Espacojames


Página Inicial
Listar Livro Aberto




Artigo N.º 9101 - Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 38
Artigo visto 2313




Visto: 2313
Postado em: 06/11/11 às 15:33:29 por: James
Categoria: Livro Aberto
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=180&id=9101
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Livro Aberto

Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo à sua esposa escolhida e muito amada, Santa Brígida; sobre a proclamação de sua santíssima encarnação; a rejeição, profanação e abandono de nossa fé e batismo; e como Ele convida sua amada esposa e todo o povo cristão a amá-Lo.

Baixe o livro completo em nosso site no artigo N.º 4917

http://www.espacojames.com.br/?cat=99&id=4917

--

Livro 3 - Capítulo 3

A mãe de Deus estava falando: "Gostaria de explicar ao bispo que ele deve fazer por Deus e o que dará glória a Deus. Cada bispo deve guardar sua mitra cuidadosamente em seus braços. Ele não deve vendê-la por dinheiro nem cedê-la a outros por amor a amizades mundanas nem perdê-lo através de negligência e falta de ardor. A mitra do Bispo significa nada mais do que a hierarquia episcopal e o poder de ordenar sacerdotes, para preparar a crisma, para corrigir quem se desvie do caminho e encorajar os negligentes por seu exemplo. Segurar sua mitra cuidadosamente nos seus braços significa que ele deveria refletir cuidadosamente sobre como e por quê ele recebeu seu poder episcopal, como ele o exerce e quais são os seus efeitos e suas finalidades.

Se o bispo examinasse como ele recebeu o seu poder, ele primeiro deverá verificar se ele desejou o episcopado para seu próprio interesse ou de Deus. Se fosse seu próprio interesse, então seu desejo era sem dúvida carnal; se foi por amor a Deus, ou seja, para dar glória a Deus, então seu desejo foi meritório e espiritual.

Se o bispo considerasse para qual finalidade recebeu o episcopado, então certamente era para que ele pudesse se tornar um pai para os pobres e um consolador e intercessor pelas almas, porque os bens do Bispo destinam-se ao bem das almas. Se seus meios são consumidos ineficazmente e desperdiçados de forma pródiga, então essas almas vão clamar por vingança sobre o servo injusto. Eu lhe direi a recompensa que virá por ter exercido o ministério de bispo. Será uma recompensa dupla, como diz Paulo, tanto corporal quanto espiritual.

Será corporal, porque ele é o vigário de Deus na terra e, portanto, é concedido a ele a honra divina por homens como um meio de honrar a Deus. No céu, será corporal e espiritual devido à glorificação do corpo e da alma, porque o servo estará lá com seu Senhor, devido tanto à forma como viveu como um bispo na terra quanto ao seu humilde exemplo pelo qual ele instigou os outros à glória de Deus juntamente consigo próprio. Todo aquele que tem a classificação e as vestes de um bispo, mas abandona o modo de vida episcopal, merecerá uma dupla desgraça.

Que poder do Bispo não deva ser vendido significa que o bispo não deve conscientemente cometer simonia ou exercer seu ministério pelo amor ao dinheiro ou aos favores humanos, ou para promover homens que sabe ser de mau caráter porque pessoas pediram-lhe para fazê-lo. Que a mitra não deva ser cedida a outros por causa de amizade humana significa que o bispo não deve dissimular os pecados dos negligentes ou deixar que aqueles quem ele pode e deve corrigir fiquem impunes, ou passar por cima dos pecados de seus amigos ignorando-os em silêncio devido à amizade mundana, ou tomar os pecados dos seus subordinados sobre as suas próprias costas, pois o bispo é sentinela de Deus.

Que o bispo não deve perder sua mitra por negligência, significa que o bispo não deve delegar a outros o que ele próprio deve e pode fazer mais proveitosamente, que ele não deverá, por amor a sua própria comodidade física, transferir para outros o que ele próprio é mais perfeitamente capaz de realizar, pois o dever do bispo não é descansar, mas trabalhar. Nem o bispo deve ignorar a vida e a conduta de quem ele delega as suas tarefas. Ao contrário disso, ele deve saber e analisar como cumprem a justiça e se eles se conduzem com prudência e sem cupidez em suas atribuições. Quero que saiba, também, que o Bispo, no seu papel como pastor, deve carregar um ramalhete de flores em seus braços para atrair ovelhas, tanto as próximas quanto as distantes, para correrem com prazer atrás de seu aroma.

Este buquê de flores significa as piedosas pregações do bispo. Os dois braços dos quais o buquê de pregação divina pendem são dois tipos de obras necessárias para um bispo, nomeadamente obras boas públicas e obras boas ocultas. Assim, as ovelhas próximas de sua diocese, vendo a caridade do bispo em suas obras e ouvindo-a nas suas palavras, darão glória a Deus através do bispo. Da mesma forma, as ovelhas distantes, ouvindo a reputação do bispo, vão querer segui-lo. Este é o mais doce ramalhete: não deve ter vergonha da verdade e da humildade de Deus, pregar a boa doutrina e praticá-la como se prega, ser humilde quando elogiado e devoto na humilhação de si próprio. Quando o bispo tiver viajado até o final deste caminho e atingir o portão, ele deve ter um presente em suas mãos para apresentar ao Rei das Alturas. Assim, pode ele ter em suas mãos um precioso vaso, um vaso vazio, para oferecer ao Rei das Alturas.

