Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.192.527
Visitas Únicas Hoje: 347
Usuários Online: 82
Sistema de Busca

 

Artigos Site Aarão
Aqui estão relacionados alguns dos artigos extraídos do site www.recados.aarao.nom.br, site do Sr. Arnaldo que com inspiração divina, colocam matérias belíssimas que nos aproximam do amor de Deus e nos conduz à salvação.




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 2195 - Impresso: 61 - Enviado: 23 - Salvo em Word: 67
Postado em: 28/08/10 às 12:41:26 por: James
Categoria: Artigos Site Aarão
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=50&id=6078
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos Site Aarão

Variado repertório de fatos verídicos ou verossímeis que, visam mover seus leitores ou ouvintes a julgar sãmente do seu valor moral, e, por conseguinte, os disponha, à luz desses exemplos, a praticar o bem e evitar o mal.

n.° 27
a) O AMOR DOS PEQUENINOS
   Perguntaram a uma piedosa jovenzinha:
   - Que é a Primeira Comunhão?
   - É um dia de céu na terra.
   Perguntaram-lhe em seguida:
   -E que é o céu?
   - É uma Primeira Comunhão que nunca terá fim - respondeu ela graciosamente.
   E respondeu muito bem, porque a felicidade dos Anjos e Santos no céu consiste em possuir a Deus eternamente. Ora, não é justamente a Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, que possuímos na Santa Comunhão?
 
b) DENTES DE LEITE
   Escrevia em l945 um missionário: Uma òrfãzinha do Orfanato de Trichinopoli, que poderia ter dois palmos de altura, veio um dia suplicar-me que a admitisse à Primeira Comunhão.
   - Que idade tens? perguntei-lhe.
   - Ah! isso não sei.
   Recolhida de lugar desconhecido, não pode saber quantos anos tem; nem as Irmãs o puderam descobrir.
   - Mostra-me os dentes - disse.
   Com um sorriso gracioso descobre a inocentinha duas filas de alvíssimos dentinhos.
   - Oh! exclamei; os teus dentes de leite dizem-me que não tens nem sete anos. Portanto, êste ano não farás a Primeira Comunhão.
   Meu Deus! quem o acreditaria? tendo ouvido aquelas palavras, a menina, sem dizer a ninguém, corre ao quintal, toma uma pedra e, intrèpidamente, faz saltar da bôca todos os dentinhos.
   Depois, com a bôca ensangüentada, mas com ar de triunfo, volta e diz-me:
   - Padre, não tenho mais nem um dente de leite. Dai-me, oh! dai-me Jesus! Eu o quero muito bem!...
   Chorando de comoção - diz o missionário - tomei-a em meus braços e segredei-lhe ao ouvido:
   - Filha, amanhã te darei Jesus...
   Sím, não podia deixar de atendê-la.
 
n.° 29
QUERO IR AONDE ESTÁ JESUS
   Um pastor protestante, inclinado já ao catolicismo, foi um dia com sua filhinha em visita à capital da Inglaterra. A menina contava apenas cinco anos.
   O pai levou-a primeiro a uma igreja católica e a atenção da pequena ficou muito tempo prêsa à lâmpada do Santíssimo.
   - Papai, - disse - para que aquela lampadazinha?
   - Filha, é para lembrar a presença de Jesus atrás daquela portinha dourada.
   - Papai, eu quero ver Jesus!
   - Filha, a porta está trancada e Ele está escondido debaixo de um véu, não o poderás ver...
   - Ah! papai, quanto eu quisera ver Jesus!...
   Saindo dali, entraram logo depois num templo protestante, onde não havia nem imagens, nem lâmpada nem sacrário.
   - Papai, por que não há lâmpada aqui?
   - Filhinha, é porque aqui não está Jesus.
   Desde aquêle dia a menina só falava na Igreja Católica.
   Nunca mais quis entrar num templo protestante, que para ela não tinha já nenhum atrativo. Perguntaram-lhe:
   - Aonde queres ir, então?
   - Quero ir onde está Jesus.
   O pastor ficou confundido e comovido. Compreendeu, como sua filha, que só se pode estar bem onde está Jesus. Havia de fazer-se católico, havia de abjurar sua seita e renunciar a uma renda de cem mil libras, de que vivia a sua família, e ver-se pobre de um dia para o outro.
   Não obstante, pai e mãe se converteram ao catolicismo, dizendo com sua filha: "Queremos estar onde está Jesus". 
 
