Espacojames



Página Inicial
Listar Aula ao Vivo


Como Baixar o vídeo para seu computador? Copie o link deste vídeo [ https://www.youtube.com/watch?v=0XEsofsuBc8 ] depois, entre neste site: [ http://pt.savefrom.net ] cole o link no campo indicado e clique na seta > para baixar. Não precisa instalar nada, todo o processo é online.


Artigo N.º 14730 - 46 - Aula Ao Vivo: Feminilidade: o que está acontecendo com as mulheres?
Artigo visto 1771




Visto: 1771
Postado em: 06/08/17 às 10:34:39 por: James
Categoria: Aula ao Vivo
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=227&id=14730
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Aula ao Vivo


Aula ao vivo com Padre Paulo Ricardo

I. Introdução

Começamos agora uma série de aulas ao vivo dedicada à dignidade da mulher sob a ótica do cristianismo e, de modo mais específico, à luz dos ricos ensinamentos que o Bem-aventurado Papa João Paulo II nos legou a esse respeito. O guia deste nosso itinerário será a Carta Apostólica "Mulieris Dignitatem", de 15 de agosto de 1988, além de algumas catequeses sobre a Teologia do Corpo. Esta série será composta por cinco aulas: (1) no encontro de hoje, queremos ir à raiz do problema da desconstrução da identidade feminina e apontar como e em que sentido o feminismo acabou por tornar-se o grande inimigo das mulheres; (2) na segunda aula, abordaremos a feminilidade própria do ser mulher e o comportamento de Cristo diante das figuras femininas presentes no Evangelho; (3) na terceira, falaremos da vocação à maternidade e do conflito moderno entre carreira e responsabilidade maternal; (4) no quarto encontro, estudaremos o caráter dúplice e complementar da vocação feminina: de um lado, a maternidade e, de outro, a virgindade por amor do Reino; (5) por fim, trataremos da modéstia feminina.

II. «Ele te dominará»

A mulher, vocacionada ao matrimônio e à maternidade, é o elemento que dá liga e coesão à vida familiar. Por dedicar-se com maior cuidado e empenho às tarefas caseiras, a mãe constitui, por isso mesmo, a alma e o coração do lar; é ela quem confere à família como um todo suas feições peculiares e, por meio do carinho e desvelo com que se doa aos filhos e ao esposo, forja nos seus a beleza das virtudes domésticas, os conforta e prepara para os desafios fora de casa. Não é de espantar, pois, que a desconstrução da identidade feminina a que assistimos atônitos ao longo destas últimas décadas tenha acarretado uma como que corrosão da unidade familiar e, por conseguinte, da própria moralidade pública, afetando seja a base da sociedade civil, seja a Igreja como tal. O que temos visto nos nossos dias, com efeito, é que sob o pretexto de um igualitarismo radical, que quer prescindir da diversidade específica por que homem e mulher exprimem à sua maneira a riqueza do seu ser pessoa, o feminismo nos vem conduzindo a uma apropriação cada vez mais caricata dos trejeitos masculinos—e sobretudo dos vícios "típicos" do homem—, em detrimento da "originalidade" própria da mulher e dos recursos que apenas a sua feminilidade lhe pode fornecer. Já tivemos, aliás, a oportunidade de ver noutro encontro como esse fenômeno tem afetado inclusive a formação da identidade masculina.

Antes porém de abordarmos o problema, recuemos uns passos e refaçamos o caminho percorrido pelo Papa João Paulo II [1]. Deve-se ter presente, em primeiro lugar, que há um desequilíbrio, decorrente do pecado, entre os sexos e, portanto, uma perturbação naquilo que deveria ser o relacionamento entre eles segundo o projeto original de Deus. O Livro do Gênesis, ao narrar a queda de nossos Pais, assinala um fato não menos importante quanto significativo: "teus desejos te impelirão para o teu marido", dirige-se o Senhor à mulher, "e estarás sob o seu domínio" (Gn 3, 16). A descrição bíblica nos desvela aqui uma fissura profunda na comunhão de dois em "uma só carne" (cf. Gn 2, 24) que Adão e Eva foram chamados a realizar. Essa ruptura, que se expressa no domínio do homem sobre a mulher e, assim, no "desnível" que se formou entre eles, apresenta-se não só como um perigo constante para aquela a comunhão interpessoal, mas sobretudo como uma ameaça mais grave e mais delicada para a mulher, pois esta, devido à sua inclinação natural ao dom de si e à entrega ao outro—Eva foi formada de Adão e para Adão, como companheira e sócia (cf. Gn 2, 18-23)—sente mais vivamente os efeitos deste "domínio" proveniente do pecado. Tal "domínio", nesse sentido,

[...] indica perturbação e a perda da estabilidade e da igualdade fundamental, que na "unidade dos dois" possuem o homem e a mulher: e isto vem sobretudo em desfavor da mulher, porquanto somente a igualdade, resultante da dignidade de ambos como pessoas, pode dar às relações recíprocas o caráter de uma autêntica "communio personarum" (comunhão de pessoas) [2].
Mas se esta sujeição feminina é, por um lado, desfavorável à mulher, ela não deixa de ser, por outro, também uma forma de violação e, por assim dizer, diminuição da dignidade do homem, porque o varão, ao fazer da mulher um objeto de "domínio" e de "posse", age contra a sua própria dignidade de pessoa criada à imagem e semelhança de Deus; por isso, ele é chamado na sua peculiaridade de homem a corresponder ao "dom" que a mulher faz de si e, deste modo, converter sua tendência à dominação em serviço à esposa, a quem deve antes proteger que dominar e à qual, num esforço constante, deve entregar-se reciprocamente.

