Espacojames


Página Inicial
Listar Orações




Artigo N.º 16198 - MÊS DE SÃO JOSÉ: Orações para o 17 dia
Artigo visto 121




Visto: 121
Postado em: 17/03/21 às 20:40:00 por: James
Categoria: Orações
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=10&id=16198
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Orações

Inicie com:

Invocação ao Espírito Santo

Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado e renovareis a face da terra.

OREMOS

Ó Deus, que instruístes os corações de vossos fiéis com a luz do Espírito Santos, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito, e gozemos sempre de suas consolações. Por Cristo, Senhor Nosso. Amém.

ORAÇÃO PREPARATÓRIA

Com humildade e respeito aqui nos reunimos, ó Divino Jesus, para oferecer, todos os dias deste mês, as homenagens de nossa devoção ao glorioso Patriarca S. José. Vós nos animais a recorrer com toda a confiança aos vossos benditos Santos, pois que as honras que lhes tributamos revertem em vossa própria glória. Com justos motivos, portanto, esperamos vos seja agradável o tributo quotidiano que vimos prestar ao Esposo castíssimo de Maria, vossa divina Mãe a José, vosso amado Pai adotivo. Ó meu Deus, concedei-nos a graça de amar e honrar a José como o amastes na terra e o honrais no céu. E vós, ó glorioso Patriarca, pela vossa estreita união com Jesus e Maria; vós que, à custa de vossas abençoadas fadigas e suores, nutristes a um e outro, desempenhando neste mundo o papel do Divino Pai Eterno; alcançai-nos luz e graça para terminar com fruto este devoto exercício que em vosso louvor alegremente começamos. Amém.


MEDITAÇÃO DÉCIMO SÉTIMO DIA

* A morte de José*

Vejo o interior de uma oficina de carpinteiro. Jesus está com uma veste cor de avelã escura, e sua túnica é um tanto curta, com as mangas arregaçadas acima dos cotovelos e com uma espécie de  avental na frente, no qual Ele limpa os dedos, depois de ter tocado na  panelinha.

Ele está sozinho. Trabalha continuamente, mas com calma. Nenhum movimento desordenado, impaciente. É exato e incessante em seu trabalho. Não se aborrece com nada, nem com um nó na madeira que não se deixa aplainar, nem com uma chave de parafusos (assim ma parece), que lhe cai duas vezes do banco, nem com a fumaça espalhada, que lhe deve incomodar os olhos.

Enquanto está ocupado em fabricar alguma coisa, que me parece as partes de uma roda, a Mamãe entra. Chama com aflição o Filho, e se apóia com ambas as mãos em um dos seus  braços, com gestos de súplica e de dor. Jesus a acaricia passando-lhe o  braço sobre o ombro, e a conforta. Depois sai com Ela, deixando logo o trabalho e tirando o avental.

As palavras ditas por Maria foram bem poucas: " Oh! Jesus! Vem, vem. Ele está mal!". Estas palavras são ditas com lábios que tremem, e com o brilho do pranto nos olhos avermelhados e cansados. Jesus só diz: "Mãe!". Mas está tudo nesta palavra.

Entram no quarto ao lado, todo cheio da luz do sol, que entra por uma porta escancarada, que dá para um pequeno jardim cheio de luz e de verde, no qual voam pombos entre a agitação, causada pelo vento, de umas roupas que estão estendidas para secar. O quarto é pobre, mas arrumado. Há uma enxerga, coberta com pequenos colchões. Sobre ela, apoiado em muitos travesseiros, está José. Está morrendo. Di-lo claramente o  rosto lívido, o olhar apagado, o peito ofegante e a imobilidade do corpo todo.

Maria se coloca à sua esquerda, pega-lhe a mão enrugada e lívida nas unhas, a fricciona, a acaricia, a beija, enxuga-lhe com um lenço o suor, que faz riscos que brilham nas têmporas encavadas, a lágrima, que pára no canto do olho, e lhe banha os lábios com um pano de linho molhado em um líquido que parece vinho branco.