Enviado por Victor
 
Tradição Católica em Vitória-ES
site: tradicaocatolicaes.t35.com
e-mail: tradicaocatolicaes@yahoo.com.br
tel.: 27 9913-1117
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
 
O Milagre Eucarístico de Douai
Severiano Antonio de Oliveira - 2010/01/13
Um prodigioso fato presenciado por multidões de fiéis e relatado pelo Bispo de Cambrai, testemunha ocular.
 
Ano de 1267, domingo de Páscoa, entre 8 e 9 horas da manhã. Na cidade de Douai - norte da França, a meio caminho entre Amiens e Lille - o Pároco distribuía a Comunhão aos fiéis na igreja dos cônegos de Santo Amato.
 
De repente, sem saber como se dera o acidente, viu uma Hóstia no chão. Consternado, pôs-se logo de joelhos e estendeu a mão para recolher a sagrada Partícula. Mas eis que Ela, por si mesma, elevou-se da terra e foi colocar- se sobre o sanguinho (toalhinha de linho usada para enxugar o cálice da Missa). Enquanto seus olhos estavam piedosamente fixos na Santa Eucaristia, viu que ela se transformava em um encantador menino.
 
O celebrante deu um grito e chamou os Cônegos, os quais se encontravam no coro da igreja. Acorrendo à sua voz, estes perceberam, sobre a toalhinha sagrada, o menino cheio de vida. Os fiéis presentes foram chamados e todos, sem distinção, desfrutavam dessa celestial visão.
 
A aparição durou cerca de uma hora. Transcorrido esse tempo, desapareceu o Menino, restando sobre o altar a branca Hóstia consagrada. Então o Pároco encerrou-a no tabernáculo e cada um dos felizes assistentes saiu publicando o milagre pela cidade e suas redondezas.
 
A notícia chegou aos ouvidos do Bispo de Cambrai, Dom Tomás de Cantimpré, que se dirigiu logo a Douai. Chegando à casa do Deão dos Cônegos, do qual era muito conhecido, perguntou-lhe se ele também poderia ver a Hóstia milagrosa. De pronto, este concordou e acompanhou o Prelado à igreja. Em pouco tempo reuniu-se lá uma numerosa multidão de fiéis, convocados pelo toque do sino.
 
O que segue abaixo é reprodução exata do relato do próprio Bispo, testemunha ocular dos fatos.
Narração do Bispo de Cambrai
Abre-se o sacrário. O povo aproxima- se. Logo após ser aberto o cibório, cada um começa a exclamar:
 
- Aqui está, eu O vejo!
 
- Eis aqui o meu Salvador!
 
Eu estava de pé, tomado de admiração: eu não via senão a forma de uma Hóstia muito alva, e, entretanto, minha consciência não me reprovava por nenhuma falta que pudesse impedir-me de ver, como os demais presentes, o Corpo sagrado.
 
Mas este pensamento não me inquietou durante longo tempo, pois logo também eu vi distintamente a face de Nosso Senhor Jesus Cristo na plenitude de sua idade. Sobre sua cabeça estava uma coroa de espinhos, e da fronte corriam duas gotas de sangue que desciam sobre cada lado do rosto. Pus-me instantaneamente de joelhos e, em prantos, O adorei.
 
Quando me levantei, não percebi mais nem a coroa de espinhos nem as gotas de sangue, mas vi uma face de homem, venerável além de tudo quanto se possa imaginar. Ela estava voltada para a direita, de modo que mal se podia ver o olho direito. O nariz era longo e reto, as sobrancelhas arqueadas, os olhos baixos e dulcíssimos. Uma longa cabeleira descia sobre os ombros. A barba, que nunca havia sido cortada, ondulava debaixo do queixo, e, perto da boca, a qual era muito graciosa, ela se adelgaçava, deixando de cada lado do queixo dois pequenos espaços sem pêlo, como acontece ordinariamente aos homens jovens que deixam crescer a barba desde a adolescência. A fronte era larga, as faces magras, e a cabeça, junto com o longo pescoço, inclinava-se ligeiramente.
 
