SACERDÓCIO UM MISTÉRIO DE AMOR
Espacojames



Página Inicial
Listar Artigos




Artigo N.º 3306 - SACERDÓCIO UM MISTÉRIO DE AMOR
Artigo visto 2686




Visto: 2686
Postado em: 09/10/09 às 19:27:21 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=1&id=3306
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos


Na mensagem do dia 02 de Agosto de 2008, Nossa Senhora Rainha da Paz, nos deu uma bela mensagem por meio da vidente Mirjana:

Queridos filhos, com a minha vinda até vós, com a minha presença em vosso meio, se reflete a grandeza de Deus, e se abre a estrada com Deus rumo a felicidade eterna.

Não sintam-se fracos, sozinhos e abandonados.

Com a fé, com a oração e o amor, caminhem na colina da salvação.
A Santa Missa é o mais sublime e o mais forte ato da vossa oração, seja ela o centro da vossa vida espiritual.
Creiam e amem, filhinhos meus. Nisto vos ajudarão também aqueles que meu Filhos escolheu e chamou ( os sacerdotes ). Para vós e de modo particular a eles, dou a minha bênção materna.
Vos agradeço.

Quero iniciar este tema, falando sobre o Sacerdócio Católico como um grande Mistério de Amor, mas antes vou frisar uma frase da mensagem de Nossa Senhora Rainha da Paz, em que Nossa Senhora diz: “Creiam e amem, filhinhos meus. Nisto vos ajudarão também aqueles que meu Filhos escolheu e chamou ( os sacerdotes ). Para vós e de modo particular a eles, dou a minha bênção materna”

Hoje com alguns anos de Padre, olho para trás, e não consigo ficar sem agradecer todos aqueles sacerdotes que de um modo todo especial entraram em minha vida, não por acaso, mas por vontade de Deus, sendo o sinal, mas não somente o sinal, mas o próprio Cristo presente em minha vida.

Como não agradecer tal dom? Embora a mídia sempre calunia a Igreja, a figura do padre, percebo que estes casos de escândalos que surgem, não devem ser encobertos, pelo contrário devem vir a tona, e devem ser julgados também pelos órgãos públicos, mas tudo isso, não é nada em comparação ao grande bem que faz um sacerdote na vida de uma pessoa, de uma paróquia, de uma cidade.

Inicio convosco este comentário consagrando este tempo a Maria Rainha da Paz, que nos chamou a sermos sacerdotes a trabalharmos na vinha do Senhor, nos confiando tantas almas para serem apascentadas.

Somente Deus em seu grande mistério de amor conhece a história de uma vocação sacerdotal, e o profundo mistério que habita e vivi um coração sacerdotal.

O nosso amado Papa João Paulo II, no seu livro “Dom e Mistério”, disse: “Deus nos seus desígnios mais profundos, conhece cada vocação, na qual o sacerdócio é o grande mistério, é um dom que supera infinitamente o homem”.

Cada um de nós, sacerdotes, o experimenta em sua vida, e diante deste imenso dom, sentimos o quanto somos frágeis, inadequados. Por isto, a vocação é um mistério da eleição divina “Não fostes vós que Me escolhestes, mas Eu que vos escolhi, para que vades e produzais fruto, e o vosso fruto permaneça”, E, como nos diz o autor do livro dos hebreus, “ninguém pode atribuir-se esta honra, se não aquele que é chamado por Deus”.

Sabemos que Deus nos chamou, configurando-nos a sua semelhança, confiando a cada sacerdote uma missão.

Jeremias, o grande profeta nos diz:
 “Antes de formar-te no seio materno te conhecia, antes de nascer, eu já te havia consagrado, e te estabeleci profeta das nações”. Estas palavras fazem tremer a alma sacerdotal, pois Deus nos chamou para uma vocação santa, não devido as nossas obras, mas segundo o seu propósito e a sua graça. Assim Deus que é eterno já em seu coração traçou todo o bem e a história de seus escolhidos.

A mãe Igreja nos ensina que, embora pequeninos e insignificantes, na imensidão do cosmos, como sacerdotes, somos seres capazes de agir com liberdade. Liberdade que faz destes seres pequenos e minúsculos que somos, seres capazes de amar com o mesmo amor de Deus, de dar amor, embora também o nosso coração clame por amor, assim, sabemos que o sacerdócio é fonte de vida, e que certas vidas possuem a verdadeira vida de Deus, a causa da cura de uma alma sacerdotal, que tem por missão dar o perdão, a paz, o amor, e a sua vida, como Cristo a deu.

Quantos mistérios possui uma alma sacerdotal! Quantas os mistérios de Deus e dos homens a ela foi revelado! Mistérios estes que faz com que o próprio sacerdote seja um mistério para ele mesmo, um mistério de amor.

Não podemos falar de sacerdócio, sem antes elevar os nossos olhos ao primeiro, e supremo sacerdote, Nosso Senhor Jesus Cristo, que com a sua beleza, e proposta nos arrasta em seu amor, também nos conduzindo a oblação de nossas vidas por amor, fazendo com que o nosso sacerdócio, brote do amor do Seu amor oblativo por nós, amor tal que se fez concreto ofertando a Sua vida na cruz, tendo como pano de fundo o incomensurável amor misericordioso do Pai, que quis salvar todos os homens.

