Espacojames



Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 15566 - Deus, a religião e a Igreja Católica
Artigo visto 630




Visto: 630
Postado em: 20/11/19 às 22:51:28 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=15566
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque


No que toca a Deus, três grandes correntes buscam apresentá-Lo de formas diversas

Há, em nossos dias como também já houve em outros momentos da história, duas ideias divergentes: “Só Deus basta, a religião não importa” ou, em contrário, “Ter uma religião basta, não importa como Deus é por ela entendido”. Este artigo pretende, de modo breve, mas esclarecedor, abordar a temática em foco.
No que toca a Deus, três grandes correntes buscam apresentá-Lo de formas diversas: o politeísmo, o panteísmo e o monoteísmo. As duas primeiras escolas são, de início, descartáveis, e a terceira aceita tanto pela razão quanto pela fé esclarecida.

Sim, o politeísmo, como o próprio nome diz, supõe vários deuses. É uma forma antiga e arcaica de religião ligada à mitologia, pois a própria razão sem a fé nos ensina ser impossível a existência de dois deuses todo-poderosos, ambos se anulariam e nenhum dos dois seria Deus. O panteísmo ensina que tudo (pan) é Deus (Theos), ou seja, as criaturas racionais e irracionais são partes do Criador. Também essa forma de conceber a Deus não resiste à sã razão. O Senhor é, por definição filosófica, perfeito, absoluto e eterno, ao passo que as criaturas são imperfeitas, temporais (têm começo e fim) e relativas.

Resta, pois, o monoteísmo: há um só Deus distinto de suas criaturas, conforme atestam as descobertas feitas entre povos primitivos e a revelação divina ao patriarca Abraão, no século 19 a. C. Ora, são três as religiões monoteístas da humanidade: o Judaísmo, que ainda vive a expectativa do Messias, que já veio. Daí o Cristianismo. E, por fim, o Islamismo que junta elementos judaicos e cristãos com artigos de fé de antigas religiões árabes. Desse modo, nos toca, por coerência, escolher o Cristianismo. Ele tem, no entanto, vários segmentos (católico romano, católicos ortodoxos, protestantes…), mas a Igreja que, de modo ininterrupto, vem de Cristo até nós é a Católica Apostólica Romana: o Senhor Jesus fundou-a e confiou-a a Pedro – o primeiro Papa – e aos seus sucessores, chamando-a de “minha Igreja” (cf. Mt 28,20).

Dito isso, resta-nos examinar o termo religião. Ele se prende ao verbo latino religo, religare e trata da ligação do ser humano com Deus, por meio de três principais elementos: um Credo, um Culto sagrado e um Código de Ética.

O Credo reúne as verdades da nossa fé, de modo a nos oferecer uma visão global de Deus, do mundo e do ser humano. O que cremos não é mero fruto de estudos pessoais ou acadêmicos, mas, sim, da Revelação divina. Creio porque Deus revelou e provou – com a coerência da mensagem, o cumprimento das profecias e a realização de milagres ser verdade (e não ilusão sem credenciais ou crendice) – o que professamos.

O Culto sagrado leva o homem e a mulher a se exprimirem, de modo filialmente dependente, diante de Deus por meio da oração pessoal ou comunitária. Ela, embora brote sempre do mais íntimo do ser humano, exprime-se também no físico (ajoelhar, erguer os braços, inclinar a cabeça etc.) e no social (em local apropriado, geralmente em um templo, com trajes típicos etc.).

A Ética que inspira o comportamento humano à luz do Evangelho, por isso existe uma disciplina chamada Teologia Moral. São os costumes humanos vistos à luz de Cristo Jesus em Seu Evangelho. Além da Tradição Oral, transmitida ao longo dos séculos e da Tradição Escrita (a Bíblia), interpretadas pelo Magistério da Igreja, temos também a Lei natural moral (presente como a marca do Criador na criatura em toda consciência sadia). A Igreja é guardiã dessa Lei que muito ajuda a guiar o comportamento humano em geral.

Opõe-se à sua fé ou dá forte contra testemunho aquele que se diz católico, porém contesta a Igreja com ideias mais ou menos assim: sou católico, mas… defendo o aborto; sou católico, mas… penso que a Igreja não deve falar em ética na política; sou católico, mas… não vou à Missa; sou católico, mas… não me confesso; sou católico, mas… Dito isso, resta-nos questionar: como alguém pode se dizer católico e opor tantas objeções à Igreja?

O fiel sente com a Igreja, em todas as áreas de sua vida e não em oposição a Ela, por isso não é fácil ser verdadeiro católico nos nossos tempos relativistas nos quais se deseja que a verdade adapte-se ao homem, não o contrário.


Fonte: www.aleteia.org



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!

Lenço Branco de N. Senhora
Saiba o que é, como fazer e as orações necessárias.
Óleo de São Rafael e Santa Filomena
Saiba mais sobre este santo remédio em tempos difícies
As 15 Orações de Santa Brígida
As promessas de Jesus para a alma que rezar estas orações.
Jesus eu Confio em vós
Nada negarei a alma que às 3 hs da tarde recitar minhas orações
Devoção às Gotas de Sangue de Cristo
Será livrado das penas do Purgatório.
Para os irmãos protestantes
Foi no colo de uma mulher que Deus colocou toda esperança do mundo



Total Visitas Únicas: 8.689.650
Visitas Únicas Hoje: 1.366
Usuários Online: 315