tradição de dois milênios já discerniu o que é bom e santo, e o que é ineficaz e não presta!
 
Aos que fazem as coisas direitinho, seja na Liturgia, seja nos grupos da RCC, meu carinho e parabéns! Aos que insisistem em ser diferentes e mais que os outros, o meu alerta de leigo, mas que vive na pele tudo isso, e aprendeu a tirar lições daquilo que não serve ao culto a Deus. Nisso se inclui tudo o que divide!
 
Todo grupo, que pretendendo ser Igreja, faz celebrações especiais e separadas para seus membros, dentro de um rito fora dos costumes, NÃO PRESTA! Tudo na Igreja Católica Apostólica Romana, Una e Santa, deve ser aberto a todos e deve obedecer ao que dispõe Sua Santidade o Papa Bento XVI, e a aqueles que o antecederam. A obediência une! O ser diferente destrói e mata!

www.recadosaarao.com.br

Total Visitas Únicas: 6.502.346
Visitas Únicas Hoje: 1.032
Usuários Online: 355