O QUINTO DOS DEZ MANDAMENTOS DA LEI DE DEUS
Espacojames



Página Inicial
Listar Artigos




Artigo N.º 10103 - O QUINTO DOS DEZ MANDAMENTOS DA LEI DE DEUS
Artigo visto 2600




Visto: 2600
Postado em: 04/09/12 às 08:14:10 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=1&id=10103
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos


Catequese do Pe. Reginaldo Manzotti

CURITIBA, segunda-feira, 3 de Setembro de 2012 (ZENIT.org) - “Ouvistes o que foi dito aos antigos, disse Jesus: Não matarás, mas quem matar será castigado pelo juízo do tribunal. Mas eu vos digo: todo aquele que se irar contra seu irmão será castigado pelos juízes.” (Mt 5, 21-22). O quinto dos Dez Mandamentos da Lei de Deus se aplica à legítima defesa, ao homicídio voluntário, ao aborto, a eutanásia e ao suicídio.

O suicídio, por exemplo, faz-nos lembrar que cada um é responsável por sua vida diante de Deus, pois foi Ele quem nos colocou no mundo. Portanto, a nossa existência tem Deus como único soberano e, por isso, devemos preservá-la. Essa atitude contradiz a inclinação natural do ser humano, porque somos administradores e não proprietários da vida e devemos conservá-la e perpetuá-la.

Existem distúrbios psíquicos graves, como a angústia, o medo, o sofrimento e a tortura que podem levar a pessoa a tentar contra a própria vida. Deus, na sua misericórdia, irá avaliar o que levou a pessoa naquele momento a chegar ao suicídio.

O Catecismo da Igreja Católica nos diz: Não se deve desesperar da salvação as pessoas que se mataram. Deus pode, por caminhos que só ele conhece, dar-lhes ocasião de um arrependimento salutar. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra a vida (CIC 2283).
O Mandamento: não matarás, nos coloca que a vida é sagrada. Não matarás, porque só Deus é dono da vida, do começo ao fim. Ninguém em nenhuma circunstância pode reivindicar para si o desejo de destruir a vida de um inocente.

Neste quinto mandamento devemos entender que a legítima defesa não é uma exceção à proibição de matar um inocente. A ação de defender-se pode acarretar um duplo efeito, o de defender-se para conservar a própria vida e o da morte do agressor.

Quem defende a sua vida não é culpável de homicídio, se a consequência de protegê-la for a morte do agressor. O princípio primeiro é a defesa da própria vida e este é fundamental na moralidade. A legítima defesa pode não ser só um direito, mas um dever grave.

O quinto mandamento coloca também como gravemente pecaminoso o homicídio direto e voluntário. E, ainda, o assassino e os que cooperam voluntariamente com o assassinato, pois cometem um pecado que clama ao céu por vingança.

Este mandamento proíbe qualquer intenção de provocar, mesmo que indiretamente, a morte de uma pessoa. Qualquer negócio ou prática mercantil que provoque a fome, a morte dos irmãos é tida como homicídio.

Dentro do mandamento não matar, existe uma situação que está nas páginas dos jornais e existe um ponto que deve ser lembrado, quando se fala sobre a dignidade da pessoa humana. É imoral produzir embriões humanos, destinados a serem explorados como material biológico disponível (CIC 2275).

O quinto mandamento ainda implica em problemas sérios que hoje são sombras e a Igreja classifica como cultura da morte. O aborto é uma expressão e um pecado contra esse mandamento, porque à luz da Palavra, à luz dos nossos valores, a vida já na concepção é plena. Não se trata de um objeto, mas um ser, uma pessoa, um filho de Deus.

A Didaqué nos ensina: “Não mataras o embrião por aborto e não farás perecer o recém-nascido (Instrução dos doze apóstolos 2, 2)”.

Deus, Senhor da vida, confiou aos homens o nobre encargo de preservar a vida, para ser exercido de maneira condiga ao homem, por isso a vida deve ser preservada com o máximo cuidado desde a concepção. O aborto é crime nefando. O diagnóstico pré-natal é licito, mas nada pode justificar o aborto.

O mesmo se dá com a eutanásia. A vida deve seguir os desígnios de Deus, a eutanásia, seja direta ou indireta, é moralmente inadmissível. Porém, interrupção de procedimentos médicos caros, perigosos e desproporcionais pode ser legítima.

Lembre-se: O amor a si mesmo permanece como um princípio fundamental na moralidade, portanto, é legitimo fazer respeitar o próprio direito à vida.

Padre Reginaldo Manzotti é coordenador da Associação Evangelizar é Preciso e pároco da Igreja Nossa Senhora de Guadalupe, em Curitiba. Apresenta diariamente programas de rádio e TV que são retransmitidos para milhares de emissoras do país e exterior.

Site:www.padrereginaldomanzotti.org.br.


Fonte: http://www.zenit.org/article-31188?l=portuguese



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!

Lenço Branco de N. Senhora
Saiba o que é, como fazer e as orações necessárias.
Óleo de São Rafael e Santa Filomena
Saiba mais sobre este santo remédio em tempos difícies
As 15 Orações de Santa Brígida
As promessas de Jesus para a alma que rezar estas orações.
Jesus eu Confio em vós
Nada negarei a alma que às 3 hs da tarde recitar minhas orações
Devoção às Gotas de Sangue de Cristo
Será livrado das penas do Purgatório.
Para os irmãos protestantes
Foi no colo de uma mulher que Deus colocou toda esperança do mundo



Total Visitas Únicas: 8.699.460
Visitas Únicas Hoje: 787
Usuários Online: 220