Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 15978 - Vaticano rejeita mais uma vez aparições da Senhora de Todos os Povos
Artigo visto 225




Visto: 225
Postado em: 22/09/20 às 20:39:42 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=15978
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Os católicos são alertados a não dar atenção às alegadas revelações da Virgem a Ida Peerdeman, que teriam ocorrido em Amsterdã no século 20

Existem centenas de pessoas ao redor do mundo que atualmente afirmam receber revelações privadas de Deus, Jesus Cristo, Virgem Maria, algum anjo ou algum santo. Mensagens privadas que se propagam rapidamente graças às novas tecnologias, transformando-se em supostas revelações sobrenaturais com diferentes graus de abrangência, seja local ou global. Geralmente com conteúdo catastrófico e punitivo.
A hierarquia da Igreja costuma calar-se diante dessas “novas revelações”, e a razão desse silêncio se move entre a prudência e a espera: para ver como se desenvolvem, o discurso difundido, a vida dos videntes, os frutos espirituais e pastorais. Muitos são eventos que acabam se extinguindo por si mesmos.

No entanto, existem critérios claros de discernimento e decisão oficial: um documento da Santa Sé de 1978 e uma carta do ano 2000 do então cardeal Joseph Ratzinger são bons exemplos disso.

A novidade: uma carta recente que causou impacto

Recentemente, foi divulgada uma carta que esclarece o que se relaciona com a devoção à Virgem Maria “Senhora de Todos os Povos”, muito difundida em alguns lugares ainda hoje, e da qual falaremos a seguir. Não é um documento oficial da Santa Sé – como logo afirmaram os defensores dessas supostas revelações marianas -, mas uma carta enviada pelo núncio papal no Líbano ao cardeal Béchara Boutros Raï, patriarca Maronita de Antioquia (um dos ritos católicos orientais).

A carta, datada de 20 de julho, é a resposta a um pedido de informação sobre o assunto, e o representante do Papa no Líbano, dom Joseph Spiteri, limita-se a transmitir a posição firme da Congregação para o Doutrina da Fé, dicastério do Vaticano encarregado de assuntos doutrinais, que “especificou que a Notificação publicada em 25 de maio de 1974, disponível em seu site, ainda é válida”.

Dessa forma, duas coisas ficam claras. A primeira: por mais que as alegadas revelações de Amsterdã continuem a se espalhar em certos círculos católicos, a posição da Santa Sé ressoa há décadas. A segunda: por mais que os defensores de certas aparições discorram sobre supostas aprovações eclesiásticas posteriores a documentos que as rejeitam, o silêncio posterior da hierarquia não pode ser interpretado como uma mudança de posição. Se houvesse tal mudança, um novo documento seria publicado. Se não houver, tudo permanece o mesmo. Foi o que aconteceu, por exemplo, com o caso da falsa vidente Vassula Ryden, objeto de duas notificações da Doutrina da Fé.

Aparições de Amsterdam: não consta sobrenaturalidade

O que o Vaticano disse em 1974? Como afirma o núncio Spiteri, transmitindo a posição oficial da Congregação para a Doutrina da Fé, o discernimento permanece o mesmo.

É o seguinte: em 1956 o bispo diocesano de Haarlem, depois de estudar cuidadosamente o caso, chegou à conclusão de que “não constava a sobrenaturalidade das aparições” e, portanto, “proibiu a veneração pública da imagem da Senhora de Todos os Povos, bem como a divulgação de escritos que apresentavam as referidas aparições e revelações como de origem sobrenatural”. Uma decisão que ele confirmou em 1957, recebendo na época o aval do Vaticano. Endosso que foi repetido em 1972 pela Congregação para a Doutrina da Fé.