Podemos observar como a graça da ordenação sacerdotal nos transforma, nos capacitando a agir in Persona Christi, e assim sendo tomados por Cristo, ser dispensadores dos mistérios da salvação.
Podemos afirmar que comemorar o sacerdócio é comemorar a vida, pois o sacerdote não é apenas o homem da liturgia, mas faz da sua vida um culto litúrgico, uma entrega uma doação, identificando-se com a realidade da cruz, que é doação e entrega, se entregando aos irmãos e a Igreja, fazendo de sua vida um sacramento intenso e fecundo.

Dom Tonino Bello, Bispo de Molfeta, poucos meses antes da sua morte, pregou um retiro espiritual para sacerdotes em Lourdes, e dizia que o Sacerdote é o Cirineu da Alegria, e não da cruz, embora a Cruz faça parte de sua vida de um modo todo particular, o sacerdote é aquele que vive a Cruz, mas a vive com Cristo, com alegria, sabendo que nela existe a salvação, pois somos acima de tudo, amados por Jesus, que é a nossa luz, a nossa alegria, o nosso caminho, sendo este sofrimento um grande dom de amor vivido com Cristo, por Cristo e em Cristo, para a salvação dos homens e para a maior glória de Deus.

Dizia Dom Tonino: “Nós sacerdotes, não somos somente os portadores do sofrimento do mundo, não somos somente Cirineus da cruz, mas somos os cirineus que ajudam o mundo a levar a sua Cruz com alegria e esperança, como também somos portadores da alegria, chamados a infundi-la no mundo”.

Quanto consolo encontrei diante de uma alma sacerdotal, quanta esperança, diria até palavras de conforto, ânimo, vida nova, o próprio abraço de Deus, que me perdoava, compreendia e me amava, lendo não o meu pecado, mas o meu coração, sendo ele próprio a pessoa de Deus que acreditava em mim, e me olhava com amor. Quanto amor concreto!!! Tempo doado, uma vida doada, sem querer nada em troca a não ser a minha felicidade, o meu encontro profundo com o Senhor, embora ele pobre homem como eu era necessitado totalmente e dependente deste amor, mas embora fraco, miserável, insignificante, nele esta o segredo do amor, a própria presença do Cristo sacerdote que me tocava, acolhia e amava, e só como Cristo me dava o Seu amor.

Já antes de ser padre, o meu respeito era imenso diante de um sacerdote, hoje sendo padre, é ainda maior, pois agora sei o grande mistério de alegria, amor e sofrimento que há em um coração sacerdotal, mistério este que só Deus pode conhecer. Mistério de uma alma que não se pertence mais, que deve ser desapegada de tudo e de todos, mas ao mesmo tempo amar cada um como único, com o amor de Deus.

Deste modo o sacerdote é homem da esperança, é o homem também para o mundo, sem ser do mundo, mas o homem chamado por Deus a entrar no mundo da violência, das drogas, das periferias, da prostituição, mundo este que se faz presente em tantos corações longes de Deus. Este é o mundo, como vemos ao nosso redor, o mundo que se transforma, e que muitas vezes não entendemos, por falar uma linguagem diferente da nossa. Por este mundo o eterno sacerdote deu a sua vida, e não fechou os seus olhos, e nos ensinou a fazer o mesmo.

O Sacerdote é Sacerdote para a Igreja, e para o mundo, aberto as realidades de uma Igreja que caminha no mundo, e não fechada em si mesma, mas é sacerdote também para uma Igreja que supera as suas barreiras, que caminha à frente, que não fecha os olhos à escuridão do mundo, mas que mostra a sua força libertadora, dizendo aos que estão nas trevas “Vinde a Luz”. Assim o sacerdote é um homem separado por Deus, mas que ao mesmo tempo é totalmente imerso na realidade do mundo.

Para nós sacerdotes, homens da Igreja, o mundo não é o resto dos rejeitados pela Igreja, dos excluídos, dos que estão no inferno, dos amaldiçoados, como também não é aquele que compete com a Igreja, rival da mesma, mas é o final, a meta da Paixão de Cristo, que amou tanto o mundo, a ponto de dar a sua vida por ele, e por isso é também a meta final da paixão que existe em um coração sacerdotal, em busca do projeto de salvação e libertação do homem, pois o sacerdote como diz alguns escritos antigos, é o homem de Deus, como também, o Homem-Deus, configurado a Cristo, que possui em seu coração todo o desejo e o ardor da salvação das almas, e que ama de modo particular aquelas que estão mais distantes do coração do Pai, “deste modo o sacerdócio que ministramos, não nos pertence, mas vos pertence, somos padres para a vossa santificação, para o serviço, e juntamente convosco somos fiéis” ( como nos diz Agostinho).

