Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 16158 - Reencarnação e fé católica
Artigo visto 148




Visto: 148
Postado em: 21/02/21 às 20:35:29 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=16158
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Alguns defensores da reencarnação usam também o chamado “relato de vidas passadas” feitos em regressão hipnótica

A reencarnação – que prega a volta da alma espiritual de um falecido à carne de um recém-nascido – contraria o bom-senso, a Parapsicologia e a Sagrada Escritura.

Do ponto de vista do bom-senso, Enéias de Gaza († 518) raciocina:Quando castigo meu filho ou meu servo, antes de lhe infligir a punição, repito-lhe várias vezes o motivo pelo qual o castigo, e recomendo-lhe que não o esqueça para que não recaia na mesma falta. […] Para que serviria o castigo se não fosse acompanhado da recordação da culpa? Só contribuiria para irritar o réu e levá-lo à demência. Uma tal vítima não teria o direito de acusar o seu juiz por ser punida sem ter consciência de haver cometido alguma falta?” (Diálogo sobre a imortalidade da alma e a ressurreição. Migne grego. t. LXXXV 871). Ora, quem, em sã consciência, se lembra das supostas faltas de pretensas vidas passadas que estaria pagando – sem saber – hoje? Como pode alguém se colocar a corrigir algo se nem sabe onde, quando, como e o porquê errou? Absurdo!

“Relato de vidas passadas”

Alguns defensores da reencarnação usam também o chamado “relato de vidas passadas” feitos em regressão hipnótica. Aí, a pessoa é sugestionada pelo hipnotizador a voltar a supostas vidas anteriores. Que dizer de tais relatos? – Devemos dizer, à luz da Parapsicologia, que como ninguém pode dar o que não tem, o hipnotizado só relatará o que possui arquivado no seu inconsciente. Este é – diga-se de passagem – um gravador genial de tudo o que viu, ouviu e sentiu (cf. Oscar González-Quevedo, SJ. A face oculta da mente. 27ª ed. São Paulo: Loyola, 1979, p. 98-112). Muito famoso é o caso da norte-americana Virgínia Tighe, que foi, em 1952, hipnotizada por Morey Bernstein, no Colorado.

Nas sessões hipnóticas, Bernstein sugestionava Virgínia a recordar-se de outras vidas. Para a surpresa de alguns, a mulher disse ter vivido na Irlanda, no século XIX, com o nome de Bridey Murphy. Depois do sucesso do fato, Wally White, pastor protestante que conheceu Virgínia desde criança, explicou o que realmente houve: a jovem namorou o filho de uma irlandesa – a Sra. Bridie (não Bridey) Murphy Corkell – e, nesse tempo, muito aprendeu sobre a Irlanda. Vista, portanto, pressionada, no transe hipnótico, relatou fatos da vida de sua ex sogra como se fossem de outras vidas suas (cf. Dom Estevão Bettencourt, OSB. Reencarnação: prós e contras. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 2014, p. 11-19). No entanto, nada vinha de “vidas passadas”. Tudo era do próprio inconsciente!

Doutrina anticristã

Os patronos da reencarnação citam também três passagens do Evangelho como se confirmassem sua doutrina anticristã. 1) Mt 17,10-13 daria a entender que João Batista era a reencarnação do profeta Elias. Isso é falso! Sim, os judeus nunca acreditaram nisso. Imaginavam, sim, que o profeta Elias não morreu (cf. 2Rs 2,11); por isso, voltaria – ele mesmo, não a sua reencarnação – para ungir o Messias. Todavia, Nosso Senhor deixa claro que Elias não voltou, mas João Batista lhe fez as vezes. Isso por ter as mesmas qualidades morais do antigo profeta, não por ser sua reencarnação (cf. Lc 1,17). Mais: o próprio João afirmou não ser Elias (cf. Jo 1,21). Ainda: na transfiguração do Senhor, no Tabor – quando João Batista já havia sido morto por Herodes –, aparecem Moisés e Elias junto a Jesus.

Ora, caso Elias tivesse se reencarnado em João, ele apareceria, de acordo com a própria doutrina reencarnacionista, em sua forma nova (a de João), não na antiga (a de Elias). 2) Jo 3,3 tem sido usado pelos defensores da reencarnação, pois Nosso Senhor aí fala em “nascer de novo”. Todavia, isso nada tem a ver com a reencarnação, de acordo com a explicação mesma de Jesus. Significa o nascer da água e do Espírito Santo pelo Batismo (cf. Jo 3,5-6). 3) à luz de Jo 9,1-2, os defensores do reencarnacionismo pensam comprovar que o cego de nascença era reencarnação de algum pecador.

Na realidade, o contexto é outro: os judeus imaginavam, segundo a mentalidade do clã, que os filhos (no caso, o cego) eram punidos pelos erros dos pais (cf. Ex 20,5). Cristo, porém, deixa claro que a cegueira daquele homem – como tudo no mundo – estava inserida nos sábios planos de Deus para revelar a Sua maior glória (cf. Bettencourt, op. cit., p. 48-51; Geraldo E. Dallegrave. Reencarnação. São Paulo: Loyola, 1993, p. 45-60).

O cristão professa a ressurreição (cf. 1Cor 15,3-8) e rejeita a reencarnação. Afinal, é de fé que o ser humano morre uma vez só e, em seguida, é julgado (cf. Hb 9,27).


Fonte: www.aleteia.org



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!



LEIA TAMBÉM
A confusão entre ecumenismo e sincretismo
5 santos que não se davam muito bem com seus familiares
O limbo das crianças mortas sem Batismo
Grande clínica de abortos tardios é fechada no Reino Unido
Como aproveitar a quaresma com a ajuda dos mestres espirituais
Padre Zezinho: O fim do cristianismo segundo os profetas do paganismo
O diabo no governo mundial? O profético livro recomendado pelos papas Francisco e Bento XVI
Imagem de São José fica intacta após incêndio criminoso em carro de padre
Sabe o que o diabo mais odeia em nós?
Veja mais artigos relacionados
 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.625.958
Visitas Únicas Hoje: 1.356
Usuários Online: 295