O vaso vazio a ser oferecido é o seu próprio coração. Ele deve lutar a noite e dia para que possa ser esvaziado de todos as vontades e o desejo de elogios efêmeros. Quando tal bispo é levado do Reino da glória, Jesus Cristo, verdadeiro Deus e Homem, virá para encontrá-lo juntamente com toda a legião de Santos. Então ele ouvirá os anjos dizendo: "nosso Deus, nossa alegria e todo o bem! Este bispo era puro no corpo, firme na sua conduta. É benéfico que devamos apresentá-lo a Ti, pois ele ansiava por nossa companhia todos os dias. Satisfaze seu desejo e aumente a nossa alegria pela sua vinda! " Em seguida, também, outros Santos vão dizer: “ Ó Deus, nossa alegria é tanto de Ti como em Ti, e precisamos de mais nada.

No entanto, nossa alegria é elevada pela alegria da alma deste bispo que ansiava por Ti, enquanto ele estava ainda conseguia ansiar por Ti. As doces flores de seus lábios aumentaram nossos números. As flores de suas obras consolavam aqueles que viviam longe e perto. Portanto, deixa-o alegrar-se conosco, e rejubila-Te por ele, por quem ansiavas-te tanto quando morreste por ele. " Finalmente, o Rei da glória dirá a ele: “ amigo, vieste apresentar-me teu coração esvaziado de sua vontade egoística. Portanto, irei preencher-te com a minha alegria e glória. Minha felicidade tua e tua glória em mim nunca cessará.”

Palavras da mãe, para sua filha sobre a cobiça dos bispos maus; ela explica em uma parábola longa que muitas pessoas através de suas boas intenções atingem a classificação espiritual que bispos incontinentes rejeitam apesar de terem sido chamados a ele num sentido físico.

Livro 3 - Capítulo 4

A mãe de Deus fala à noiva do Filho, dizendo: "você está chorando porque Deus ama tanto as pessoas, mas as pessoas amam a Deus tão pouco. É por isso. Onde, na verdade, está esse governante ou bispo que não cobiça seu ministério para obter honras mundanas e riqueza, mas, ao contrário, deseja-o para ajudar os pobres com suas próprias mãos? Já que reis e bispos não querem vir para o festim de casamento preparada para todos nos céus, os pobres e os fracos virão em seus lugares, como eu lhe mostrarei por meio de um exemplo.

Em uma determinada cidade vivia um sábio, bonito, e rico bispo, que foi elogiado pela sua sabedoria e bela aparência, mas não, como deveria, render graças a Deus que lhe tinha dado essa própria sabedoria. Ele foi elogiado e homenageado para sua riqueza, também, e ele entregou numerosos presentes visando a favores mundanos. Ele ansiava por mais bens ainda para ser capaz de dar mais presentes e ganhar maior homenagens. Este bispo tinha um sacerdote culto na sua diocese que pensava consigo próprio do seguinte modo: “ este bispo”, disse ele," ama a Deus menos que ele deveria. Sua vida toda tende em direção ao mundano.

Portanto, se é agradável a Deus, gostaria de ter seu episcopado para dar glória a Deus. Eu não o desejo por razões mundanas, vendo que essa honra mundana é nada mais do que ar vazio, nem por razões de riqueza, que é tão pesada quanto o mais pesado dos fardos, nem por razões de descanso e conforto físicos , pois só preciso de um montante razoável de descanso para manter meu corpo apto para o serviço de Deus. Não, eu o desejo pelo amor de Deus sozinho. E, embora seja indigno de qualquer honra, ainda, para ganhar mais almas para Deus e beneficiar as pessoas mais pela minha palavra e por meu exemplo e para apoiar a mais pessoas através das receitas da Igreja, gostaria de bom grado de assumir a trabalhosa tarefa de ser bispo.

Deus sabe que eu preferiria morrer uma morte dolorosa ou suportar dificuldades amargas do que estar na hierarquia de bispo. Estou tão suscetível a sofrer como meu próximo, mas, ainda assim, quem aspira ao ministério de bispo deseja uma tarefa nobre. Por esta razão, eu prontamente desejo o honroso título de bispo juntamente com as obrigações pesadas de um bispo, embora faço da mesma forma com que desejo a morte. Eu desejo a honra como forma de salvar mais almas. Eu desejo esse encargo para minha própria salvação e para mostrar o meu amor por Deus e as almas. Desejo esse ministério unicamente para poder distribuir os bens da Igreja para os pobres mais generosamente, para instruir as almas mais clara e abertamente , para instruir aqueles no erro com mais coragem, para mortificar minha carne mais completamente, exercer auto-controle mais assiduamente como exemplo a outros. "

Este cônego, com prudência, reprovou seu bispo em privado. No entanto, o bispo levou-o a mal e envergonhou o sacerdote em público, imprudentemente gabando-se de sua própria competência e a moderação em tudo. O cônego, no entanto, entristecido com as impropriedades do bispo, suportou os insultos com paciência. Mas o bispo ridicularizou a caridade e a paciência do cônego e falou contra ele, tanto que ao cônego foi dada a culpa e foi considerado um tolo mentiroso, enquanto o bispo foi visto como sendo justo e perspicaz.