Mas, para o caso de haver dúvidas, em 1974, tendo se aprofundado no assunto em sucessivos estudos, o dicastério encarregado da integridade da fé católica publicou o comunicado final, afirmando que “a sentença expressa pela autoridade eclesiástica competente é fundada”, referindo-se a às decisões tomadas pelo bispo holandês. E, consequentemente, chamou “padres e leigos a cessarem todo tipo de propaganda em torno das supostas aparições e revelações da ‘Senhora de Todos os Povos’.”

Além disso, a Congregação para a Doutrina da Fé indicou o culto mariano tal como é vivido, em toda a espiritualidade cristã, pelos fiéis, “exortando todos a exprimirem sua devoção à Santíssima Virgem, Rainha do Universo, no formas reconhecidas e recomendadas pela Igreja ”, referindo-se especificamente ao que foi indicado pelo Papa Pio XII na carta encíclica Ad Caeli Reginam (1954).

Que “aparições” foram essas?

Uma holandesa chamada Isje Johanna Peerdeman (1905-1996) afirmou ter testemunhado até 56 aparições da Virgem Maria, que se teria apresentado a ela com um novo título: “Senhora de Todos os Povos”. As referidas experiências sobrenaturais teriam ocorrido entre 1945 e 1959, embora a suposta vidente dissesse que tudo começou em 13 de outubro de 1917 (precisamente o dia da última aparição de Fátima), com a breve visita de “uma mulher luminosa”.

As mensagens supostamente comunicadas pela Virgem a Peerdeman estão repletas de “profecias” (na verdade, previsões) sobre eventos históricos, sociais e políticos, com um apelo claramente catastrófico, bem adequado às décadas convulsivas do século XX. A Mãe de Deus teria pedido também que fosse recitada uma oração específica – “não sabeis quão grande e importante é esta oração diante de Deus” – e que o dogma do seu papel de corredentora fosse proclamado na história da salvação.

Como devemos nos posicionar?

Uma simples busca na internet nos oferece muitas páginas que defendem a veracidade das aparições de Amsterdã, chegando a afirmar que, apesar de seu ceticismo inicial, a Igreja Católica acabou reconhecendo o caráter sobrenatural das revelações recebidas por Peerdeman.

Fazem alusão ao funeral da suposta vidente, presidido pelo então bispo de Haarlem, e à aprovação eclesiástica da devoção em 2002 por outro sucessor na mesma sé episcopal. No entanto, como vimos em detalhes, a Santa Sé falou com clareza, para além das decisões contraditórias dos prelados holandeses.

É cada vez mais comum que os defensores das revelações privadas – alguns chegando ao sectarismo e ao fanatismo, atitudes que nada dizem a favor da sobrenaturalidade dos casos, mas contra – transmitam afirmações ambíguas, meias-verdades e até mentiras diretas em um peculiar e perverso “apostolado” para o qual os fins sempre justificam os meios. É por isso que você deve estar alerta e saber o que a Igreja disse.

E como na maioria dos casos não houve pronunciamentos oficiais da hierarquia, devemos recorrer aos princípios gerais do ensinamento católico sobre a revelação de Deus, aberta a todos os povos e a todas as pessoas, cuja manifestação plena e definitiva é a pessoa de Jesus Cristo. É importante conhecer as palavras da Virgem Maria? Sim claro. E estas palavras são claras no Evangelho: “fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2, 5).


Fonte: www.aleteia.org



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

LEIA TAMBÉM
Apesar da pandemia, a maior estátua de Maria do mundo está quase pronta
O sofrimento de Jesus na Cruz e a nossa dor
Freira inglesa que serviu os pobres se aproxima da canonização
3 dicas para fazer o sinal da cruz
Como permitir que os anjos se envolvam mais em sua vida
Pe. Zezinho comenta sobre padres que optaram por ser marido e pai
O padre nascido de estupro que absolveu o próprio pai: “Sou padre para perdoar”
São Domingos de Gusmão e os demônios que expulsou com o Rosário da Virgem
China oferece recompensas por informações sobre igrejas clandestinas
Veja mais artigos relacionados
 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.264.157
Visitas Únicas Hoje: 537
Usuários Online: 231