Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 6674 - Advogados católicos rejeitaram a legalização do aborto na Argentina
Artigo visto 1935




Visto: 1935
Postado em: 19/11/10 às 19:27:36 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=6674
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Buenos Aires, 19 Nov. 10 / 12:05 pm (ACI).- A Corporação de Advogados Católicos rechaçou o projeto de lei que está sendo estudado atualmente na Câmara de Deputados da Nação para legalizar o aborto, porque viola o direito à vida e as normas consagradas na Constituição.

O projeto de lei foi apresentado no dia 16 março. Antes de sua discussão no plenário, convocou-se audiências públicas para escutar as posições a favor e contra. A primeira sessão será no dia 30 de novembro e continuarão a partir de fevereiro de 2011, quando for reiniciado o trabalho parlamentar.

Os advogados qualificaram de "discriminador e racista" este projeto, que permite o aborto no caso de que "existam má formações fetais graves". Eles advertiram que isto "só é comparável com os piores genocídios sofridos pela espécie humana, entre os quais recordamos o que foi perpetrado pelo regime nacional socialista alemão".

Também criticaram que se omita "o consentimento do pai da criatura para praticar o aborto" e que "nos três casos contemplados no art. 3º do Projeto, não se estabelece um limite máximo de semanas de gravidez para poder proceder a abortar, um dos quais consiste na suposição de que a gravidez foi produto de um estupro".

Os advogados católicos argentinos lamentaram que se considere suficiente apenas a denúncia formulada em um serviço de saúde, sem nenhum tipo de prova alguma, "o que na prática implica autorizar o aborto sem limite algum de tempo da gravidez, e quando a mulher o queira".

"Por isso em todos esses casos poderia proceder-se ao aborto de um ser que estivesse a ponto de nascer, apartando-se de tal maneira até das mais liberais leis abortistas, que estabelecem um prazo máximo de duração da gravidez para que se possa proceder ao aborto", advertiram.

Finalmente, criticaram as restrições à objeção de consciência e a violação da pátria potestade dos pais, "ao requerer o assentimento de só um dos progenitores e unicamente no caso de que a mulher tivesse menos de quatorze anos de idade".


Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=20640



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

LEIA TAMBÉM
No Egito muçulmanos atacam aldeia e seqüestram jovens cristãs
Intelectual ateu destaca urgência de defender os cristãos perseguidos em todo mundo
Dilma escreve carta ao papa por trégua com a Igreja
Estamos pior do que Sodoma e Gomorra
Por que é chamada de a grande MERETRIZ? Essa característica faz referências à Igreja Católica Romana
Jogador é ameaçado por rezar em campo
Pastor que disse: Jesus tinha AIDS!
Bombeiro retira crucifixos e imagens de santos nas unidades sob o seu comando.
Relatório: Muçulmanos instruídos a rejeitarem o Ocidente
Veja mais artigos relacionados
 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.341.907
Visitas Únicas Hoje: 1.973
Usuários Online: 399