Depois, com o passar do tempo, o bispo e o cônego faleceram e foram chamados ao julgamento de Deus. À sua vista e na presença dos anjos, um trono dourado apareceu com a mitra e as insígnias de um bispo perto do trono. Um grande número de demônios estavam seguindo o cônego, desejosos de encontrar alguma falha fatal nele. Quanto ao bispo, sentiram certeza de tê-lo como uma baleia que mantém seu filhote no seu ventre no meio as ondas. Houve muitas acusações arrasadoras contra o bispo; por que razão e com que intenção ele assumiu o ministério de bispo, por que ele cresceu em orgulho sobre os bens intencionados para as almas, da forma que ele dirigiu as almas confiadas a ele, de que forma ele havia respondido à graça que Deus lhe dera.

Quando o bispo não pôde dar nenhuma resposta justa para as acusações, o juiz respondeu: “ponha excrementos sobre a cabeça do bispo, em vez de uma mitra e piche em suas mãos em vez de luvas, lama sobre seus pés em vez de sandálias. Ao invés de camisa de bispo e vestuário de linho, coloque os trapos de uma prostituta sobre ele. Deixe-o ter vergonha em vez de honra. Em vez de um comboio de servos, deixe-o ter uma ralé enfurecida de demônios.” Em seguida, o juiz acrescentou: “coloque uma coroa tão radiante como o sol na cabeça do cônego, luvas douradas em suas mãos, calçados em seus pés. Deixe-o vestir as roupas de um bispo com toda honra.”

Vestido de seu traje episcopal, rodeado de uma hoste celestial, ele foi apresentado ao juiz como um bispo honrado. O bispo, no entanto, saiu como um ladrão com uma corda ao redor de seu pescoço. À vista dele, o juiz desviou seus olhos misericordiosos como fizeram todos os seus Santos com ele.

É a forma em que muitas pessoas através de suas boas intenções e em um sentido espiritual atingem a classificação de honra desprezada por aqueles que foram chamados a ele num sentido físico. Tudo isto realizou-se instantaneamente diante de Deus, embora, por amor a ti, foram encenados em palavras, porque mil anos são como uma única hora diante de Deus. Acontece todos os dias que, na medida em que bispos e governantes não querem ter o ministério a que eles foram chamados, Deus escolhe para si próprio pobres sacerdotes e servidores de paróquia que, vivendo de acordo com sua própria e melhor consciência, gostariam de ser benéficos para almas para a glória de Deus se eles pudessem, e fazem o que podem. Por esse motivo, eles tomarão os locais preparados para os bispos.

Deus é como um homem que pendura uma coroa dourada do lado de fora da porta da sua casa e grita ao que passa: "qualquer pessoa de qualquer posição social permanente pode ganhar esta coroa! Quem for mais nobremente vestido em virtude irá obtê-la”. Sei que se bispos e governantes são sábios em sabedoria mundana, Deus é mais sábio do eles num sentido espiritual, porque ele eleva os humildes e não dá a sua aprovação para o orgulhoso. Também sabe tu que este cônego que foi elogiado não teve de enfeitar o seu cavalo quando ele foi para pregar ou realizar as suas funções, nem ele teve que acender o fogo quando ele estava prestes a comer.

Não, ele teve os servidores e os meios que ele necessários para viver em uma forma razoável. Ele tinha dinheiro, também, embora não para uso próprio ganancioso, nem mesmo se ele tivesse toda a riqueza do mundo poderia ele ter dado um único tostão para se tornar bispo. Mas nem por todo o mundo ele se recusaria a se tornar bispo se fosse vontade de Deus. Ele deu sua vontade a Deus, pronta a ser honrado para a honra de Deus e pronto para ser rebaixado por puro amor e temor de Deus."

Palavras de Ambrósio, para a noiva sobre a oração de pessoas boas pelo o povo; governantes do mundo e a Igreja são comparados com timoneiros, enquanto orgulho e o resto dos vícios são comparados com tempestades, e a passagem para a verdade é comparada a um porto seguro; também, sobre a chamada espiritual da noiva.

Continua...


Fonte: Extraído do Livro As Profecias e Revelações de Santa Brígida



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!



LEIA TAMBÉM
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 37
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 36
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 35
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 34
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 33
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 32
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 31
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 30
Do Livro: Não Existe Vida Lá Fora - Parte 5 de 5 - Final
Veja mais artigos relacionados
 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.588.489
Visitas Únicas Hoje: 559
Usuários Online: 203