Jesus se põe à direita. Soergue com agilidade e cuidado o corpo, que se deixa cair e o endireita sobre os travesseiros, que ajeita com Maria.  Acaricia sobre a fronte o agonizante, e procura reanimá-lo. Maria chora baixinho, sem fazer barulho, mas chora. Grandes lágrimas rolam ao longo das faces pálidas.

José volta a si por algum tempo, olha fixamente Jesus, dar-lhe a mão como querendo dizer-lhe alguma coisa, e para ter, ao contato Divino, força na última provação. Jesus se inclina sobre aquela mão, e a beija. José sorri.

Depois, ele se vira, para procurar com o olhar a Maria, e sorri também para Ela. Maria se ajoelha junto à cama, procurando sorrir. Mas, não se saiu bem, e curva a cabeça. José lhe coloca a mão sobre a cabeça, com uma casta carícia, que parece uma bênção.

Não se houve mais nada, a não ser o esvoaçar e o arrulhar dos pombos, o roçar das folhas, o barulho da água e, no quarto, a respiração do moribundo. 

Jesus anda ao redor do leito, pega um banco e faz Maria sentar-se, dizendo-lhe somente: "Mamãe". Depois volta ao seu lugar e pega de novo nas suas e mãos de José. É uma cena tão real, que eu choro com dó de Maria.

Depois Jesus, curvando-se sobre o moribundo, em voz baixa recita um salmo. Começa assim:

"Protege-me, ó Senhor, porque em Ti pus a minha esperança.

Em favor dos Santos, que estão na terra, ele cumpriu admiravelmente todos os seus desejos.

Bendirei ao Senhor que me dá conselhos .

Tenho sempre o Senhor diante de mim. Ele está à minha direita, para que eu não vacile.

Por isso se alegra o meu coração, e exulta a minha língua, e também meu corpo repousará na esperança.

Porque Tu não abandonarás a minha alma na mansão dos mortos, nem permitirás que o teu santo veja a corrupção.

Far-me-ás conhecer os caminhos da vida, cumular-me-ás de alegria com a tua face".

José se reanima todo e, com um olhar mais vivo, sorri para Jesus e lhe aperta os dedos.

Jesus responde com um sorriso ao sorriso e com uma carícia ao aperto da mão, e continua docemente, curvado sobre o seu pai putativo:

"Quão amáveis são os teus tabernáculos, ó Senhor. Minha alma se consome de desejo pelos átrios do Senhor. Até o pardal tem uma casa, e a rolinha um ninho para os seus filhotes. Eu desejo os teus altares, ó Senhor. Felizes aqueles que habitam a tua casa . Feliz o homem que encontra em Ti a sua força. Ele tem preparado em seu coração as ascensões do vale de lágrimas ao lugar escolhido.

Ó Senhor, escuta a minha oração .

Ó Deus, volta o Teu olhar para a face do Teu Cristo"

José com um soluço, olha para Jesus, e faz sinal de querer falar, como para abençoá-lo. Mas não pode. Vê-se que ele está compreendendo, mas já não pode falar. Contudo, ele se sente feliz, e olha, animado e confiante para o seu Jesus.

"Oh! Senhor", continua Jesus. "Tu foste propício à tua terra, livraste Jacó da escravidão .

Mostra-nos, ó Senhor, a Tua misericórdia, e dá-nos o Teu Salvador.

Quero ouvir o que me diz dentro de mim o Senhor Deus. Certamente Ele falará de paz ao seu povo pelos seus santos e por quem a Ele se volta de coração.

Sim, a Tua salvação está próxima . e a glória habitará sobre a terra . A bondade e a verdade se encontraram, a justiça e a paz se beijaram. A verdade surgiu da terra e a justiça a olhou do céu.

Sim, o Senhor se mostrará benigno, e a nossa terra dará o seu fruto. A justiça caminhará diante Dele, e deixará no caminho os seus rastros". 

"Tu viste esta hora, ó Pai, e por ela te cansaste tanto. Tu ajudaste esta hora a se formar, e o Senhor te dará a recompensa. Eu te digo isto", acrescenta Jesus, enxugando uma lágrima de alegria, que desce lentamente pela face de José.

Depois continua: "Oh Senhor, lembra-te de David, e de toda a sua mansidão.