Eis aí o retrato, e tal era a beleza dessa dulcíssima face.
 
Durante uma hora, os presentes viam o Salvador debaixo de formas diferentes: uns O viam estendido sobre a Cruz; outros, como vindo para julgar os homens; outros, enfim, em maior número, viam-no sob a forma de um menino.
Um milagre repetido durante vários dias
Não restou, infelizmente, nenhum outro relato de testemunha ocular do milagre. Mas o autor dos "Anais de Flandres", falecido em Lille no ano de 1626, informa que ele durou vários dias, renovando-se cada vez que a santa Hóstia era exposta. Todos quantos entravam na igreja presenciavam o prodígio.
 
E a miraculosa transfiguração continuava operando-se sob diferentes formas. Na opinião do Cônego Capelle, de Cambrai, mais provavelmente as almas puras contemplavam um Menino doce e gracioso; os pecadores viam Jesus crucificado; e aos hereges Nosso Senhor se mostrava com fisionomia de Juiz irritado.
Além do depoimento do Bispo de Cambrai, uma incontestável tradição atesta de forma categórica a veracidade desse fato milagroso. Em 1356 - um século após a aparição - celebrava- se já em Douai a festa do Santo Sacramento do Milagre, e o documento que a ela faz menção indica ser essa celebração um costume já antigo.
 
A Hóstia miraculosa, que recebeu as homenagens de tantas gerações de fiéis, foi conservada na igreja canonical de Santo Amato até a época da Revolução Francesa.
 
Em
1790 a basílica foi fechada e, três anos depois, entregue ao saque. Os vasos sagrados foram quebrados, e as relíquias lá existentes desde quase dez séculos foram consumidas pelas chamas. Alguns energúmenos atiraram- se contra o altar, quebraram o tabernáculo e abriram a teca de prata na qual se guardava a Hóstia do milagre.
 
Deus, porém, não permitiu este último sacrilégio: ela estava vazia, mãos piedosas haviam posto a salvo o augusto Sacramento.
********
 
A Eucaristia é o maior milagre
Pode o católico dar crédito a relatos de fatos maravilhosos, como esse ocorrido em Douai?
São Tomás diz que a Eucaristia é, em si mesma, o maior dos milagres operados por Deus. Outros teólogos afirmam ser ela "o milagre dos milagres", pois nela se verifica uma série de prodígios: a conversão de uma substância em outra substância, a presença de Jesus Cristo em vários lugares ao mesmo tempo, em todos os pontos do globo onde esteja uma Hóstia consagrada, etc.
Entretanto, somente a luz da Fé nos leva a crer na sagrada Eucaristia. Pois, quando o celebrante pronuncia as palavras da Consagração, esse milagre não se opera de modo visível. Nossos olhos humanos continuam vendo as aparências do pão e do vinho, e não Nosso Senhor Jesus Cristo realmente presente, em corpo, sangue, alma e divindade.
Com freqüência, porém, Deus se compraz em manifestar outras maravilhas complementares, para confirmar de modo sensível o milagre máximo operado sobre o Altar.
Assim, os inúmeros fatos prodigiosos relatados por historiadores idôneos constituem uma coroa de glória para o Santíssimo Sacramento. Além disso, servem para fortificar a Fé nas almas dos fiéis e excitá-los à adoração e ao reconhecimento em relação a Jesus Cristo, o qual, segundo expressão do Concílio de Trento: "prodigalizando as riquezas de seu amor no dom da Eucaristia, compraz-se ainda em fazê-la resplandece aos olhos de todos pelas numerosas maravilhas de seu Poder".
Vários teólogos de peso atribuem a esses milagres a importância de um argumento - secundário, mas apreciável - para a demonstração do dogma sobre a sagrada Eucaristia. Entre eles,
destaca-se o grande São Roberto Belarmino.
 