III. O «ingenium mulieris»

Nos últimos tempos, os movimentos feministas têm reagido à dominação que homem e mulher, "onerados pelas pecaminosidade hereditária" [3], carregam consigo ao longo da história, "por meio de uma reivindicação, por parte das mulheres, dos «privilégios» masculinos" [4].Ora, essa situação, que acabou por redimensionar os chamados "direitos da mulher" no contexto mais amplo dos direitos da pessoa humana, constitui, aponta o Papa João Paulo II, "um impasse do ponto de vista das exigências da verdadeira vocação da mulher" [5], porque "a justa oposição da mulher face àquilo que exprimem as palavras bíblicas: «ele te dominará» (Gen 3, 16) não pode sob pretexto algum conduzir à «masculinização» das mulheres. A mulher—em nome da libertação do «domínio» do homem—não pode tender à apropriação das características masculinas, contra a sua própria «originalidade» feminina" [6]; não pode, pois, renunciar à sua condição específica de mulher, enquanto algo bom e querido por Deus [7]. Seria, portanto, um contrassenso admitir que as mulheres, com o fito de libertar-se de um jugo quase sempre injusto, tenham de abdicar justamente daquilo que as faz mulher e as constitui, ao lado do homem, como ser único em toda a criação: "Trata-se de uma riqueza imensa" [8], escreve o Papa; trata-se, sim, de uma riqueza que configura o gênio (ingenium) próprio da mulher [9] e causa no homem aquela admiração e aquele encanto que a exclamação de Adão, atravessando "toda a história do homem sobre a terra" [10], exprime e revela.

O homem e a mulher, nesse sentido, não são nem superiores nem inferiores; são antes diferentes. Constituem, pois, duas formas distintas pelas quais a humanidade se enriquece, porque encontra nesta diversidade de dons que há entre o "ser homem" e o "ser mulher" aqueles elementos que manifestam, na sua riqueza inesgotável, as perfeições de um Deus que não é de modo algum à nossa imagem, mas que abarca todas as perfeições "de uma mãe e as de um pai e esposo." [11] Feitos "um para o outro", homem e mulher devem ser, conforme o modo peculiar por que cada um atua no mundo, uma "ajuda" para o outro; devem viver aquela comunhão de pessoas para qual foram criados e na qual cada um deles deve orientar-se para as necessidades do outro, "por serem ao mesmo tempo iguais enquanto pessoas ('ossos dos meus ossos...') e complementares enquanto masculino e feminino" [12]:

Os recursos pessoais da feminilidade certamente não são menores que os recursos da masculinidade, mas são diversos. A mulher, portanto—como, de resto, também o homem—, deve entender a sua "realização" como pessoa, a sua dignidade e vocação, em função destes recursos, segundo a riqueza da feminilidade, que ela recebeu no dia da criação e que herda como expressão, que lhe é peculiar, da "imagem e semelhança de Deus". Somente por este caminho pode ser superada também aquela herança do pecado que é sugerida nas palavras da Bíblia: "sentir-te-ás atraída para o teu marido, e ele te dominará". A superação desta má herança é, de geração em geração, dever de todo homem, seja homem, seja mulher. Efetivamente, em todos os casos em que o homem é responsável de quanto ofende a dignidade pessoal e a vocação da mulher, ele age contra a própria dignidade pessoal e a própria vocação [13].
Recomendação

PERNOUD, Régine. A Mulher no Tempo das Catedrais. Trad. port. de Miguel Rodrigues. Lisboa: Gradiva, 1984.
STARK, Rodney. The Rise of Christianity. São Francisco: HarperCollins, 1997 (1.ª ed., Princeton: Princeton University Press, 1996).


Referências

Cf. João Paulo II, Carta Apostólica "Mulieris Dignitatem" (MD), de 15 ago. 1988, n. 10 (AAS 80 [1988] 1674-1677).
Id., ibid.
Id., ibid.
Yves Semen, A Sexualidade segundo João Paulo II. Trad. port. de Maria José Vilaça. Lisboa: Principia, 2006, p. 88.
Id., ibid.
MD, loc. cit.
Cf. Catecismo da Igreja Católica (CIC), n. 369.
MD, loc. cit.
Cf. MD, nn. 30-31.
Id., n. 10.
CIC, 370.
Cf. CIC, n; 372; cf. MD, n. 7.
MD, n. 10.


Fonte: www.padrepauloricardo.org



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!

Lenço Branco de N. Senhora
Saiba o que é, como fazer e as orações necessárias.
Óleo de São Rafael e Santa Filomena
Saiba mais sobre este santo remédio em tempos difícies
As 15 Orações de Santa Brígida
As promessas de Jesus para a alma que rezar estas orações.
Jesus eu Confio em vós
Nada negarei a alma que às 3 hs da tarde recitar minhas orações
Devoção às Gotas de Sangue de Cristo
Será livrado das penas do Purgatório.
Para os irmãos protestantes
Foi no colo de uma mulher que Deus colocou toda esperança do mundo



Total Visitas Únicas: 8.688.945
Visitas Únicas Hoje: 661
Usuários Online: 263