Como ele jurou ao Senhor: não entrarei em minha casa, não me deitarei, não darei sonho aos meus olhos, nem repouso às minhas têmporas, enquanto eu não encontrar um lugar para o Senhor, uma morada para o Deus de Jacó.

Lembra-te, ó Senhor, e vem ao Teu repouso, Tu e a Arca da Tua Santidade (Maria compreende, e tem uma explosão de pranto).

Sejam revestidos de justiça os teus sacerdotes, e façam festa os teus santos.

Pelo amor de David, teu servo, não nos negues o rosto do Teu Cristo. 

O Senhor prometeu a David com juramento, e cumprirá: "Porei sobre o trono o fruto do teu seio".
O Senhor escolheu a sua morada.

Eu farei florescer o poder de David, preparando uma tocha acesa para o Meu Cristo".

Obrigado, meu pai, por Mim e por minha Mãe. Tu foste para Mim um pai justo, e o Eterno te colocou como guarda do seu Cristo e da sua Arca. Tu foste a tocha acesa por Ele e, para com o Fruto do ventre santo, tiveste entranhas de caridade. Vai em paz, ó pai! A Viúva não ficará desamparada. O Senhor predispôs que Ela não fique sozinha. Vai tranquilo para o Teu repouso. Eu te digo".

Maria chora com o rosto curvado sobre as cobertas  estendidas sobre o corpo de José, que vai esfriando. Jesus apressa seus  confortos, pois a respiração se torna mais difícil, e o olhar se torna anuviado.

"Feliz o homem que teme o Senhor, e põe nos seus mandamentos todo o seu prazer.

A justiça Dele permanece nos séculos dos séculos. 

Entre os homens retos, surge nas trevas como uma luz, o misericordioso, o benigno, o justo.

O justo será lembrado para sempre . A sua justiça é eterna, o seu poder se elevará até à glória" "Tu terás esta glória, meu pai. Logo virei buscar-te com os Patriarcas que te precederam, para ires à glória que te espera. Que o teu espírito exulte com esta minha palavra".

"Quem repousa no auxílio do Altíssimo, vive sob a proteção do Deus do céu".

"Tu já estás nesse lugar, meu pai".

"Ele me livrou do laço dos caçadores e das palavras ásperas.

Ele te cobrirá com as suas asas e debaixo de suas penas encontrarás refúgio.

A sua verdade te defenderá como um escudo, não temerás os espantos noturnos. 

Não se aproximará de ti o mal . porque aos seus anjos Ele deu a ordem de guardar-te em todos os seus caminhos.

Eles te levarão em suas mãos, para que o teu pé não tropece nas pedras. 

Caminharás sobre a áspide e o basilisco, e esmagaras o dragão e o leão.

Porque esperaste no Senhor, Ele te diz, ó pai, que te libertará e protegerá.

Porque elevaste a Ele a tua voz, Ele te ouvirá, estará contigo na última tribulação, te glorificará depois desta vida, fazendo-te ver desde agora a sua Salvação", e fazendo-te entrar na outra, pela salvação que agora te está confortando e que logo, oh! Logo virá, te repito, cingir-te com um abraço Divino e levar-te Consigo, à frente de todos os Patriarcas, lá para o lugar onde está preparada a morada do Justo de Deus, que para Mim foi um pai bendito.

Vai, na Minha frente dizer aos patriarcas que a salvação já está no mundo e que o reino dos céus logo será aberto para eles. Vai, pai. A Minha bênção te acompanhe".

A voz de Jesus se faz mais alta, para chegar até à mente de José, que se vai mergulhando nas névoas da morte. O fim é iminente. Ele já respira com dificuldade. Maria o acaricia. Jesus se assenta sobre a beira da cama, abraça e atrai para Si o agonizante, que exala o último suspiro, sem fazer nenhum movimento.

É uma cena cheia de uma paz solene. Jesus coloca novamente o Patriarca na cama e abraça a Maria, que, no fim se aproximou de Jesus na angústia que sentia.

Jesus diz:

"A todas as mulheres que estão sendo torturadas por alguma dor, Eu as ensino a imitar Maria na sua viuvez, unindo-se a Jesus. 

Aqueles que pensam que Maria não sofreu as penas do coração, estão errados.