Nós padres, somos chamados não somente a consagrar a eucaristia, através da imposição de nossas mãos ungidas e consagradas, mas também a tocar este mundo com as nossas mãos, para transformá-lo, para consagrá-lo e oferece-lo ao Pai, para que ele também se torne ação de graças.

Ser sacerdote é viver sempre a Alegria do Cristo Ressuscitado, é aderir com toda a sua vida, com fé e confiança aos designos de Deus, mesmo tendo muitas vezes o seu coração partido, mas sempre esperançoso, sabendo que a ultima palavra é sempre a de Deus.
Jesus diz: “Se o grão de trigo que cai na terra não morrer, não dará fruto’. Só vemos o fruto de um sacerdócio bem vivído, quando o sacerdote morre para si mesmo, para moldar-se aos projetos de Deus, de Maria, de Cristo, que o faz trocar o seu próprio projeto de vida, o seu sonho, pelo sonho de Deus.

Neste momento louvo e agradeço a Deus pela vida do nosso fundador, pelo seu sacerdócio, que morrendo para si, nos gerou a vida, fundou este Mosteiro, nos encaminhou como comunidade monacal, ou monástica, e que buscou nos formar padres segundo o coração de Deus e da Santa Mãe Igreja, nos ensinado que vale a pena amar, perdoar, vale a pena ser de Deus e morrer para nós mesmos, mesmo quando tudo parece escuro e sombrio. Ensinou-nos também com a sua vida e exemplo a viver bem o nosso sacerdócio.
Percebo que na vida sacerdotal do nosso fundador, houve sempre a cruz, mas que esta foi sempre fonte de vida, como foi a vida de Cristo, que por onde passava, fazia o bem, fazendo a vontade do Pai, e mesmo que muitas vezes desejaria dizer “Não”, dizia “Sim”.
Neste momento dentro do meu coração vibra as palavras do amado Papa João Paulo II, e quero com elas, consagrar o meu sacerdócio nas mãos de Maria, como também o sacerdócio dos meus irmãos padres dizendo: “Totus Tuus, ego sum, Maria” Todo teu Maria, completamente teu ò Maria.

E a que estais lendo este comentário, povo santo, povo sacerdotal, irmãos no Senhor, pedimos as vossas orações, para que saibamos sempre servi-los, com o coração despojado, para que saibamos também seguir sempre o Senhor em santidade e fidelidade.

Termino com a oração composta pelo teólogo Dom Bruno Forte:

Senhor Jesus Cristo,
Filho de Deus e redentor do homem,
Manda sobre nós o teu Espírito Santo,
Para nos ajudar a viver com fidelidade e liberdade a nossa vocação,
Seguindo a ti luz da vida,
Purifica o nosso coração.
Seguindo a ti luz da vida,
Faz-nos compreender a vontade do Pai.
Seguindo a ti luz da vida,
Faça uma obra nova em nós.
Seguindo a ti luz da vida,
Ajuda-nos a sermos as tuas testemunhas.
Seguindo a ti luz da vida,
Leva-nos a contemplar a beleza eterna.
Somente Tu és a luz dói mundo!
Somente Tu és a luz da nossa vida, no tempo, na peregrinação da nossa vida e para sempre.

 Glória a Ti Senhor pelo imenso dom do sacerdócio, e que nós também possamos dizer como Paulo: “Eu vivo, mas não eu, é Cristo que vive em mim”.

Agradecemos a Rainha da Paz por este imenso dom, a também ao nosso Fundador, que acreditou em nós, nos formou, educou e acompanhou e nos ensinando com a sua vida e busca de santidade, o grande papel que exerce um sacerdote, e se hoje sou Padre, devo muito a ele, sendo eternamente grato, por ter me gerado para Cristo Sacerdote.

Deixo-lhes a bênção do Senhor:
 “O Senhor vos abençoe e vos guarde.
 O Senhor vos mostre o Seu rosto e tenha Misericórdia de vós.
 O Senhor volta para vós o Seu rosto e vos dê a Sua Paz.
 O Senhor vos abençoe.
 Em Nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém!”

UM FRATERNO ABRAÇO!!!
Pe. Mateus Maria, FMDJ

 


Unidos em oração com Maria
paniejezuufamtobie@terra.com.br
WWW.MOSTEIROREGINAPACIS.ORG.BR
http://rainhadapaz.blog.terra.com.br/



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!

Lenço Branco de N. Senhora
Saiba o que é, como fazer e as orações necessárias.
Óleo de São Rafael e Santa Filomena
Saiba mais sobre este santo remédio em tempos difícies
As 15 Orações de Santa Brígida
As promessas de Jesus para a alma que rezar estas orações.
Jesus eu Confio em vós
Nada negarei a alma que às 3 hs da tarde recitar minhas orações
Devoção às Gotas de Sangue de Cristo
Será livrado das penas do Purgatório.
Para os irmãos protestantes
Foi no colo de uma mulher que Deus colocou toda esperança do mundo



Total Visitas Únicas: 8.942.632
Visitas Únicas Hoje: 1.067
Usuários Online: 243