Foto: Vitral da Catedral de Dijon, França
(Revista Arautos do Evangelho, Out/2004, n. 34, p. 32-33)
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

OUTRO MILAGRE
Por Severiano de Oliveira - 2009/11/24
 
Por ter muita fé, confiança e persistência, uma devota da Eucaristia obteve o que pedia. Exemplo para todos quantos querem ser ajudados. Haverá quem não o queira?
Paris, 31 de maio de 1725. Pelas ruas engalanadas do "Faubourg Saint-Antoine", seguia majestosa a procissão do Santíssimo Sacramento.
 
A certa altura, um acontecimento inesperado quebrou a solenidade do augusto evento. Na porta de uma casa, uma mulher visivelmente extenuada por alguma enfermidade desvencilhou- se das amigas que a sustentavam de pé e tentou ajoelhar-se diante do Deus Sacramentado que passava.
 
O resultado foi desastroso: caindo ao chão, viu-se ela reduzida à humilhante situação de ficar apoiando-se nos joelhos e nas mãos.
 
Indiferente a tudo, porém, fixando a branca Hóstia consagrada, ela suplicava em alta voz: "Senhor! Se quiserdes, podeis curar-me!" Algumas pessoas compassivas fizeram menção de ajudá-la, mas ela, sem lhes dar atenção, insistia: "Senhor, sois o mesmo Jesus que restituiu a saúde a tantos enfermos, durante vossa vida terrena. Perdoai meus pecados e serei curada!"
 
Vendo passar o Santíssimo Sacramento, ela começou a avançar de rastos, como podia, e não cessava de gritar: "Jesus Cristo, curai-me!"
 
- Coitada, é uma louca - comentavam alguns.
 
- Está embriagada... - sentenciavam Outros.
 
De uma ou outra maneira, todos os circunstantes mostravam-se escandalizados por esse espetáculo de uma mulher arrastando-se assim por terra e gritando sem parar. E a pressionavam para que se retirasse.
 
Mas nada foi capaz de detê-la: "Deixai- me livre de seguir meu Deus!" - respondia aos que a interpelavam. E continuou a avançar, repetindo aos brados sua súplica: "Senhor, perdoai meus pecados, e serei curada!"
 
Quem era a heróica protagonista dessa dramática cena que nos faz recordar vivamente diversos episódios dos Santos Evangelhos?
Fé recompensada
Era uma mulher cuja fé foi posta à prova de forma admirável e recompensada com um maravilhoso prodígio que comove e serve de exemplo para todos quantos dele tomam conhecimento.
 
Chamava-se Ana, tinha 45 anos, era esposa do mestre-marceneiro Delafosse, senhora de vida exemplar e piedade edificante. Há duas décadas, sofria de uma hemorragia que foi se agravando a ponto de os médicos julgarem tão inútil quanto perigoso prosseguir o tratamento.
 
Nos últimos meses, seu esgotamento não lhe permitia mais caminhar nem sequer de muletas. As dores tornavam- lhe insuportável a permanência no leito, e precisava ser carregada para sentar-se numa poltrona. Esse seu lamentável estado era público e notório no "Faubourg Saint-Antoine" e em vários outros bairros de Paris.
 
Reduzida a esse extremo, ela tomou a resolução de recorrer diretamente a Nosso Senhor Jesus Cristo no dia em que a procissão do Santíssimo Sacramento passaria diante de sua casa. Chegada a hora, pediu para ser levada até a porta. Lá permaneceu à espera, sustentada por duas caridosas amigas.
 
Quando uma delas lhe disse: "Está chegando o Santíssimo Sacramento", ela soltou-se de seus braços e tentou ajoelhar-se sozinha. Aí deu-se o comovente episódio narrado acima.
Persistência recompensada
Longe de se deixar abater pelos que a pressionavam para sair da procissão, Ana Delafosse sentiu-se de repente fortalecida e conseguiu pôr-se de pé. Então, gritou com voz mais forte ainda: "Senhor, concedei-me a graça de entrar na vossa igreja, e serei curada!" Isto dito, pediu àquelas que a amparavam para soltá-la, pois queria caminhar sozinha.
 