Minha Mãe sofreu. Ficai sabendo disso. Santamente, porque tudo Nela era
santo, mas profundamente.

Aqueles que pensam que Maria amava com um amor tépido ao seu esposo, visto que ele era um esposo para as coisas espirituais, e não para as carnais, estão igualmente errados. Maria amava intensamente ao seu José, ao qual dedicou seis lustros de uma vida de fidelidade. Para Ela José foi pai, esposo, irmão, amigo e protetor. 

Agora, Ela se sentia sozinha, como uma videira à qual foi cortada a árvore em que se apoiava. Sua casa ficou como que ferida por um raio. Ficou dividida. Antes era uma unidade na qual os membros se sustinham um ao outro.

Agora, vinha a faltar a parede mestra, sendo este o primeiro dos golpes desferido naquela Família, sinal de que em breve o seu amado Jesus também a deixaria.

A vontade do Eterno, que tinha querido que Ela fosse esposa e Mãe, agora lhe impunha a viuvez e a entrega de seu Filho. Maria diz entre lágrimas, um dos seus sublimes "sim". "Sim, Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra". E, para ter força naquela hora, Ela se abraça Comigo. Sempre Maria se abraçou com Deus nas horas mais graves da sua vida. No templo, quando chamada para as núpcias, em Nazaré, quando chamada para a Maternidade; ainda em Nazaré, derramando as lágrimas da sua viuvez, em Nazaré no suplício da separação de seu Filho, no Calvário, em que sofreu a tortura de Me ver morrer.

Aprendei, vós que chorais. E aprendei, vós que morreis. Aprendei, vós que viveis para morrer. Procurai merecer as palavras que eu disse a José. Serão a vossa paz em vossa agonia. Aprendei, vós que morreis, a merecer ter a Jesus perto de vós, para vosso conforto. E, mesmo se não tiverdes merecido, ousai chamar-me para perto de vós. Eu virei. Com as mãos cheias de graça e de conforto, o coração cheio de perdão, e de amor, os lábios cheios de palavras de absolvição e de encorajamento.

A morte perde toda a sua aspereza, se ela for entre os meus braços. Crede nisso. Eu não posso abolir a morte, mas posso torná-la suave para quem morre confiando em Mim.

O Cristo disse para todos vós, em sua cruz: "Pai, a Ti entrego o meu espírito". Ele o disse, pensando na sua e nas vossas agonias, nos vossos terrores, nos vossos erros, nos vossos temores, nos vossos desejos de perdão. Ele o disse com o coração dilacerado, antes mesmo de o ser pelo golpe da lança, uma dilaceração mais espiritual do que física, para que as agonias daqueles, que morrem pensando Nele, fossem amenizadas pelo Senhor e o espírito deles passa-se da morte para a Vida, da dor para o júbilo eterno.

Esta é a lição de hoje. Sê boa, e não temas. A minha paz refluirá em ti sempre, através da palavra e através da contemplação. Vem. Faz de conta que és José, que tem por travesseiro o peito de Jesus, e que tem Maria como enfermeira, e repousa entre nós, como um menino em seu berço".

ORAÇÃO FINAL

Deus, que por vossa inefável Providência vos dignastes eleger o bem-aventurado São José para Esposo de vossa Mãe Santíssima concedei-nos, nós vos pedimos, que mereçamos ter como intercessor no céu aquele a quem veneramos na terra como nosso Protetor. Vós que viveis e reinais com Deus Padre na unidade do Espírito Santo. Amém.




Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!



LEIA TAMBÉM
MÊS DE SÃO JOSÉ: Orações para o 16 dia
MÊS DE SÃO JOSÉ: Orações para o 15 dia
MÊS DE SÃO JOSÉ: Orações para o 14 dia
MÊS DE SÃO JOSÉ: Orações para o 13 dia
MÊS DE SÃO JOSÉ: Orações para o 12 dia
MÊS DE SÃO JOSÉ: Orações para o 11 dia
História de Santa Gianna Baretta Molla
Orações para quem deseja engravidar, para durante a gravidez e parto
MÊS DE SÃO JOSÉ: Orações para o 10 dia
Veja mais artigos relacionados
 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.620.604
Visitas Únicas Hoje: 843
Usuários Online: 256