Impactante: entrevista com um padre católico que era muçulmano
 
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 5.779.944
Visitas Únicas Hoje: 969
Usuários Online: 334
Sistema de Busca



Qual a aparição de Nossa Senhora mais importante na História?

Medjugorje

Fátima














Newsletter Espacojames
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Destaque




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 330 - Impresso: 6 - Enviado: 0 - Salvo em Word: 1
Postado em: 11/05/18 às 23:39:58 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=14943
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Muitas pessoas deixam o islamismo e abraçam o cristianismo, declara o sacerdote, ele próprio convertido do islã para Cristo. Mas o preço...

O Padre Paul-Elie Cheknoun esteve em Roma no dia 19 de março deste ano, festa de São José, para participar da Noite de Testemunhos organizada pela fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

 

De família muçulmana da Argélia, o pe. Cheknoun se converteu ao cristianismo na década de 1990 e foi ordenado sacerdote nos anos 2000, fazendo parte da Fraternidade Missionária João Paulo II e trabalhando atualmente em seu próprio país natal. Ao falar sobre os seus compatriotas, ele conta que muitos muçulmanos, tanto na Argélia quanto entre os que migram de lá para a França, continuam se convertendo a Cristo até hoje, apesar das dificuldades persistentes e desafiadoras – entre elas, o risco de morte.


A entrevista

Você deu um passo corajoso ao se converter ao cristianismo, em meio a muitas dificuldades. O seu caso é isolado?

Pe. Cheknoun – Não. Muitos muçulmanos se tornam cristãos, na Argélia, que é terra islâmica, e na França também [nota: a França é o país europeu que mais recebe imigrante argelinos]. Só na Argélia são estimadas dezenas de milhares de conversões desde os anos 90, especialmente na minha região natal, a Cabília. São principalmente novos evangélicos, bem ativos na evangelização, mas também há conversões ao catolicismo [nota: inclusive por parte dos evangélicos].

A conversão é um risco muito alto para quem quer sair do islã?

Pe. Cheknoun – Quem se converte é espancado e perseguido. Não é incomum ser marginalizado pela própria família, pelos vizinhos. O islã condena a conversão com a pena de morte, porque a considera como apostasia, mas, às vezes, para não matar muçulmanos, eles colocam os apóstatas “em quarentena”, digamos assim, afastando-os fisicamente. Muitos convertidos ficam sem teto, pelas ruas. Eu tive a graça de ter um pai muito aberto, que aceitou a minha escolha. Mas os meus pais são uma exceção. É por isso que muitos são forçados a esconder da família a sua conversão.

Como é a sua vida na Argélia?

Pe. Cheknoun – Em terra islâmica, eu procuro passar despercebido. Não ando de batina nem com a cruz, nunca. Não uso nenhum sinal distintivo. Coloco o colarinho clerical só quando estou numa igreja ou num lugar cristão. É assim com todos os convertidos. No contexto muçulmano, temos que ser esquecidos: o islã não nos suporta. Nós todos vivemos a nossa fé com total discrição.

Vocês acolhem pessoas convertidas em Argel?

Pe. Cheknoun – Em 2006, o parlamento argelino aprovou uma lei para moderar as religiões não-muçulmanas. Na realidade, ela serve para frear a evangelização e as conversões. A lei pune com cinco anos de prisão e uma multa pesada qualquer pessoa que seja pega com textos cristãos, ou que tente converter um muçulmano, ou que critique o islã ou Maomé. Isso nos impede de viver com tranquilidade e, é claro, também nos impede de evangelizar nas ruas. Então nos limitamos a acolher as pessoas que vêm espontaneamente até a igreja e as acompanhamos. Só que até isso leva um tempo longo: para batizar alguém, nós temos que discernir se é uma conversão verdadeira e se a pessoa está bem ciente do tamanho do compromisso.

 

Qual é a diferença fundamental entre a Igreja e o islã? A diferença que fez o senhor mudar de religião.

Pe. Cheknoun – A razão de ser do islã é antitrinitária e, portanto, anticristã. Os muçulmanos rejeitam a Encarnação e pretendem “corrigir os erros do cristianismo”. Os muçulmanos rezam cinco vezes por dia e sempre terminam orando pela condenação dos judeus e dos cristãos. Dizem que os cristãos são “perdidos” e os judeus “condenados”. Numerosos versículos [do alcorão] convidam a matar os cristãos e os judeus, porque eles teriam falsificado as suas escrituras, matado os seus profetas, e porque não reconhecem Maomé. Os jihadistas não inventam nada: esse terrorismo está escrito no alcorão.

O que lhe inspiram os mártires argelinos que em breve serão beatificados?

[Nota: esta pergunta diz respeito aos monges assassinados de que falamos neste outro artigo]

Pe. Cheknoun – Como ex-muçulmano, eu os vejo como um exemplo. Na minha pequena cidade na Cabília, quatro Padres Brancos foram mortos. Na época, eu tinha lido sobre a morte deles nos jornais e achei que tinham sido mais vítimas do terrorismo. Eu não fui ao funeral, mas sei que muitíssima gente foi, muitos consternados com a morte deles. Mas não foi uma surpresa. Os terroristas tinham ordenado que todos os cristãos deixassem a Argélia. Aqueles que ficaram estavam condenados.



Fonte: www.aleteia.org











Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 11/05/18 às 23:39:58 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES