"Caritas in Veritate"
Espacojames



Página Inicial
Listar Artigos




Artigo N.º 2028 - "Caritas in Veritate"
Artigo visto 2257




Visto: 2257
Postado em: 29/07/09 às 09:14:34 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=1&id=2028
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos


ANUNCIADA NO final do ano passado, veio a lume na terça-feira, dia 7 de julho, a terceira encíclica do papa Bento 16, "Caritas in Veritate" ("Caridade na Verdade"), sobre o desenvolvimento humano integral na caridade e na verdade.

Tendo como base e motivação originária a comemoração dos 40 anos da encíclica "Populorum Progressio", publicada pelo papa Paulo 6º, a nova encíclica de Bento 16 se detém na atualíssima questão do desenvolvimento e chama a atenção da sociedade para as implicações da busca de um desenvolvimento que não leva em conta a ética, desconsidera a dignidade da pessoa humana na sua totalidade e prescinde de Deus.

"Sem Deus, o desenvolvimento ou é negado ou acaba confiado unicamente às mãos do homem, que cai na presunção da autossalvação e acaba por fomentar um desenvolvimento desumanizado", recorda-nos o papa. A nova encíclica foi recebida com grande expectativa e vivo interesse exatamente por tocar em tema social, numa época em que o mundo todo se vê comprometido a buscar soluções para a crise econômica e financeira que tem vitimado, de forma impiedosa, os pobres e os excluídos.

A escandalosa situação de desigualdade que impera no mundo, aprofundando o fosso entre ricos e pobres, é um escândalo que contrasta com os grandes avanços alcançados pela pós-modernidade, marcada especialmente pela evolução das ciências e das novas tecnologias. A atual crise financeira mundial expõe de maneira evidente esse contraste e ameaça, primordialmente, os países mais pobres, deixando-os ainda mais reféns da economia mundial globalizada.

Sábias, oportunas e iluminadoras as palavras do santo padre, que reafirma o desenvolvimento como uma "vocação" do homem, mas que só poderá ser alcançado plenamente se respeitar os princípios que considerem o ser humano como criatura predileta de Deus, revestido de uma dignidade que não pode ser sacrificada pelas leis da economia destituídas da ética e da caridade na verdade.

O grande drama da humanidade hoje é a crise do sistema econômico, que, para o papa, é fruto da busca exacerbada do lucro, alimentada por uma subserviência ao mercado, que, ganancioso e voraz, ignora os mais pobres e miseráveis. O papa reafirma que "o objetivo exclusivo de lucro, quando mal produzido e sem ter como fim último o bem comum, arrisca-se a destruir riqueza e criar pobreza".

A mentalidade laicista que se expande de forma incontrolável e, às vezes, irracional, não pode obnubilar o ensinamento da igreja, que, vocacionada para o serviço à humanidade, chama a atenção para os desvios de um desenvolvimento centrado em si mesmo e orientado para o homem como se ele, autossuficiente, fosse fim em si mesmo. Nesse sentido, o papa Bento 16 recorda o papel imprescindível do Estado de garantir a liberdade religiosa como condição também para o desenvolvimento.

"Quando o Estado promove, ensina ou até impõe formas de ateísmo prático, tira aos cidadãos a força moral e espiritual indispensável para se empenharem no desenvolvimento humano integral e os impede de avançar com renovado dinamismo no próprio compromisso de uma resposta humana mais generosa ao amor divino".

Repetimos à exaustão que à igreja não cabe propor soluções técnicas para os problemas da economia. Ela tem direito, no entanto, de iluminar com a sabedoria do evangelho os caminhos dos que buscam essas soluções.

Assim é que o papa, mais uma vez, insiste na ética, também para a economia, como condição "sine qua non" para um desenvolvimento que se pretenda humano. Com efeito, diz o papa: "A área econômica não é nem eticamente neutra nem de natureza desumana e antissocial. Pertence à atividade humana; e, precisamente porque humana, deve ser eticamente estruturada e institucionalizada".

Com o papa, podemos dizer que temos um grande desafio, que é mostrar que os princípios tradicionais da ética social como a justiça, a transparência, a honestidade e a responsabilidade "podem e devem encontrar lugar dentro da atividade econômica normal". Trata-se, como bem afirma Bento 16, de uma exigência simultaneamente da caridade e da verdade.

Esperamos, com a ajuda de Deus, que a nova encíclica do papa Bento 16 inspire as nações na sua irrenunciável busca de caminhos para a superação da crise em vista de um desenvolvimento que coloque no centro a pessoa humana, sobretudo os pobres, defenda a vida em todas as suas formas de manifestação e elimine as desigualdades que ofendem o Criador que nos fez à sua imagem e semelhança.

DOM GERALDO LYRIO ROCHA, presidente da CNBB .


www.cleofas.com.br



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!

Lenço Branco de N. Senhora
Saiba o que é, como fazer e as orações necessárias.
Óleo de São Rafael e Santa Filomena
Saiba mais sobre este santo remédio em tempos difícies
As 15 Orações de Santa Brígida
As promessas de Jesus para a alma que rezar estas orações.
Jesus eu Confio em vós
Nada negarei a alma que às 3 hs da tarde recitar minhas orações
Devoção às Gotas de Sangue de Cristo
Será livrado das penas do Purgatório.
Para os irmãos protestantes
Foi no colo de uma mulher que Deus colocou toda esperança do mundo



Total Visitas Únicas: 8.883.123
Visitas Únicas Hoje: 189
Usuários Online: 134