Estupefação geral! Todos a viram andar no meio da multidão. Sem socorro de ninguém, mas perdendo uma grande quantidade de sangue, ela continuou caminhando até a igreja paroquial de Santa Margarida, ponto terminal da procissão.
 
Diante da porta da igreja, Ana Delaffose intensificou suas preces: "Senhor! Não permitais que eu entre no lugar santo sem estar plenamente curada!"
 
Os circunstantes observavam com crescente respeito e admiração essa mulher tão sofredora, tão confiante e ousada em suas súplicas.
 
No exato momento em que transpôs o umbral do templo sagrado, ela sentiu secar-se a fonte da hemorragia. Sem ajuda de pessoa alguma - ora de pé, ora de joelhos - assistiu à longa Missa solene durante cerca de duas horas. Depois se aproximou do sacrário e ficou rezando mais algum tempo diante de Jesus Sacramentado.
 
Quando, por fim, retornou à sua casa - caminhando com toda normalidade, sem qualquer auxílio - foi acompanhada de uma grande multidão, que louvava a Deus por ter dado aos pobres mortais uma tão eloqüente prova de seu poder e de sua bondade.
 
Lá chegando, a feliz Ana não pôde conter um sorriso ao ver que estavam à porta alguns parentes, com uma poltrona, prontos a carregá-la para sua cama de enferma incurável... Não tendo presenciado o milagre, não conseguiam esconder seu espanto ao verem-na subir a escada e caminhar pela casa como se nunca houvesse estado doente.
Testemunhas insuspeitas
A notícia do prodígio espalhou-se por toda a cidade. Um dos primeiros a dele tomar conhecimento foi o Dr. Prouhet, cirurgião que dela havia tratado durante quinze anos seguidos. "Não acredito, a menos que eu mesmo a veja caminhando", afirmou. E foi no mesmo dia verificar com seus próprios olhos. Vendo-o entrar na casa, sua ex-cliente levantou-se e foi ao seu encontro, dizendo:
 
- Meu caro Doutor, um médico muito mais poderoso do que vós acaba de me curar!
 
Emocionado, o experiente cirurgião não mais duvidou do milagre, após ver a mulher descer com ele a escada e acompanhá-lo até a porta de saída, movimentando-se com a agilidade de uma jovem saudável.
 
Dois ilustres contemporâneos deixaram registrados seus insuspeitos depoimentos.
 
O advogado Barbier anotou em suas memórias: "Tivemos em Paris, na procissão de Corpus Christi, um milagre tão autêntico que até eu vejo-me obrigado a nele crer, o que não é pouca coisa" (Diário de Barbier, tomo I, p. 119).
 
E o ímpio Voltaire, tendo testemunhado o fato, depôs favoravelmente na investigação promovida pela autoridade
Fachada da Igreja de Santa Margarida, em Paris,onde Ana
Delafosse foi miraculosamente curada
eclesiástica. Escreve ele, numa carta a Madame de Bernières: "O milagre do ‘Faubourg Saint-Antoine deu-me um pequeno verniz de devoção. Fui citado no decreto. Fui convidado para o Te Deum cantado em ação de graças pela cura da Sra. Delafosse".
Pronunciamento da autoridade eclesiástica
Tomando conhecimento do extraordinário acontecimento, o Arcebispo de Paris, Cardeal Noailles, promoveu logo um inquérito. As informações e depoimentos de sessenta testemunhas conduziram à constatação da inegável veracidade do fato: a Sra. Delafosse, sofrendo de uma moléstia que se agravava a cada dia, de tratamento já não só inútil mas até mesmo perigoso, ficou num instante inteiramente curada, a ponto de parecer ter gozado sempre de perfeita saúde.
 
Não havendo, pois, como pôr em dúvida esses fatos, o Cardeal-Arcebispo Noailles emitiu um decreto de reconhecimento do milagre. E determinou que todos os anos, no domingo da oitava da festa de Corpus Christi, se realizasse uma comemoração litúrgica na Igreja de Santa Margarida.
(Revista Arautos do Evangelho, Janeiro/2005, n. 37, p. 32-33)



www.recadosaarao.com.br





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 28/08/10 às 12:41:26 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES